Biblioteca corporativa: incentive a cultura do conhecimento na empresa

Biblioteca corporativa é um espaço destinado à formação cultural e educacional contínua dos colaboradores de uma empresa. Ela representa um estratégia organizacional que visa melhorar o ambiente de trabalho e fortalecer a cultura empresarial, disponibilizando informações relevantes para os negócios.
Sua importância cresce cada dia mais após a transformação digital, confira como ela pode ser um diferencial em sua empresa:

  • Favorece o desenvolvimento de habilidades profissionais de interesse da empresa;
  • Retém e atrai profissionais talentosos;
  • Estimula o compartilhamento e a gestão de conhecimento entre o público interno;
  • Aumenta a produtividade das equipes;
  • Melhora a vantagem competitiva da organização.

A tecnologia e os dispositivos móveis já se consolidaram na rotina corporativa, fazendo com que a maioria dos colaboradores se tornem dependentes deles para desenvolver suas tarefas diárias, se comunicar, realizar pesquisa, analisar métricas e outras informações, enfim, praticamente todas as ações dentro de uma empresa precisam de auxílio digital.
O grande fluxo de dados que envolve todos esses processos podem trazer insights poderosos para os negócios, tornando a necessidade de que todos os funcionários busquem mais por essas fontes de informações, capazes de aprimorar seus trabalhos. As inovações tecnológicas são, atualmente, verdadeiros suportes para as bibliotecas corporativas, facilitando o acesso dos usuários e permitindo que eles tenham à disposição fontes ricas de conteúdos com apenas alguns cliques.
Portanto, é necessário estimular essa cultura do conhecimento dentro de seus ambientes de trabalho, para que a empresa consiga transformá-los em espaços de aprendizado e aprimoramento.
A biblioteca corporativa é a resposta capaz de auxiliar a organização nessa missão. Ela irá ajudar sua empresa a alcançar suas metas e transformar todo o seu ambiente em verdadeiros espaços positivos de trabalho e aprendizado, onde os colaboradores se sintam bem e dispostos a aprender.
biblioteca corporativa

Por que minha empresa precisa de uma biblioteca corporativa?

Grandes corporações já apostam nessa estratégia em suas instituições e tem recebido o retorno de grandes benefícios. Ao implementar uma biblioteca corporativa, é possível perceber uma grande transformação em toda a organização. A cultura organizacional se fortalece e funções básicas de organização, análise e aplicação de informações são otimizadas, o que trará melhores resultados para os negócios.
Uma das principais vantagens dela é referente às tomadas de decisões, que passam a ser mais precisas e assertivas, pois na biblioteca corporativa todas as informações e conhecimento da empresa são geridos.
Estimular a educação corporativa por meio da adoção dessa estratégia favorece a empresa, potencializando seus resultados e estimulando uma cultura de alta performance. Além disso, beneficia os colaboradores, que passam a ter uma melhor qualificação profissional por estarem sempre aprendendo e se atualizando, sem precisarem pagar por isso.
Para oferecer todas essas oportunidades, a empresa precisa de profissionais dedicados e que conheça tanto a missão, valores e visão, quanto os objetivos e metas da organização. Dessa forma, é possível determinar quais conteúdos são mais relevantes para a biblioteca e para os funcionários de cada setor.

biblioteca corporativa

Além disso, é necessário considerar todos os dados relevantes para a empresa, não apenas os que estão nos livros, mas que circulam o ambiente de trabalho. Isso sem contar todas as informações sobre serviços, métricas, desempenho e outros dados que envolvam os negócios. Por isso, a biblioteca corporativa deve também utilizar dados digitais e buscar nos bancos de dados, centro de documentação e portais especializados.
Junto às tecnologias disponíveis, a biblioteca pode ser totalmente dinâmica e personalizável. Assim, pode ser direcionada para os diferentes públicos internos da empresa. A linguagem, objetivos e ferramentas da educação corporativa devem ser individuais para cada caso e metas da empresa.
Mas, como motivar seus colaboradores a adotarem essa ideia? É possível atrair seu público interno por meio de ações de endomarketing. Elas são capazes de potencializar os resultados propostos por essa estratégia.
Busque estimular o interesse dos funcionários demonstrando a importância do conhecimento aprofundado dos negócios da empresa. Eles podem melhorar o desempenho em seu cargo, além dos diversos ganhos para sua carreira no geral.
Além disso, invista em ações internas, como a criação de rodas de leitura com livros relevantes para a empresa. Você também pode realizar a divulgação de livros em datas comemorativas, realização de encontros em que os funcionários possam se reunir para expandir suas ideias e liberar a criatividade, entre outras atividades.

Como construir uma biblioteca corporativa?

Essa estratégia não lida apenas com livros físicos, mas também com diferentes informações e dados úteis para os negócios. Assim, é necessário organizar e sistematizar todos os conteúdos em um acervo. Contar com softwares de gestão pode facilitar a tarefa. Assim, é mais fácil organizar os processos da biblioteca e ampliar o alcance dos colaboradores.
Portanto, criar bibliotecas digitais pode ser a melhor opção. Assim, os funcionários podem realizar consultas rápidas, reservar e renovar materiais de forma online, facilitando o acesso à biblioteca.
Ciberteca, ou biblioteca digital, esse novo conceito é uma alternativa moderna para ampliar as condições de busca, disponibilidade e recuperação de informações e conteúdos dentro das bibliotecas corporativas.
Ela é multiplataforma, ou seja, permite que os colaboradores acessem os conteúdos por meio de seus smartphones, tablets e computadores. O usuário pode realizar sua leitura de forma online, ou não, já que o sistema armazena automaticamente os últimos livros abertos por ele.
A biblioteca corporativa digital oferece uma plataforma interativa em que os usuários podem navegar e controlar sua leitura. Além disso, podem criar atividades relacionadas à leitura. A plataforma gera relatórios para que a empresa possa acompanhar quais os conteúdos mais lidos pelos colaboradores. Essa e outras informações úteis auxiliam no monitoramento do desempenho dos usuários.

Construa sua biblioteca corporativa com o 12Min

Nosso aplicativo 12 minutos pode auxiliar sua empresa nessa tarefa! Ele foi criado para dar acesso aos conteúdos mais relevantes do mundo dos negócios. Com isso, auxilia seus usuários a estarem por dentro de assuntos de carreira, desenvolvimento pessoal, entre outros. Podendo assim, incentivar a cultura de aprendizado nas organizações.
O 12Min condensa as principais ideias de milhares de livros voltados para os negócios. Criamos o que chamamos hoje de microbooks, que possibilitam acesso ao resumo pelos usuários, lendo ou ouvindo o conteúdo. A tarefa leva, em média, 12 minutos.
Por meio de uma assinatura, seus funcionários poderão acessar uma série de microbooks variados e consumir seus conteúdos da forma que achar melhor. O principal objetivo de se criar uma biblioteca corporativa é desenvolver as habilidades profissionais de toda a equipe. Por meio da educação corporativa, é possível alinhar competências individuais com os interesses da empresa. Isso faz com que o colaborador se torne mais disposto a aplicar seu conhecimento adquirido em seu trabalho. Consequentemente, irá gerar maiores resultados para a organização.
Muitas empresas ainda não enxergam a importância dessa prática. Entretanto, essa realidade já está se modificando e diversas empresas brasileiras estão passando a apostar no estímulo do conhecimento empresarial. E sua empresa? Já tem uma biblioteca corporativa? Não perca tempo e adote essa estratégia!

[Semana da Mulher] 5 TED Talks de mulheres que mudaram minha vida!

Este texto foi originalmente publicado em novasblogueiras.com.br.
Existe muita mulher foda no mundo mesmo, viu.
Se você parar para pensar, tenho certeza de que só no seu ciclo você consegue contar pelo menos uma mão cheia de mulheres que você admira de alguma forma.
Existem também aquelas que inspiram multidões através de suas carreiras, de uma história forte que têm para contar e através da visibilidade que possuem de forma geral.
Eu particularmente sempre gostei muito de assistir TED Talks e sempre que assisto algum talk de uma mulher foda, me inspiro e aprendo algo que talvez antes não tinha me dado conta.
Já que estamos na semana da mulher, separei 5 TED Talks que mudaram minha vida de alguma forma e que acho que podem causar um impacto positivo na sua também!
P.S: eu particularmente não gosto de listas extensas de vídeos porque sempre quero ver todos e acabo não vendo nenhum. Mas se você tem algum outro talk para recomendar, fique 100% à vontade para indicar para a gente nos comentários! ?

Lizzie Velasquez – Como você se define?


De todos os talks, esse da Lizzie foi sem dúvidas o que mais marcou minha vida.
Assisti pela primeira vez ainda muito novinha, aos 17 anos, praticamente no auge da minha crise de autoaceitação e até hoje pratico o que aprendi com ele!
A Lizzie tem uma síndrome rara (apenas 3 pessoas no mundo foram diagnosticadas com essa condição) que impede que seu corpo absorva gordura e isso fez com que por várias vezes ela fosse chamada de “a mulher mais feia do mundo” (????).
Em seu talk, a Lizzie fala sobre a importância de definirmos quem nós somos (ou queremos ser) e sobre a importância de ir atrás dessa versão.
Estamos constantemente nos comparando às outras pessoas e muitas vezes exigindo de nós mesmas características (físicas ou não) que não temos e pode ser que nunca tenhamos.
O talk da Lizzie me lembra sempre que preciso focar em quem eu sou, em vez de em quem eu não sou. Que meu corpo faz parte de mim e o fato de ele ser saudável já é motivo o suficiente para eu amá-lo, a minha aparência não me define!

Brené Brown – O poder da vulnerabilidade


Brené Brown é uma mulher sinistra que eu tive o prazer de assistir falar pessoalmente no ano passado (2017) e desde então virei fã base do trabalho dela.
Ela é professora na Universidade de Houston e passou os últimos 16 anos estudando  coragem, vulnerabilidade, empatia e vergonha e os dados e conclusões as quais ela chegou são incríveis e pegam bem no fundo de cada uma de nós!
O sentimento de vulnerabilidade esbarra com a gente em tantas situações da vida… quando somos novos em um grupo, quando mostramos estar apaixonados por uma pessoa, e por aí vai. Para mim e para as pessoas que a Brené estudou, estar vulnerável é sinônimo de fraqueza.
Mas é muito foda como ela trata e prova a vulnerabilidade como coragem e não como um ponto fraco (já parou para pensar sobre isso?). Olha o que ela diz: “Eu acredito que a vulnerabilidade  – estar disposto(a) a estar “inteiro” mesmo quando você sabe que isso pode significar falhar e se machucar  – é ser corajoso. ”
O talk da Brené Brown sobre vulnerabilidade está no top 5 dos TED Talks mais vistos do mundo. Se você ainda não assistiu, assista now!
BÔNUS: ontem assisti esse talk da Brené Brown chamado “Escutando a vergonha” que vale MUITO a pena também!

Shonda Rimes – Meu ano de dizer sim para tudo


RAINHA, essa é a palavra que define a Shonda Rimes!
A Shonda é roteirista, cineasta e produtora de televisão norte americana e você já deve ter assistido pelo menos uma de suas produções (Grey’s Anatomy, Scandal, How to Get Away With Murder…).
Assisti ao talk dela sobre “dizer sim para tudo” essa semana e chorei uma vida inteira!
Eu particularmente dou muito valor para minha carreira (acima de muita coisa) e nesse talk a Shonda fala sobre o que aconteceu quando o amor (ou obsessão?) pelo seu trabalho – o que ela chama de “hum” – foi embora.
O “hum” era o que definia a Shonda em sua visão de si mesma e não ter mais esse sentimento despertou uma série de sensações e mudanças que valem a pena serem ouvidas.

Sheryl Sandberg – Por que temos tão poucas líderes


É profissional foda que você quer, @?
Sheryl Sandberg  é atualmente a COO (chefe de operações) do Facebook e foi a primeira mulher a ocupar uma cadeira no conselho do Facebook.
Antes disso, Sheryl foi Vice-Presidente de Vendas Globais e Operações Online do Google e no ano passado (2017) ela foi eleita a 4ª mulher mais poderosa do mundo pela Forbes!
No talk dela, ela fala sobre liderança feminina e por que temos tão poucas líderes. Vale muito a pena assistir e aplicar os conselhos dela em nosso dia a dia!

Magna Gopal – Os benefícios da rejeição


Ninguém (ninguém, nem uma pessoinha nesse mundo inteiro) gosta de ser rejeitado.
O sentimento da rejeição é uma merd* porque ele é capaz de fazer com que a gente mude a percepção que temos de nós mesmos em uma fração de segundos.
Ouvir não para uma oportunidade de emprego, de uma pessoa que se gosta ou em qualquer outra situação em que se esperava por um sim é como levar uma rasteira e demorar para voltar a ficar em pé novamente.
Mas por mais que ninguém goste de ser rejeitado, é possível lidar com a rejeição de uma forma mais leve e menos prejudicial do que costumamos fazer.
Em um texto maravilhoso que a Rita escreveu aqui no blog, ela disse uma frase muito bacana: “lidar com tudo de ruim que acontece como coisas que acontecem e não como maldições feitas especificamente para a gente já é meio caminho andado na hora das frustrações e reveses naturais da vida.” 
Acho que o mesmo serve para a rejeição, e nesse talk a Magna, que é dançarina de Salsa, fala sobre redefinir seu conceito de rejeição e ao mesmo tempo a aprender quando e como dizer não!


Fora esses cinco, existem milhões de outros TED Talks e de palestras em geral de mulheres que nos inspiram e trazem aprendizados foda para nossa vida!
Se algum outro talk mudou muito a sua vida e você acha que pode inspirar mais gente também, fique à vontade para compartilhar o link nos comentários!!! ?

A história da Ambev: conheça mais da história da maior cervejaria do mundo

Você já imaginou ganhar quase R$4 milhões de reais por hora? Apesar de parecer um tanto quanto extravagante, trata-se da história de um dos maiores empreendedores do mundo, principal responsável pela fundação da Ambev.
A história da Ambev é mais recente do que você pode imaginar. Há exatos 19 anos, surgiria da fundição entre a Brahma e a Antarctica a gigante Ambev.
Para sermos mais precisos, a história da Ambev pode se iniciar, na verdade, em 1880, quando a Brahma e a Antarctica ainda eram duas cervejarias independentes.
Alguns anos mais tarde desde a fundição das duas cervejarias, mais precisamente em 2004, a empresa belga Interbew adquiriu os direitos da Ambev. Ambas se fundiram, dando surgimento então à InBev, que atualmente é considerada a maior e mais importante cervejaria do mundo.
Desde os primórdios da história da Ambev, já havia ficado claro que os planos da empresa não tinham limites. Atualmente, ela comanda a maior parte do fluxo de bebidas no Brasil e nas Américas. A quantidade de tipos de cerveja que a empresa produz é, sem sombra de dúvida, incomparável com qualquer outra cervejaria.
A história da Ambev tomou proporções gigantescas. Atualmente, ela está presente em 19 países, sendo que só no Brasil ela detém 32 cervejarias. Ao todo, são 30 marcas e mais de 35 mil colaboradores. Números que, com certeza, elevam a Ambev ao status de maior cervejaria do mundo desde sua fusão com a Interbew.

Quem são os fundadores da Ambev?

história da ambev 12 minutos 02
A Ambev surgiu da junção de três sócios: Carlos Alberto Sicupira, Jorge Paulo Lemann e Marcel Herrmann Telles. O brasileiro Jorge Paulo Lemann foi o grande responsável pela junção, e é considerado hoje em dia, pela Forbes, o brasileiro mais rico. Sua fortuna é avaliada em aproximadamente R$81 bilhões de reais.
Jorge Paulo Lemann nasceu para ser empreendedor. Desde 1971 já fez grandes aquisições, como a compra da Garantia, uma corretora da bolsa de valores. Dez anos depois, adquiriu as Lojas Americanas, e alguns anos depois, juntamente aos seus sócios, adquiriu outras empresas.
Após alguns anos, já em 1999, foi o responsável pela junção das duas cervejarias que mais tarde dariam início à história da Ambev. Ao longo dos anos, os sócios passaram a construir e adquirir novos empreendimentos, como a fundação da 3G Capital, nos Estados Unidos, a compra do Burger King, da Heinz e Tim Hortons.
Lemann é, além de bilionário, filantropo. Em 2002, criou a Fundação Lemenn, que tem como objetivo financiar parte da rede de ensino público no Brasil, com a missão de melhorar a qualidade de ensino, oferecendo oportunidades melhores para futuros profissionais.
Carlos Sicupira e Marcel Herrmann também estão na lista dos homens mais ricos do mundo. Marcel conheceu Jorge Lemann ainda na corretora do Banco Garantia, onde mais tarde daria surgimento a um trio que revolucionaria a história da Ambev.

Quais são as marcas da Ambev?

Atualmente, a Ambev possui dezenas de marcas. Abaixo segue uma lista com as principais:

  • Antarctica
  • Brahma
  • Bohemia
  • Budweiser
  • Corona
  • Colorado
  • Kronenbier
  • Goose Island
  • Miller
  • Original
  • Patagonia
  • Patricia
  • Polar
  • Skol
  • Skol Beats
  • Skol Ultra
  • Skol 360
  • Pepsi
  • Guaraná Antarctica
  • Gatorade
  • Soda Limonada
  • Água Tônica Antarctica
  • Sukita
  • H2OH!
  • Citrus
  • Lipton Ice Tea
  • Teem
  • Norteña
  • President
  • Wals
  • Liber
  • Leffe
  • Hertog Jan
  • Puerto Del Mar
  • Adriática

Como você pode ver, cervejas artesanais também entram no hall das marcas da Ambev. Como exemplo, temos a Patagonia. A Ambev é responsável pela fabricação de grande parte das cervejas comercializadas no Brasil e no mundo.

Como a Ambev produz a cerveja?

história da ambev 12 minutos 03
Todo o processo funciona de forma simples, mas minuciosa. Tudo começa com a seleção de cereais como o malte, do lúpulo e cevada. Todos os ingredientes são criteriosamente escolhidos.
Após a separação dos ingredientes, todos eles são armazenados em condições ideais e então moídos para que se possa dar início ao processo de produção da cerveja.
Quando os cereais passam por esse processo, acabam liberando amido, uma forma de açúcar. Quando entra em contato com o fermento, passa por reações químicas que produzem água, gás carbônico e álcool.
Após esse processo, começa a nova etapa, a de maturação. É nessa hora que a cerveja fica armazenada em recipientes gigantes e adequados à maturação perfeita da cerveja. É nessa etapa, também, que a cerveja começa a tomar forma, como corpo, aroma, textura, etc.
Após o tempo necessário para maturação, a bebida passa por um processo de filtração. Durante esse processo, todos os resíduos são eliminados, fazendo com que ela fique com uma aparência perfeita para que o consumidor final possa degustá-la com todo o prazer.
Chega então a melhor parte, a hora de degustar a cerveja. Durante essa etapa, ela passa por diversos testes para que então, caso seja aprovada, vá direto para o envase, que pode ser feito em diversos recipientes, como latas de alumínio, garrafas de vidro, barris, etc.
A história da Ambev é surpreendente. Escrito por Cristiane Correa, a obra “Sonho Grande” retrata o momento do nascimento da Ambev, decorrente da fusão entre as duas cervejarias e do início de uma grande e duradoura parceria entre os três sócios.
Toda essa trajetória levou apenas 40 anos para se concretizar e se transformar no que é hoje: um verdadeiro império bilionário. Em menos de quatro décadas, um sonho que ainda estava na prancheta saiu do papel e deu vida a uma das maiores empresas do mundo, criando um legado gigante.
O livro destaca aspectos importantes que levaram os três ao sucesso, como a meritocracia, a seleção da equipe trabalhadora, os investimentos necessários, a mentalidade empreendedora e principalmente a redução de custos.
Os sócios ressaltam ainda que é importante tirar as ideias do papel, mesmo quando parecem malucas. No entanto, não é nenhum erro copiar modelos de sucesso que já se consolidaram no mercado.
Afinal, simplicidade é a palavra-chave para o sucesso!
_______________________________________________________________________________
história da ambev Logo-Homini-Lúpulo Esse artigo foi escrito pela equipe do blog Homini Lúpulo, o blog especialista em cervejas artesanais.

O jogo dos 7 erros que um empreendedor não pode cometer

Muitas pessoas acham que basta ter uma boa ideia, algum capital e muita vontade de trabalhar para abrir um negócio e ter sucesso.
A realidade é bem diferente. Para começar, o que é uma boa ideia para um novo negócio? O que parece ótimo para você pode não ter a menor importância para o mercado.
Nesta postagem, vamos apresentar 7 erros muito comuns que acabam levando diversos empreendedores a fechar seus negócios prematuramente.
Evite esses erros!

7 erros que um empreendedor deve evitar a qualquer custo

empreendedor 12 minutos 02

1- Não testar sua “ideia genial”

Um produto ou serviço deve suprir a necessidade ou desejo de alguém. Na verdade, ele precisa resolver os problemas de um número considerável de pessoas. Caso contrário, não haverá demanda suficiente para o que você deseja vender.
Como descobrir isso? Fazer uma boa pesquisa de mercado é a solução ideal. E se você acha que isso pode sair muito caro, lembre-se que existem plataformas na internet que podem ajudar você a saber a opinião do público sobre seu serviço ou produto antes de lançá-lo no mercado, como o SurveyMonkey, o Typeform e a MindMIners.

2- Não ter um plano de negócios

Um plano de negócios, de preferência com um bom planejamento estratégico, é fundamental para que sua empresa prospere.
Conhecer suas forças e fraquezas, descobrir oportunidades de mercado e as ameaças das quais precisa se defender, assim como quem são seus concorrentes, fornecedores, parceiros de negócios e canais de distribuição são alguns pontos que precisam ficar bem claros.
Uma dica é usar o modelo de negócios canvas para isso, utilizado com sucesso por divers startups.

3- Falta de capital de giro

Alguns empresários esquecem que seu negócio só vai começar a gerar caixa suficiente para pagar as despesas do dia a dia, como energia, salários, aluguel e impostos, depois de um bom tempo.
Em geral, recomenda-se ter dinheiro suficiente para se manter por um ano e meio, pelo menos, sem fazer retiradas da empresa.

4- Não definir um posicionamento claro

Uma lanchonete, por exemplo: ela será acessível e com pratos rápidos, ou refinada e com preço premium? Que lugar nos corações e mentes de seus clientes você quer que sua marca ocupe?
Defina claramente para qual público se destina seu produto ou serviço e qual é a promessa que faz a ele: qualidade? Preço? Rapidez? Status? Comodidade? Escolha o que faz de melhor e mostre para seu público. É isso que vai atraí-lo e fazer de sua marca a preferida deles.

5- Identidade visual amadora

Este é outro grande erro muito comum. É fundamental criar um logo com profissionais que entendam do assunto, assim como os demais elementos de sua identidade visual, como a escolha das cores, dos tipos de letras e outros fatores de identificação de sua marca.

6- Falta de controle financeiro

Ninguém é obrigado a ser um gênio das finanças e é exatamente por isso que existem diversos softwares disponíveis no mercado que ajudam você a fazer o controle do dinheiro no seu negócio e a automatizar alguns processos financeiros.

7- Achar que pode fazer tudo sozinho

Ninguém é capaz de empreender fazendo tudo. Ter sócios capacitados é tão importante que é uma exigência para que investidores levem em consideração qualquer apresentação de negócios ou de captação de recursos para uma start-up.
Além de sócios, saber delegar é fundamental, contando com uma equipe treinada que vai ajudar sua empresa dar certo, sem que o empreendedor carregue tudo nas costas.
Estes foram nossos 7 conselhos para que você não entre nas estatísticas de fechamento prematuro das empresas de pessoas que queriam montar seu próprio negócio. Planeje, se organize, teste sua ideia e, principalmente, conte com a ajuda de pessoas capacitadas e de confiança ao seu lado.
_______________________________________________________________________________
empreendedor wedologos 12 minutos Este artigo foi escrito pela equipe da We Do Logos, a maior plataforma criativa da América Latina e uma das primeiras do Brasil.

Profissões do futuro: 10 novas carreiras para os millennials

A tecnologia mudou a realidade e uma de suas consequências foi o surgimento de novas carreiras que estão agora mais modernizadas, diferenciadas e que podem ser associadas a novas áreas que têm se destacado no mercado.
A internet, por exemplo, foi um dos principais agentes de mudança nesse contexto. Isso porque ela trouxe consigo praticidades que antes não poderiam se quer ser imaginadas. Por exemplo, o serviço à distância, hoje chamado de home office.
A modernização tecnológica abriu novas portas!
Perfeitas para as novas gerações que estão surgindo, essas novas carreiras prezam, sobretudo, pela agilidade, pois esta é a década da informação, que é rápida e bastante precisa.
Para os mais antigos, ou seja, aqueles com mais tempo de mercado, tais profissões podem ser completamente incompreensíveis. Isso porque elas estão pautadas em tecnologias que surgiram mais recentemente. Portanto, são mais bem compreendidas pela geração Y, que são os chamados millennials.
É claro que qualquer pessoa que queira aprender mais e que esteja disposta a mudar de carreira pode e deve investir tempo para aprender e realizar essas novas atividades. Mas principalmente agora, o grupo mais atingido pelas novas carreiras tem sido o dos millennials.
Aliás, você sabe quem são os millennials? Faz ideia se você realmente faz parte da geração que está pronta para receber essas novas carreiras como oportunidades de mercado para se profissionalizar e crescer?
Quer entender mais sobre tudo isso?
Neste post, vamos te mostrar algumas informações importantes sobre esse assunto e você conhecerá as principais tendências em novas profissões para os próximos anos.

Millennials: novas carreiras feitas sob medida para esta geração

novas carreiras 12 minutos 2
Chamados de millennials, geração Y ou ainda a geração da internet, esse grupo é formado pelos nascidos a partir dos anos 80 e que hoje possuem menos que 40 anos.
Tendo visto o surgimento e a expansão da tecnologia, sobretudo virtual, os millennials estão mais preparados para assumir cargos em que o uso da internet é um fator importante, ou até mesmo decisivo, para a execução das atividades.
Eles estão mais dispostos também a abraçar oportunidades que vão completamente contra o estabelecido pelo mercado tradicional de trabalho. Por exemplo, ter o registro na CLT, tempo de casa e horários fixados.
No geral, entre as novas carreiras que os millennials procuram para si, se destacam aquelas com características de maior flexibilidade e liberdade. Isso contribui com a qualidade de vida e acaba por exigir mais investimento intelectual para que o crescimento na área continue.
Aliás, por falar em desafio, a geração Y gosta de ser desafiada e geralmente aceita as novas oportunidades do mercado, encarando cada uma delas de frente.
Ser dona de seu próprio negócio, ter estabilidade e liberdade financeira também são outras das características dessa geração que está a pleno vapor, no auge de seu trabalho hoje em dia.
Você faz parte da geração dos millennials? Nasceu depois de 1980 e possui algumas das características que foram anteriormente mencionadas aqui?
Se suas respostas foram sim, com certeza você se interessará pelas novas carreiras feitas sob medida para esse público.

10 novas carreiras para o futuro

Agora que você conferiu em que contexto estão surgindo essas novas carreiras no mercado de trabalho, vale a pena destacar quais são as principais e que devem estar em alta ao longo dos próximos anos.
Aproveite para conferir em quais dessas áreas você poderia ser alocado e comece a estudar e investir agora mesmo nessas profissões. Assim, você conseguirá conquistar as melhores vagas de trabalho segundo as tendências aqui apresentadas.
É como diz aquele ditado: “escolha uma carreira da qual você goste e não terá que trabalhar nenhum dia sequer de sua vida.”

1. Arquiteto de realidade aumentada

Realidade aumentada é uma tecnologia de ponta que surgiu recentemente e que ainda tem muito que crescer.
Trazendo objetos virtuais para o mundo real, essa matéria une o físico ao digital de modo que um contribua com o outro.
Uma nova carreira que surge nesse contexto é de arquitetos que atuam em RA (realidade aumentada). Mais do que fazer projetos completos de construções, dentro em breve, tais profissionais terão que proporcionar essa realidade para o cliente antes de dar início às fases de construção.

2. Coaching e consultoria em várias áreas

Uma profissão que já está em alta e que é em muito facilitada pelos mecanismos virtuais é o coach.
Ser coaching ou consultor em áreas como administração, gestão de recursos humanos, contabilidade, economia, estética, moda e muito mais também continuará sendo destaque.
Orientar pessoas e, principalmente, ajudá-las a organizar seu tempo é uma profissão que tem atraído muitos interessados e que vale a pena investir.

3. Consultor de vida fitness

Entre as novas carreiras, não poderiam ficar de fora aquelas que prezam e estimulam uma vida mais saudável, o estilo fitness.
Seja orientando treinos na academia ou dando dicas de cardápios e dietas, a tendência é que surjam mais profissionais nessa área.
Para tirar de letra e ser expert no assunto, a dica é se preparar investindo em cursos que complementam a área profissional, como estudando educação física ou nutrição.

4. Desenvolvedor de aplicativos e softwares

Hoje, essa profissão já está super em alta. Porém, a tendência é que simplesmente expanda ainda mais, ganhe mais mercado. Por isso, precisará de um maior número de especialistas atuando na área.
Dos mais simples aos mais complexos aplicativos e softwares, qualquer um que queira atuar por aqui deve saber que, apostar nos diferenciais e deficiências, ou seja, naquilo que ainda não existe, é um ótimo caminho.

5. Especialista em experiência do usuário

O termo experiência do usuário também é relativamente novo, o que reafirma a importância de uma nova carreira na área. Ele diz respeito à forma como o cliente percebe um determinado produto ou marca.
Ser especialista aqui significa garantir, a partir das melhores estratégias, que o cliente sempre sinta-se encantado e completamente satisfeito em cada contato que é feito com o negócio.
É indispensável, ainda, que esse profissional saiba mensurar essa experiência a fim de melhorá-la continuamente.

6. Especialista em marketing digital

Essa é uma carreira que já está em evidência e que tem feito muitas pessoas mudarem de vida. Afinal, todos os negócios precisam estar no ambiente virtual.
São justamente esses especialistas que ditam como e quando cada campanha deve ser lançada a fim de que melhores resultados sejam conquistados.
O marketing digital é relativamente novo, porém, já possui muito estudo e indicações que garantem o sucesso.
Cabe àqueles que querem se especializar nessa área partir para seu estudo agora mesmo.

7. Freelancer

Profissional freelancer é aquele autônomo que faz seus dias e horários e trabalha de forma terceirizada para outras empresas, sem vínculo empregatício e recebendo por sua produção.
São muitas as áreas que aceitam esse tipo de profissional hoje em dia, como criação de conteúdos, criação de projetos de publicidade e propaganda, digitação, projetos gráficos, edição de vídeos, entre muitos outros.
No geral, o freelancer utiliza-se de seus próprios recursos para organizar sua rotina de trabalho, entregando apenas o produto final ao contratante, que pode ser um intermediário ou o cliente final.

8. Gestor de mídias e redes sociais

Outra nova carreira que já está ganhando visibilidade no mercado atual refere-se à gestão de mídias e de redes sociais, importantes meios de comunicação entre empresas e clientes hoje em dia.
Para ter sucesso como profissional dessa área, é indispensável saber utilizar mecanismos e recursos que emitam dados e relatórios.
Além disso, é necessário ainda conhecer tudo sobre marketing digital para usar suas estratégias na hora de administrar e lançar campanhas em canais como Facebook, Instagram e LinkedIn.

9. Influenciador digital

Uma das novas carreiras que mais tem pessoas interessadas, mas em que é preciso investir realmente pesado para ter retorno, é a de influenciador digital.
Ser influenciador digital significa, resumidamente, ter muitos seguidores nas redes sociais e ganhar para indicar a este público produtos, serviços e marcas.
Blogueiros e socialites têm sido destaque como influenciadores digitais. Mas outras pessoas também podem assumir esse papel, desde que se dediquem um pouco para atrair olhares interessados.
Se você influencia as pessoas, ou se tem bastante seguidores, a hora de investir nesse tipo de carreira pode ser justamente agora.

10. Home office em diferentes segmentos

Não sendo especificamente uma profissão, mas valendo citar, o home office, serviço de casa, é outra das grandes tendências para os próximos anos.
Procurando livrar-se do trânsito e de passar o dia todo longe de casa, muitos profissionais passaram a ter seus escritórios dentro de seus lares. Isso os ajuda a unir o útil ao agradável, e é claro que essa é uma tendência bem vista.

Conclusão

Ao longo de todo este post, você pode conferir quais são as novas carreiras e as novas tendências profissionais que mais têm sido procuradas e que estão repletas de oportunidades neste milênio.
Como deve ter reparado, grande parte está associada à internet, que é justamente o agente de mudança da modernidade que possibilitou essa abertura que hoje é entendida como uma oportunidade para novas profissões.
Gostou dessas dicas e quer começar uma nova carreira, mas ainda não sabe como? Aprenda, neste post, como ganhar dinheiro com a internet, sem precisar sair de casa.
________________________________________________________________________________
novas carreiras hotmart-logohotmart-logo 12 minutos Guest post produzido pela equipe da Hotmart.

É o momento de aprender como investir em Bitcoins?

Os bitcoins estão se tornando a cada dia mais populares, apresentam valorização histórica e prometem se consolidar como alternativa para investidores que procuram aplicações fora da curva.
Neste post, iremos apresentar os prós e contras e, de maneira o mais didática possível, lhe dar ferramentas para aprender como investir em bitcoins e analisar se vale a pena ou não colocar dinheiro nesta moeda virtual.
A primeira pergunta que sempre me fazem sobre o fenômeno da valorização dos bitcoins é o porquê da valorização tão rápida da moeda nos últimos meses. O primeiro evento causador desses ciclos de valorização foi a aprovação, em abril de 2017, de uma lei no Japão que reconhece as moedas digitais como meio de pagamento. Com a previsão de milhares de estabelecimentos começarem a aceitar bitcoins na terceira maior economia do mundo, a criptomoeda ganhou força. Lembrando que, desde os primórdios, uma moeda surge quando um grupo de pessoas atribui valor a determinado instrumento e começa a adotá-lo como meio de troca. O homem já utilizou gado, animais domésticos, sal, metais e agora surgem as criptomoedas como meio de troca.
A segunda razão para a sequência de valorização do bitcoin foi o fato de grandes instituições financeiras começarem a dar espaço para a nova tecnologia. Já observamos grandes bancos testando o blockchain, ferramenta que permite que as moedas virtuais saiam de uma conta e cheguem a outra por meio de um código único. Se vemos grandes bancos apostando nesse tipo de tecnologia é um sinal que esse tipo de transação deve se tornar popular.
Paralelamente, estamos assistindo o bitcoin servir de alternativa para nações em crises políticas. Observamos o crescimento de demanda em países como Venezuela, China e Grécia, cujos governos restringiram transferências e saques em dinheiro. Dessa forma, o bitcoin tem servido como reserva e fuga para esses países com problemas nesse sentido.

Como investir em bitcoins e quais cuidados tomar

Um dos principais pontos de atenção ao aprender como investir em bitcoins é entender e estar ciente de que o preço das criptomoedas é muito volátil. É comum acontecerem, em um mesmo dia, variações de mais de 10% para baixo ou para cima.
A volatilidade da moeda se explica pela falta de valor intrínseco a ela. Ou seja, sua flutuação fica à mercê da relação entre oferta e demanda. Relembrando um pouco uma das funções de uma moeda, o valor intrínseco de uma moeda está relacionado a sua função de ser uma reserva de valor. Ou seja, é o poder de compra atrelado a ela, que se mantém no tempo, e uma forma de se medir a riqueza.
Uma dica para quem quer se aventurar e começar a saber como investir em bitcoins é tentar minimizar os riscos. Muitos investidores guardam o valor investido inicialmente em sua carteira digital, e faz novas apostas somente com os bitcoins que embolsa com os rendimentos. Dessa forma, se realizar alguma transação que tiver prejuízo, o máximo que irá acontecer é ficar no zero a zero.
Este tipo de estratégia, de investir somente os rendimentos, não prejudicar o capital inicial, é o que geralmente recomendamos para os entusiastas que querem investir em qualquer tipo de aplicação com risco mais elevado. Serve tanto para transações de risco quanto para criptomoedas.

Vantagens de investir em bitcoins

Muito se fala sobre os riscos dos bitcoins, mas ele possui diversas vantagens, além da promessa de render muitos lucros. Uma delas está o custo das transações, que é bem menor do que o sistema financeiro tradicional. A tarifa de transação média do bitcoin é cerca de 5 vezes menor do que em bancos tradicionais.
Outra vantagem é que os bitcoins podem ser usados em qualquer país e, por não ser controlado por um governo específico, não podem ser congelados ou confiscados. É, definitivamente, uma moeda global, proporcionando economia em tarifas de conversão e eliminando as fronteiras comerciais.
Uma terceira vantagem é que os bitcoins não sofrem com colapsos de sistemas financeiros dos países. Por exemplo, as atuais moedas são moedas fiduciárias. O que isso significa? Não são lastreadas a nenhum metal (ouro, prata). Seu valor provém da confiança que as pessoas têm em quem emitiu o título, geralmente os Bancos Centrais dos países. Quando a economia de um país entra em colapso, por diversas razões (políticas, incidentes ambientais, escândalos de corrupção), as moedas convencionais perdem valor.
Teoricamente, o bitcoin e as criptomoedas vêm para resolver este problema, pois não são regulados por nenhum órgão centralizador e não dependem da confiança no mercado financeiro tradicional. Permitem que as transações possam ser feitas sem precisar fornecer dados pessoais para os bancos, ou justificar a origem e destinação do dinheiro. Isso pode ser usado tanto para o bem, como doações, por exemplo, ou para o mal, como compra e venda de drogas.  

Principais riscos de investir em bitcoins

Antes de saber como investir em bitcoins, tenha em mente alguns riscos. Indicamos aqui não colocar todos os seus investimentos em bitcoins. Não se coloca todos os ovos em uma única cesta, seja qual for o investimento. Os três principais riscos que considero em relação aos bitcoins são:

  • Flutuação dos preços;
  • Vulnerabilidade da tecnologia das transações: ainda não vimos o sistema ser corrompido, mas já é visado por hackers;
  • Segurança das corretoras que realizam as transações: cuidado ao escolher a corretora, algumas podem quebrar ou serem fraudadas. É sempre bom lembrar que não existe FGC (Fundo Garantidor de Crédito) para bitcoins. Se algo acontecer, você pode perder todo o seu dinheiro investido.

O FGC é uma entidade privada, ligada ao Banco Central, que administra um mecanismo de proteção aos correntistas, poupadores e investidores, e permite recuperar os depósitos ou créditos mantidos em instituição financeira, até determinado valor, em caso de intervenção, de liquidação ou de falência.
Se você tem o desejo de entender melhor como funciona as moedas digitais, o aconselhável é aplicar uma quantia que, se perdida, não irá causar grandes abalos financeiros e emocionais. Como é um mercado altamente especulativo, para os iniciantes a melhor forma de aplicar é comprar os bitcoins, manter eles em carteira, esperar a valorização que você estipulou como meta e vender para embolsar os ganhos. Lembrando sempre que grandes ganhos sempre vêm acompanhados de grandes riscos.
________________________________________________________________________________
como investir em bitcoins logo friendslab  Esse texto foi escrito pela Bárbara Andrade, da FriendsLab.

Os livros preferidos do visionário Elon Musk

Já falamos muito de Elon Musk no Carro Elétrico. Fizemos até uma biografia sobre Elon Musk que, na falta do livro mais completo sobre o sujeito, é uma boa introdução ao empreendedor e seus principais projetos.
Repassando: Elon Musk é CEO da Tesla Inc., da SpaceX, da Neuralink e um dos fundadores do PayPal. É conhecido como um titã multibilionário de energia alternativa, seja na produção dos carros elétricos mais poderosos e modernos ou das baterias residenciais mais eficientes. Também como promotor internacional da reciclagem (adotada como modelo industrial em sua GigaFactory, que eventualmente será 100% movida a baterias recicladas) e do desenvolvimento humano, contribuindo com pesquisas científicas que visam aprimorar o combate a transtornos psíquicos e neurológicos.
Além disso, pretende instalar a primeira colônia marciana e desenvolver um sistema operacional de telepatia embutido ao cérebro. De fato, não se trata de um empresário qualquer. Aqui mesmo no Carro na Tomada, já falamos sobre as baterias residenciais e carros elétricos da Tesla, a GigaFactory e o próprio Musk com detalhes, muitas vezes sem conter nosso espanto com a tremenda ambição (e a tremenda eficácia) de seus projetos.

Mesmo assim, tudo o que falamos ainda não é o suficiente

E, para sermos honestos, dificilmente será: Musk continua quebrando paradigmas e se reinventando a cada dia, inovando e mostrando caminhos imprevistos. A empreitada marciana parece louca, mas o sucesso do homem até o momento transforma céticos em crianças que sonham com viagens espaciais novamente.
Para compreender sua filosofia de vida e negócios, é preciso se debruçar sobre os vários aspectos e hobbies dele. Quem não tem curiosidade de entender melhor a cabeça de Elon Musk?
Segundo o próprio Musk, um de seus hábitos mais produtivos e importantes de sua vida e carreira profissional é a leitura, que ele pratica desde a infância, quando ainda era um menino tímido e frágil, ostracizado por outras crianças, seja com a leitura de livros de ficção científica ou quadrinhos. Mais velho e experiente, Musk se tornaria um leitor ainda mais voraz, devorando boa literatura enquanto retirava lições fundamentais para os negócios e amadurecia sua visão de mundo.
Sabe o que ele responde quando lhe perguntam como ele aprendeu a construir foguetes? “Eu leio livros”.
A leitura é uma das práticas mais saudáveis para o nosso intelecto, nossa cultura, nossa consciência e mesmo nossa empatia: os melhores livros são capazes de nos inspirar a ponto de nos tornarmos seres humanos melhores.
Musk credita muito de seu sucesso às leituras feitas no decorrer da vida. Este artigo comenta algumas delas, sempre tentando prestar a devida atenção ao modo com que cada leitura pode ter influenciado Elon Musk a se tornar… bom, Elon Musk.
Esperamos que gostem e que este artigo sirva de inspiração para futuras leituras 😉
o guia do mochileiro das galaxias 12 minutos

“O Guia do Mochileiro das Galáxias”, de Douglas Adams

Exercendo o hábito da leitura desde a infância, Elon Musk cresceu sendo influenciado por ideias de livros de ficção científica e fantasia. Segundo uma entrevista para a NPR, um de seus livros prediletos é o Guia do Mochileiro das Galáxias.
Até hoje o empresário crê piamente que o livrinho contém ideias mais interessantes e proveitosas do que, por exemplo, as de algumas das maiores obras de filosofia moderna. Talvez porque, apesar do cinismo ocasional repontando aqui e ali, os livros de Adams possuem uma positividade e um bom humor que faltariam a filósofos como Nietzsche e Schopenhauer. Sem com isso sacrificar sua inteligência e seus mergulhos recorrentes em questões existenciais e metafísicas.
A saga O Mochileiro das Galáxias de Douglas Adams consegue reunir dois elementos aparentemente díspares com uma maestria e uma agudeza de observação sem paralelos: comédia e ficção científica.
No primeiro livro da série, O Guia do Mochileiro das Galáxias, quando o planeta Terra é destruído pela raça alienígena Vogon, não exatamente maligna, mas “desagradável” ao extremo (além de insensíveis, os Vogons são os piores poetas do cosmos), o britânico Arthur Dent é um dos pouquíssimos seres humanos a conseguirem evadir a tempo de não serem aniquilados junto ao planeta, graças ao seu amigo alienígena Ford Prefect, um coletor de informações para o Guia do Mochileiro das Galáxias, a enciclopédia mais abrangente do universo.
Os dois, depois com o acréscimo de novas companhias que surgem no caminho, embarcam em diferentes aventuras em busca de… Well, depende. Às vezes do melhor lanche da galáxia, às vezes de um supercomputador divino capaz de responder absolutamente qualquer pergunta.
Este computador, aliás, sabe a resposta para o sentido da vida. E a resposta é 42. O problema é que Douglas Adams nunca nos diz qual é a pergunta.
Com esta passagem do romance, Musk compreendeu que certamente tudo tem uma resposta: o difícil é saber articular a pergunta certa. Um ensinamento que ele levou para o resto da vida e nós também deveríamos levar.
O Guia do Mochileiro das Galáxias tem tradução para o português pela Editora Arqueiro. Você pode conferir a página do livro aqui.
o senhor dos aneis 12 minutos

“O Senhor dos Anéis”, de J.R.R. Tolkien

Outro livro importantíssimo de sua infância e adolescência foi a trilogia O Senhor dos Anéis do grande mestre da literatura fantástica J.R.R. Tolkien. Bíblia de todo nerd, os livros (Sociedade do Anel, As Duas Torres e O Retorno do Rei) seguem a jornada do hobbit Bilbo Bolseiro e seu inseparável companheiro Samwise até o vulcão de Mordor, onde o amaldiçoado e poderoso Um Anel do maligno Sauron poderá ser por fim destruído e trazer paz para a Terra-Média, o mundo ficcional habitado por elfos, orcs, uruk-hais e dragões criados pela imaginação incomparável de Tolkien.
Você pode não ter lido, mas sem dúvida conhece a história.
Como Musk contou em um artigo para a New Yorker, os heróis destes livros (e dos livros da saga Fundação, de Isaac Asimov) sempre sentiam um dever de salvar o mundo. É possível que desde cedo tal ambição, tão altruísta e honrosa, tenha repercutido na mente de Musk. Isto explica como seus empreendimentos, embora também lhe brindem com lucros fora de série, explicitam um desejo nobre de transformar o mundo em um lugar melhor para todos nós.
Elon Musk pode não ter as habilidades com a espada de Aragorn ou a magia de Gandalf, mas seu heroísmo não deve ser subestimado.
As edições da trilogia no Brasil ficaram a cargo da Martins Fontes e podem ser conferidas no site da editora. Recomendamos as promoções que aparecem com alguma frequência em lojas virtuais como a Submarino e a Amazon.
fundação 12 minutos

“Fundação”, de Isaac Asimov

Diga aí: talvez nós estejamos no auge da civilização, não é mesmo?
Não que seja uma utopia, claro. Nunca é. A desigualdade social é monstruosa, havendo um abismo na qualidade de vida entre o Haiti e os Estados Unidos, só para citar um exemplo óbvio. No entanto, o mundo em geral tem tecnologia, comunicação, transporte, conforto e segurança como nunca antes. Estamos hiper-conectados e hiper-informados. Temos satélites orbitando o planeta. A cada dia que passa, encontramos novas soluções para problemas que pareciam insolúveis. Curas para doenças que pareciam incuráveis. Sim, pode ser que estejamos no auge ou pelo menos chegando lá.
E é aí que o perigo da queda começa a nos ameaçar.
Na série de livros da Fundação de Isaac Asimov, que se passa num futuro distante em que um Império Galático se encontra ameaçado segundo as previsões de um cientista psico-histórico (ciência fictícia inventada por Asimov que juntaria história, matemática e sociologia e seria capaz de analisar estatísticas e deduzir acontecimentos que desestabilizem o futuro). A civilização tenta sobreviver a todo custo.
Parece louco, não é? É um pouco, sim. E absolutamente viciante.
Com a série da Fundação, podemos fechar o conjunto de livros mais reverenciados por Musk em sua infância (e que continuam seus favoritos). Em entrevista para o The Guardian, Elon Musk afirma que este é um dos melhores livros que já leu. Também comentou no Twitter que havia relido e achado brilhante.
Além disso, segundo a própria entrevista para o The Guardian, graças aos livros de Asimov, o engenheiro se deu conta da natureza cíclica das civilizações, sugerida por lições de história. De fato, romanos, sumérios e egípcios são exemplos paradigmáticos de civilizações que estiveram no topo, mas eventualmente entraram em declínio e ruíram.
No caso de um mundo globalizado como o nosso, quais seriam as verdadeiras consequências de um declínio civilizatório? Projetos como a Tesla e o SpaceX, que pretendem respectivamente acabar com a indústria de combustíveis fósseis e instalar uma colônia em Marte, e todos os alertas para a ascensão das inteligências artificiais, demonstram que Musk tem uma verdadeira preocupação em evitar uma distopia. E assim como os protagonistas de Fundação, conta com a ciência como aliado mais importante.
A edição mais recente (e completa) dos livros da Fundação no Brasil é da Editora Aleph, especializada em ficção científica. Confira aqui.
structures 12 minutos

“Structures: or why things don’t fall down”, de J.E. Gordon

Livro que ajudou bastante o autodidata Elon Musk em seus projetos da SpaceX, Structures foi escrito pelo acadêmico James Edward Gordon, um dos fundadores da biomecânica e da ciência de materiais.
Trata-se de um livro de engenharia com linguagem bastante acessível que explica, de forma mais compreensível para leigos, o porquê de certos projetos de engenharia como pontes suspensas conseguirem se manter de pé, apesar do tráfego pesadíssimo dia após dia, e quais princípios físicos e biomecânicos permitem o lançamento bem-sucedido de um foguete.
Essencial para a compreensão de elementos básicos de engenharia para grandes obras, Musk afirmou em uma entrevista para a KCRW que este livro é muito, muito bom se você procura por uma introdução bacana a design estrutural.
Por não usar uma linguagem excessivamente técnica, e com a recomendação de Elon Musk servindo de chancela, já temos o bastante para dedicar um olhar atento ao livro. Em breve, ele terá uma tradução para o português no 12Minutos, em versão de microbook.
superintelligence 12 minutos

“Superintelligence: paths, dangers, strategies”, de Nick Bostrom

Embora não seja uma obra de ficção, este livro de Nick Bostrom, professor da Universidade de Oxford, é tão assustador quanto os livros mais terríveis de H.P. Lovecraft e Shirley Jackson.
Discorrendo sobre o risco que uma inteligência artificial avançadíssima representaria para a humanidade, Bostrom demonstra que, por mais incríveis que sejam nossos avanços na área, é preciso tomar extrema caução para não engendrar uma consciência que, além de verdadeiramente humana num nível mental/intelectual, possua recursos para nos destruir.
Os seres humanos se preocupam acima de tudo (e com razão, tudo bem) com o que outros seres humanos farão. Afinal, já não foram tantos momentos em que um desastre nuclear parecia iminente? O que dizer da troca de ofensas e ameaças entre Donald Trump e Kim Jong-un? Contudo, Bostrom crê que a displicência na engenharia de inteligência artificial pode criar um inimigo ainda mais poderoso e inesperado.
Elon Musk já revelou em muitas ocasiões o temor que alimenta em relação a IAs e seu poder. Inclusive que poderiam levar a uma 3ª Guerra Mundial. Assim, Superintelligence com certeza não foi uma leitura muito tranquila para o magnata, que viu alguns de seus maiores medos serem confirmados como possibilidade por uma autoridade no assunto.
No Twitter, Elon Musk escreveu que “Superintelligence vale a leitura. Precisamos ter muito cuidado com Inteligências Artificiais. Potencialmente mais perigosas que bombas nucleares”.
Esse também ganhará em breve uma versão de microbook em português no 12′. Basta votar através da wishlist.
benjamin franklin 12 minutos

“Benjamin Franklin: uma vida americana”, de Walter Isaacson

Pelas mãos do famoso biógrafo Walter Isaacson, a vida pessoal e profissional do cientista, escritor e político Benjamin Franklin foi retratada com detalhes no livro Benjamin Franklin: uma vida americana (que recebeu uma edição primorosa no Brasil pela Companhia das Letras).
Isaacson vai dos anos iniciais à morte de Franklin, aos 84 anos, concentrando sua atenção no homem por trás do mito e na sua participação crucial na independência dos Estados Unidos. Empreendedor como Musk e um de seus heróis pessoais, a biografia do ícone norte-americano entrou para lista de leituras mais importantes do CEO da Tesla.
Em 2011, Musk tuítou sobre sua leitura da “grande biografia de Benjamin Franklin por Walter Isaacson. Altamente recomendada”. Posteriormente, em uma entrevista disponível no YouTube para Kevin Rose, ele tornaria a ressaltar como a biografia de Benjamin Franklin o inspirou de modo profundo e inesquecível.
E este não seria o único livro de Walter Isaacson a ter impacto em sua vida.
einstein 12 minutos

“Einstein: sua vida, seu universo”, de Walter Isaacson

Biografia completa de um dos cientistas mais influentes do século XX, Einstein: sua vida, seu universo conta a trajetória brilhante de Albert Einstein. Seus percalços profissionais, amorosos, suas origens, sua (falta de) religião e o impacto de suas descobertas no campo da Física Teórica.
É um livro incrível para qualquer interessado em Física ou em grandes personalidades da História, já que Einstein é uma das prestigiosas figuras que ajudam a moldá-la.
Na entrevista supracitada em que Musk elogiava a biografia de Benjamin Franklin, o bilionário também fazia uma referência a este outro livro de Isaacson e comentava que foi muito influenciado por ele. Assim como no caso da biografia de Franklin, isto faz sentido demais: não estamos falando apenas de geniais cientistas, mas seres humanos incríveis, que acharam caminhos inexplorados e revolucionários que fariam a humanidade avançar. Como o próprio Musk, que pretende seguir a estrada pavimentada por grandes homens que vieram antes dele e deixaram sua marca.
Este livro também foi editado pela Companhia das Letras
Gostou deste breve resumo sobre os hábitos de leitura de Musk? Por que não compartilhar ele com aquele seu amigo viciado em tecnologia e informação? 😉
Quer ir além dos hábitos de leitura e conhecer um pouco mais da vida e da obra do empreendedor serial? Recomendamos a leitura deste artigo!
________________________________________________________________________________
Esse texto foi escrito pela equipe da Carro Elétrico.

Tipos de conteúdo para bombar sua página no Facebook

Você já está cansado de saber que página no Facebook é o grande filão das redes sociais quando o assunto é marketing digital. Porém, se você ainda tem alguma dúvida, eis aqui algumas informações interessantes referentes à plataforma:

  • 2,07 bilhões de usuários ativos mensalmente;
  • 1,37 bilhão de usuários ativos diariamente;
  • 5 novos perfis criados a cada segundo;
  • 300 milhões de uploads de fotos por dia;
  • 510 mil comentários por minuto;
  • 4,75 bilhões de conteúdos compartilhados diariamente.

No Brasil, não é diferente. A população do país é uma das que mais usam as redes sociais: nada menos que 122 milhões de usuários. Apenas no Facebook são mais de 100 milhões de contas ativas, número que coloca os brasileiros na terceira colocação do ranking mundial.
A seguir, veja outros dados relevantes, segundo o Social Media Trends 2017:

  • 92,1% das empresas estão nas redes sociais;
  • 97,6% delas possuem cadastro no Facebook;
  • 74,9% analisam os resultados por meio das métricas.

Sobre este último número, o engajamento é considerado um dos KPIs mais importantes, acompanhado por cerca 73,8% dos negócios.
Essa métrica leva em consideração a interação dos usuários com as postagens. No Facebook, isso representa uma série de ações, como curtidas (e outras reações sociais), comentários, compartilhamentos, cliques no link, visualizações no vídeo etc.
Ela é muito importante, pois qualifica o conteúdo publicado, trazendo informações que podem ser analisadas e consideradas na estratégia. Inclusive, ela está diretamente relacionada a outro indicador, o alcance.
Já deu pra perceber que uma página no Facebook pode trazer diversas oportunidades para o seu negócio, não é mesmo? Por isso, a seguir, apresentamos os melhores tipos de conteúdo para dar um boost na suas ações na rede social de Mark Zuckerberg.

Perguntas

Quer melhorar os resultados da sua empresa? Você já otimizou o SEO do seu site para o Google alavancar o seu tráfego? Como foram as suas férias de julho?
Assim como na vida real, as pessoas tendem a responder quando são questionadas. Por isso, é extremamente recomendado que, sempre que possível, você utilize perguntas em sua fanpage.
Tente mantê-las bem sucintas e diretas. Além disso, frases interrogativas cujas respostas possam ser simplesmente “sim” ou “não” geram muitos comentários, assim como questões de múltipla escolha.

Imagens

Quando uma pessoa ouve algo, três dias depois ela se lembra apenas de 10% do que foi dito. Porém, quando tem acesso a imagens, recorda-se de aproximadamente 65% da informação.
Além disso, nas redes sociais, posts com imagens têm 2,3 vezes mais engajamento do que apenas textos.
Tendo isso em vista, não há como fugir: suas postagens devem vir com imagens ilustrativas para complementar a mensagem. Caso contrário, elas podem perder seu potencial de alcance na página no Facebook.

Dicas

É claro que fotos de gatinhos fofos, crianças em situações engraçadas e referências à cultura pop são fatores que influenciam no número de compartilhamentos.
Mas você já se perguntou se esse tipo de conteúdo é realmente útil para a sua audiência? No fim das contas, é melhor se dedicar a trazer informações realmente relevantes, ou seja, que respondam às dúvidas da sua persona.

Citações

“Escolha um trabalho que ame e não terá que trabalhar nunca”.
Tá legal, a frase citada pode até estar um pouco batida. Mas a verdade é que as citações podem gerar bons índices de engajamento nos seus posts.
E não são apenas Caio Fernando de Abreu e Santo Agostinho que fazem sucesso. Dependendo do público, celebridades contemporâneas ou referências do mercado podem, sim, trazer bons resultados.
As lições de grandes mestres inspiram as pessoas e, geralmente, caem muito bem aliadas às imagens.

Vídeos

Não dá pra negar: os vídeos são uma tendência de consumo cada vez mais presente no cotidiano dos usuários. Usuários do Facebook consomem 8 bilhões de vídeos mensalmente, um número de cair o queixo.
Mais: segundo esta mesma pesquisa, em 2019 os vídeos representarão cerca de 80% de todo o tráfego na internet, provando de uma vez por todas que esse é um tipo de mídia que precisa de atenção.
A utilização do conteúdo audiovisual influencia diretamente no engajamento orgânico de fanpages. Possuem alto poder viralizante e atraem a atenção dos usuários de maneira única.

Memes

Você pode até pensar que os memes são apenas brincadeiras (muitas vezes sem graça) que os usuários compartilham na internet. Mas a verdade é que, para negócios, é uma poderosa ferramenta quando utilizada da maneira correta na página no Facebook.
O melhor é que há novos memes surgindo todos os dias.

Tópicos em alta

Muitos profissionais de social media gastam muito tempo planejando calendários editoriais, recolhendo dados sobre melhores horários e dias, observando a concorrência… Enfim, tudo aquilo que se espera de um especialista.
Porém, nem sempre se deve seguir à risca tudo aquilo que foi programado. Isso porque, no ambiente digital, a velocidade de circulação das informações é muito alta.
Por isso, às vezes é preciso surfar na crista da onda. As oportunidades geradas pelos acontecimentos precisam ser analisadas de imediato. Então é muito importante estar atento às notícias, hot topics e assuntos polêmicos do momento.  

Ao vivo

Parece que foi ontem, mas o Facebook inseriu a opção de vídeos ao vivo há um bom tempo. E parece ter sido um tiro certo, uma vez que as lives costumam ser mais assistidas do que outras mídias.
Esse é um ótimo meio para atrair o seu público para notificá-los sobre mudanças, tratar mais profundamente sobre um assunto ou transmitir um evento.
O motivo é simples: a interação ao vivo, por meio de comentários, faz com que os consumidores participem ativamente da construção do conteúdo.

Infográficos

Os infográficos são elementos que mesclam imagens e textos dispostos de uma maneira mais clara, facilitando a compreensão das informações.
Mas você sabia que eles também geram até 3 vezes mais compartilhamentos nas redes sociais?
Graças a isso, esse formato vem ganhando cada dia mais força no ambiente digital. Eles não são usados apenas para revelar dados sobre economia ou marketing, mas muitas vezes têm bons resultados para temas mais triviais.

Concursos, Sorteios e Promoções

Alvo de constantes polêmicas, os recursos de concursos, sorteios e promoções seguem como uma boa ferramenta para conquistar engajamento na página no Facebook.
Existem, inclusive, alguns APIs externos para auxiliar na criação desse tipo de conteúdo. Geralmente, eles envolvem alguma premissa, como o compartilhamento ou a marcação de novas pessoas na publicação.

Links

Como dito no item 3, informações relevantes são sempre bem-vindas para capturar a atenção da sua audiência.
Porém, posts sociais tendem a ser mais sintéticos, já que a concorrência no feed de notícias é bastante intenso. Por isso, é sempre válido inserir links e enviar o usuário para outras fontes, que provavelmente tratarão o tema com maior profundidade.
Essa é uma lição importante: redes sociais e marketing de conteúdo devem ser aliados na busca pelo engajamento. Assim, tanto as métricas de interação quanto o tráfego para o seu website aumentam.

Histórias

A arte de contar histórias, também referida no mundo do marketing como storytelling, pode gerar bons resultados para a sua página corporativa.
Posts sequenciais, cases de sucesso, pequenas histórias cotidianas que acontecem na sua empresa. Tudo isso pode fidelizar o leitor e trazer novas interações para as suas postagens na página no Facebook.

Posts Interativos

O engajamento é uma métrica diretamente influenciada pela interação dos usuários. E há algumas técnicas que ajudam a aumentá-la.
Que tal utilizar um “complete a frase” em seus posts? Ou quem sabe solicitar ao usuário que invente uma legenda para determinada imagem? Use a criatividade a seu favor e estimule a participação da sua audiência!

Facebook Reactions

Foi-se o tempo em que o Facebook permitia apenas curtidas nas postagens. Hoje em dia, além do “like”, temos o “love”, “haha”, “wow”, “sad” e “angry”.
Essa funcionalidade abriu um novo leque de oportunidades, e muitas fanpages utilizam esse recurso para fazer enquetes e pesquisas, servindo também como ferramenta de recolhimento de dados.

Jogos

A gameficação é usada, cada dia mais, em planos de marketing. É claro que existem diversificadas funções e escalas para tal. Mas é possível aplicá-la até mesmo em posts do Facebook.
Você já viu alguma postagem que desafiasse o usuário? Elas são muito comuns em páginas de entretenimento, mas também funcionam em outros tipos de negócios.
É possível, por exemplo, pedir para um usuário citar um personagem com a última letra do nome. Ou, talvez, incentivá-lo a resolver uma charada. São muitas as opções. O importante é entender o comportamento da audiência e, assim, criar posts cada vez mais específicos usando a gameficação como aliada.
E então, gostou desse artigo sobre os tipos de conteúdo que mais geram engajamento na página no Facebook? Agora, é aplicá-los na sua rotina e colher os frutos de uma estratégia bem executada.
Ah, e se você quer saber mais sobre como utilizar essa rede social para o marketing, veja também 34 dicas fantásticas para colocar em prática agora mesmo.
_________________________________________________________________________
página no facebook rock content 12 minutos Esse post foi produzido pela equipe da Rock Content.

5 técnicas de negociação para arquitetos e designers de interiores

Antes de te dar 5 dicas poderosas de técnicas de negociação, que vão te ajudar a vender qualquer ideia ou serviço, tenho que primeiro convidar você para uma reflexão.
Você gosta de ser chamado de vendedor? Você teria orgulho de ser o vendedor da sua empresa?
Se a sua resposta foi não para alguma das perguntas acima, infelizmente você precisa parar a leitura aqui, rever alguns conceitos e depois continuar.
Digo isso, pois TODOS nós somos vendedores. Sim. Você também. O tempo todo você vende ideias, precisa convencer clientes, amigos, familiares etc. A vida é vender.
Entretanto, no Brasil, tratamos o termo vendas e vendedor como algo pejorativo.
Por isso, preciso que você abra a sua mente, se considere um vendedor e então você terá melhor proveito das 5 dicas abaixo.

Dica 1: Não é sobre você

“Uma boa ideia não é sobre você parecer inteligente. É sobre fazer as outras pessoas se sentirem inteligentes e especiais”.
Esse é um dos grandes erros dos profissionais do mercado. Normalmente as pessoas tendem a julgar o cliente por não entender seu talento, por querer coisas que são “feias”, por não concordarem com o preço, etc.
O que nunca entra em reflexão é que talvez você não tenha conectado a sua mensagem, que talvez você esteve tão preocupado em se vender que esqueceu do principal: o projeto é do cliente e não seu.
Para entender melhor a jornada de compra do consumidor, conheça o Ciclo do Encantamento, uma metodologia de 12 etapas para você vender melhor.
Conecte a sua mensagem, customize sua linguagem e entre no mundo do cliente.
Entenda as necessidades dele, pergunte, escute e só depois fale sobre como você irá ajudar.
Nunca use o “eu”. Sempre use o “nós”.
Aprenda como inspirar pessoas com a metodologia do Círculo Dourado.

Dica 2: Não seja o vendedor tagarela

Essa dica está diretamente conectada com a primeira. Se você acha que o processo é sobre você, naturalmente você vai ser um vendedor tagarela, que fala o tempo todo, que quer toda hora se sobressair e que, infelizmente, escuta pouco o cliente.
Você sabe que um vendedor é inexperiente quando:

  • Ele fala demais
  • Ele fala só sobre si próprio
  • Ele fala só sobre seus produtos ou serviços
  • Quando ele tem um discurso mecânico

Aposto que você não gosta de receber ligações de telemarketing de empresas de telefonia móvel, certo?
E se eu te disser que muitas vezes você age igual ou pior?
Pense nisso na próxima vez que você for fazer uma reunião!
Veja também como usar gatilhos mentais para se conectar melhor com seu cliente.

Dica 3: Use a regra do 80/20

Levando em consideração as duas dicas acima, existe uma forma de você conectar sua mensagem e criar uma conexão com o cliente.
A regra do 80/20 é que você deve escutar por 80% do tempo e falar somente 20%. E quando falar tem que estar conectado com o que o cliente falou para você previamente.

3 tipos de perguntas que você pode usar:

Abertas, não diretivas

  • O que você acha de…?
  • Como você se sente sobre…?
  • Qual seu plano para…?

O objetivo dessas perguntas é entender porque as pessoas se interessaram por algo, quais são seus desejos, anseios e desafios.

Fechadas, diretivas ou estruturadas

  • Você vai falar com fulano ainda hoje?
  • Você consegue me dar a resposta até amanhã?
  • Você já decidiu se vai fazer o item xxx?

O objetivo dessas perguntas é conseguir comprometimentos e descobrir desacordos.

Reflexivas

  • Você me disse que ia falar com seu sócio ontem. Você conversou?
  • Ontem você me falou que acreditava em xxx. Alguma coisa mudou?
  • Você me disse que…
  • De acordo com o que você me falou…

O objetivo dessas perguntas é repetir algo que o seu cliente usou para poder confirmar um fato, afinal ninguém discorda de si próprio.
Veja 17 dicas de como ter um atendimento memorável ao cliente.

Dica 4: Use o GPCT

O GPCT é uma metodologia muito usada em vendas e que vai te proporcionar um conhecimento grande sobre todas as necessidades do cliente e com isso facilitar a sua negociação e fechamento do projeto.

Goal (Objetivo)

Você precisa entender quais são os objetivos do seu cliente.
Ex: o objetivo dele pode ser querer receber os amigos todo final de semana em casa.

Plan (Plano)

Qual o plano que o seu cliente tem em mente para que o objetivo dele se realize?
Ex: fazer uma nova área de lazer com uma piscina e churrasqueira.

Challenges (Desafios)

Levando em consideração o objetivo e o plano do cliente, qual o desafio que ele acha que pode existir para que tudo ocorra?
Ex: será que vai caber no quintal dele?

Timeline (Tempo)

Agora é uma das partes mais importantes: em quanto tempo ele deseja que isso fique pronto?
Ex: em dois meses para poder comemorar o aniversário dele.
Depois que você coletou todas essas informações ficará muito mais claro para você propor soluções e lidar com objeções, afinal você agora sabe o que o seu cliente quer, como ele quer, quais os desafios e em quanto tempo.
Você deve agora conectar suas soluções e tratar etapa por etapa para que tudo fique claro e que todas as possíveis objeções sejam tratadas e alinhadas.
Veja também como prospectar ativamente clientes.

Dica 5: Faça o cliente ver o futuro positivo e negativo

Você concorda comigo que ninguém quer ter um futuro negativo, certo? Todo mundo quer melhorar e todo mundo espera que o futuro seja melhor que o presente.
Você precisa fazer essa conexão com o seu cliente, pois isso irá te ajudar e muito na hora de fechar um negócio.
Levando em conta as informações da dica 4, segue abaixo um exemplo de como fazer isso:
Conectando com o futuro negativo: Fulano, você me falou que precisa da sua nova área de lazer em dois meses para poder comemorar seu aniversário, pois você deseja reunir mais pessoas na sua casa e com isso ter uma melhor qualidade de vida. Qual seria o impacto se nosso escritório não conseguir entregar em dois meses o projeto?
Nesse momento o cliente vai começar a pensar em tudo que pode dar errado e vai começar a sentir um certo anseio, pois não é isso que ele deseja.
Conectando com o futuro positivo: Fulano, levando em consideração tudo que você me falou, se nosso escritório entregar o projeto no prazo, como será essa sua festa, como você imagina fazer essa inauguração e comemorar seu aniversário?
Agora o cliente tem outro tipo totalmente diferente de sentimento. Ele está sonhando, imaginando todo o momento de felicidade que terá depois do projeto entregue.
É seu papel conectar esses dois momentos sempre que necessário. Se o cliente estiver te enrolando para dar uma resposta, por exemplo, você pode mencionar o futuro negativo, pois quanto mais ele demora menos tempo você tem e isso pode colocar em risco a entrega em dois meses.
E uma vez que você consegue lidar com todas as objeções e conectar o cliente com o futuro positivo, a venda é fechada.

Colocando em prática essas 5 técnicas de negociação

Vender, negociar e técnicas de negociação não se aprende da noite pro dia. Você precisa treinar, estudar e se aperfeiçoar até se tornar um grande vendedor.
As primeiras reuniões serão mais difíceis, mas você irá pegar o jeito aos poucos. O importante é ter o seu estilo, a sua abordagem e ser natural.
E não se iluda, você é sim um vendedor e sem vendas o seu escritório não sobrevive.
Aprenda agora a estabelecer metas como um bom vendedor!
_________________________________________________________________________
técnicas de negociação logo viva decora 12 minutos Esse post foi escrito por Pedro Renan, Gerente de Marketing da Viva Decora, maior portal de decoração, reforma e mobília do Brasil.

Como conquistar a independência financeira

Com frequência, vemos em livros e palestras que independência financeira significa ter investimentos que permitam rendimentos suficientes para cobrir todas as nossas despesas, de forma que não precisaria mais trabalhar para sobreviver.
Acredito que esse conceito é incompleto e que conquistar a tão sonhada independência financeira vai muito além de ter uma renda até o final da vida. Penso que a liberdade em relação ao dinheiro é uma simplificação exacerbada, pois, a partir do ponto em que todas as suas ações passam a ser orientadas a essa visão, o seu foco se reduz a apenas “acumular mais dinheiro”.
Ter seu foco orientado para aquilo que você não tem ou é uma escassez na sua vida, lhe traz limitações e é capaz de arruinar qualquer objetivo que você deseje alcançar, seja financeiro ou não. Grande parte dos nossos sofrimentos em relação ao dinheiro provém do desejo de coisas desnecessárias. E as frustrações constantes, resultado de instaurações da nossa mente, que acredita que somente seremos felizes e “ricos” se obtivermos determinado bem, acabam tornando-se armadilhas em nossos caminhos.
Perder o foco ou concentrar suas ações em “prioridades” equivocadas gera uma tendência preocupada em acumulação, colocando em segundo plano todos os demais aspectos da sua vida, igualmente importantes para atingir sua independência.
O primeiro passo para entender o que a independência financeira representa para você é se perguntar: “O que posso mudar hoje na minha vida que me faça depender menos de dinheiro?”.
Faça uma avaliação de em que ponto você está, hoje, na sua vida. Se você é jovem, tem uma vida inteira de decisões e gestão do seu dinheiro. Com o tempo a seu favor, haverá oportunidades para alcançar seus objetivos de maneira mais consciente, com alguns passos que vou ensinar logo abaixo.    

Acabe com suas dívidas

Toda mudança em nossas vidas precisa ter um passo inicial, e a primeira coisa a ser feita rumo à sua independência é eliminar suas dívidas.
Isso vale para cartões de crédito, cheque especial, empréstimos e parcelamentos. Comece por aquelas dívidas com juros maiores e vá eliminando uma a uma. Dessa forma, conseguirá liberar mais dinheiro para começar a realizar suas conquistas.

Não se preocupe com a grama do vizinho

Grande parte das decisões de compras desnecessárias que fazemos são baseadas em tentar impressionar as pessoas que estão próximas a nós.
Preocupe-se com o que realmente importa para você, ao invés de fazer dívidas e comprar coisas só para tentar bancar um status que não representa a sua realidade. Não cometa o erro de focar demais em sinais exteriores de riqueza e não conseguir arcar com os custos de um estilo de vida que não é o seu.
“Muitas pessoas gastam o dinheiro que não tem, para comprar coisas que eles não precisam, para impressionar as pessoas que não gostam.”. – Will Rogers  

Estude, estude, estude

Aprenda de uma vez por todas: investir em conhecimento sempre irá trazer os melhores resultados, por isso nunca deixe de estudar ou de ler livros que irão te ajudar a alcançar seus objetivos e sua independência financeira.
No 12Minutos mesmo, você encontra um categoria cheia de livros sobre Dinheiro e Investimentos!
Você pode começar também investindo em uma pós-graduação para melhorar sua situação no seu emprego atual. Pode decidir empreender, para aumentar seus ganhos. Pode também pesquisar novos investimentos e oportunidades para seu dinheiro render mais, mas, tudo isso só será possível se você decidir ESTUDAR.

Gaste menos do que você ganha

Parece um pouco óbvio isso, mas a quantidade de pessoas que eu conheço que vivem além da renda é inacreditável. Sempre acham que cheque especial faz parte do salário e se enganam achando que fazer inúmeras parcelas no cartão de crédito não terá impacto nas suas despesas.
O pior é quando consegue uma renda extra e já atrela diversos gastos e compromissos a ela. Aí não tem milagre! Se não consegue juntar pelo menos um pouco todo mês, não há como iniciar a caminhada pela independência financeira.
Primeiro passo: controle seus gastos. Anote em uma planilha no Excel, em um caderno velho ou baixe algum aplicativo. Não interessa o meio, o importante, aqui, é saber quais são de fato os seus gastos. E, a partir desse ponto, saber aonde pode cortar e o quanto consegue economizar.
Se conseguir realizar a seguinte equação “ganhar mais, gastar menos” você estará a poucos passos de atingir todos os seus objetivos financeiros.

Pague-se primeiro

Você leu certo. A primeira conta a ser paga deve ser VOCÊ. Aposto que se fez estas perguntas: como assim, sua egoísta? Como me pagar primeiro? E os meus boletos?
Sei que isso pode soar contraditório, mas para atingir sua independência financeira você vai precisar se colocar em primeiro lugar. Se presenteie primeiro para isso te fazer lembrar dos seus objetivos. Recebeu o salário e sua meta é poupar 10% dele? Antes de pagar qualquer conta, faça a destinação desse valor em algum investimento que te fará chegar mais perto dos seus objetivos.
Em pouco tempo isso se tornará um hábito. Viver com o que sobrar depois de pagar a si mesmo é uma das melhores alternativas para começar a construir sua independência.

Planejamento é tudo

Saber o alcance do seu dinheiro é a base de toda a construção do seu planejamento financeiro. Seja flexível e ajuste seus gastos à sua realidade. Poderão surgir alguns momentos mais difíceis na sua vida e você precisa ser capaz de lidar com eles.
Você pode ser demitido, algum ente querido pode ter problemas de saúde, ou até mesmo você poderá enfrentar alguma situação que dependa das suas economias. O importante é não deixar essas situações te desanimarem e, assim que conseguir retomar suas atividades, dê prosseguimento aos seus objetivos.
O planejamento financeiro irá te permitir estar sempre com os pés no chão e proporcionar uma vida menos estressante ao lidar com situações inesperadas.

Como conquistar a independência financeira

Se quiser saber um pouco mais sobre como realizar uma gestão financeira eficiente, escrevi com mais detalhes sobre isso no Blog da FriendsLab.
O mais importante de tudo o que foi dito é que você tenha bem claro os seus objetivos, não se desvie do seu plano ou passe a gastar indiscriminadamente quando perceber que está conseguindo juntar dinheiro. Seja uma pessoa independente e, para isso, seja extremamente cuidadoso com o seu dinheiro. Para toda decisão que precisar tomar relativa ao seu dinheiro, faça um planejamento apropriado, e, sobretudo, realista.
Saber reconhecer o que realmente é a independência financeira para você será fundamental para administrar melhor o seu dinheiro e traçar melhor os objetivos que fazem sentido de fato para a sua vida. Dessa forma, a sua vida e o seu dinheiro darão saltos de crescimento, tanto em quantidade como em qualidade.
E aí, aprendeu? Vale dar uma lida também nos ensinamentos do livro Pai Rico Pai Pobre!
________________________________________________________________________________independência financeira logo friendslab  Esse texto foi escrito pela Bárbara Andrade, da FriendsLab.