Descubra excelentes músicas clássicas para estudar

Não é de hoje que as músicas clássicas para estudar ou ajudar em trabalhos que exigem concentração são ouvidas. Pensando nisso, nós montamos uma super playlist para você. Vem conferir!
Diversas pesquisas ao redor do mundo já comprovaram a eficácia das músicas clássica para estudar. Em 2013 o site Uol publicou uma matéria mostrando um desses estudos, patrocinados por um grupo de britânicos da empresa Spotify. Na época, eles concluíram que os estudantes conseguiram absorver melhor o conteúdo estudado em uma progressão de 12% a mais do que quando não tinham nenhum som por perto ou quando ouviram outro tipo de música.
E não é apenas estudantes que são beneficiados. Qualquer pessoa que precise trabalhar com concentração, como designers, programadores, redatores, etc. também aderiram os fones de ouvido e as playlists de músicas instrumentais.
Sabemos que a maioria já tem uma lista de música de sua preferência e que sempre utiliza para estudar ou trabalhar, mas criamos uma bem especial e queremos compartilhar com você neste post. Claro que, além da playlist, enumeramos algumas dicas e curiosidades que você com certeza vai gostar de conhecer. Confira.

Por que as músicas relaxantes para estudar ajudam na concentração?

músicas clássicas para estudar 12 minutos 2
A explicação está na quantidade de batidas por minutos que o nosso cérebro consegue reter. Músicas que apresentam um ritmo de 60 a 70 batidas por minutos induzem o nosso cérebro a relaxar bem mais e ajuda a aumentar a nossa produtividade nos estudos ou no trabalho. O resultado é que conseguimos reter mais informações e, consequentemente, aprender mais sobre que estamos lendo.
Para quem optou por músicas instrumentais para estudar ciências e línguas, que exigem mais dos nossos sentidos e da lógica, as canções com 50 a 80 batidas são mais indicadas. Essas são aquelas compostas de um ritmo mais lento, porém com pequenas “batidas”. Essas estimulam mais o lado esquerdo o cérebro a processar as informações.
Já para estudantes de artes ou outras áreas que exigem criatividade, canções mais aceleradas são as mais indicadas. Essas estimulam a excitação do cérebro e ele produz com mais avidez e facilidade.

Mais saúde para sua mente

Utilizar a música instrumental para estudar também acaba beneficiando outras áreas do seu corpo. O tipo de som emitido por essas canções traz benefícios para seu cérebro ao longo do tempo, ajudando-o a evitar doenças neurodegenerativas, como é o caso o Mal de Parkinson e do Alzheimer.
Essas canções também liberam dopamina, trazendo uma maior sensação de relaxamento e felicidade. Isso fortalece o sistema imunológico e regula o seu estado emocional.

Você já ouviu falar no Efeito Mozart?

Nos anos 90, principalmente nos Estados Unidos, houve um boato que ouvir composições de Mozart inúmeras vezes ativaria células de nosso cérebro e nos deixaria mais inteligentes. Você viu acima que ter as melhores músicas clássicas para estudar faz diferença sim em sua rotina, mas isso não o deixará mais inteligente.
Na época, a BBC chegou a criar um documentário falando do quanto esse mito causou confusão entre pessoas e empresas. Até mesmo fazendeiros compraram cds do compositor atestando que suas vacas produziam mais leite com a canção.
Certo que há inúmeras técnicas de produtividade para seu dia render mais, seja no trabalho ou nos estudos, mas é preciso ponderar. As músicas clássicas e instrumentais causam, como citamos acima, um estado momentâneo de prazer, facilitando o aprendizado. O que tornará você mais inteligente e produtivo é a sua própria capacidade de aproveitar esse momento e absorver o máximo de informações relevantes possível.
Então indicamos bastante o uso de músicas clássicas para estudar, mas é importante não confundir com o Efeito Mozart, que foi um mito criado. Aproveite esse momento de relaxamento para pensar mais sobre o que está estudando, processar melhor as informações e discutir mentalmente o que é lido.

Cuidado com excessos

Assim como as músicas clássicas para estudar são ótimas, o excesso deixará de fazer efeito para a sua concentração. É preciso ter um tempo em silêncio para que o cérebro descanse. Também o indicado é trocar a playlist de tempos em tempos. Dessa forma o seu cérebro continuará processando os sons, mas em frequências diferentes.

Lista com as melhores músicas clássicas para estudar

músicas clássicas para estudar 12 minutos 3
Agora que você descobriu muito mais sobre o poder das músicas relaxantes para estudar, já podemos divulgar a lista que montamos com aquelas que consideramos as melhores canções para esse momento.
Claro que você também pode criar a sua própria playlist – só não esquece de compartilhar com a gente nos comentários – no próprio computador ou em aplicativos de streaming como Spotify ou o Deezer. Se vale ainda outra dica, nessas plataformas você também já encontra listas de músicas clássicas para estudar montadinhas!
Escolhemos 20 canções para você:

  1. Das Wohltemperierte Klavier, de Johann Sebastian Bach;
  2. Suite Bergamasque, de Claude Debussy;
  3. 24 Preludes op. 28, de Frédéric Chopin;
  4. String Quartet No. 7, de Ludwing van Beethoven,
  5. Le Carnaval des Animaux, de Camille Saint-Saens;
  6. Gnossienes: No. 1, Lent, de Erik Satie;
  7. Piano Concerto No. 23, de Wolfgang Amadeus Mozart;
  8. Serenade in G, de Wolfgang Amadeus Mozart;
  9. Capriol Suite: 2 Pavane, de Peter Warlock;
  10. Begatelle in A Mirror, de Ludwing van Beethoven;
  11. Romance for String Orchestra, Op. 11, de Gerald Finzi;
  12. Piano Sonata No. 14 In C Sharp Mirror, de Ludwing van Beethoven;
  13. Variations On An Original Theme, de Edward Elgar;
  14. La Traviata, de Giuseppe Verdi;
  15. Liebestraum No. 3 in A Flat Major, de Franz Liszt;
  16. Spanish Dance Op. 37,  de Enrique Granados;
  17. The Hebrides, de Felix Mendelssohn;
  18. Concerto for Violin and Strings in F Mirror, de Antonio Vivaldi;
  19. Overture “Egmont” Op. 84, de Ludwing van Beethoven;
  20. Les Contes d’Hoffmann, de Jacques Offenbach.

O que achou da nossa lista com as melhores músicas clássicas para estudar? Não deixe de comentar e nos contar sua opinião!
No blog do 12min você ainda encontra vários posts com dicas para melhorar a sua produtividade. Não deixe de conferir 🙂

Livro Quem Mexeu no Meu Queijo: grandes lições

Essa é uma fascinante parábola que nos leva a refletir sobre a nossa capacidade de reagir às mudanças inesperadas. Conta a trajetória de quatro personagens – ratos e duendes –  que percorrem um labirinto em busca de queijo.
O labirinto é a vida, com suas dificuldades e incertezas. O queijo é o nosso objetivo – trabalho ou qualquer outra fonte de conforto e segurança. Ratos e duendes somos nós – personagens diferentes, com reações e visões diferentes.
O Livro Quem Mexeu no meu Queijo? aborda uma questão central: se o seu queijo fosse movido, qual seria a sua reação? Nessa história de Spencer Johnson, ratos e duendes seguiram caminhos diferentes.
quem mexeu no meu queijo 12 minutos

Um resumo da parábola

“Quem Mexeu no meu Queijo?” começa com quatro personagens procurando por queijos, em um enorme labirinto. Uma busca diária. Sniff e Scurry eram ratos e agiam por instinto. Hem e Haw, os duendes, usavam os seus cérebros.
Apesar das diferenças, todos encontraram um posto cheio de queijos. Os duendes mudaram-se para perto da “mina” e relaxaram, acreditando que teriam queijo para o resto de suas vidas. Estavam felizes e seguros.
Os ratos seguiram acordando cedo e percorrendo o trajeto diariamente. Antes de saborearem o queijo, eles penduravam o tênis de corrida no pescoço, caso precisassem deles inesperadamente.
Sniff e Scurry tinham o hábito de farejar o queijo e de inspecionar toda a área. Por isso, eles perceberam que o estoque estava diminuindo e não ficaram surpresos quando o queijo acabou.
Sem pensar duas vezes, eles calçaram seus tênis de corrida e partiram em busca de um novo posto. E encontram um estoque ainda maior.
Os duendes, despreparados, ficaram perplexos, mas não abandonaram o posto vazio. Simplesmente, perguntavam-se: quem mexeu no meu queijo? Eles acreditavam que alguém recolocaria o produto ali. Permaneceram parados, esperando.
Com o passar do tempo, o duende Haw decidiu seguir o exemplo dos ratos e partiu à procura de um novo queijo. Ele avançou por caminhos desconhecidos, enfrentou o medo, a indecisão, a vergonha de errar e foi adiante.
Um dia, Haw também encontrou o novo posto, recheado de queijos. Durante sua trajetória, ele decidiu deixar mensagens pelas paredes do labirinto, compartilhando assim as suas experiências e aprendizados. Haw acreditava que, assim, estaria ajudando quem viesse depois.
Hem não o seguiu e permaneceu estagnado, esperando… Ele se achava velho demais para recomeçar.

As mensagens de Haw na busca pelo novo

“Quem Mexeu no meu Queijo?” reproduz as mensagens que o duende Haw compartilhou, usando as paredes do labirinto. São elas:

  • Se você não mudar, morrerá.
  • O que você faria se não tivesse medo?
  • Cheire o queijo com frequência para saber quando ele está ficando velho.
  • O movimento em uma nova direção ajuda a encontrar um novo queijo.
  • Quando você vence o seu medo, sente-se livre.
  • Imaginar-me saboreando o novo queijo, antes mesmo de encontrá-lo, conduziu-me a ele.
  • Quanto mais rápido você se esquece do velho queijo, mais rápido encontrará um novo.
  • É mais seguro procurar no labirinto do que permanecer sem queijo.
  • Velhas crenças não o levam ao novo queijo.
  • Quando você acredita que pode encontrar e apreciar um novo queijo, muda de direção.
  • Notar cedo as pequenas mudanças ajuda-o a adaptar-se às maiores que ocorrerão.

As principais lições

livro quem mexeu no meu queijo 12 minutos 02
O livro “Quem Mexeu no Meu Queijo?” nos ensina muito e nos leva a refletir sobre como conduzimos as nossas vidas. Veja algumas lições valiosas.

Defina o seu objetivo

“Se você não sabe para onde vai, qualquer caminho serve”, já dizia Lewis Carroll. Ter um objetivo claro a seguir não só lhe oferece esperança, mas lhe dá embalo e lhe deixa mais atento para perceber as pistas que apontam o melhor caminho.

Olhe para a frente

Quando a mudança vier e tirar a sua fonte de segurança, aceite-a. Abra mão do que você perdeu, pois, viver no passado é privar-se do futuro. E isso só leva à miséria e frustrações. Pense no que fazer para melhorar sua situação. A única maneira de superar as perdas é olhando para frente. Trace novos planos e saia do lugar.

Monitore a mudança

Quando estamos em nossa zona de conforto, tendemos a evitar o novo, exatamente por medo do desconhecido. Mas a situação pode mudar, apesar da nossa vontade. Assim, é preciso estar sempre atento e preparado para não sermos pegos de surpresa. Cheire o queijo frequentemente, para saber quando ele está envelhecendo.

Supere o medo

O medo é uma grande causa de paralisação. E acaba virando uma grande desculpa para permanecer na sua zona de conforto. Primeiro, saiba que ele existe. Depois, enfrente-o. Não é necessário extinguir o medo para superá-lo. Bastava seguir em frente, mesmo amedrontado.

Não se abale com a solidão

Quando você começar a procurar pelo que quer, é natural que se sinta mais distante daqueles que não compartilham de sua busca. Tudo bem, esteja ciente de que isso faz parte do processo.

Ria de si mesmo

Não se leve tão a sério. Permita-se dar alguns passos para trás e enxergar o cenário completo. pergunte-se: o que você está fazendo está lhe ajudando? Há alguma atitude sua que lhe atrapalha? É bem provável que sim; não faça dela o fim do mundo ou culpe-a por seus fracassos. Abrace-a com carinho e ria de seus defeitos. Essa é a melhor forma de assumi-los e começar a mudá-los.

Assuma os fracassos como experiência

Fracassos são naturais e fazem parte das nossas vidas. Sucessos instantâneos são raros. Aprenda com seus tropeços e desilusões e, assim, você estará cada vez mais preparado para chegar onde quer. Uma importante lição de “Quem mexeu no meu queijo?”

Experimente o novo

Ao agarrar-se ao conforto e ao que já se tem, você fecha as portas do novo. Como saber se não há algo melhor por aí, se você nem se dá a chance de experimentar? Quanto mais cedo você se soltar, mais cedo poderá usufruir do novo. Assim, apesar das incertezas, abrace as mudanças como oportunidades de crescimento,

Encontre satisfação no caminho

Se na corrida para o sucesso você esquecer de apreciar seus passos, é provável que esteja indo para o lugar errado.

Mantenha a mente aberta

Limitar suas crenças é restringir o seu próprio desenvolvimento. Cuidado com aquilo que acredita, pois, é provável que isso ajuste suas percepções de mundo para que obtenha a comprovação. A única forma de crescer é treinar a recepção de novos estímulos sem recusá-los, procurando entendê-los e avaliando com transparência se eles fazem sentido ou não. Não diga “não” ao que foge de suas crenças.

Compartilhe o que sabe

Além de ajudar os outros, compartilhar seus aprendizados serve de lembrete. Ao repeti-los, você garante que não irá esquecê-los. E sustentando a reflexão, pode descobrir ainda novas associações.

Persista

Não desista com as dificuldades e as incertezas que aparecem no meio do caminho. Manter o foco no queijo e usar a sua capacidade de rir de sua insensatez podem levá-lo ao amadurecimento e persistência.

Simplifique

Aprenda com o passado e simplifique a sua vida dali pra frente. Assim, você pode ter o melhor dos dois lados. Seja flexível, não se confunda com as crenças assustadoras e adapte-se rapidamente.

Aprenda com as dificuldades

Na parábola “Quem Mexeu no meu Queijo?”, o duende Haw escreveu mensagens também na parede do segundo posto do queijo. Ele fez isso para se lembrar sempre do seu aprendizado.
Essas mensagens são exatamente um resumo das lições que acabamos de ver. Confira:

  • A mudança ocorre, continuam a mexer no queijo.
  • Antecipe a mudança, prepare-se no caso do queijo não estar no lugar.
  • Monitore a mudança, cheire o queijo com frequência para saber se está velho.
  • Adapte-se rapidamente à mudança; quanto mais rápido você se esquecer do velho queijo, mais rápido pode saborear um novo.
  • Mudança, saia do lugar assim como o queijo.
  • Aprecie a mudança, sinta o gosto da aventura.
  • Esteja preparado para mudar rapidamente, continuam mexendo no queijo.

A mudança é inevitável

livro quem mexeu no meu queijo 12 minutos 03
A conclusão do livro Quem Mexeu no Meu Queijo é clara: você não pode impedir as mudanças em sua vida. Mas você precisa estar preparado para não se abalar com esses movimentos.
Se as coisas mudam, por que você não muda também? Insistir em se apegar ao passado causa sofrimentos. Olhe para frente, enfrente o incerto! Vença o medo e a insegurança! E saboreie o queijo!
Aceitar uma mudança ilumina os cantos escuros do percurso, permitindo que você enxergue as coisas como elas realmente são, sem receios, medos, angústias ou arrependimentos.

Onde você se encaixa?

Agora que você conhece a parábola “Quem Mexeu no meu Queijo?” e entendeu a moral da história, é hora de trazer a reflexão para o seu caso específico. Pense: com qual personagem você se identifica mais?
Ratos ou duendes? Você age instintivamente em situações de mudanças e parte em busca do queijo novo? Você planeja antes de tomar essa atitude ou tudo ocorre automaticamente?
Pense se você deixa o medo paralisá-lo, como aconteceu com Hem. Ou você se identifica com Haw, que analisa antes de agir, combate o medo e as inseguranças, persiste e sempre aprende com os fracassos e tropeços da vida?
Essa reflexão é um excelente exercício para todos nós.

Continue lendo

Se você gostou desse post, certamente irá amar o resumo do livro Quem Mexeu no meu Queijo?, disponível no 12 Min, na forma de microbook ou audio book.
Este resumo apresenta cada passo de Haw na sua busca pelo novo queijo, no labirinto de incertezas. Uma verdadeira lição de persistência e sucesso.
Na plataforma 12Min, além de “Quem mexeu no meu queijo?”você encontra ainda uma variedade de outras obras fascinantes, para ajudá-lo no seu crescimento pessoal e profissional. Quer algumas dicas? Anote aí:
quem mexeu no meu queijo a-arte-de-fazer-acontecer-12-minutos

A Arte de Fazer Acontecer – David Allen

Pare de executar um monte de coisas ao mesmo tempo e combata a procrastinação. A proposta é focar na tarefa atual sempre, deixando de lado tudo que possa distrair você.
quem mexeu no meu queijo mindset-12-minutos

Mindset – Carol S. Dweck

O sucesso não depende apenas de nossas habilidades ou talento e sim de como enfrentamos a vida e de como isso depende de duas atitudes mentais: a fixa e a progressiva.
o ponto de equilíbrio 12 minutos

O Ponto de Equilíbrio – Christine Carter

A autora busca esmiuçar para nós como descobrir o equilíbrio e mantê-lo para vivermos melhor.
Se preferir, você pode ir diretamente à plataforma 12Min e escolher a obra que mais interessa. As opções de títulos e autores são inúmeras. Como nos ensina “Quem mexeu no meu queijo?”, temos que aprender sempre.
Boa leitura!

Evernote: descubra o que é essa incrível ferramenta e como utilizá-la

Você é marinheiro de primeira viagem e ainda não sabe como o Evernote pode facilitar a sua vida? Venha com a gente e entenda o funcionamento dessa ferramenta.
Antes de falarmos das vantagens, você precisa saber o que é o Evernote. Quem pensa que trata-se apenas de uma aplicativo para fazer anotações está totalmente enganado. A ferramenta hoje é usada por muita gente como aliada para aumentar a produtividade.
Isso ocorre porque o Evernote ajuda você a capturar, organizar, lembrar e trabalhar as informações que lhe interessam. E um dos truques é utilizar ao máximo tudo o que o aplicativo oferece.
O Evernote está disponível para Windows, Mac, Chrome OS, Android, Windows Phone e iOS.

Como usar o Evernote

evernote 12 minutos 02
O Evernote pode ser usado de várias maneiras, depende da necessidade de cada pessoa. Isso significa que não existe um manual com um passo-a-passo que vale pra todo mundo.
Você pode “brincar” com as funcionalidades do Evernote, mas em uma coisa todos os usuários são unânimes: quanto mais conteúdo você adiciona, mais possibilidades de uso você descobre.
O Evernote pode abrigar tudo o que é importante para você, pessoalmente ou profissionalmente, de forma organizada e fácil de ser acessado.

Como funciona o Evernote

Como já foi dito, cada um usa o Evernote de acordo com o que lhe interessa. Então, o primeiro passo é decidir sobre o que você quer armazenar. Estamos falando em temas ou categorias. Por exemplo: Fotografia; Finanças Pessoais; Viagens; Comida, Moda; Artes,…
Depois de selecionar a categoria de sua preferência, comece a “alimentar” o seu caderno. Veja um exemplo: se o tema escolhido foi Viagens, arquive informações sobre roteiros, mapas, reservas e confirmações de voos e hotéis, fotos, informações sobre preços em geral, curiosidades, restaurantes, cultura local, enfim, tudo o que você quiser.
Clique aqui para ter uma ideia de como funciona um caderno no Evernote para os viajantes.

Infinitas as possibilidades: conheça algumas

evernote 12 minutos 03

Notes

Se você vai estrear o Evernote agora, comece criando uma nota, que pode ser um texto, multimídia, fotos, PDF, planilha do excel etc. O aplicativo permite mesclar os diferentes tipos de arquivos em uma só nota.
Uma nota no Evernote tem título, conteúdo e tags – que agilizam a localização do que está armazenado, por meio da sua ferramenta de buscas.
Você pode personalizar os seus arquivos, mudando a fonte e o tamanho das letras, o estilo e, ainda, fazer marcações.
O Evernote tem também o serviço “Nota de Informações”, que mostra dados como data de criação, atualizações, URL de origem, tags, autor, contagem de palavras e caracteres etc.

Notebooks

Os cadernos do Evernote – notebooks – guardam suas anotações. Existe a opção dos cadernos sincronizados entre todos os seus dispositivos e os cadernos locais, que só podem ser usados em um único dispositivo.
Escolha os cadernos sincronizados, sempre que possível, por causa da portabilidade que eles oferecem. Mas se você tem um caderno que é usado em um dispositivo apenas, o notebook local lhe atenderá perfeitamente.

Web Clipper

Um dos campeões em popularidade no Evernote, o Web Clipper é uma ferramenta para capturar páginas da web, enquanto navega. Você captura, arquiva e encontra tudo depois, de maneira rápida.
O Web Clipper é fácil de ser usado e oferece várias vantagens. Por exemplo:

  • Na captura, é possível:
    • selecionar apenas a parte de texto de uma página, eliminando imagens;
    • excluir partes do texto que não lhe interessam;
    • selecionar uma página completa;
    • fazer uma imagem da parte da página que você quer salvar;
    • compartilhar o conteúdo capturado com amigos ou até mesmo entre colegas de trabalho, clientes etc.
  • O marcador salva o URL, imagens e a descrição da página;
  • Você pode escolher o caderno que pretende inserir, adicionando tags e comentários, antes mesmo de criar a nota;
  • Você pode destacar e anotar seções importantes para revisitar mais tarde;
  • O Web Clipper mantém apenas o conteúdo do seu interesse, removendo as propagandas e ferramentas sociais;
  • O Web Clipper é inteligente e identifica, ao longo do tempo, em qual caderno você quer salvar páginas específicas.

Você precisa instalar o Web Clipper em seu navegador.

Pesquisa

A ferramenta de pesquisa é um dos pontos fortes do Evernote. Tudo o que você arquiva é encontrado facilmente. Funciona exatamente igual aos demais mecanismos de busca que você está acostumado a usar.
É só começar a digitar o que você está procurando que o Evernote filtra automaticamente as palavras comuns e exibe as notas que contêm cada palavra da sua busca.

Aplicativos móveis

Os aplicativos móveis também permitem capturar informações, salvá-las e realizar buscas. Eles são excelentes opções para digitalizar cartões de visita, documentos em geral e fazer anotações rápidas. E podem ser usados em qualquer lugar.

Ligando os pontos

evernote 12 minutos 04
O Evernote funciona com diferentes aplicativos, ampliando assim as suas funcionalidades, como criar documentos de e-mails, gerenciar tarefas, assinar documentos online etc.
Mas o Evernote tem também outros aplicativos próprios à sua disposição, que funcionam de forma integrada com o principal, como:
Skitch – para mensagens rápidas por meio de anotações, imagens e esboços.
Scannable – para escanear papéis de forma rápida, obtendo uma versão digitalizada de alta qualidade, que podem ser salvas e compartilhadas.
Penúltimo – para escrita digital e esboços em iPad.

Os planos do Evernote

Agora que você já sabe o que é para que serve o Evernote, é hora de conhecer os planos disponíveis. Você pode optar por:
Evernote Plus: $34.99 / ano.
Evernote Premium ($69.99 / ano) – para estudantes, é oferecido desconto de 50%.
Evernote Business ($14.99 / mês por usuário) – Nesse caso, existe a opção de experimentar a ferramentas por 30 dias gratuitamente.
Clique aqui e saiba o que cada plano oferece e escolha o que melhor lhe atende.

De olho na produtividade

O Evernote ajuda muito a melhorar a produtividade, mas o 12Min tem mais dicas legais pra você. Veja, aqui, no nosso blog, dois posts interessantes: Como aumentar a produtividade e poupar o seu tempo e Funcionalidades de aplicativos de produtividade.
E livro bom sobre o assunto é o que não falta. Para você economizar tempo e não gastar energia com pesquisa sobre as melhores obras, nós fizemos esse trabalho pra você e separamos duas excelentes sugestões de leitura. Anote aí:
evernote produtividade máxima 12 minutos

Produtividade MáximaTamara Schwambach Kano Myles

Aborda de forma simples algumas maneiras de como maximizar a produtividade por meio de métodos simples e de fácil aplicação.
evernote produtividade para quem quer tempo 12 minutos

Produtividade Para Quem Quer TempoGeronimo Theml

Um guia para lidar com a ansiedade e a falta de motivação que prejudicam a sua produtividade e impactam negativamente na sua carreira.
Lembre-se, cada resumo é preparado para ser lido em aproximadamente 12min. Se preferir, há a opção de audiobook.
Enjoy it!

Marketing multinível: entenda o que é e se vale a pena investir

Vale a pena investir em Marketing Multinível? Fomos atrás de entender o assunto e responder essa questão.
Muito se fala em Marketing Multinível, mas pouco se explica sobre o assunto. Um sistema de rede, que beneficia quem a pertence, é sempre a definição mais aplicada. Entender o Marketing Multinível e excluí-lo da definição de Pirâmide Financeira é a melhor forma de entender como funciona esse sistema de negócio que ganhou milhões de adeptos no mundo inteiro.
Nós pesquisamos e preparamos um post direto e bem explicativo sobre o que é o Marketing de Rede e se vale ou não a pena investir nele. O que acha de descobrir agora? Confira mais abaixo.

Entendendo o Marketing Multinível facilmente

Digamos que você comprou uma roupa em uma loja. Você levou o produto para casa, mas provavelmente não pensou em todo o canal de distribuição que foi necessário se criar para que essa peça chegasse até você. Acertamos? Então voltemos ao primeiro desses canais: o fabricante.
Quando a sua peça de roupa saiu do fabricante, ela pode ter passado por um ou mais distribuidor para, posteriormente, chegar ao revendedor e, por último, chegar ao lojista. Quando você adquiriu a peça, ela já estava consideravelmente cara se levarmos em consideração o seu preço inicial. A margem de lucro e os impostos justificam o aumento dos valores, neste caso.
No Marketing Multinível o sistema de vendas funciona um pouco diferente. Por ser uma rede de vendas diretas, os canais de distribuições são bem curtos, o que inibe o elevado custo do produto. Você sempre venderá o produto pelo valor que o fabricante determinar.
O trabalho consiste em vender produtos através de uma rede de afiliados que trabalham em conjunto. Os produtos saem diretamente do produtor para o cliente final. Os lucros e comissões do Marketing de Rede são gerados a partir do desempenho das vendas de cada pessoa.
Explicando melhor, o valor do produto não é alterado. O que vai diferenciar os lucros é a quantidade de produtos vendidos. Por exemplo, mesmo que você não consiga uma rede grande de parceiros, mas aqueles que já estão presentes sejam atuantes nas vendas, os seus lucros serão crescentes sempre.
É justamente quando falamos em rede que o Marketing Multinível começa a ser confundido com esquema de Pirâmide Financeira.

Markerting de Rede e Pirâmide Financeira são a mesma coisa?

marketing multinível 12 minutos 02
A resposta é não. Em alguns pontos o Marketing de Rede pode até ser semelhante a uma Pirâmide Financeira, mas é a sua estrutura que garante o sucesso de quem está afiliado no sistema.
Podemos exemplificar de uma forma bem simples. Na Pirâmide Financeira, se o número de pessoas da rede cai, os lucros do sistema também reduzem. É quando o esquema começa a quebrar e, em determinado ponto, vai por água abaixo.
Já no Marketing Multinível, como explicamos no tópico anterior, o que importa é que todos permaneçam trabalhando bem e de forma dedicada. Mesmo que ninguém mais entre na sua rede, se você continuar vendendo os produtos e serviços na mesma escala sempre, as receitas continuam sendo geradas.
Ou seja, enquanto o esquema de Pirâmide pede mais pessoas para investir um valor maior e, consequentemente, todos ganharem, o Marketing Multinível pede apenas que aqueles que já estão presentes continuem vendendo, sem precisar investir, para então todos lucrarem.

Quais as principais vantagens de trabalhar o Marketing Multinível?

Agora que você entendeu melhor o que significa Marketing Multinível, conhecer as vantagens desse sistema fica bem mais fácil. Destacamos as 3 melhores:
Você tem a logística da empresa toda pronta. Não é preciso investir em nada que você não deseja. Algumas pessoas criam sites especializados em Marketing de Rede, mas isso só faz elevar seus ganhos. Com as ferramentas que o criador do produto oferta já é possível obter grandes e bons lucros;
Premiações por desempenho. É comum que grandes empresas de Marketing Multinível premiem seus melhores vendedores com viagens, valores em dinheiros e até bens como carros e imóveis;
Treinamento e capacitação. Se você não tem muita facilidade com vendas, não precisa desanimar. É bem comum que as empresas realizem um treinamento e capacitação para que você consiga chegar até o seu consumidor da melhor forma possível. Você também receberá todo o material de apoio para começar a trabalhar com a rede.

Vale a pena investir?

marketing multinível 12 minutos 03
Você provavelmente estava querendo chegar nesta pergunta, acertamos? Na verdade, a pergunta que mais se escuta quando o assunto é Marketing de Multinível é: “Não é arriscado investir nisso?”.
Para entrar em um sistema de Marketing Multinível você precisa comprar um kit, na maioria das vezes. As empresas dão todo o material pronto e os iniciantes optam por comprar kits mais completos ou apenas o básico.
O que é comum de se ver em algumas redes, são patrocinadores querendo vender o kit mais caro para que seus afiliados gerem mais lucros. Contudo, se não há a dedicação que esse serviço pede, sim, você está colocando seu dinheiro em risco. O seu lucro depende do seu comprometimento.
O que muitos especialistas aconselham é comprar um kit básico e, ao longo que suas vendas aumentem, adquirir planos maiores e, consequentemente, aumentar também os lucros. Dessa forma o risco de perda é quase nulo.
O Marketing Multinível é um sistema de rede sério, que exige dedicação e gera muitos lucros. Com a orientação correta e o material que você precisa, o seu investimento pode sim gerar uma ótima renda extra para seu orçamento.
Hoje essa é uma realidade que precisa ser levada em consideração e um modelo de negócios que realmente funciona.
Você conseguiu tirar suas dúvidas e entender o que significa o Marketing Multinível? O que achou do sistema de vendas em rede? Deixe seu comentário!
Você sabia que no aplicativo 12min é possível encontrar uma categoria exclusiva sobre Marketing e vendas? Confere os microbooks disponíveis no site e depois conta para nós o que achou. Lá você encontra ótimos títulos sobre Marketing Multinível e que ajudarão bastante no seu novo negócio!

Modelo de Canvas: o que é e como construir um

O modelo de Canvas é uma ferramenta fundamental para que a sua ideia de negócio se concretize e seja um sucesso.
Quando se está projetando um novo empreendimento, o primeiro passo deve ser sempre o modelo de negócio. É a partir desse documento que dá para traçar diversos pontos importantes para o sucesso da empresa. O Canvas Business Plan e uma metodologia funcional, que foi mostrada no livro Business Model Generation, de Alex Osterwalder e Yves Pogneur. A partir dele é possível traçar toda a estratégia de negócio de um empreendimento, utilizando apenas um quadro, dividido em blocos.
Neste post vamos conversar mais sobre o que é o modelo de Canvas e como você pode construir um sem grandes dificuldades. Veja.

Entendendo o Canvas Business Plan

modelo de canvas 12 minutos 02
Como citamos acima, o modelo de Canvas é um documento em forma de quadro, que permite ao empreendedor traçar toda sua estratégia de negócio. Para que ele funcione, são utilizados 9 elementos no quadro, que vamos detalhar em um tópico específico mais para frente. Cada um dos nove elementos trabalhados no modelo de Canvas são fundamentais para o sucesso de qualquer empresa e, por esse motivo, funcionam em todas as áreas.
Ele pode ser utilizado para reestruturar um negócio já em atividade, mas ainda é mais indicado para aqueles que estão começando. Quando criou, Alex Osterwalder e Yves Pogneur tentaram responder 4 perguntas de valor para um negócio: “Como?”, “O que?”, “Para quem?” e “Quanto?”. Para os dois, todo negócio é criado para gerar valor. O que dificulta o sucesso é, quase sempre, a falta de visão sobre como produzir esse valor, como capturá-lo e como entregar valor ao mercado.

Entendendo os 9 elementos do Modelo de Canvas

Cada um dos 9 elementos do modelo de Canvas é fundamental para compreender quatro bases de qualquer negócio: a viabilidade financeira, a oferta de serviços e produtos, a infraestrutura e os clientes. O domínio de todas essas bases trará a possível solução para os desafios que o negócio pode enfrentar. Você precisará apenas voltar ao seu Canvas Business Plan revisar a estrutura traçada.
Para você aprender a montar um modelo de Canvas, precisa entender completamente o que cada elemento propõe. Vamos explicar cada um deles então.

Segmento de Clientes

Aqui você traçará o perfil do seu potencial cliente. Como o objetivo da sua empresa é criar valor, assim como citamos antes, é preciso saber para quem você está projetando essa criação.
Uma boa maneira de começar a responder a pergunta “Para quem?” do seu Canvas Business Plan, é projetar que tipo de pessoa melhor se encaixa no tipo de negócio que está em criação. Por exemplo, você pode focar sua empresa em mães, em um público mais jovem, em viajantes, em amantes de cinema, entre tantas outras vertentes. Claro que é permitido ter mais de um público de foco, mas quanto mais afunilado for o seu modelo de Canvas, melhores resultados serão gerados.

Proposta de Valor

Esse elemento ajuda a responder a pergunta “O que?”, trazendo um foco maior nos produtos, serviços e outros benefícios que a empresa irá oferecer. Aqui entram questões como o que será novidade, o que será inovação sobre o que já é aplicado no mercado, o que pode ser feito para redução dos custos, os preços, etc. Tente responder o máximo de perguntas sobre como resolver os maiores problemas dos seus clientes.

Canais de Distribuição

O nome já indica o propósito. Respondendo mais uma vez a pergunta “Para quem?”, você buscará a melhor forma de alcançar os seus clientes. Aqui você encontrará a resposta sobre como levar a proposta de valor traçada até seu público.
A resposta para esse elemento pode ser diversa. Você decidirá se trabalhará com delivery, por exemplo, quais os canais de marketing que serão utilizados, se você irá até o cliente ou o inverso acontecerá, entre outras informações.

Relacionamento com Clientes

É a forma como você estreitará os laços com seu cliente. Responder questões como o que será feito antes e depois da compra, como será personalizado o atendimento dos diferentes canais do seu negócio, o que será feito para melhor atender o público, entre outras questões que você pode considera relevante neste aspecto. Entender um pouco de rapport pode ajudar muito neste momento.

Fontes de Receitas

Esse elemento pode até parecer complexo de início, mas não é. Você precisará focar no quanto o seu cliente está disposto a pagar pelo seu produto ou serviço e se esse preço tem valor, de fato.

Recursos-Chave

Os recursos-chave são aquelas ferramentas que você precisa para que o modelo de negócios funcione. Entra aqui as plataformas tecnológicas, os ativos físicos, os canais de relacionamento, etc.  Leve em considerações os recursos indispensáveis para iniciar o negócio e também aqueles que podem ser implementados em longo prazo.

Atividades-Chave

Aqui você levará em conta todos os ativos indispensáveis para o seu negócio. Imagine quais itens não podem ficar de fora para a empresa, pois comprometem o seu funcionamento. Um exemplo bem básico seria uma loja online. Sem um site, ficaria impossível viabilizar o empreendimento.

Parcerias

No modelo de Canvas, pensar em parceiros é sim uma prioridade. Muitos empreendedores deixam para analisar esse tipo de recurso depois que a empresa está estabelecida em funcionamento. Mesmo que você não feche nenhuma parceria neste momento, pense em quais seriam seus contatos preferenciais e ideais.

Estrutura de Custos

O bloco da estrutura de custos será o último a ser preenchido por englobar todos os custos para que o Canvas Business Plan funcione. Você colocará aqui valores como implementação de ferramentas, estrutura, pagamento de publicidade, parceiros, etc.

Como montar um modelo de Canvas

modelo de canvas 12 minutos 03
Se você entendeu totalmente cada um dos elementos acima, montar o seu modelo de Canvas será bem mais fácil do que parece. A nossa dica é que você prepare alguns blocos de anotações e alguns post its. Como o modelo permite mudanças sempre que necessário, utilizar adesivos permite uma maior mobilidade de ideias sem rasurar o quadro.
Tenha também um quadro grande. Utilize um modelo de Canvas impresso no mínimo em um papel A3. Para planejamentos remotos, hoje já é possível encontrar quadros online e que permitem o preenchimento em nuvem.
A ordem como dispomos os elementos do tópico anterior é a mais indicada para preenchimento. Após preenchido, comece a validar o valor inserido em seu modelo. Inicie o trabalho e volte para o quadro sempre que for necessário.
Você já conhecia o modelo de Canvas? Conta para nós o que achou da proposta!
Uma técnica que provavelmente ajudará muito também na elaboração do seu plano de negócios é a PDCA. Você pode ler o nosso post sobre o que é PDCA e como ele é aplicado na gestão.

As 5 forças de Porter: o que são e como lhe permitem entender seu mercado?

Não importa o tamanho da sua empresa e nem o segmento de atuação. Para ser atrativo e rentável, você precisa conhecer o seu concorrente e se posicionar diante dele, dos parceiros em geral e dos consumidores.
As 5 forças de Porter foram criadas exatamente para analisar a concorrência, com uma visão mais abrangente, e fornecer subsídios para uma estratégia empresarial competitiva e eficaz. Ajudam, inclusive, a delimitar os pontos fortes e aqueles que você precisa desenvolver.
O modelo das 5 forças competitivas de Porter foi publicado em 1980, no livro Estratégia Competitiva: Técnicas para Análise de Indústrias e Concorrentes, do escritor Michael Porter. Desde então, vem sendo amplamente aplicado.
O lado ruim dessa história toda é que a análise das 5 forças de Porter não é uma tarefa fácil. Pelo contrário, exige dedicação, trabalho e muita atenção. No entanto, se bem feita, o resultado valerá a pena. E o tempo e energia empregados se transformarão em investimentos.

Conhecendo as 5 forças de Porter

Conhecer e aplicar as 5 forças de Porter são passos essenciais para o sucesso do seu empreendimento. Conheça cada uma delas.

  1. Rivalidade entre concorrentes

A rivalidade entre as empresas sempre existirá. O que você precisa medir é o impacto do concorrente no seu negócio.
E concorrente não é apenas quem produz a mesma coisa que você. Mas é aquele que compete junto ao consumidor.
Por exemplo, você quer dar uma “reformada geral” nos dentes, mas acabou de ver uma oportunidade de viajar para Disney com a família.
O dentista corre sério risco de ser colocado em segundo plano e ver toda a atenção e dinheiro do consumidor serem desviados para uma agência de viagens.
O mercado é diferente para cada tipo de produto. Alguns têm baixo nível de competitividade e outros enfrentam concorrência acirrada.
Mercados com concorrência acirrada podem levar fornecedores e compradores para longe de você, se eles não sentirem que estão fazendo um bom negócio ao seu lado.
Para identificar o poder dos rivais no seu negócio, responda as seguintes perguntas:

  • Quem são os seus concorrentes?
  • Qual o nível de concorrência em relação ao seu produto?
  • Quantos deles existem no seu segmento?
  • Onde eles estão? A localização é um diferencial estratégico?
  • Os seus rivais já se firmaram no mercado?
  • Quais as características relevantes dos produtos rivais?
  • Qual a percepção do consumidor em relação às marcas e aos produtos concorrentes?
  • Qual a estratégia de competição deles: preço, inovação etc?
  • Os seus concorrentes integram grupos poderosos?
  • Como seu concorrente vem atuando para se destacar na multidão e se manter na mente dos consumidores?
  • Qual a mensagem que ele emite para atrair o consumidor?
  1. Poder de negociação dos fornecedores

O que determina a força do fornecedor é, principalmente, a facilidade que eles têm mudar o seus preços. Acrescentam-se aí a qualidade do produto/serviço oferecido, prazos de entrega etc.
Assim, investir todas as suas fichas nas mãos de poucos fornecedores deixa a sua empresa vulnerável. Você fica, literalmente, nas mãos deles e, inclusive, enfraquece o seu poder de negociação.
Tenha em mente que ficar mudando de fornecedor pode se dispendioso. Então, invista energia para criar uma excelente carteira de fornecedores e desenvolva com eles uma relação de parceria e confiança, na base do ganha-ganha.
Lembre-se sempre: quanto maior a dependência em relação a um fornecedor, mais poder ele terá sobre você e, proporcionalmente, menor será a força de barganha da sua empresa.
Nesse item, as perguntas que você deve fazer são:

  • Quais são os fornecedores atuais para o meu negócio?
  • Quantos eles são e onde eles estão?
  • É viável desenvolver novos fornecedores?
  • Existe controle de preços por algum grupo de fornecedores?
  • Qual o poder de barganha dos seus atuais fornecedores?
  • Qual seria o impacto, inclusive financeiro, para trocar de fornecedores?
  1. Poder de negociação dos clientes

Essa é a força que o consumidor tem de mexer nos preços. Quanto menor a base de clientes, mais poderosa ela é. O inverso é correto também: seu poder de controle cresce quando se tem muitos clientes.
Com a expansão da internet, e cada vez mais pessoas estão conectadas nas redes sociais, um único cliente pode ganhar uma força imensa de barganha. E isso está acontecendo todos os dias.
As perguntas que você deve fazer:

  • Quantos clientes você tem?
  • Quantos clientes potenciais existem no mercado?
  • O seu cliente tem potencial para reduzir os seus preços? Qual a dimensão dessa força?
  • Os seus clientes têm poder para ditar as regras?
  • Qual o volume de compra dos seus clientes compram? Quando?
  • Qual o custo para o seu cliente migrar para o concorrente?

Você certamente identificará outras questões relevantes. Mas, quando o assunto é relacionamento com o cliente, você deve lembrar sempre de um coisa muito importante: excelência no atendimento.

  1. Ameaça de novos entrantes

A todo momento, um novo concorrente pode bater à sua porta. Quanto mais rápido e mais barato for para o rival entrar no mercado e se estabelecer, menor será o seu poder.
O ideal é criar barreiras de entradas. Elas podem ser por meio de registro de marcas,  registro de patentes e várias outras opções.
Se as suas barreiras à entrada de novos concorrentes não forem fortes o suficiente, o seu terreno poderá ser facilmente “invadido”. Pergunte-se:

  • Qual o tamanho da ameaça de novos negócios no seu mercado?
  • Existem barreiras fortes para novos concorrentes? Ou iniciar um negócio da sua área é tarefa fácil e de baixo custo?
  • Quanto custa iniciar um novo negócio? E quanto custa mantê-lo?
  • Quais são as regras que regulamentam a atividade e a abertura de novos negócios na sua área?
  1. Ameaça de substituição

Nas 5 forças de Porter, esse item trata das “chances do seu cliente achar um jeito diferente de fazer o que você faz”. Isso é de fato uma ameaça. Afinal, não existe produto tão original que não tenha concorrência.
Os substitutos estão sempre aí, às vezes com mais forças, outras nem tanto. O seu problema fica maior se esses substitutos foram mais baratos.
Quanto mais a pressão dos substitutos, menos atrativo fica o segmento. Isso porque eles interferem diretamente nos preços, reduzem os retornos e a rentabilidade.
Você deve se questionar:

  • Quais os produtos podem tomar o seu lugar?
  • Quais as características desses substitutos? Qual o ponto forte dele? Qual o ponto fraco?
  • Qual o preço?
  • Como o seu cliente pode ter acesso aos substitutos? Isso é fácil?
  • O substituto pode ser terceirizado?

Enfim, não dá para negar o peso das influências externas numa empresa, independente da sua área de atuação.
No entanto, o modelo das cinco forças de Porter permite visualizar o cenário de forma mais ampla e desenhar estratégias para se preservar das ameaças e não perder as oportunidades que o mercado oferece.
Aprendeu o que são as 5 forças de Porter? Você quer mais informações que podem ajudá-lo a alavancar o seu negócio? Veja aqui algumas sugestões de microbooks para você ler em aproximadamente 12 minutos, cada um.
5 forças de porter a arte da negociação 12 minutos

A Arte da Negociação – Michael Wheeler

Negociação é uma habilidade que pode ser desenvolvida ou aprimorada. Você só precisa estudar. Wheeler ensina as técnicas necessárias para ser um vencedor.
5 forças de porter foco 12 minutos

Foco – Daniel Goleman

Foco é uma habilidade chave para ser bem-sucedido, produtivo e ter relacionamentos pessoais e profissionais duradouros. Mas, nos dias atuais, isso não é tarefa fácil.
5 forças de porter as-armas-da-persuasão-12-minutos

As Armas da Persuasão – Robert B. Cialdini

O livro mostra como persuadir uma pessoa e, também, como evitar que sejamos transformados em uma vítima da persuasão.
5 forças de porter como-fazer-amigos-e-influenciar-pessoas-12-minutos

Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas – Dale Carnegie

Para muitos empreendedores, a leitura e o entendimento de Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas valem mais que um MBA.  

Livro Ansiedade, de Augusto Cury: principais lições

Nos dias atuais, tudo é pra ontem. Rápido e urgente.
Vivemos num mundo sob intenso estresse, competitividade acirrada, com excesso de informações que chegam até nós 24h, sete dias por semana. E elas vêm por todos os lados. Uma verdadeira loucura.
E haja energia para aguentar tudo isso…
Mas o que ocorre, com crianças e adultos, no mundo inteiro, é que essa energia não tem sido suficiente. E, sem ela, o corpo não funciona direito, com impactos negativos para a saúde e qualidade de vida. Tudo causado pela ansiedade.
Em seu livro Ansiedade: Como Enfrentar o Mal do Século, o psiquiatra, professor e escritor Augusto Cury aborda esse problema que ele chama de Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA).

Livro ansiedade: onde mora o perigo

livro ansiedade 12 minutos
Os números sobre depressão são realmente alarmantes. Dados oficiais mostram que a doença atinge cerca de 20% da população mundial.
Por causa dessa alta incidência, a depressão foi batizada de “mal do século”. Mas o que muita gente não sabe é que a Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA) é ainda mais grave.
Isso é o que revela o livro Ansiedade de Augusto Cury. Segundo o autor, a SPA afeta 80% da população mundial, independentemente de origem, nível sócio-econômico ou formação acadêmica. Estão todos no mesmo barco.
E o que está fazendo esse barco afundar é o um estilo de vida focado em consumo e extremamente acelerado, desrespeitando o processo de construção do pensamento.

Sistema educacional doente

Cury afirma em seu livro Ansiedade que, apesar do ensino técnico de qualidade em muitas escolas pelo mundo afora, o sistema clássico educacional exclui do currículo questões importantes que mantêm a pessoa saudável para tocar sua vida pessoal e profissional.
Esses gaps incluem temas como resiliência, inteligência emocional, como filtrar estímulos ou proteger a emoção.
O livro Ansiedade aponta ainda outro engano que torna o problema mais sério. Trata-se da confusão que as pessoas fazem em relação à ansiedade e outros males.
Por exemplo, é comum diagnosticar os jovens agressivos ou irritados como sendo hiperativos.
Nesses casos, os sintomas são parecidos, mas o tratamento é diferente. Assim, um diagnóstico errado, além de alterar as estatísticas, dificulta intervenções eficazes para a saúde e bem-estar das pessoas.
Daí a necessidade de conhecer mais sobre ansiedade e aprender como se livrar dela.

Parados no tempo

livro ansiedade 12 minutos 02
Nosso controle e maturidade mental, de acordo com o livro Ansiedade, estagnaram na idade das cavernas, se comparados com a higiene física.
Pense comigo: quantas vezes você escova os dentes? Provavelmente, a cada 4 horas, em média. Pense de novo: quantas vezes você dá uma paradinha para cuidar da saúde mental.
A maioria de nós nem se lembra disso e o que é pior, sequer sabe como fazer.
O livro Ansiedade explica que o nosso “Eu”, aquele capaz de tomar decisões sensatas, deve nos proteger, como um advogado de defesa faz com o réu. O problema é que o nosso “advogado é lento e não consegue atuar com base nos impulsos”.
Assim, quando as sensações angustiantes e as situações difíceis de serem resolvidas aparecem em nossas vidas – e elas aparecem mesmo – o nosso “Eu” não consegue reagir com a rapidez necessária. Nossa maturidade mental não evoluiu.
Cury compara o nosso “Eu” a um espectador na plateia de um teatro, assistindo uma peça na qual os nossos processos mentais automáticos são os protagonistas. O livro Ansiedade alerta que o desafio é inverter essa lógica, trazendo o “Eu” para o palco e para o controle dos demais atores.

Condenados a ser livres?

Imagine um presidiário, trancafiado numa cela, sem contato físico com o mundo exterior. Seu corpo está ali, preso, mas a mente se mantém livre para ir onde quiser. Ela extrapola as grades, dribla a segurança e ninguém tem o poder de segurá-la.
Essa é a síntese da Tese de Sartre, que o Livro Ansiedade joga por terra. De acordo com Cury, a memória registra tudo de forma automática, num processo conhecido como RAM – Registro Automático de Memória. Não escolhemos o que vai ser armazenado, apenas guardamos.
Portanto, se não conseguimos dominar o que pensamos, nem o que armazenamos, não podemos afirmar que o pensamento é livre.
No livro Ansiedade, Cury explica a matemática de construção do pensamento. E segundo ele, a regra é simples: corpo de informações disponível + estímulo recebido.
Esse corpo de informações é a nossa base de dados, na qual se apoiam as decisões racionais dos adultos.
Todo o nosso “histórico” fica armazenado: rejeições, frustrações, crenças, experiências do que “deu certo” antes etc. A partir daí, um novo estímulo aciona o banco de dados. O pensamento é a combinação entre os dois e a reação é reflexo do pensamento.
O  livro Ansiedade lembra que culturas inteiras carregam o seu histórico e o comportamento das pessoas é influenciado, até certo ponto, por fatos que ocorreram no passado.

A complexidade do pensamento

livro ansiedade 12 minutos 03
Depois de muito estudo e experiências sobre o pensamento, Cury desenvolveu a Teoria da Inteligência Multifocal – TIM.
Investigar o pensamento permite-nos um conhecimento mais aprofundado sobre o ser humano e como ele reage. Entender os motivos de cada reação e com quais partes da nossa mente ele se relaciona, permite-nos combater o mal que acomete a nossa sociedade: o SPA.
Cury garante que as pessoas ainda não sabem lidar com os pensamentos. Estamos no apogeu da indústria do lazer, mas nunca convivemos com tanta depressão. Estamos na era do conhecimento, mas nunca produzimos tanta repetição.
O livro Ansiedade detalha os processos interrelacionados pelos quais construímos os pensamentos, que são: o gatilho da memória, as janelas de memória e o autofluxo. Entenda cada um deles.

O gatilho da memória

O gatilho da memória é o primeiro contato do externo com o interno. Ele acessa o que já vivemos, a partir de sensações e estímulos externos. Permite, dessa forma, a interpretação, a consciência de quem somos, onde estamos e o que estamos fazendo.
Esse gatilho é essencial, porque nos permite viver, aprender e nos relacionar. Mas também pode aprisionar o “Eu”, gerando experiências muito negativas, a partir de memórias similares.
Assim apesar de ser essencial, o gatilho da memória também é responsável por síndromes, vícios e outras patologias psicológicas.

As janelas de memória

livro ansiedade 12 minutos 05
As janelas de memória são áreas de leitura da memória em um certo momento da nossa existência. São arquivos acessadas pelos gatilhos, acionados por estímulos externos.
O fenômeno ocorre a partir da leitura e da construção de informações. Cada janela de memória é uma parte do total e tem características específicas.
Veja um exemplo de dependência de drogas, citado no livro Ansiedade. Depois de algum tempo, a dependência passa a ser secundária. O problema está nas janelas de memória construídas em relação direta com a droga.
Para se chegar à cura da dependência e evitar recaídas é imprescindível fechar todas essas janelas e não apenas uma ou parte delas.

Tipos de janelas de memória

O livro Ansiedade enumera três tipos de janelas:

  1. Janelas neutras, que ocupam cerca de 90% da memória. Contêm informações corriqueiras, como datas, números e telefones.
  2. Janelas killer, que correspondem às áreas da memória com conteúdo emocional angustiante, fóbico, tenso, depressivo e compulsivo. Elas se chamam killer porque bloqueiam as várias outras janelas, transformando a pessoa em uma prisioneira em si mesma.
  3. Janelas light, incluem o raciocínio complexo, empatia, criatividade, resiliência, proteção emocional e gerenciamento de pensamentos. É a luz, para onde devemos movimentar nossa psique.

O autofluxo

Trata-se de um processo de conexão das diversas janelas de memória com o gatilho, construindo cenários, interpretações, linhas de ação e trajetos, desafiando o futuro e tentando prever o que vai acontecer.
No meio disso tudo, o “Eu” , que tem diversos papéis, fica paralisado, sem saber como agir. Entre esses papéis estão: autoconhecer, mapear mazelas psíquicas, ter consciência crítica, ser autônomo, gerenciar pensamentos, qualificar as imagens mentais, gerenciar emoções, criar pontes sociais, aprender a dialogar, reciclar a influência, reeditar as janelas killer, pensar antes de fazer, desenvolver resiliência, pensar como humanidade, gerenciar a SPA, aprender a não ser vítima do circuito fechado da memória etc.
A educação tradicional não desenvolve o “Eu”, assim, na maioria dos casos, ele não assume nem 10% das suas funções.

Os seis principais tipos de “Eu”:

  1. O gerente, que conhece e consegue gerenciar seus pensamentos em autofluxo.
  2. O desconectado, que simplesmente se deixa levar pelo que for proposto pelos sistemas automáticos.
  3. O flutuante, que não tem certeza sobre onde quer chegar e deixa outras pessoas tomarem as decisões.
  4. O engessado ou robotizado, que defende seus pontos de vista de forma cega e, geralmente, está preso em crenças e modelos mentais.
  5. O autossabotador, que não consegue parar de se cobrar, exige de si mais do que pode entregar.
  6. O acelerado, que está entulhado de mais informações do que é capaz de absorver.

Um mesmo “Eu” pode ter várias interfaces, positivas e negativas, que se alternam ao longo do tempo. Mas o “Eu” pode ser gerenciado e trabalhado, porém, isso não é tarefa simples, que ocorre num piscar de olhos.

A Síndrome do Pensamento Acelerado – SPA

livro ansiedade 12 minutos 04
O problema do SPA não se resume ao conteúdo pessimista dos pensamentos. A velocidade deles tem impacto expressivo.
O livro Ansiedade afirma que a humanidade tomou o caminho errado, com uma série de consequências negativas para as pessoas. Entre elas, a Síndrome de Burnout, TOC e Síndrome do Pânico.  
Mas a SPA é ainda mais abrangente e difícil de tratar. Gera ansiedade, mente inquieta, insatisfação, cansaço físico extremo, irritabilidade e flutuação emocional, dificuldade de desfrutar a rotina, dor de cabeça, dor muscular, déficit de concentração e memória.
A principais causa da SPA é o excesso. Excesso de informação, atividade, trabalho intelectual, preocupação, cobrança, uso de celulares e computadores. Isso inclui as crianças.

Os níveis de SPA

A SPA pode atingir níveis críticos, mas também é possível observar seu desenvolvimento desde o começo:

  • Primeiro nível é apenas viver distraído, o que acontece com parte do maior grupo de pessoas vivendo com SPA.
  • Segundo nível é quando começa a ficar difícil aproveitar a trajetória. Tudo passa a ser desagradável e chato.
  • Terceiro é o culto ao tédio. Não apenas desinteressante, mas agora os problemas são ainda mais evidentes. Nesse estágio, dá-se mais atenção e foco aos problemas.
  • Quarto nível é quando a paciência com pessoas mais lentas é escassa.
  • Quinto nível é composto por aquelas pessoas que planejam as férias com muita antecedência. As férias anteriores não foram suficientes para descansar e elas começam a pensar já nas próximas.
  • Sexto nível foca na aposentadoria. A pessoa pensa diariamente em quando vai parar de trabalhar, contando mês a mês.

Os impactos do SPA na saúde e qualidade de vida

Envelhecimento precoce da emoção é o primeiro impacto, caracterizado pela insatisfação crônica. Pessoas com SPA reclamam, são impacientes com quem pensa diferente, não curtem os momentos e não têm disciplina.
Em muitos casos, a idade biológica não combina com a idade mental e emocional. Por isso vemos adultos estacionados em asilos emocionais, jovens com idade emocional avançada, bem como idosos com idade emocional jovem…
Em um contexto de SPA, o “Eu” tem dificuldade de amadurecer. Essa imaturidade apresenta-se em forma de individualismo e egocentrismo.
As pessoas têm dificuldade de assumir as suas vontades e enfrentar os seus desafios, as consequências são doenças psicossomáticas, comprometimento da criatividade, do desempenho intelectual, relações sociais deterioradas e dificuldade de trabalho em equipe.

Como gerenciar o SPA

O livro Ansiedade cita as oito principais técnicas para que esse gerenciamento seja efetivo.

  1. Capacitar o “Eu” para ser protagonista. Apesar de não sermos 100% livres, é possível fortalecer o “Eu”. É importante ser livre para pensar, mas não ser escravo do pensamento.
  2. Ter métodos para escapar dos pensamentos negativos.
  3. Evitar sofrer pelo que ainda não aconteceu.
  4. Higienizar a mente com o método DCD – Duvidar, Criticar e Decidir. A dúvida é a origem de todo o conhecimento, a crítica permite modificar nosso pensamento e decidir de forma estratégica.
  5. Identificar o que acreditamos não ser mais verdade e se desfazer de imediato dessas crenças.
  6. Evitar ser uma máquina de trabalhar.
  7. Não ser uma máquina de absorver informações. O que importa é a qualidade e não a quantidade de informações.
  8. Não menosprezar a importância da qualidade de vida. Dormir bem, conversar com outras pessoas etc.

Você curtiu as informações acima de como enfrentar a ansiedade? Se você quer se aprofundar um pouco mais no assunto, o resumo do Livro Ansiedade está no 12Min.
E nós temos, também, outros livros de Augusto Cury esperando por você. Veja:
livro ansiedade inteligência multifocal 12 minutos
Inteligência Multifocal
livro ansiedade seja lider de si mesmo 12 minutos
Seja Líder de si Mesmo
livro ansiedade Mentes brilhantes_mentes treinadas 12 minutos
Mentes Brilhantes, Mentes Treinadas
livro ansiedade o código da inteligência 12 minutos
O Código da Inteligência
livro ansiedade nunca desista de seus sonhos 12 minutos
Nunca Desista de seus Sonhos
Lembre-se que cada microbook pode ser lido em, aproximadamente, 12 minutos. Enjoy it!

O que é growth hacking e por que tem se tornado indispensável?

Você já ouviu falar de growth hacking? A expressão se popularizou e hoje temos vagas de emprego para “growth hackers”. Mas o que é isso? Será que é apenas uma moda?
Neste artigo, exploramos um pouco desse conceito, os maiores usos e como é possível criar um sistema de growth na sua empresa. Ao final, você ainda confere dicas de leitura para começar os estudos nessa área fantástica! Está pronto? Vamos lá!

O que é growth hacking

Traduzindo para o português de forma simples, growth hacking significa “hackear o crescimento”. Ou seja, encontrar “atalhos” para crescer – seu produto, empresa, redes sociais, website.
Indo mais a fundo na definição, podemos colocar o growth hacking como um processo de experimentação que aborda todos os canais de marketing de uma companhia e o desenvolvimento de produto para identificar os formatos mais efetivos e eficientes, que vão culminar no crescimento da empresa.
Normalmente, falamos de growth para startups, pois são as empresas que precisam crescer mais rápido para sobreviver. Mas isso não impede que você utilize as técnicas para o seu negócio, mesmo que não se trate de uma startup.
O cenário digital se tornou o principal local onde os produtos e serviços podem alcançar a audiência, seja qual for o tipo de empresa. Mas esse ambiente oferece desafios: dificuldade para definir o público, recursos escassos, competitividade, ferramentas caras.
Para vencer tudo isso e conquistar seu espaço, é preciso saber o que mais funciona e adaptar.
Mas no que exatamente o growth hacking auxilia? Confira abaixo alguns usos das técnicas de crescimento e um exemplo de crescimento exponencial.

Usos do growth hacking – exemplo da Nasty Gal

Com o growth hacking, é possível aperfeiçoar produtos, trazer mais pessoas para o site, aumentar conversão de landing pages e muito mais. Veja o exemplo da história da Nasty Gal e entenda mais sobre as possibilidades do growth.

O nascimento da Nasty Gal

Sophia Amoruso era uma jovem, um tanto irresponsável, que não tinha nenhuma fonte de renda, mas sabia garimpar e comprar roupas em brechós. Aos poucos, ela aprendeu a vender peças com lucro pelo eBay e construiu relacionamentos com os donos de brechó.
Ela também utilizava o Google para detectar tendências ainda adormecidas entre os early adopters e conseguia colocar as mãos em peças que seriam vendidas mais tarde com muito mais lucro. Ainda conquistava a confiança de modelos e pedia para que elas vestissem suas roupas.
Com movimentos aparentemente pequenos, aos poucos ela construiu um império. Quatro anos depois, a Nasty Gal já faturava 100 milhões de dólares. E isso é growth hacking, na sua forma mais pura. Confira alguns detalhes das estratégias:

  • Linha de produtos: a curadoria cuidadosa de Sophia trouxe um reconhecimento do público, que acreditava que a Nasty Gal não apenas vendia roupas e acessórios, mas estilo. Essa abordagem criou uma imagem positiva da companhia, que despertava desejo do público.
  • Teste e otimização: Sophia acompanhava os cliques dos produtos no eBay e fazia testes com estilos de roupa e modelos. Se algo não performava bem, ela se recusava a fazer qualquer coisa parecida novamente.
  • Construção de marca: as redes sociais da Nasty Gal demonstrava o senso de estilo e personalidade da criadora e por isso conquistava uma imagem de identificação com o público e relevância.

Se você quiser saber mais sobre a história de Sophia Amoruso, leia o microbook baseado no livro dela, #GIRLBOSS.
Mas o caso da Nasty Gal foi mais caótico. O processo foi baseado no “feeling” da empreendedora, o que raramente funciona em situações normais. Como, então, é possível criar um procedimento organizado para o growth hacking? Descubra abaixo.

Como criar um processo de growth hacking

growth hacking 12 minutos 02
Muitas pessoas acreditam que growth hacking é sobre encontrar uma grande ideia que vai trazer milhões de visitas ao seu site da noite para o dia. Sim, muito do que se fala na mídia sobre essas técnicas está ligado ao sucesso de empresas como Airbnb e Uber, mas nem mesmo eles acharam essa “grande sacada”.
Um bom growth hacking trata de processos rigorosos e estruturados, que são baseados em iteração (repetição) e escalabilidade. De acordo com as suas necessidades e tamanho, o processo pode ser adaptado, mas sua essência é sempre parecida com o seguinte:

  • Pesquisa de público: antes de começar a aplicar qualquer técnica de growth, é necessário saber o que o público quer. Na verdade, você nunca poderá ter certeza, mas a fase inicial trata da suposição – trabalharemos em cima das hipóteses e vamos buscar comprová-las ou derrubá-las.
  • Definir metas e objetivos: com as suposições definidas, chega a hora de estabelecer metas e objetivos. Ou seja, são os números que vão definir se a hipótese caiu ou não. Um exemplo: se a landing page conseguir 10% mais conversões, significa que a cor do botão alterada é comprovadamente melhor..
  • Testar: o ideal é realizar testes A/B com as suas suposições. Mas, se não for possível, estabeleça períodos iguais para as duas versões e acompanhe os resultados. O importante é colocar aquela hipótese no contato com o público.
  • Otimizar: depois de receber os resultados dos experimentos, não deixe que o conhecimento se perca. Guarde as respostas que o teste trouxe e aplique em tudo que for fazer.

É você quem decide quais serão os experimentos – eles podem ser pequenos, como a mudança de cor de um botão, ou grandes, como a criação de outra versão de um produto.
Agora que você viu como o processo de growth hacking funciona, veja abaixo algumas dicas de leitura para que você comece a afiar as suas habilidades de growth hacker.

Dicas de leitura sobre growth hacking

growth hacking growth 12 minutos

Hacking Growth – Sean Ellis

Este é o livro perfeito para quem quer começar a entender melhor o growth hacking. A obra traz exemplos de teste e ensina o leitor a conquistar mais clientes, aumentando sua relevância no mercado.
Se você quer se tornar um growth hacker de primeira, não deixe de ler!
growth hacking Hipercrescimento-12-minutos

Hipercrescimento – Aaron Ross & Jason M. Lemkin

Você pode começar a montar uma startup de dentro da sua casa, utilizando seu computador. O futuro trouxe oportunidades e hoje podemos criar produtos, desenvolver projetos e conquistar clientes sem ter que sair de casa. O problema é que fazer algo que ninguém fez antes fica cada vez mais difícil e para se manter relevante é preciso focar em crescimento.
Este livro traz as melhores dicas para quem quer expandir negócios e não tem muitos recursos. Vale muito a leitura!
Esses dois títulos estão na nossa plataforma. Lá, você pode acessar a versão microbook de cada um deles e ler em poucos minutos, absorvendo todos os conceitos principais. Não deixe de fazer seu trial hoje mesmo!

Como preencher um currículo ideal para aquela vaga de emprego

Primeiro emprego ou não, saber como preencher um currículo ideal é sempre um desafio para quem busca um novo emprego. Então, vamos ensinar os segredos para você!
O currículo ainda é o documento mais importante na apresentação de um candidato às vagas de empresas. Independente de ter ou não trabalhado, dá para chegar em um ótimo resultado se você souber como fazer um currículo perfeito. É exatamente nesta questão que percebemos o quanto jovens ou mais experientes profissionais esbarram. Informações contraditórias ou desnecessárias, ausência de dados ou características importantes, além da formatação errada, são apenas alguns dos erros mais comuns.
Pensamos em como ajudar você a sair daquele modelo trivial e mostrar o que precisa para fazer um currículo simples, objetivo e que colocará você em destaque entre seus concorrentes.

Existe um modelo de currículo ideal?

como preencher um currículo 12 minutos 02
Queremos começar respondendo essa questão, porque é bem comum que essa pequena confusão exista. Não existe um modelo de currículo ideal. Cada empresa tem um olhar diferente e vai desejar formatos, consequentemente, diferentes também.
Então qual o segredo? Conhecer bem a empresa para a qual você está se candidatando. Esse é o primeiro passo de como fazer um currículo perfeito. Você pode sim ter aquele modelo padrão impresso para emergências, mas se você teve tempo para se preparar, leia mais sobre o local onde quer trabalhar, saiba quais as missões e valores da empresa, conheça o processo seletivo e, então, ofereça tudo isso em seu documento.
Outra dica é conseguir desenvolver o seu poder de persuasão, Essa dica é válida principalmente para profissionais com pouca experiência no mercado que desejam atuar. A forma como você convence seu recrutador de que ele já tem o candidato ideal faz toda diferença.

Currículo ou Curriculum?

Algumas pessoas afirmam que se escreve Currículo e outras já defendem que o termo Curriculum é o que tem a grafia correta. Se você também tem essa dúvida, não precisa se preocupar.
Na verdade, os dois termos podem ser utilizados e são reconhecidos pela gramática portuguesa. A diferença entre eles é que Currículo está em português e Curriculum é a palavra em latim. Para não errar, há uma regra muito simples. Se você optar por escrever Curriculum em seu documento, jamais esqueça também do termo Vitae. Somente assim o termo estará de fato correto e não prejudicará você, caso o entrevistador leve em conta esse pequeno detalhe.
Outra dica importante para esse uso é que você precisa escolher um dos dois termos para utilizar em seu currículo. Jamais comece o documento com um e utilize o outro no meio do texto.

Como preencher um currículo

Entendido as duas dicas acima, agora vamos mostrar como fazer um currículo perfeito e sem erro. Separamos cada parte do seu documento em um tópico com dicas individuais.

Dados pessoais

Sim, eles são essenciais para seu currículo, pois é como a empresa entrará em contato com você posteriormente para uma segunda entrevista. O erro de muitos profissionais está em exagerar nos dados pessoais na hora de ver como preencher um currículo. A não ser em casos onde a empresa solicita a informação, dados como seu CPF e RG não são importantes. Nome dos pais, local de nascimento e outros dados similares também podem ser descartados.
Neste campo você precisa colocar apenas seu nome completo, um telefone para contato e e-mail para contato. É bem relevante destacar o endereço de um perfil de redes profissionais, como o Linkedin, caso você as utilize.
Você precisa também observar pequenos detalhes:

  • Se escolheu colocar esse perfil, também revise-o para saber se todas as informações estão corretas, iguais ao seu currículo e atualizadas;
  • Cuidado com o e-mail que você coloca em seu currículo. O mais indicado é ter um endereço objetivo, com seu nome e sobrenome e de fácil memorização. Apelidos, nomes de personagens e outros tipos podem contar negativamente na seletiva.

Mensagem de apresentação para currículo e qualificações profissionais

A mensagem de apresentação é um item que muitos discutem quando o assunto é como preencher um currículo. A nossa dica é que você prepare, com poucas palavras, uma descrição de como você é como pessoa e como profissional. Existem empresas que solicitam uma carta de apresentação, e somente neste caso, você pode produzir um documento separado e maior.
Dicas importantes:

  • Não produza um texto muito focado em suas qualidades apenas. Aprender a controlar o ego nesse momento é muito importante;
  • Evite informações irrelevantes, como “pontual”, “assíduo ao trabalho”, “proativo” ou outros qualitativos semelhantes. Esses termos acabam por serem redundantes. Mostre o que você tem de diferencial, como por exemplo, qual o seu propósito de vida.

Área de atuação e formação profissional

Aqui você precisa especificar a sua área de atuação. Defina bem o que você pretende com o currículo. Evite colocar nome de vagas, pois isso pode causar uma desclassificação durante uma seletiva. Coloque informações como “Jornalismo”, “Advocacia”, “Publicidade”, “Enfermagem”. Isso amplia mais as suas chances de ser chamado para uma entrevista.
Na sua formação, não é preciso colocar todo o seu histórico escolar e de graduação, como muita gente faz. Lembre-se da dica que deixamos no início do post: mostre para a empresa o currículo que ela deseja ver.
É importante também você colocar apenas formações que tem como comprovar através de diplomas ou certificados. Caso esse seja o seu primeiro emprego e você sente a necessidade de ter algo para preencher neste campo, pode se matricular em diversos cursos online com certificação para adquirir mais conhecimento na área que deseja atuar.

Cuidado com as experiências profissionais anteriores

Lembra quando falamos que é importante conhecer a empresa para a qual você vai se candidatar? Neste momento essa informação vale ouro! Imagine, por exemplo, que você deixou currículo para uma empresa e, em suas experiências profissionais anteriores tem um cargo em companhias que ferem essas missões e valores?
Exemplificando melhor. Se você vai trabalhar em uma instituição de defesa dos animais, mas um de seus antigos trabalhos foi em uma empresa que testava produtos nesses bichinhos, as suas chances de conseguir o cargo reduzirão consideravelmente.
Você aqui também não precisa colocar todos os antigos empregos. Um número de dois ou três é o suficiente. Deixe discriminado o nome da empresa, o cargo que você exerceu, o tempo de trabalho e uma pequena descrição das suas funções.

Cursos complementares e idiomas

Essa também é uma grande dúvida da maioria dos profissionais. Assim como indicamos mais acima, só coloque informações de cursos que você tem como comprovar a certificação. A escolha de quais serão expostos em seu currículo depende muito da vaga desejada. Destaque aqueles de relevância para a empresa e que você cogita que será uma informação complementar válida para seu entrevistador.

Dicas úteis sobre o que precisa para fazer um currículo

como preencher um currrículo 03

  • Não é preciso agradecer no final. Um erro também muito comum é um “Atenciosamente” ou similares quando termina a descrição do documento. Esse tipo de cumprimento deve ser colocado apenas em cartas de apresentação;
  • Esqueça fotos e recursos gráficos elaborados. As fotos em currículo causam até uma discussão, mas se a empresa não solicitou, você não precisa colocar. Se incluir foto, cuidado com uso de filtros ou outros recursos gráficos para não prejudicar sua imagem;
  • Observe a linguagem e a gramática. Revise sempre o seu currículo antes de enviar para a empresa. Os erros de linguagem e gramática com certeza contarão de forma negativa para você;
  • Cuidado também com layouts e formatos excêntricos. É comum ver modelos de currículos muito coloridos ou cheios de firulas na internet. O mais indicado é ainda aquele documento em folha branca, letra em fontes simples e sempre preta. Caso você opte por fazer um currículo criativo, esteja confiante de que ele dará certo!

Agora conta para nós nos comentários. Conseguiu aprender como preencher um currículo ideal? Ficou bem mais fácil com certeza depois dessas dicas, acertamos?
Queremos também indicar outros diversos posts que ajudarão no seu processo seletivo em qualquer empresa. Visite o blog 12 Min!

O que é startup? Aprenda tudo sobre o assunto

As startups chegaram para ficar. E o Brasil entrou nessa onda global que sacode o mundo dos negócios. As startups brasileiras vêm se destacando até mesmo entre as principais geradoras de emprego e desenvolvimento.
Em 2017, eram 4.2 mil startups filiadas à associação brasileira da categoria, a  ABStartups. A maioria delas, no estado de São Paulo, 31%; Minas Gerais, em especial na região de Belo Horizonte, conhecida como San Pedro Valley, 9%; e Rio de Janeiro, 8%.
Os dois modelos de negócio mais comuns entre as startups brasileiras são o  B2B (Business-to-Business), em que o público-alvo são outras empresas – 21%; e o B2C (Business-to-Consumer), quando o foco está no consumidor final – 15%.
No quesito segmento de atuação, a preferência dos empreendedores são os softwares de serviço (5%), educação (4%), comunicação e mídia (2%) e financeiro (1%).
Os números são interessantes, mas muita gente pode estar se perguntando: afinal, o que é uma startup? O que a diferencia de uma pequena empresa? De onde vem o suporte financeiro?
Esse post vai responder as suas principais dúvidas. Venha com a gente!

O que é startup?

o que é startup 12 minutos 02
Essa pergunta gera uma série de definições. De acordo com Eric Ries, autor do best-seller “A Startup Enxuta“, trata-se é uma instituição desenhada para criar um novo produto ou serviço em condições de extrema incerteza, buscando um modelo de negócio escalável e repetível.
“É uma empresa que trabalha para resolver um problema onde a solução não é óbvia e o sucesso não é garantido”. É assim que o CEO da Warby Parker, Neil Blumenthal, define o que é startup.
A Small Business Association afirma que startup “vai além de uma empresa que acaba de sair do chão. O termo startup também está associado a um negócio tipicamente orientado para a tecnologia e com alto potencial de crescimento”.
Mas em uma coisa há consenso: as startups são projetadas para crescer muito rapidamente e expandir por novos mercados além de suas fronteiras. Aliás, limite geográfico não integra o vocabulário dessas empresas.

Sobrevivência das startups

A startup geralmente nasce do sonho de um grupo de amigos, com a promessa de crescimento rápido e um grande desafio: encontrar investidores.
Muitas das startups dão a largada com dinheiro de familiares ou colegas. Foi o caso da poderosa Facebook, que começou com as economias do brasileiro e co-fundador Eduardo Saverin.
No Vale do Silício, na Califórnia, as startups hoje atraem cerca de 43% do financiamento de capital de risco americano.
No Brasil, o empreendedorismo não para de crescer, impactando as startups e colocando o país entre os cinco com o maior número de empresas desse tipo em todo o mundo.
Nada mal, mas os números não são positivos para todas as empresa. Apenas uma em cada quatro startup sobrevive aos cinco primeiros anos.

A ajuda que vem dos “anjos”

Um dos fomentos das startups vem dos chamados “anjos”. Eles são nada mais que investidores com dinheiro e dispostos a aplicá-lo em inovações.
Mas a grana não cai do céu e os “anjos” não agem por caridade. O uso do dinheiro não é aleatório e sequer tem caráter filantrópico. Os grandes “anjos” normalmente esperam por um retorno de até 50 vezes do valor aplicado.
Eles são empresários, executivos ou profissionais liberais e não participam apenas com dinheiro. Em alguns casos, a ajuda vem junto com o compartilhamento de experiência e conhecimento sobre um setor específico.
O investimento ocorre geralmente quando a startup está dando os seus primeiros passos, mas os “anjos” não se tornam funcionários, porém, passam a ter participação na empresa.
Segundo a Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos para fomentar o investimento-anjo, em 2017, o volume total desse investimento no país teve um aumento de 9% em relação ao ano anterior e bateu na casa dos R$ 851 milhões.  
Mas quando se compara os percentuais de crescimentos dos últimos anos, em 2017 houve retração, já que no período de 2013 a 2015, o aumento variou entre 11 e 14%.

Aceleradoras

o que é startup 12 minutos 03
O nome diz tudo. Uma aceleradora de startups é uma empresa com o objetivo de colocar força no ritmo de crescimento de um negócio, vencendo as dificuldades dos primeiros passos.
Aqui, o incentivo não vem apenas em forma de capital, mas inclui capacitação, mentoria, networking, espaço físico de trabalho (coworkings) etc.
As primeiras aceleradoras nasceram nos EUA, nos anos 90, mas somente em 2005 começaram a deslanchar. O impulso veio, principalmente, com as empresas Y Combinator e a Techstars.
Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2017, as aceleradoras de startups já eram mais de 200 em todo mundo, sendo que ⅕ delas estavam no Brasil.  

Ecossistema das startups

Se você sabe o que é startup, então já ouviu falar do ecossistema, ou seja, um ambiente propício e saudável para o crescimento e sobrevivência do negócio.
No círculo das startups, os agentes devem trabalhar em sintonia. Eles são os empreendedores, governos, anjos, mentores, aceleradoras, incubadoras, universidades, entidades de classe, enfim, todos que atuam direta ou indiretamente junto às startups.

Startups versus pequenas empresas

Existe sempre a dúvida: toda pequena empresa que se lança no mercado é também uma startup?
Na verdade, existem diferenças entre o que é startup e o que é pequena empresa. Duas delas, já citadas anteriormentes, são a capacidade das startups de crescerem muito rapidamente e a inexistência de limites geográficos para atuar.
A inexistência de fronteiras, inclusive, é uma das razões pela qual a maioria das startups atua no setor de tecnologia. Afinal, uma empresa online pode ir onde quiser, alcançando os grandes mercados sem barreiras de tempo e geografia.
Assim, uma loja de produtos esportivos não é uma startup. Uma franquia sorveteria também não. Elas não escalam e, portanto, geralmente encaixam-se na categoria de pequenas ou médias empresas.
Para muitos especialistas, três anos de vida são suficientes para uma startup de sucesso avançar de categoria.
Essa mudança de status ocorre pelos principais fatores: receita superior a 20 milhões de dólares; aquisição por uma grande empresa; abertura de novo (ou novos) escritórios e aumento do número de empregados – mais de 80.
Veja o exemplo da Uber. Ela seria ainda uma empresa startup? Para muitos investidores, a resposta é não. Uber hoje é uma multinacional, avaliada em quase US$ 70 bilhões e que faturou cerca de US$ 6,5 bilhões em 2016.
Existem empreendedores, investidores e estudiosos que discordam desse posicionamento. Em especial, no que se refere às aquisições.

Muito mais informações para você

Com certeza, agora você já sabe o que é startup. O tema é de fato interessantíssimo e amplo. E você tem muito mais a aprender sobre o assunto.
Por exemplo, se estiver pensando em largar tudo e se aventurar no desafio de criar uma startup, clique aqui e leia esse post antes de dar os primeiros passos.
E na plataforma 12 Min você tem os microbooks (para ler ou ouvir em 12 minutos, cada um) que vão ampliar, e muito, os seus conhecimentos sobre o startups.
Veja as nossas sugestões para você:
o que é startup a-startup-enxuta-12-minutos

A Startup Enxuta – Eric Ries

Aprenda mais sobre o que é startup e como os empreendedores usam a inovação contínua para criar negócios bem-sucedidos.
o que ´e startup tração-12-minutos

Tração – Gabriel Weinberg & Justin Mares

Um guia para ajudar sua startup a conseguir clientes.
o que é startup Capa_De zero a um 12 minutos

De Zero a Um – Peter Thiel & Blake Masters

O que aprender sobre empreendedorismo com o Vale do Silício.