O que é Inbound Marketing e esse tal de Marketing de Conteúdo?

Mais importante que estar presente na Internet e saber usá-la corretamente a favor do seu negócio. É por isso que você precisa entender, de uma vez por todas, o que é Inbound Marketing, para assim se destacar em relação aos concorrentes e atrair o consumidor.

Aprender a tirar proveito de todas as vantagens do Marketing Digital, hoje, é mais que opção. Faz parte do seu kit de sobrevivência. Modernas e apropriadas estratégias para atrair os clientes refletem positivamente nos resultados da empresa.

Nesse cenário, o Inbound Marketing sobressai como estratégia fundamental. E dentro dele está o Marketing de Conteúdo, que é uma peça-chave para fazer essa engrenagem funcionar perfeitamente.

Mas o Marketing de Conteúdo não está sozinho. O marketing inbound inclui outras estratégias e táticas, como SEO, PPC, blogs e marketing de mídia social.

Mas o que é Inbound Marketing?

O que é inbound marketing

O Inbound Marketing inclui qualquer estratégia de Marketing Digital que visa chamar a atenção das pessoas, sem imposições e agressividade.

O modelo tradicional de forçar a persuasão do cliente é coisa do passado. Não é mais uma boa ideia obrigá-lo a ver um comercial ou anúncio seu, no momento em que ele não quer.

Em Inbound Marketing (Marketing de Atração ou Marketing de Entrada), sutileza é palavra de ordem no contato com o consumidor.

Por meio da criação e compartilhamento de conteúdo relevante para o seu público, a estratégia de Inbound Marketing faz com o que as pessoas venham até você (e não o contrário) e lhe dêem autorização para o envio de mensagens.

Você deve estar se perguntando: como essas pessoas me encontram? Simples. Por meio das mídias sociais, blogs ou mecanismos de buscas.

Ao criar conteúdos que vão ao encontro das necessidades do consumidor, as ações de Inbound Marketing facilitam a construção de uma relação de confiança duradoura entre sua empresa e o público. Esse relacionamento pode resultar em vendas.

Os 4 pilares do Inbound Marketing

Para entender mais o que é Inbound Marketing você deve conhecer as bases que sustentam essa estratégia. São elas:

Atração

O que é inbound marketing

O ímã para atrair a atenção das pessoas é o conteúdo relevante, na hora que elas precisam. O blog pode ser um caminho. Essa ferramenta tem gerado ótimos resultados.

Você deve dispensar energia também para aumentar a sua presença nas ferramentas de pesquisa. Quando as pessoas querem saber algo, tirar dúvidas etc., é pra lá que elas vão. Reforce sua atenção no Google.

Pesquisas de 2017 apontaram que apenas 29% das pessoas procuram um vendedor para saber mais sobre um produto e 62% pesquisam informações nos sites de busca.

E não se esqueça das mídias sociais, quando estiver desenhando suas estratégias inbound. Elas são canais ricos de compartilhamento de informações e interação com o seu público.

Conversão

O que é inbound marketing

O objetivo aqui é transformar os visitantes em leads para que, no futuro, sejam consumidores.

Para isso, você precisa iniciar um relacionamento, para responder dúvidas e oferecer conteúdo importante. Isso deve ser feito de acordo com cada público, utilizando-se, por exemplo, as mensagens, reuniões, formulários etc.

Lembre-se de organizar a sua lista de contatos para facilitar novas interações de forma a gerar resultados. O ideal é centralizar o seu banco de dados.

Venda

O que é inbound marketing

Depois que você conseguiu despertar o interesse do lead pelo seu produto ou serviço, é hora de concretizar a venda. E se você chegou até aqui é porque fez o dever de casa direitinho.

Mas cuidado para não nadar e morrer na praia. Se necessário, recorra a ferramentas de vendas que ajudam você a fechar os leads certos na hora certa, de maneira fácil. Por exemplo, gerenciamento de Pipeline, condução de nutrição, email, pontuação de leads…

Satisfação do Cliente

O que é inbound marketing

Se você quer um relacionamento duradouro, ofereça um pacote completo ao seu consumidor: conteúdo relevante, atendimento nota mil e suporte pós-venda.

Lembre-se que cliente feliz compra mais, permanece mais tempo com você e ainda indica o seu produto ou serviço para os amigos. Por outro lado, cliente insatisfeito, pode ser uma grande dor de cabeça.

Os principais ganhos

Se você já entendeu o que que Inbound Marketing, sabe então que sua empresa tem muito a ganhar, trilhando o caminho do Marketing Digital.

Se fizer a coisa certa, você irá comemorar os resultados. Veja alguns deles:

  • Redução de custos em geral – todo o processo é mais barato que o tradicional;
  • Contato com o público certo para o seu negócio: as empresas que investem no Marketing de Conteúdo mais do que dobram o número de visitantes e o que é melhor, atraem um tráfico de pessoas com potencial de compra futura;
  • Aproximação com clientes: recebendo conteúdo de valor, o cliente se abre para as mensagens da sua empresa;
  • Maior poder de convencimento, porque o relacionamento é construído e não imposto;
  • Fechamento das vendas mais rapidamente, o que reflete inclusive nos custos. As estratégias do inbound conduzem os leads à decisão para compra mais cedo;
  • Acompanhamento dos resultados em tempo real com precisão e rapidez.

Conteúdo relevante

O que é inbound marketing

Você entendeu o que é Inbound Marketing. Agora vamos voltar ao Marketing de Conteúdo, que é essencial nos mecanismos de busca e nas mídias sociais.

Entenda por conteúdo tudo o que se vê ou ouve na Internet. Inclui e-books, slides, infográficos, vídeos, fotos, textos em blogs e mídias sociais etc.

As estratégias para atrair clientes por meio de conteúdo relevante podem ser usadas por qualquer tipo de empresa, B2C ou B2B, de variados portes, seja ela pequena, média ou grande.

Mas o que é conteúdo relevante? São informações que você disponibiliza para um público, específico, com o objetivo informá-lo e/ou educá-lo, e não de fechar uma venda imediata.

Recebendo informações consistentes e que lhe interessam, o consumidor passa a enxergar a sua empresa como referência no seu segmento de atuação ou em determinado assunto. Isso o influencia na decisão de compra futura.

Resumindo

De uma forma bem sucinta, podemos dizer que o Marketing de Conteúdo foca no teor da mensagem, enquanto o Inbound Marketing se dedica a trabalhar como usar esse conteúdo para atrair um cliente potencial.

Se você assimilou o que que Inbound Marketing e Marketing de Resultados, agora se ligue nessa dica. Nada de sair metendo os pés pelas mãos, com um monte de ações desconectadas, postando ou enviando uma variedade de informações que não têm significado algum para o seu público.

O seu sucesso dependerá uma um bom planejamento e monitoramento permanente. Pense nisso!

E, é claro que nós temos uma super dica de leitura. Veja o que nós selecionamos hoje pra você:

Marketing de Permissão – Transforme Estranhos em Amigos e Amigos em Clientes, de Seth Godin.

O que é inbound marketing

A obra traz conceitos-chave essenciais para quem quer fazer marketing para um consumidor que mudou. Você pode optar pelo microbook, que está disponível na plataforma 12 Min. Imperdível!

Por que o Marketing de Conteúdo é importante para qualquer negócio

Você provavelmente já ouviu ou leu o termo Marketing de Conteúdo em algum lugar. Nos últimos anos, a estratégia vem ganhando cada vez mais reconhecimento e muitas empresas estão investindo pesado no uso do conteúdo de qualidade para atrair o seu público.
Quase 92% das empresas entrevistadas pela pesquisa Content Trends 2017 já afirmam investir na estratégia. Além disso, cerca de 61% das empresas também pretendem aumentar o investimento em Marketing de Conteúdo no próximo ano.
Por que tantas empresas estão apostando pesado no conteúdo? Vamos mostrar para você os principais motivos para se investir na estratégia. Pronto para descobrir porque o Marketing de Conteúdo é importante para a estratégia de marketing digital de qualquer negócio?

Motivo 1: Visibilidade nos mecanismos de busca

Quando você tem uma dúvida sobre algo, o que você faz? Joga no Google.
O mecanismo de busca é o oráculo da internet: é muito raro encontrar um usuário que não use o Google para sanar suas dúvidas sobre algum assunto. E é aí que entra o Marketing de Conteúdo e a sua empresa!
O maior princípio da estratégia é criar conteúdo de qualidade para resolver um problema ou tirar uma dúvida da sua persona (entenda melhor esse conceito no livro de Adele Revella), ou seja, do seu comprador ideal.
Assim, você vai fazer uma pesquisa de palavras-chave para descobrir o que a sua persona busca no Google, e logo depois você vai produzir um conteúdo perfeito para aquela palavra-chave. Otimize o seu post com técnicas de SEO (Search Engine Optimization, ou otimização para mecanismos de busca) e link building, divulgue-o bastante e acompanhe a performance daquele conteúdo no Google. Se ele for o melhor sobre o tema e estiver 100% otimizado, as chances da sua empresa parar na primeira página do buscador são enormes!
Estando na primeira página, quando o usuário buscar por aquela palavra-chave, ele provavelmente vai clicar no seu conteúdo. Se você tiver resolvido sua dúvida, ele vai passar a confiar na sua marca e você acabou de ganhar um leitor (e possível cliente futuro) fiel.
O Marketing de Conteúdo funciona basicamente dessa maneira: produzindo conteúdo de qualidade, com estratégias de SEO, para melhorar a visibilidade da sua empresa na internet. Afinal, quem não quer estar na primeira página do Google?

Motivo 2: O Marketing de Conteúdo proporciona mais conteúdo de marca

O motivo número 2 parece óbvio quando estamos falando de uma estratégia que se baseia principalmente na produção de conteúdo, mas vamos explicá-lo um pouco melhor. Quando você investe no Marketing de Conteúdo, é essencial que você crie uma frequência de postagem no seu blog. O número ideal varia de empresa para empresa, é claro, mas pense em postar pelo menos 2 ou 3 vezes por semana.
Vamos supor que você escolha postar 3 vezes por semana no blog da sua empresa. No final do mês, você terá produzido cerca de 12 conteúdos. São 12 conteúdos onde você está tirando dúvidas do seu comprador ideal, explicando conceitos ou ajudando-o em algum problema que ele tinha. Esse volume de conteúdo de qualidade é muito relevante!
Quanto mais bom conteúdo você publica no seu blog, mais a sua marca estará exposta na internet. Mais exposição gera mais oportunidades de negócios, que gera mais clientes.. e por aí vai!

Motivo 3: Com o Marketing de Conteúdo você ganha mais relevância nas redes sociais

A maioria das empresas sofre bastante na hora de produzir conteúdo para as redes sociais.
Muitas não sabem quais assuntos abordar, como abordar, e acabam abandonando seus canais por não ver resultado nas redes sociais. Esse é um grande erro! As redes sociais, hoje, funcionam como uma vitrine na internet. Elas amplificam a sua marca e criam um relacionamento direto com o seu consumidor.
Não desista da estratégia! Se você investir no Marketing de Conteúdo, ele também será um grande aliado na resolução dos seus problemas com seus canais de redes sociais.
Mas como uma coisa se relaciona a outra?
Nas redes sociais os usuários buscam muita coisa: entretenimento, engajamento, conhecimento… e, é claro, resoluções de dúvidas. Além de gerar conteúdo para você garantir que não ficará mais sem postagens na sua página do Facebook, por exemplo, o Marketing de Conteúdo também ajudará sua empresa a ser mais relevante nas redes sociais, já que você estará disponibilizando conteúdo gratuito e do interesse do seu público.
Se o usuário gostar muito do seu blog post ou e-book, ele compartilhará o post com seus amigos, e sua visibilidade será muito maior. Resumindo: nunca deixe de promover os conteúdos do seu blog nas suas redes sociais, hein?
O famoso Gary Vaynerchuk até escreveu um livro, Nocaute, com dicas preciosíssimas de comportamento em cada rede social.

Nocaute

Motivo 4: O Marketing de Conteúdo faz a sua marca se tornar uma autoridade na área

Outro motivo excelente para empresas investirem em Marketing de Conteúdo é a autoridade. Ao produzir sempre conteúdos de relevância e que sanem as dúvidas dos seus leitores e potenciais clientes, você estará se colocando como uma autoridade no assunto.
Vamos supor que sua empresa vende suplementos alimentares, por exemplo. Quando alguém tiver dúvidas sobre o assunto (como qual suplemento é o ideal para ele) você quer que sua empresa seja a primeira que ele vai se lembrar, certo?
O Marketing de Conteúdo vai fazer isso por você! A frequência de produção é chave para conseguir autoridade. Quando mais conteúdo que resolve um problema para seu público você tiver, maiores as chances da sua marca ser vista como uma autoridade absoluta no mercado.

Motivo 5: Crescer sua rede de clientes e potenciais clientes

Esse é o motivo mais interessante para empresas investirem na estratégia de Marketing de Conteúdo. Como ele ajudará você a conseguir novos clientes?
Com o Marketing de Conteúdo, você conduzirá a sua persona por um funil de vendasproduzindo cada vez mais conteúdo mais aprofundado para o estágio que ela está no funil.
No topo do funil, por exemplo, é quando o usuário encontrará sua empresa no Google. Posts no blog são as maiores armas dessa fase! Nesse momento, o usuário ainda não sabe que tem um problema que precisa ser resolvido. Aqui, o foco é criar conteúdo relevante e de atração, para que o seu leitor continue voltando ao seu blog, virando um leitor fiel, para assim ele seguir para as próximas etapas do funil.
No meio e no fundo do funil o foco é na produção de conteúdo mais aprofundado e mais focado em resolver as dores do seu agora potencial cliente, até que ele perceba que você está oferecendo uma ótima solução para a necessidade que ele tem! Resumindo, o Marketing de Conteúdo é uma forma a longo prazo de atrair potenciais clientes fiéis para a sua marca.

Motivo 6: O Marketing de Conteúdo cria uma relação mais próxima entre marca e leitores/clientes

Se um blog sempre fornecer conteúdo relevante, interessante e de qualidade para você, qual seria a sua relação com ele? Com certeza, esse blog estaria salvo na sua aba de favoritos e você confiaria cegamente nas publicações que eles fazem.
O Marketing de Conteúdo funciona com esse valor. Você quer, afinal, que os seus leitores e potenciais clientes confiem em você. O Marketing de Conteúdo bem feito consegue criar uma relação muito mais íntima entre marca e leitor, já que os usuários que entram no seu blog (e continuam voltando) estão mostrando que aqueles conteúdos são relevantes para eles.
A estratégia consegue te dar dados muito interessantes sobre as dores da sua persona, criando laços muito mais próximos entre a sua empresa e o seu público.

Motivo 7: O Marketing de Conteúdo é muito mais barato que o Marketing tradicional

Se os outros 6 motivos que listamos não conseguiram convencer você, com certeza o nosso último motivo fará você considerar adotar o Marketing de Conteúdo para a sua empresa: a estratégia é muito mais barata (e atrativa) do que o Marketing tradicional.
A publicidade tradicional pode não ser a forma mais efetiva de divulgar a sua marca. Ela é invasiva, nem sempre é segmentada para o público certo (como segmentar um outdoor, por exemplo?) e não pode ser mensurada. Não estamos falando para você abandonar a publicidade tradicional (ela pode ser útil para várias coisas!), mas sim para repensar onde o seu investimento valerá mais a pena.
Vê como o Marketing de Conteúdo é mais benéfico? Claro que demandará tempo e esforço do seu lado, já que o Marketing de Conteúdo funciona a longo prazo (e você também precisará de dinheiro para contratar profissionais dedicados ao seu blog ou para contratar alguma empresa especialista no assunto).
Mas mesmo assim, no fim, a estratégia ainda é muito mais em conta (e duradoura) do que investir em uma propaganda na televisão, por exemplo, que não pode ser mensurada, ao contrário do Marketing de Conteúdo, onde você consegue medir exatamente todas as métricas essenciais para descobrir se você está tendo ou não bons resultados.
Esperamos que você tenha tirado as suas dúvidas sobre o assunto e que agora esteja pronto para investir na estratégia! Não desista: os resultados no Marketing de Conteúdo chegam com o tempo.
Se você ficou com alguma dúvida, não deixe de acessar o nosso blog: marketingdeconteudo.com.
E para se aprofundar no assunto, não perca o Marketing de Conteúdo Épico, livro do Joe Pulizzi!

Marketing de Conteúdo Épico
________________________________________________________________________________
Esse texto foi escrito pela equipe da Rock Content, a maior empresa de Marketing de Conteúdo do Brasil.

4 passos para implementar o Marketing Digital na sua empresa

marketing digital 12min

A internet é o local ideal para atingir milhões de pessoas com a sua mensagem. Mas você sabe como fazer isso de forma eficiente? O Marketing Digital é a estratégia certa para te ajudar nessa missão – ela te ajuda a definir como, quando e onde impactar o seu público e conquistar novos clientes.

Marketing Digital é a denominação da prática que utiliza os principais conceitos de marketing no ambiente digital e online, com o objetivo de atrair novos clientes, criar relacionamentos com o público-alvo e agregar valor aos produtos e marcas. Essa estratégia é inteiramente relevante no contexto atual. Afinal, pesquisas revelam que o brasileiro passa, em média, nove horas por dia conectado à internet. Se os seus potenciais clientes estão conectados, a comunicação da sua empresa também deve estar.

A comunicação no Marketing Digital deixa de ser uma via única – das empresas para o público – e passa as ser uma via de mão dupla – o público tem capacidade e ferramentas para interagir e responder ao que lhe é comunicado. Ou seja: além de enviar a mensagem que você quer que o seu público receba, é necessário monitorar como essa mensagem vai ser respondida pelo público. Os consumidores estão cada vez mais aptos a opinar e amplificar suas opiniões sobre serviços e produtos que consomem.

Mas o Marketing Digital não se sustenta sozinho. Seus principais pilares são o Inbound Marketing, SEO e Marketing de Conteúdo – estratégias que o complementam. Assim, esse conjunto de práticas é responsável por atrair potenciais clientes, ofertar conteúdos que despertem a necessidade no público de adquirir um produto ou serviço, convertê-lo em pagantes e realizar a manutenção do relacionamento com clientes.

Veja em 4 passos como usar cada um desses pilares para desenvolver a sua estratégia de Marketing Digital.

1. Use o Inbound Marketing para trabalhar a jornada do consumidor

O Inbound Marketing é o pilar principal do Marketing Digital e tem como objetivo atrair mais pessoas para o funil de vendas. Para isso, se apoia na jornada do consumidor, que define cada uma das etapas que o público percorre até se tornar um cliente pagante. Cada uma dessas etapas oferece insights para desenvolver um relacionamento com o público e fazê-lo ir adiante na jornada, que se divide em:

  • Atração: chamar a atenção de pessoas que estejam interessadas no que a sua marca tem a oferecer;
  • Conversão: ofereça conteúdos em troca de informações das pessoas que você atraiu;
  • Venda: entre em contato com os leads coletados e ofereça ofertas exclusivas para que eles fechem negócio com a sua empresa;
  • Encante: ofereça o melhor relacionamento para o seu cliente e torne-o um embaixador da sua marca.

Cada uma das etapas da jornada do consumidor pode ser ativada através de conteúdos relevantes. O que nos leva para o próximo passo.

2. Conquiste seu público com o Marketing de Conteúdo

Ofereça o conteúdo que o seu público está procurando e ele virá até a sua marca. No ambiente digital, a forma mais fácil de fazer isso é disponibilizando conteúdos que sejam relevantes para o grupo de pessoas que você deseja atingir. O ideal é produzir algo que traga a solução de um problema e, ao mesmo tempo, o eduque sobre a necessidade de adquirir o seu produto ou serviço como parte dessa solução.

A pesquisa, produção e distribuição deste conteúdo para cada uma das etapas da jornada do consumidor, que vimos anteriormente, são tarefas atribuídas ao time de Marketing de Conteúdo. Também é através dele que definimos os melhores formatos de conteúdo para cada canal de comunicação, o tom de voz da marca, os canais a serem explorados, entre outros pontos fundamentais para a execução da estratégia.

Vale ressaltar: o objetivo do conteúdo é fazer com que o público reconheça a sua marca como uma solução para os problemas que ele possa vir a ter, fazendo com que ele retorne mais vezes ao seu ambiente digital. Assim, ele enxergará valor no seu serviço e, cedo ou tarde, se tornará um cliente.

3. Ganhe visibilidade com a estratégia de SEO

SEO é a sigla, em inglês, para o termo Search Engine Optimization – que, em português, significa otimização dos motores de busca. Essa estratégia é formada por um conjuntos de boas práticas a serem seguidas nas plataformas digitais, que potencializam as suas chances de uma boa indexação nos sites de busca – principalmente o Google. Isso significa aparecer entre os primeiros resultados em uma página de pesquisa.

As boas práticas de SEO vão desde a construção do texto que você disponibiliza em suas plataformas até o desenvolvimento da plataforma em si. Em termos práticos, o SEO é um bom aliado do Marketing de Conteúdo porque é ele que muitas vezes direciona o conteúdo a ser desenvolvido, com a ajuda de palavras-chave que são buscadas pelo público que você deseja atingir.

4. Escolha as ferramentas certas de Marketing de Conteúdo

As redes sociais são, sem dúvida, as principais ferramentas para a execução da estratégia de Marketing Digital. Afinal, são elas que detém a maior quantidade de acessos de usuários na internet. Além disso, uma rede social é o ambiente perfeito para uma marca se aproximar do público, fazendo com que o mesmo interaja com o conteúdo criado pela sua empresa.

É preciso analisar com cautela o objetivo de cada rede social e ver qual se aplica melhor ao seu negócio. O Facebook, por exemplo, se tornou uma rede social voltada para a propagação de vídeos; se a sua empresa não pretende trabalhar com esse tipo de conteúdo, não faz sentido criar uma conta na plataforma.

Além das redes sociais, o blog é uma ferramenta crucial para que a estratégia de SEO dê certo. É através dele que você deve entregar conteúdos relevantes para o público que deseja alcançar. Como já mencionamos, uma boa estratégia de SEO é desenvolvida para entregar conteúdos pertinentes e plataformas responsivas para as necessidades do usuário.

Trabalhar conteúdo em blogs, além de tornar a sua empresa uma autoridade no assunto proposto, cria uma boa indexação para o seu site/blog nos resultados de mecanismos de buscas, como o Google. Se alguém estiver pesquisando sobre um assunto que você já foi publicado no seu blog, e a sua estratégia de SEO foi trabalhada com sucesso, as chances de aparecer nos primeiros resultados do Google – e criar um primeiro contato com o cliente – são gigantes.

Blogs e redes sociais também são responsáveis por trazer leads para a sua empresa, assim como as landing pages. Leads são contatos de clientes em potenciais, que deixam suas informações (como e-mail, telefone, entre outras) em troca de algum conteúdo ou benefício. Já as landing pages são as páginas ou domínios onde essa troca acontece; o cliente preenche um formulário e ganha acesso para fazer download ou assistir um conteúdo.

Se convenceu de que o Marketing Digital é a estratégia que falta para o seu negócio decolar? Então é hora de acessar aqui uma indicação de cursos fundamentais sobre o assunto. Se aprofunde no assunto, desenvolva o seu próprio Plano de Marketing Digital e traga mais visibilidade e lucro para a sua empresa!

___________________________________________________________________________________ Esse artigo foi produzido pela equipe da Udemy.

Aprenda como fazer um marketing B2B eficiente

Vender é um desafio em qualquer empreendimento. Mas se você atua no mercado B2B, geração de leads deve ser a prioridade número 1 em suas estratégias de marketing B2B.

marketing B2B

Mas isso não é tarefa simples e muitas empresas vão na contramão do sucesso simplesmente porque não estão fazendo o dever de casa corretamente.

Se você quer evitar os mesmos erros de outros empreendedores e seguir o caminho do crescimento, veja as dicas que preparamos para você.

O que é mercado B2B

marketing B2B

Antes de falarmos sobre marketing, vamos entender o que é B2B. Trata-se do mercado Busines to Busines, ou seja, empresas vendendo para outras empresas.

No B2B, depois que o produto é fabricado, ele não segue diretamente para o consumidor final. Existem canais no meio do caminho e os mais comuns são os atacadistas e varejistas.

É o caso, por exemplo, de uma empresa de suco. Ela vende seus produtos para atacadistas, que vendem para os varejistas, que vendem para o consumidor final.

Tendências do mercado B2B

O mercado B2B é limitado, com uma quantidade de clientes infinitamente menor e mais seleta, quando comparado com o B2C – Business to Consumer (Empresa para Consumidor). Mas isso não é uma má notícia.

O número de clientes pode ser menor, mas o volume de vendas geralmente é grande. Por exemplo, a cadeia nacional de sucos pode encomendar 10 mil unidades em um mês, enquanto um consumidor individual compra, talvez, umas 5 garrafas.

E o mercado está em expansão. A projeção é de que o modelo B2B de varejo online, por exemplo, seja duas vezes maior que o B2C, até 2020, alcançando 6,7 trilhões de dólares e mantendo um crescimento de 7% ao ano. Os dados são da Frost & Sullivan.

Como fazer marketing B2B

Mercado em expansão não significa sucesso pra todo mundo. Um bom e estratégico plano de marketing B2B sim, pode levá-lo rapidamente para a fileira da frente.

Mas por onde começar? Esse é o foco desse post. Então, anote aí 6 etapas preciosas:

1. Defina bem o seu público

marketing B2B

Você provavelmente não terá sucesso se sair atirando pra todo lado. A ideia é ter uma meta clara, que possa ser monitorada e refinada sempre que necessário. E para alcançá-la, defina bem para quem você quer vender, focando os seus esforços nesse público, colocando em segundo plano todas as demais pessoas que estiverem fora do grupo. Essa é uma ação decisiva do seu marketing B2B.

2. Entenda o contexto

Agora que você já definiu o seu público, o passo seguinte é obter o máximo de informações possíveis sobre ele e entender o contexto em que está inserido. Descubra onde ele está, quais as suas motivações, dificuldades e as jornadas de compra etc. Com essas informações em mãos, construa as suas personas e direcione todos os seus esforços para elas. Isso permitirá que você personalize suas ações e ajudará a sua marca a se destacar em relação aos concorrentes.

3. Promova engajamento com seu consumidor potencial

marketing B2B

Você já desenhou as personas e agora o seu plano de marketing B2B deve focar em se aproximar e estar junto desse consumidor ou consumidor potencial.

Esse consumidor valoriza, e muito, o relacionamento com todas as marcas de produtos e/ou serviços que adquire. Encontre um jeito de fazer e manter essa conexão. Capriche no marketing de conteúdo.

As pessoas têm suas preferências de contato: Skype, Facebook, email marketing etc… Descubra onde se encaixa o seu público, mas tenha em mente que o consumidor escolhe sempre o que mais fácil para ele.

E lembre ainda que, quando se fala em relacionamento com o cliente, o pré e pós-venda são tão importantes quanto a venda em si.

4. Use ferramentas digitais para conversão

Todo mundo sabe que o comportamento do consumidor na era da internet mudou. Pesquisas apontam que mais de 90% dos brasileiros pesquisam em sites e-commerce antes de comprar e quase 80% buscam informações em redes sociais, fóruns online ou blogs.

No mercado B2B um dado importante: 92% dos decisores utilizam o LinkedIn mais que qualquer outra rede social. Aliás, o LinkedIn é uma verdadeira potência, com mais de 500 milhões de usuários, em quase 200 países. Só no Brasil, são 30 milhões.

Entender esse contexto é um passo significativo para que o profissional de vendas possa conhecer as necessidades do consumidor e se conectar com ele de maneira assertiva.

5. Defina as metas de conversão

Nem todo conteúdo que você produz visa uma venda imediata. Muitas vezes, eles funcionam apenas como isca ou ponte para um novo conteúdo que faz parte do processo de compra, em sua estratégia de marketing B2B.

Ao definir as suas metas, você especifica quais ações devem ser consideradas como conversão.

As metas de conversão precisam ser coerentes com o estágio do processo de compra no qual se encontra o seu cliente. Por exemplo, no topo do funil de vendas, a meta pode ser relacionada ao número de acessos ao seu website.

Revise os objetivos de conversão ​​regularmente.

6. Tenha um controle de qualidade eficaz

marketing B2B

O seu plano de marketing B2B deve assegurar o perfeito funcionamento de cada etapa do processo de compra. E fique de olho nos resultados, porque é bem provável que você tenha que promover revisões para garantir que suas estratégias não fiquem ultrapassadas em relação ao concorrente.

O valor do marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo no mercado B2B é muito eficiente para atrair e fidelizar clientes, reduzir custos e aumentar os lucros.

De acordo com a TMG Custom Media, conteúdo personalizado é útil para 90% dos consumidores online. Além disso, o marketing de conteúdo bem feito faz de sua marca uma autoridade em um determinado tema, ligado à sua área de atuação.

Outro dado importante: empresas que abastecem regularmente o seus blogs com conteúdos relevantes para o seu consumidor geram 55% mais visitantes em seus websites.

Na verdade, são muitos os benefícios de um conteúdo de valor e elaborado estrategicamente. Mas não pense em ações isoladas e nem espere resultados imediatos, porque esse é um investimento de longo prazo,

Dicas para elaborar o seu conteúdo

marketing B2B

Invista em conteúdo relevante

Você já entrou na mente do seu potencial consumidor, quando construiu as suas personas, e sabe exatamente o que é importante para ele. Aproveite tudo isso a seu favor na hora de elaborar os seus conteúdos.

Você pode usar ferramentas como Palavras-chave do Google, Google Search Console e Google Analytics. Uma boa conversa com o seu setor de atendimento ao cliente também vai lhe possibilitar ótimos insights.

Seu público somente irá se interessar, ver e compartilhar seu conteúdo se ele gostar do material e se este lhe for útil de alguma forma. Então, seja impactante, original e consistente.

Inclua ofertas, brindes ou descontos em sua estratégia de marketing de conteúdo B2B e, ainda, o “call to action” em cada cópia do seu conteúdo. Existem muitas outras ações valiosas. Use a criatividade.

Planeje uma distribuição estratégica

Uma ideia super criativa e inovadora não dispensa um bom planejamento de distribuição dos conteúdos. É esse planejamento que impulsiona os conteúdos nos mecanismos de pesquisa e ajuda a alcançar as metas.

Não existe receita única para todas as empresas, assim, cada uma terá a sua própria estratégia. Algumas opções são: distribuição de conteúdo pago; rede social paga; conteúdo de marca ou publicidade nativa; distribuição orgânica e crowdsourcing.

Monitore os resultados

Você precisa acompanhar de perto a evolução do seu marketing de conteúdo e o ROI, para saber o que está funcionando bem e onde estão os gaps. Para isso, é necessário medir e analisar os números e você pode lançar mão de ferramentas como o Google Analytics, por exemplo.

Conclusão

A estratégia de marketing B2B pode ser a chave do sucesso do seu empreendimento. No entanto, ela precisa ser acompanhada e atualizada sempre. Isso porque, o que está dando certo hoje não garante o mesmo resultado poucos meses à frente.

O público está em evolução constante e é imprescindível que a sua marca acompanhe toda essa movimentação e se adapte rapidamente aos novos cenários.

Tenha em mente que o marketing B2B geralmente não promove ações em canais de massa, como TV, Rádio ou grandes portais de internet. É exatamente o contrário do B2C, que visa impactar o maior número possível de clientes.

Se você curtiu esse post, deixe o seu comentário!

E para terminar, vai aqui a nossa dica de leitura:

Marketing de Permissão – Seth Godin

marketing B2B

Ao invés de incomodar seu cliente potencial, porque não incentivá-lo a aceitar suas mensagens de marketing voluntariamente? O marketing de permissão é uma forma de você falar apenas com quem realmente se interessa pelos seus produtos/serviços e abre caminho para que sua empresa crie relações de longo prazo com esses clientes.

A plataforma 12MIN tem o resumo dessa obra e muitas outras do mundo dos negócios. Escolha o tema de sua preferência e boa leitura!

Entenda as vantagens do buzz marketing e comece a usá-lo

Tecnologia de ponta e inovação não foram suficientes para tirar de campo o famoso boca a boca. No mundo dos negócios, inclusive, ele está mais vivo do que nunca e vem sendo usado como estratégia de buzz marketing.

Muitas empresas estão adotando buzz marketing para manter o foco e a atenção das pessoas sobre a sua marca. E, para tomar essa decisão, elas se amparam em pesquisas.

buzz marketing

Por exemplo, o relatório da empresa americana Nielson aponta que 92% dos consumidores entrevistados confiam totalmente na indicação de um amigo ou familiar acima de qualquer outra forma de propaganda.

Mais um dado da Nielson para você refletir: 77% dos consumidores são motivados a comprar um novo produto, quando o conhecem por meio de uma recomendação boca a boca.

Outro levantamento divulgado em 2015, pela CMO, revelou que, naquele ano, o boca a boca foi responsável por 6 trilhões de dólares em consumo em todo mundo.

Entendendo melhor o buzz marketing

buzz marketing

Mesmo inconscientemente, todos nós fazemos buzz marketing no nosso dia-a-dia. Isso acontece quando falamos bem de um filme que assistimos no cinema ou de uma série da Netflix, incentivando as demais pessoas.

Fazemos buzz marketing quando elogiamos a comida e o atendimento exemplar de um restaurante, a performance de um carro ou a competência do médico…

Ou seja, buzz marketing é uma estratégia que tem como objetivo fazer as pessoas falarem sobre sua marca. A ideia é criar burburinhos e debates, colocando o seu produto ou serviço na boca do povo.

Esse é um conceito antigo, já usado pelos circos, por exemplo, para atrair os visitantes. Se você é desse tempo, certamente se lembra dos desfiles pelas ruas da cidade, com seus palhaços, malabaristas e animais, durante o dia. Com isso, tornavam-se o assunto entre os moradores e, o resultado: casa cheia na hora do espetáculo.

Princípios básicos do buzz marketing

buzz marketing

Você precisa gerar buzz (ruído, murmúrio) para dar às pessoas motivos para falarem sobre você. Mas, o buzz marketing de resultado não ocorre aleatoriamente no meio empresarial. Pelo contrário, as empresas fazem planejamentos estratégicos.

Além disso, você precisa se assegurar de que o seu produto/serviço é tudo aquilo que o consumidor está falando. Do contrário, seu esforço será visto como uma propaganda enganosa.

E mais: não adianta falar uma vez e sumir do mapa. O sucesso do buzz marketing está na qualidade, mas também na consistência das suas ações direcionadas para o público certo.

Buzz marketing e marketing viral

Marketing viral foca na criação de alguma peça (vídeo, cartaz etc) ou campanha que tenha alto teor de compartilhamento – “viralizável”. Nesses casos, o conteúdo é relevante para as pessoas a ponto delas quererem passar adiante.

Num primeiro momento, marketing viral e buzz marketing podem parecer a mesma coisa. Mas não são. A principal diferença é que o viral foca em compartilhar uma mensagem de forma espontânea, enquanto buzz marketing trabalha para estimular um debate sobre a marca.

Os seis botões para disparar ruídos

Mark Hughes, autor do livro Buzzmarketing: Get People to Talk About Your Stuff, relaciona seis botões que levam as pessoas a falarem sobre alguma coisa. São eles:

1 – Tabu

buzz marketing

Segundo Hughes, faz parte da natureza das pessoas falarem sobre o que não devem. Assim, as  empresas tendem a lançar mão de assuntos polêmicos, que geram discussão social. Como esses temas, geralmente, dão margem para diferentes pontos de vista, eles geram o debate acirrado.

O cuidado aqui é para não abusar e passar dos limites. Se isso acontecer, provavelmente, você vai criar um monte de inimigos.

2 – O incomum

buzz marketing

Crie algo exclusivo para brilhar mais que os outros na multidão e as pessoas falarão de você. Pode ser uma mensagem ou uma oferta, mas tem que ser algo único. E pode ser, também, o lançamento de uma coisa totalmente inovadora.

3 –  O notável

buzz marketing

Ninguém vai falar sobre a sua marca se ela não oferecer alguma coisa que esteja acima da média. Então, invista em algo notável e instigue o debate entre as pessoas. A ideia é que seja um diferencial de altíssima qualidade e inesperado.

4 – O ultrajante

buzz marketing

Quando se trata de negócio, isso não é algo simples de se fazer. É preciso ficar atento para que o conteúdo do buzz marketing tenha relação direta com a sua marca. Ou seja, se você fizer um vídeo que causa reação nas pessoas, mas que elas não associem a mensagem com a sua marca, você sairá no prejuízo,

5 – O hilariante

buzz marketing

Essa é a estratégia que faz as pessoas rirem ou se divertirem, mas também é muito difícil de ser aplicada no mundo dos negócios. Nesse caso, também, o seu material engraçado tem que ter conexão com a marca.

6 –  Os segredos

buzz marketing

As pessoas adoram falar de segredos. Elas amam o mistério e descobertas privilegiadas. Quando alguém fica sabendo de um segredo, ela quer logo contar para os outros. Esse é um prato cheio para colocar a sua marca de boca em boca. O sucesso desse gatilho está em revelar informações a conta-gotas ou dar pistas para aguçar a curiosidade das pessoas.

Buzz marketing – exemplos

Veja 3 exemplos de buzz marketing para você se inspirar:

Coca-Cola: quando lançou um comercial admitindo que o refrigerante Coca-Cola realmente causa obesidade.

O Boticário: quem não se lembra do comercial em que casais heterossexuais e homossexuais trocavam presentes na comemoração do Dia dos Namorados? Teve gente contra, a favor e a turma do tanto faz…

Steve Jobs: um especialista em buzz marketing. Em suas apresentações, quando ele dizia “One more thing”, a plateia ia ao delírio porque sabia que algo espetacular estava por vir.

Então, está preparado para usar o buzz marketing a favor do seu negócio? Lembre-se do valor dessa estratégia. Como disse o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, “pessoas influenciam pessoas. Nada influencia mais do que a recomendação de um amigo”.

E, agora, a dica de leitura da equipe 12MIN para você.

Contágio – Jonah Berger

buzz marketing

O autor ensina as técnicas para gerar buzz, focadas em negócios com poucos recursos financeiros, trazendo resultados rápidos e extraordinários. A proposta de Jonah Berger é tentadora: entender os princípios que transformam um conteúdo em um viral contagiante, que será compartilhado milhares de vezes a cada segundo, gerando visibilidade para a marca, além, é claro, de um impacto positivo nas vendas. Imperdível.

Boa leitura!

 

11 filmes que te deram uma lição de marketing e você não percebeu

Todo mundo adora um bom filme, não é mesmo? Com uma grande história, bons atores e uma trama envolvente.

E quando o assunto são produções com um ‘’quê’’ de realidade profissional em suas narrativas, o cinema dá um show! E nesse aspecto, filmes sobre marketing não faltam.

Se você é fã das telonas e quer unir o útil ao agradável, aprendendo boas lições de marketing com grandes clássicos, prepare a pipoca! Pois separamos uma lista de 11 filmes imperdíveis.

Alerta! Contém spoilers.

1. O Senhor das Armas (2005)

Para abrir nossa lista de filmes sobre marketing, vamos falar de Senhor das Armas (2005). Um dos filmes mais impressionantes dos últimos tempos.

A história mostra como Yuri Orlovi (Nicolas Cage) se tornou destaque em um ramo nada convencional: o tráfico de armas de fogo.

Justamente por se tratar de uma porção não explorada do mercado é que este filme transmite uma lição valiosa de marketing de nicho.

De forma geral, a estratégia foca em atender parcelas do mercado pouco exploradas e/ou que não tem suas necessidades bem atendidas. E foi exatamente assim que Orlovi se tornou, ainda muito jovem, O Senhor das Armas.

Mas cuidado! Ao contrário do que fez o personagem protagonizado por Nicolas Cage, recomendamos que você procure um nicho que seja legalmente aceito. Afinal, não queremos que você enfrente problemas na justiça.

2. The Circle (2017)

Na trama, a The Circle é uma das empresas de tecnologia mais poderosas do planeta.

Atuando no ramo da Internet, a companhia é responsável por coletar e conectar os dados dos seus usuários. Desde seus comportamentos de compra à demais detalhes de suas vidas privadas.

Ao ser contratada pela empresa, a protagonista Mae Holland (Emma Watson) fica muito empolgada com a possibilidade de estar perto das pessoas mais poderosas do mundo. Mas logo ela percebe que seu papel profissional é muito diferente do que imaginava.

Isto porque ela tem de encarar o dilema ético de lidar com dados de milhões de clientes da empresa, mesmo sem a anuência deles.

Este filme sobre marketing  chama atenção não só pela questão moral. Mas pelo potencial que o marketing por dados trás para as empresas. Além de levantar o debate sobre como coletar e usar tais informações de clientes em campanhas de marketing de forma estratégica e ética.

3. A Rede Social (2010)

Na lista de filmes sobre marketing, esta trama não podia ficar de fora.

A Rede Social (2010) conta a história de Mark Zuckerberg, criador do Facebook. Que no filme é interpretado por Jesse Eisenberg.

A trama mostra como Zuckerberg desenvolveu a rede social. Passando pela influência do término de seu namoro na ocasião e a trajetória com seus colegas.

Mas, o mais importante para os profissionais de marketing é observar como o criador de uma das maiores redes sociais do mundo se beneficiou de estratégias envolvendo marketing digital para promover seu produto. E como você também pode utilizar estas experiências para se beneficiar!

4. Obrigado Por Fumar (2005)

Obrigado Por Fumar (2005) ilustra o talento de Nick Naylor (Aaron Eckhart) ao fazer um trabalho altamente persuasivo em prol dos direitos dos fumantes exercerem seu livre arbítrio: o ato de fumar.

Todavia, Nick não é nenhum ativista dos direitos humanos. Mas sim o porta-voz de uma das maiores empresas de cigarros dos Estados Unidos.

Além da importância de conhecer o produto com o qual o profissional trabalha, talvez a principal lição que aprendemos com este filme sobre marketing é que o trabalho na área também caminha por temas delicados e com potenciais conflitos de interesse.

Porém, ao profissional, sempre cabe manter seus valores e buscar se destacar no mercado de forma honesta.

5. Clube da Luta (1999)

O Clube da Luta (1999) é considerado um clássico da nossa era e adquiriu todo o sucesso não por ser um específico  filme sobre marketing. Mas por conta das diferentes temáticas que aborda em seu roteiro.

Jack (Edward Norton) é um jovem solitário, que compra compulsivamente objetos para decorar e organizar sua casa. Insatisfeito com a vida que leva, Jack conhece Tyler Durden (Brad Pitt), que lhe apresenta um clube aonde vai para aliviar suas angústias, através de pancadas indiscriminadas.

No entanto, o mais interessante para a área do Marketing não é o clube da pancadaria, mas sim os diálogos entre Jack e Tyler. Nos quais Tyler mostra à Jack o quanto o sistema de consumismo pode ser prejudicial e ocasionar sofrimento à vida das pessoas.

Neste sentido, o aprendizado ao profissional de marketing é que este deve ser capaz de chamar a atenção de potenciais clientes às virtudes do produto que oferece, mas sempre de forma genuína e autêntica.

6. O Lobo de Wall Street (2013)

Protagonizado por Leonardo DiCaprio, O Lobo de Wall Street narra a trajetória de Jordan Belfort e seu sucesso na bolsa de valores dos Estados Unidos.

Apesar de não se tratar de um trabalho tipicamente realizado por profissionais de marketing, o filme mostra claramente a importância de se trabalhar com metas, saber gerenciar demandas de estresse e de investir no marketing pessoal e na persuasão dos clientes.

7. Amor por Contrato (2010)

Amor por Contrato (2010) é um dos filmes sobre marketing obrigatório para qualquer profissional da área.

Na trama, Steve (David Duchovny) é casado com Kate (Demi Moore), com quem tem dois filhos Mick (Ben Hollingsworth) e Jenn (Amber Heard).

Todos são bonitos, confiantes e se vestem bem. No entanto, não são uma família de verdade, e sim uma construção de estratégia de marketing da empresa “Lifeimage”.

A empresa usa a suposta família para influenciar a vizinhança ao redor a consumirem determinados produtos e adotar seu estilo de vida.

Este é um dos filmes sobre marketing que  mostra claramente como as pessoas são influenciadas pelo comportamento e pelas ações daqueles que admiram.

8. O homem que mudou o jogo (2012)

Em O Homem que Mudou o Jogo (2012), Billy Beane (Brad Pitt) é o gerente do time de beisebol norte-americano Oakland Athletics.

Em meio à uma crise, Billy desenvolve um programa estatístico que permite ao time não somente superar a crise enfrentada, como também ficar entre os melhores times dos anos 2000.

O filme serve de inspiração tanto à nível estratégico, utilizando novas ferramentas e tecnologias, quanto em termos de persistência para qualquer profissional de marketing não desistir de suas metas.

9. Piratas do Vale do Silício (1999)

O filme Piratas do Vale do Silício conta a trajetória da Apple e da Microsoft. Abordando características de nomes como Steve Jobs, Bill Gates, entre outros, que se desenvolveram na região do Vale do Silício, nos EUA.

O filme mostra claramente todos os passos que levaram Gates e Jobs a atingirem o topo do mercado. Todo que trabalham com marketing devem assistir ao filme, pois ele ensina valiosas lições sobre inovação, persistência e criatividade.

10. Do Que as Mulheres Gostam (2000)

Após sofrer um acidente, o publicitário Nick Marshall (Mel Gibson) apresenta um sintoma bastante peculiar: consegue ouvir o pensamento das mulheres com as quais convive. E isso lhe dá uma grande vantagem em seu trabalho.

Do Que as Mulheres Gostam (2000) mostra o quanto é valioso para o trabalho de marketing a capacidade do profissional demonstrar empatia e se preocupar em entender verdadeiramente as necessidades e opiniões do seu cliente.

11. Chef

Carl (John Favreau) é um talentoso chefe de cozinha de um restaurante altamente renomado.

Apesar de gostar de seu trabalho, Carl começa a entrar em conflito com seu chefe, Riva (Dustin Hoffman). Enquanto Riva  quer manter sempre o mesmo cardápio, Carl gostaria de inovar.

Em certa ocasião, um crítico gastronômico vai até o restaurante e reage negativamente a comida do local. Carl, então, decide criar uma conta no Twitter para discutir com o profissional. Atitude que ocasionou sua demissão.

Carl ganhou diversos seguidores em seu perfil na rede social, pois as pessoas ficaram curiosas para saber qual seria o desfecho do acontecido.

No entanto, ele também fica com dificuldades de ser contratado em outro restaurante, pois fica com má fama, em virtude da forma como reagiu à demissão.

Uma das principais lições que o filme evidencia é o poder e alcance das redes sociais. Chamando atenção para o cuidado ao usá-las sem estratégia.

Bônus: Série Mad Men (2007)

Mad Men é uma série lançada no ano de 2007. A trama ilustra a rotina dos funcionários da Sterling Cooper, agência de publicidade que busca vender o tão desejado sonho americano, adaptado à realidade dos anos 60, onde se situa o seriado.

O lema “não importa o que você é ou o que quer, mas sim como você se vende” é a principal lição de marketing que você pode obter desta série, obrigatória para quem trabalha com marketing.

Então, curtiu essa seleção? Não deixe de nos contar qual foi seu filme favorito e quais lições de marketing você tirou.

Este conteúdo foi produzido com a parceria da VidMonsters.

Livro Go Pro: aprenda sobre o marketing de rede

Reflita: como é um emprego perfeito? Segundo Eric Worre, autor do livro “Go Pro –  7 Passos Para se Tornar um Profissional do Marketing de Rede”, essa pergunta sempre gera respostas como não ter chefe, nem horários e poder equilibrar vida profissional e pessoal.

Entre os atributos do emprego ideal, estão, também, a ausência de politicagem, nenhuma discriminação, não exigência de educação formal e poder trabalhar de onde quiser. É claro que incluem, ainda, alta renda, baixo risco, pouca influência macroeconômica, liberdade e diversão.

Realmente, as pessoas sabem desenhar o emprego dos sonhos, mas nem todos ultrapassam a linha do querer para a realização.

A dura realidade dos empregos tradicionais

O autor do livro Go Pro defende o conceito de que o marketing de rede é melhor do que todas as demais carreiras. Oferece explicações claras e diretas, associadas a dicas práticas e fáceis de serem assimiladas e adotadas.

De acordo com o livro Go Pro, os empregos tradicionais não são considerados ideais e se encaixam em uma das seguintes subdivisões:

Go Pro

  • Colarinho azul: trabalhadores manuais, aqueles que consertam, montam, limpam, servem ou constroem algo.
  • Colarinho branco: assalariado para executar tarefas profissionais ou semiprofissionais. Mesmo sendo fiel, a empresa pode demiti-lo a qualquer momento. Eles se dividem entre:
    • Realizadores: são produtivos e participam de novos projetos. Com o tempo, passam a ser ameaça para o chefe e demais colegas. Para sobreviver, aprendem as regras da politicagem.
    • Figurantes: escondem-se, não opinam e não chamam atenção, sabem apenas ser políticos.
  • Carreira em vendas: entre os profissionais de venda, existe uma fase perfeita, quando tudo que eles tocam vira ouro. Consequentemente, aumentam seu padrão de vida mas, de repente, alguma coisa muda. O mercado, a empresa, o produto, a concorrência… e ele tem dificuldade de sustentar o mesmo padrão.
  • O empreendedor: são as pessoas que iniciam o próprio negócio, investem dinheiro do próprio bolso, sacrificam-se, prosperam ou quebram. Acumulam dívidas e precisam focar energias em atividades longe das suas habilidades.
  • Investidor: essa é uma atividade muito arriscada. Da noite para o dia, há a possibilidade de tudo evaporar e uma fortuna se tornar absolutamente nada.

Perfeito não, mas ainda o melhor

Na nova economia, de acordo com o livro Go Pro, o desempenho é que dita as regras. E por causa da tecnologia, cada vez menos pessoas são necessárias para tocar certos negócio. Assim, o marketing de rede surge como o melhor jeito de sobreviver e prosperar nesse cenário.

O marketing de rede permite manter todos os benefícios de um negócio tradicional, sem os altos riscos inerentes a uma nova empresa.

Mas tem uma pegadinha. É necessário aceitar uma pequena perda inicial de dinheiro e uma leve redução da estima por parte de pessoas ignorantes em relação ao empreendedor do marketing de rede.

O Livro Go Pro defende ainda que para ter sucesso com o marketing de rede é preciso ser profissional. Não adianta juntar meia dúzia de pessoas e tentar a sorte, porque isso não funciona. Por outro lado, quem entende o esforço, ganha muito, mas muito dinheiro.

Marketing de rede versus pirâmides

Go Pro

Vamos dar uma pequena pausa no conteúdo do livro Go Pro para falarmos sobre a diferença entre o marketing de rede e as pirâmides. Afinal, essa é uma confusão que realmente existe.

Alguns estudiosos afirmam que a linha que separa as duas atividades é de fato tênue. Conhecer cada uma é fundamental para evitar mal entendidos.

O marketing de rede, ou marketing multinível, é uma atividade legalizada, baseada na comercialização de produtos e serviços. O revendedor recebe participação nos lucros sobre o que ele mesmo vendeu e o sobre toda a linha patrocinadora. Assim, os ganhos podem vir de vendas diretas ou recrutamento de novos vendedores. Enquanto tiver gente vendendo e gerando receita, o negócio só tende a crescer.

Pirâmides são esquemas ilegais de movimentação financeira. O que mantém essa estrutura é o investimento dos novos participantes e não o lucro pela venda – elas realizam negócios sem produtos ou serviços e as pessoas ganham simplesmente pela adesão, independentemente de resultado em vendas. As pirâmides ainda têm prazo de validade: quando não há mais adesão, tudo desmorona.

Seja profissional

De volta ao livro Go Pro, vamos falar das três categorias de pessoas no marketing de rede:

Posers: são pessoas que embarcam em uma tentativa de ganhar dinheiro rápido e fácil. Eles desistem rapidamente ou se tornam amadores.

Amadores: focam em algumas coisas e investem pouco tempo e dinheiro. Contam com a sorte, timing, posicionamento e buscam atalhos. É alguém que ainda não se profissionalizou.

Profissionais: especialistas e que têm habilidades necessárias para construir um negócio de sucesso com o marketing de rede.

A dica do livro Go Pro é: se for se envolver com o marketing de rede, seja um profissional. O segredo é combinar paixão e entusiasmo com habilidade e competência.

Por onde começar

Para se transformar em um profissional do marketing de rede, você precisa entender as principais habilidades necessárias. Mas, antes de dar os primeiros passos, é fundamental:

  1. entender o que a empresa comercializa e como funciona a sua distribuição. Isso significa conhecer os benefícios do produto.
  2. entender o plano de compensação – se alguém ganha dinheiro e você não ganha, tem alguma coisa errada, e essa coisa não é o plano de compensação.
  3. assuma a responsabilidade pelo seu sucesso ou fracasso. Eles não dependem do seu líder, da empresa, produto, plano, mercado ou da sua lista. Só de você.

As sete habilidades essenciais e como desenvolvê-las

Para construir uma empresa grande de marketing de rede, o livro Go Pro destaca sete habilidades essenciais. São elas:

  1. Encontrar prospectos

As pessoas acreditam que se conhecerem muita gente terão sucesso, caso contrário, fracassarão. Isso simplesmente não é verdade.

Para um profissional de marketing de rede, a lista de novos contatos deve ser como algo vivo, em constante mutação. Para isso, o livro Go Pro apresenta 4 dicas:

  • inserir todos os seus conhecidos na lista: você não vai prospectar todos eles, mas é importante tê-los ali;
  • pensar em quem as pessoas da sua lista conhecem: esse exercício gera muitos novos contatos;
  • aumentar constantemente a lista: no dia a dia conhecemos pessoas naturalmente (viagens, negócios, igreja etc). O tempo todo, nossa lista aumenta;
  • ser relacionável: a lista que cresce não é a de quem fica em casa o dia inteiro. Ir à academia, envolver-se em hobbies e trabalhos diferentes contam ponto a seu favor.
  1. Convidar prospectos para conhecer a oportunidade

Essa habilidade é conhecida como o portal do marketing de rede. E o caminho não é começar com uma ótima reputação, nem atacar com violência sua lista, como muitos acreditam e praticam. E, sim, construir, ao longo do tempo, relacionamentos de confiança.

Convidar o prospecto para se engajar é uma etapa fundamental. Esse engajamento pode se dar em call, reunião presencial, uso de ferramentas, teste de produtos e outras diversas formas, entre as quais a mais efetiva é a participação nos eventos.

As conferências, conhecidas como super-regionais, envolvem interação física, prova social, entendimento rápido do ganho financeiro, suporte e energia. Por isso são tão poderosas. Mas elas custa caro.

Lembre-se da competência de ouro, mais importante do que atrair prospectos ou treinar líderes: “habilidade de fazer com que um grande grupo de pessoas faça coisas simples, de maneira consistente, por um longo período de tempo”. Essa é a regra do sucesso.

Mas como lidar com as questões emocionais ao fazer o convite? Veja as dicas do Livro Go Pro:

  • Desconecte-se do resultado. Isso é fundamental.
  • Seja autêntico e evite mudanças radicais na forma de falar, no tom de voz, nas palavras usadas ou nas intenções.
  • Faça com paixão e entusiasmo. Seja contagiante.
  • Tenha uma postura firme, demonstre segurança.
  • Tenha pressa: as pessoas valorizam mais quem tem pouco tempo. Use frases como “estou de saída, mas gostaria de falar com você”.
  • Elogie de forma sincera.
  • Faça o convite, utilizando uma das três formas possíveis: direta – simplesmente convidando; indireta – pedindo ajuda do prospecto para o seu negócio; super indireta – quando o empreendedor pede contatos de quem poderia se interessar. A última é a mais efetiva, porque a pessoa se desarma e recebe o pedido de ajuda, geralmente, interessando-se.
  • Use a técnica “Se eu…você?”: é a arma mais poderosa para construir um negócio de marketing de rede bem-sucedido.
  • Consiga o compromisso de tempo: pergunte quando a pessoa consegue terminar. Não sugira um tempo, deixa ela determinar esse compromisso.
  • Confirme o compromisso de tempo: combine uma ação para o momento seguinte ao término do prazo que a pessoa definiu para ela mesma.
  • Agende a próxima ligação: combine com a pessoa e se organize para fazê-la.
  1. Apresentar seu produto ou oportunidade para prospectos

Os profissionais que trazem animação, paixão e crença conseguem despertar o interesse, deixando outras pessoas falando por eles. Quem segura o microfone, segura o dinheiro.

Comece com a sua história, por exemplo, falando sobre o seu passado e as coisas que você gostava e, depois, apresente as ideias sobre o que você vai fazer daqui pra frente.

Na sequência, fale do empreendimento, porque ele é importante. E, por fim, é importante criar apresentações diferentes, para cada objetivo. Apresentação envolve muito treinamento e prática.

Entenda que você é o mensageiro, não a mensagem. Aprenda a contar sua história de forma que as pessoas queiram escutá-lo.

  1. Fazer follow up

Go Pro

O livro Go Pro divide a habilidade de follow up em quatro conceitos:

Conceito 1: Fazer follow up é cumprir o que foi combinado. Se você ficou de enviar um material, envie.

Conceito 2: O único objetivo de uma apresentação é preparar a próxima apresentação. Caso ele não tenha lido, não demonstre seu descontentamento, pois, é mais importante manter uma relação saudável e amistosa.

Conceito 3: Um prospecto precisa, em média, de cinco apresentações para se cadastrar. Mantenha o senso de urgência, mas seja paciente.

Conceito 4: Condense as exposições para melhor resultado. Os prospectos se distraem menos com a vida e tendem a fechar mais.

  1. Ajudar seus prospectos a se tornarem clientes ou fornecedores

Mantenha a boa postura e faça as perguntas certas. Não confunda educar e ensinar as pessoas com “conseguir”. Conseguir pessoas não funciona no marketing de rede.

Mantenha-se emocionalmente desapegado do resultado e confiante em sua abordagem. As quatro perguntas mais importantes para essa etapa são: Quantos meses você pode se comprometer? Quanto tempo por semana? Quanto quer ganhar? E, finalmente, se eu pudesse te mostrar como realizar esse objetivo, você teria interesse?

  1. Auxiliar o novo distribuidor a começar da maneira correta

Go Pro

É recomendável fazer uma entrevista de planejamento. Essa entrevista tem as seguintes partes.

  • Parabenize a pessoa pela decisão e reforce como essa decisão vai mudar a vida dela.
  • Seja claro. O resultado do seu distribuidor é consequência do trabalho dele, não seu.
  • Faça uma lista de primeiros passos, como garantir que o distribuidor tenha os produtos apropriados, as ferramentas necessárias etc.
  • Mostre princípios básicos sobre como conseguir os primeiros clientes, o primeiro distribuidor, e como receber o primeiro pagamento.
  • Defina tarefas específicas.
  1. Organizar eventos

No marketing de rede, as reuniões dão dinheiro. Apesar de todas as tecnologias, é no “olho no olho” que se faz mais dinheiro. Nesses eventos, os palestrantes entregam ainda mais energia. Você é impactado pela prova social ao ver tantas outras pessoas acreditando naquilo.

Nem tudo é um mar de rosas

Um profissional de marketing de rede que segue a cartilha direitinho tem tudo para enriquecer, garante o livro Go Pro. O lado ruim dessa história é que o processo leva tempo. Ninguém acumula fortuna da noite para o dia.

O autor do livro Go Pro afirma que muitas pessoas querem ganhar muito dinheiro em três meses, como num passe de mágica. Não funciona assim com o marketing de rede.

Siga a fórmula 1/3/5/7. Pelo livro Go Pro, você precisa de um ano para se tornar competente e lucrativo. Três anos de trabalho consistente, em tempo parcial, para se tornar full time. Cinco anos de trabalho para ultrapassar a barreira do milhão. Sete anos para se tornar um especialista.

10 frases do livro Go Pro e citações de Worre

“O maior benefício não é conseguir o que você deseja. O maior benefício é o que você precisa se tornar para obter o que deseja. Aprendi o que sempre esteve lá e o que foi transmitido há séculos: a jornada é tudo.”  

“No futuro, você só será pago pelo desempenho. Você não será mais pago por seu tempo.”

“Percebi que, para ganhar mais, precisava me tornar mais.”

“A liberdade é possível, mas não é gratuita.”

“Sempre haverá uma boa razão para sair e sempre haverá uma boa razão para continuar. Decida qual tipo de pessoa você vai ser. ”  

“Não há nada de errado em vender. As pessoas de vendas do mundo impulsionam a economia. As pessoas no marketing de rede são supervendedores. Nós educamos o mundo.”

“O marketing de rede não é perfeito. É melhor.”

“Você não precisa ser um milionário para ser considerado uma história de sucesso em marketing de rede. O fato de você estar fazendo progresso e assumir o controle de sua vida é suficiente.”

“Não há elevador para o sucesso. Você tem que subir as escadas.”  

“Ninguém vai bater em sua porta e forçá-lo a ser bem-sucedido. Você tem que sair e lutar por isso.”

Você gostou deste post? Se quiser ler um pouco mais sobre o assunto, o resumo do livro Go Pro está no 12Min. A plataforma tem ainda muitos outros títulos na categoria Marketing & Vendas. Veja duas sugestões imperdíveis:

As Armas da Persuasão – Robert B. Cialdini

Ideal para ajudá-lo a melhorar a sua performance em vendas.

Go Pro

Nunca Almoce SozinhoKeith Ferrazzi

Go Pro

O que distingue as pessoas bem-sucedidas é a maneira como elas usam o poder dos relacionamentos.

Boa leitura!

Como produzir bons conteúdos para blog e tornar-se uma autoridade?

Se você já trabalha na internet ou se está começando agora no mercado digital, saiba que é de extrema importância ter um blog e produzir conteúdo de qualidade para sua audiência e possíveis clientes. Isso porque um blog é o que te ajudará a ser visto como uma autoridade em sua área de atuação, o que possibilita que seus resultados sejam ainda melhores.

Mas o que significa ser visto como autoridade em uma área?

A autoridade é aquela pessoa que é referência em um determinado assunto. Ou seja, é quem outras pessoas procuram sempre que tiverem dúvidas naquele tema. Assim como alunos procuram o professor de matemática, empresas e clientes podem procurar seu blog para se informar.

E por que ter um blog te ajudará a ser uma autoridade em seu mercado?

Porque, com um blog, você consegue se posicionar a respeito de vários assuntos de sua área de atuação.

Por isso, se seu conteúdo tiver qualidade, cada vez mais pessoas encontrarão seus textos e seu negócio através de seu blog e irão recorrer aos seus conteúdos sempre que tiverem dúvidas sobre algo relacionado a seu nicho.

Quer produzir bons conteúdos para blog?

Continue lendo este post e confira 5 dicas fundamentais para que seus textos fiquem cada vez melhores.

1. Escolha um nicho

A primeira e uma das principais escolhas para quem quer ter um blog é escolher um nicho para criar conteúdo.

Isso significa que o melhor a se fazer para ter sucesso na internet é escolher um tema específico para abordar em seu blog. Afinal, se você escreve sobre vários assuntos diferentes, provavelmente não é excelente em todos eles. Por isso, defina bem sobre o que você falará.

Por exemplo:

Se você trabalha com finanças ou entende muito sobre esse assunto e quer criar um blog para compartilhar suas dicas, fale apenas sobre esse tema e outros assuntos relacionados a ele.

De nada adianta produzir conteúdo de qualidade se o leitor chega até seu blog através de um artigo sobre o tema X e, quando ele pesquisar mais textos, encontrar apenas conteúdos sobre Y e Z. Isso confunde e espanta sua audiência.

Você pode gostar de música e finanças ao mesmo tempo, mas isso não significa que você será uma autoridade nos dois. Por isso, saiba separar e definir aquilo que você faz de melhor.

Lembre-se que você está criando conteúdos para blog para sua audiência, e eles querem entrar em suas páginas e encontrar informações sobre o tema que os atraiu até ali.

Além disso, é importante que você escolha um nicho mais específico dentro de sua área de atuação.

Pensando ainda no exemplo sobre o blog de finanças, você poderia produzir bons conteúdos para blog que ensinassem como investir na bolsa de valores. Isso faz com que sua audiência perceba que seu site é ainda mais focado em um determinado assunto de seu nicho.

Principalmente para quem está começando agora, o melhor é encontrar um micro nicho ou um segmento pouco explorado para se destacar naquele assunto.

Se você tentar entrar em um mercado muito amplo, com certeza baterá de frente com concorrentes que já estão estabelecidos nessa área há muito tempo.

Por isso, escolha um nicho mais específico que seja relacionado com suas habilidades e, ao mesmo tempo, seja lucrativo. Ao fazer isso, você enfrentará uma concorrência menor e alcançará um público mais qualificado para sua oferta.

2. Entenda sua persona

A persona é, em resumo, a representação de seu cliente ideal e de seus comportamentos. São personagens semi fictícios criados a partir de pesquisa para auxiliar nas tomadas de decisão de seu negócio.

O perfil de sua persona abrange informações demográficas como idade, localização, renda e também informações psicográficas como interesses, razões para a compra, preocupações e medos.

Saber como criar uma persona e entendê-la é um dos principais requisitos para produzir bons conteúdos para blog. Dessa forma, você sempre escreverá seus textos para pessoas semelhantes à sua persona e criará conteúdos que são capazes de resolver o problema de seu público.

É preciso entender que quando sua persona acessar seu blog, ela poderá estar em qualquer uma das 3 fases da jornada de compra, que são topo, meio e fundo de funil.

Para o topo, você precisa criar conteúdo para atrair pessoas que não sabem nada, mas têm interesse nos assuntos que você aborda.

Para o meio, você criará conteúdo para as pessoas que já sabem um pouco sobre o tema de seu blog para educar esses leads.

Para o fundo é o momento de converter a audiência de seu blog em clientes. Nessa fase, as pessoas já estão preparadas para a compra, ou seja, é o momento certo para fazer uma oferta de produto.

Se você compreender sua persona, será capaz de produzir conteúdos para blog assertivos para qualquer etapa da jornada de compra.

Principalmente no começo do blog, é importante focar no topo do funil, que é o tipo de conteúdo com maior capacidade de atrair pessoas.

Ao ter a persona definida, você não gasta tempo com um público que não está interessado em seu produto. Dessa forma, é possível criar conteúdos para um público específico.

É importante lembrar que você pode criar uma persona mesmo que ainda não tenha clientes. Fazer pesquisas de mercado, analisar a concorrência e criar formulários de pesquisa para sua audiência são algumas das maneiras que tornam isso possível.

3. Crie um calendário editorial

O calendário editorial é um cronograma de todas as estratégias de marketing de conteúdo de seu negócio.

Nesse calendário, você pode incluir publicações que serão feitas nas redes sociais, os posts para seu blog, disparo de newsletter e todo tipo de conteúdo que seja necessário para divulgar seu produto ou serviço.

Com um cronograma bem planejado, você:

  • Terá controle de todas as ações necessárias para alcançar seus objetivos;
  • Terá uma visão ampla das estratégias já utilizadas para definir novas ações a partir do que já fez;
  • Poderá organizar melhor seus horários para atender toda sua demanda;
  • Conseguirá mensurar os resultados de acordo com seu planejamento.

Com relação a seu blog, mesmo que você não consiga postar algum conteúdo todos os dias, é importante ter um calendário editorial para manter uma regularidade. O ideal é conseguir publicar, pelo menos, um post toda semana no início.

Conseguir produzir bons conteúdos para blog com regularidade faz com que sua audiência se acostume a acessar suas páginas sempre para procurar um material novo.

Não ter uma frequência ou dia certo para publicar conteúdo pode fazer com que as pessoas deixem de acessar seu site.

Além disso, ter um calendário te ajuda a não repetir temas já publicados e, consequentemente, não cansar sua audiência com o mesmo assunto.

4. Use ferramentas de palavra-chave

Palavras-chave são termos ou conjunto de palavras que simbolizam o tema que é abordado em uma página.

Um dos maiores desafios para produzir bons conteúdos para blog é encontrar palavras-chave compatíveis com seu negócio e que atraiam tráfego qualificado.

Quando uma pessoa pesquisa um determinado termo nos buscadores, eles entregam os resultados mais relevantes em que aquela palavra está inserida.

É por isso que é importante se atentar à qualidade da palavra-chave que você escolher, pois esse é um dos fatores que influencia na posição das páginas no ranking dos buscadores online.

Melhorar a posição das páginas nesses rankings utilizando palavras-chave de qualidade e produzindo bons conteúdos tem como consequência o aumento do tráfego de suas páginas com visitantes prontos para conhecer seu produto.

É preciso citar que o uso eficiente das palavras-chave depende, também, do tamanho delas. Elas podem ser dividida em dois tipos: head tail e long tail.

As head tails são termos de buscas mais amplos, compostos de uma única palavra, que pesquisamos quando estamos buscando a solução de um problema, como a palavra “emagrecer”, por exemplo.

Já as long tails são palavras-chave compostas por dois ou mais termos que, normalmente, formam uma frase que aponta para uma solução mais específica, como: “emagrecer com exercícios físicos”, por exemplo.

Naturalmente, as palavras head tail possuem um volume de buscas maior, mas as long tails convertem mais, pois atraem um público que já está em um estágio mais avançado na jornada de compra.

Como você pode perceber, utilizar as palavras-chave corretas é algo muito importante. Mas não se preocupe, você não precisa fazer isso sozinho!

Existem diversas ferramentas com várias funções para te ajudar nessa tarefa. Com o auxílio dessas ferramentas, você é capaz de mapear os termos mais importantes de seu nicho e executar todas as ações necessárias para identificar as melhores palavras-chave para seus conteúdos.

As principais ferramentas conhecidas são:

5. Escreva textos escaneáveis

Nas dicas acima, abordamos etapas anteriores à produção de conteúdo. Nossa última dica será a respeito da escrita em si.

Com relação aos textos de seu blog, é essencial que eles sejam escaneáveis para que tenham qualidade e consigam prender a atenção do leitor.

Um texto escaneável é aquele que o leitor consegue entender sobre o tema e sobre o que o conteúdo abordará apenas dando uma rápida olhada nele, sem necessariamente lê-lo.

Para produzir conteúdos para blog realmente efetivos, você precisa escrever de forma que o leitor consiga identificar sobre o que seu conteúdo retrata apenas batendo o olho nos títulos e lendo rapidamente os parágrafos (que devem ser curtos e objetivos). Esse é o conceito básico de um texto escaneável.

Crie conteúdos irresistíveis

Produzir conteúdos para blog deve ser considerada uma das etapas mais importantes na estratégia de seu negócio e, principalmente, para tornar-se uma autoridade no assunto que você aborda.

Por ser tão importante, você precisa pensar em temas que sejam realmente relevantes para sua persona, mas que não sejam repetitivos, e sobre os quais você saiba falar. Pensando nisso, você conseguirá produzir sempre um conteúdo completo e irresistível.

Mas, além disso, saiba que é preciso desenvolver bem suas habilidades para que sua escrita seja cada vez mais fluida e fácil de ser entendida. Quer escrever os melhores textos para seu blog? Confira nosso post com 20 dicas para te ajudar a escrever bem.

_____________________________________________________________________________________

Guest post produzido pela equipe da Hotmart.

O que é trade marketing, afinal?

Chegar ao consumidor final de maneira rápida e eficiente é o que todo empreendedor espera. Mas essa trajetória nem sempre ocorre em linha reta. Geralmente, existem os canais de distribuição no meio do caminho. Aí entra em campo o trade marketing.

Afinal, você não pode simplesmente vender o seu produto para o distribuidor e/ou atacadista e achar que está tudo bem. Nada disso. É imprescindível ajudá-los a completar o ciclo, até que o produto chegue nas mãos do cliente, de maneira que todos saiam ganhando.

O trade marketing não é nenhuma novidade. Vem sendo aplicado há quase 30 anos e nada mais é do que um reforço estratégico para fazer esse link entre produtor, distribuidor e consumidor.

O trade marketing é muito bom para o fabricante, mas é valioso também para o distribuidor, porque é um apoio importante para impulsionar as vendas no varejo e no atacado.

Não existe uma fórmula exata para guiar as iniciativas de trade marketing e garantir o sucesso. Tudo depende de um planejamento coerente com a realidade de cada segmento e que atenda as particularidades do negócio.

Canais de distribuição

Como o próprio nome diz, os canais de distribuição são os meios usados para fazer um produto chegar ao destino final – o consumidor – na hora que ele precisa. Esses canais são os distribuidores, atacadistas e varejistas.

O processo funciona mais ou menos assim: para atender o cliente, o varejista precisa comprar o produto diretamente de um fabricante ou por meio de um atacadista ou distribuidor.

Então, os fabricantes usam o trade marketing para atingir essa cadeia de distribuição. E isso não pode ser feito aleatoriamente. Nesse caso, estratégia é palavra de ordem.

Trabalhando junto

Trade marketing2

Trade marketing é também conhecido como marketing comercial ou marketing B2B – marketing business-to-business – porque, como já foi dito, trata-se uma área do marketing que atua na cadeia de produção e não diretamente no consumidor final.

O uso da ferramentas de trade marketing não dispensa as ações de marketing de marca. Pelo contrário, trilhando caminhos diferentes, ambas se complementam para alcançar o ponto central, que é o consumidor final.

O planejamento do trade marketing deve começar com o levantamento das necessidades do distribuidor. Pesquisas simples junto aos varejistas e atacadistas podem indicar quais os produtos os clientes deles estão demandando.

A etapa seguinte é o alinhamento dos objetivos das partes envolvidas. Isso inclui ajudar o distribuidor a vender o seu produto, criando relacionamento forte e comprometendo-se com os resultados finais.

Ou seja, se você colocar o seu produto nas mãos da cadeia de distribuição e deixar que ela se vire sozinha pra vender, provavelmente, os dois lados sairão perdendo.

Principais estratégias de trade marketing

Trade marketing3

Trade marketing não é nenhum bicho de sete cabeça e existem diversas ações que funcionam muito bem. Certamente, uma parcela considerável de fabricantes lança mão delas sem nenhum conhecimento sobre o assunto.

Mas isso não é o ideal. O melhor mesmo é investir no planejamento estratégico. Veja alguns exemplos comprovadamente eficazes.

Anúncios e artigos

Funcionam muito bem porque chamam a atenção do consumidor para a sua marca. E os canais de distribuição ficam de olho nas novidades para oferecerem aos clientes.

Eventos e feiras

São oportunidades de ouro para apresentar produtos e marca. Ideais para networking e para desenvolver relacionamentos comerciais duradouros. Uma boa dica para vender mais é convidar para esses eventos os empresários mais relevantes para o seu negócio.

Amostra grátis

Esse é um jeito de promover envolvimento e criar experiência com o seu produto. Não tem efeito se você apenas entregar a amostra grátis e sumir no mapa. É imprescindível manter o contato.

Incentivos comerciais

Aqui, o foco é impulsionar a vendas depois de fechar um negócio. Os incentivos podem ser em forma de gratificações, comissões, premiações ou outras ações.  

Promoções comerciais

O importante é que as promoções mirem o fortalecimento da marca e não fiquem de olho apenas nas vendas. Elas devem ser planejadas com antecedência, dentro de um cronograma. Fundamental que ocorram sempre em datas comemorativas (Natal, Dia das Mães etc).

Marketing Digital

Não dá para ignorar os avanços tecnológicos. Hoje, muita coisa pode ser feita online, inclusive as vendas. Além disso, essa é uma forma de se manter lado a lado do clientes, especialmente, via mídia social, e-mail marketing e o marketing de conteúdo. Então, inclua marketing digital no seu planejamento de trade marketing.

Pesquisa de mercado

Você precisa saber onde está pisando, antes de dar os primeiros passos. Ou seja, o fabricante deve conhecer as particularidades do seu mercado e o seu público para se posicionar corretamente.

O poder do relacionamento

Nenhuma ação de trade marketing tem sentido e traz resultados satisfatórios se o fabricante não investe em relacionamento sincero e de longo prazo.

Afinal, o trade marketing visa o ganha-ganha, onde os fabricantes atacadistas, distribuidores e varejistas querem vender e obter lucros com o produto.

Então, se todos andam na mesma direção, o relacionamentos é indispensável. E as estratégias citadas acima são oportunidades valiosíssimas de se praticar essa máxima.

Outras dicas para se criar e fortalecer relacionamentos são:

  • Visitas aos centros de distribuições e às lojas atacadistas;
  • Contato frequente com o cliente, seja por meio de um telefonema, e-mail; mídias sociais etc;
  • Compartilhamento de pesquisas de mercado;
  • Parcerias nas campanhas publicitárias e de marketing;

Existem muitas outras formas de se investir em relacionamento, independentemente do setor de atuação. Use a sua criatividade no planejamento de trade marketing  e sucesso!

Incrementando as vendas

Nesse post, focamos no trade marketing. Mas, se você quer impulsionar as suas vendas, precisa ir mais longe. Uma super dica é recorrer aos livros como seus aliados.

Por exemplo, a plataforma 12 Min disponibiliza os conteúdos das obras mais valiosas de marketing e vendas, disponíveis no mercado editorial. Tudo no formato de microbook para você assimilar as informações de maneira rápida.

Nós separamos algumas sugestões. Mas, se preferir, clique aqui e escolha você mesmo as obras ou os autores que mais lhe interessam.

Veja as nossas dicas para hoje:

SPIN Selling – Alcançando Excelência em Vendas – Neil Rackham

Conheça as 4 etapas do processo de vendas, os pilares do processo SPIN. Entenda como mapear a situação do seu cliente e a fazer as perguntas-chave que vão impulsionar a suas vendas.

trade marketing Spin

As 22 Consagradas Leis do MarketingAl Ries & Jack Trout

Existem princípios fundamentais do marketing que podem ser seguidos por qualquer um. Os autores capturaram um compêndio das melhores práticas para o sucesso definitivo. Viole estas leis e você estará fora do mercado

trade marketing as 22 consagradas

Gostou das sugestões. Tem muito mais esperando por você. Boa leitura!

4 Ps do marketing: entenda como trabalhar com o mix de marketing

Como atrair o interesse do consumidor para o seu produto ou serviço num cenário abarrotado de opções? Os concorrentes estão por todos os lados, com acesso às mesmas informações que você, as mesmas tecnologias e a mesma vontade de vender.
Ah, você não tem concorrente? Sua ideia é original? Ótimo. Mesmo assim o seu produto/serviço precisará impactar o cliente e despertar nele o desejo ou a necessidade de adquiri-lo. É aí que entram os 4 Ps do Marketing.
Isso porque, todo empreendedor tem que vender o seu produto ou serviço. E vender mais de uma vez. Excelente produto e uma ideia excepcional guardados na gaveta ou empoeirando nas prateleiras – físicas ou virtuais – não têm valor.

O que são os 4 ps do Marketing?

Os 4 Ps do Marketing originais são: Produto, Preço, Praça e Promoção. Quatro palavrinhas mágicas em qualquer plano de marketing, independente do porte ou segmento da empresa.
Os 4 Ps do MarKeting são chamados também por alguns especialistas de Mix de Marketing ou Composto de Marketing. Independente da denominação, o importante é que esses quatro elementos juntos devem ser a base da sua estratégia de venda.

O que é marketing?

Para trabalhar os 4 Ps do Marketing, é claro que você precisa entender primeiro o que é marketing e a importância dessa ferramenta para alavancar as suas vendas.
De uma maneira bem simples, podemos entender marketing como o processo de “colocar um produto certo, no lugar certo, com preço certo, no momento certo”.
Ou seja, fazer marketing significa aplicar um conjunto de ações para que um produto/serviço alcance o consumidor, cause impacto positivo e seja adquirido por ele. O resumo disso tudo: sucesso nas vendas.
Essas ações não podem ser usadas de forma aleatória, com base em achismos, na intuição ou contando apenas com a sorte.
Marketing exige planejamento e estratégia. Eles devem ser validados e validados, com atenção especial para mudanças no cenário que podem afetar as decisões do consumidor, como por exemplo, o lançamento de um novo produto.
Descuidar-se nessa etapa do processo pode ser a sua credencial para o fracasso.

Os 4 pilares

4 ps do marketing 12 minutos
Quando se fala em estratégia e plano de marketing, lá estão eles: os 4 Ps. Criados em 1960 pelo professor e escritor americano, Jerome McCarthy, os Ps do Marketing ganharam o mundo pelas mãos do outro professor e escritor Philip Kotler.
Entenda como funcionam os 4 Ps do Marketing:

Plano de Marketing

P – Produto

Produto inclui também os serviços. É tudo o que o seu negócio oferece para o consumidor. Sobre isso, no seu planejamento estratégico de marketing, é preciso responder algumas perguntas:

  • Qual a necessidade do cliente? O que ele espera do seu produto/serviço?
  • Quais são as características do seu produto/serviço que satisfazem as necessidades do cliente?
  • Qual deve ser o tamanho, cor, cheiro, sabor etc do seu produto? Existe variedade de opções?
  • Qual será o nome e a marca?
  • Como, onde e com que frequência o cliente usará o seu produto?
  • Qual o diferencial do seu produto/serviço em relação aos rivais?
  • Qual o ciclo de vida do seu produto/serviço?

P – Preço

Não dá para planejar vendas, sem pensar em números. O preço do produto/serviço é o valor que o consumidor irá pagar por ele. E é esse dinheiro que manterá a sua empresa funcionando, permitirá investimentos e gerará lucros. Nesse item, as questões a serem respondidas são:

  • Quanto custa o seu produto/serviço para o consumidor?
  • Qual o preço do concorrente? Vale a pena reduzir preço para aumentar a sua participação no mercado? Ou um pequeno acréscimo poderá otimizar o lucro?
  • Qual a postura do seu cliente em relação a custos? Qual o impacto do preço de um produto/serviço na decisão de escolha dele?
  • O cliente está disposto a pagar pelo seu produto/serviço? Qual o valor máximo para o cliente?
  • É interessante criar preços diferenciados por segmentos de público?
  • Qual a relação entre custo de produção/distribuição e o valor de venda de forma a gerar lucro?
  • Existem características dispendiosas no seu produto/serviço que não são necessárias e podem ser eliminadas sem prejuízos?
  • Qual o limite de descontos a serem oferecidos aos diversos segmentos do seu mercado?

P – Praça

A questão central nesse item do seu planejamento é identificar onde o cliente encontrará o seu produto/serviço. Como ele chegará até você? As perguntas importantes são:

  • Onde o seu cliente normalmente busca pelo seu produto/serviço ou o produto rival?
  • Os seus pontos de venda são físicos, virtuais ou ambos?
  • Quais as características que podem tornar os seus pontos de venda físicos mais atraentes para o seu cliente?
  • Quais as melhores opções de canais para vendas online? Que ferramentas usar? Com que frequência?
  • Como construir uma rede de canais de distribuição forte? O que fazer para abrir portas vantajosas para a sua empresa?
  • Seria interessante investir em feiras e eventos?
  • O que os seus concorrentes fazem e que está dando resultado? O que aprender com eles e, até mesmo, como criar o seu diferencial?
  • Como será o contato inicial do cliente com o seu produto?

P – Promoção

Não confunda promoção com liquidação. Os 4 Ps do Marketing definem promoção como o conjunto de estratégias de divulgação. Não se limita aos canais a serem utilizados. Inclui, principalmente, a mensagem a ser enviada ao cliente. As principais questões a serem respondidas são:

  • O que você quer comunicar?
  • Quando é o momento ideal? Sazonalidade afeta o seu negócio?
  • Qual a linguagem a ser utilizada – algo mais formal ou despojado? Ou prefere ficar no meio dos dois?
  • Quais os canais de divulgação mais interessantes para o seu produto: redes sociais, links patrocinados, email marketing etc? Ou seria a mídia off-line tradicional, como anúncios impressos, TV, Rádio, outdoors, panfletos etc? Ou um mix entre tudo isso?
  • Existem datas especiais que devem ser exploradas a favor do seu negócio, aumentando as chances de vendas?
  • Mais uma vez, volte-se para os seus concorrentes: como eles fazem suas promoções? O que vem funcionando? O que pode ser adaptado para o seu negócio?

Relacionamos acima algumas perguntas essenciais para auxiliá-lo na elaboração do seu Mix de Marketing. Mas as buscas não se encerram aqui. Certamente você terá outras questões relevantes. Ponha tudo no “papel”.
O importante é ter um planejamento – incluindo os 4 Ps do Marketing, para orientar as ações da empresa na venda dos produtos/serviços e, ainda, conquistar a fidelidade do seu cliente.
Lembre-se que os 4 ps do Marketing devem ser usados com um todo. Deixar um deles de fora pode jogar o seu planejamento por água abaixo. Por exemplo, você produz uniforme escolar. Pensa em tudo, segue corretamente quase todas as ferramentas, mas o lançamento do produto ocorre depois de iniciado o ano letivo. O que você acha que vai acontecer?
Você pode aprender muiiiiiito mais sobre marketing por meio da leitura. O 12 Min tem uma variedade de opções imperdíveis.
Selecionamos 3 sugestões de microbooks, mas você pode acessar a plataforma e fazer a sua própria escolha.
Lembre-se: cada microbook é preparado para ser lido em aproximadamente 12 minutos. Aproveite!

As 22 Consagradas Leis do Marketing – Al Ries & Jack Trout

Aqui estão os princípios do marketing que devem ser seguidos por todas as empresas que buscam o caminho do sucesso.

As 22 Consagradas Leis do Marketing

Marketing 4.0 – Do Tradicional ao Digital – Philip Kotler

Esse é um guia para a nova geração de profissionais, com uma abordagem que combina interações online e off-line entre empresas e clientes.

Marketing 4.0

Ideias que colam: Por que Algumas Idéias Pegam e Outras Não – Chip Heath & Dan Heath

Para conseguir comunicar uma ideia de forma eficiente, é preciso entender como elas se multiplicam e quais as suas características-chave.

Ideias Que Colam