Manual de investimentos: como ganhar dinheiro investindo?

Voiced by Amazon Polly

Você com certeza já ouviu muita bobagem por aí envolvendo investimentos. Alguns falam que o Tesouro Direto vale muito a pena, outros criticam a escolha. Mas há muitas oportunidades boas de fazer sua grana crescer. Para saber quais são, que tal um manual de investimentos?
Neste post, vamos esclarecer uma série de dúvidas comuns e apresentar as melhores formas de investimento conforme o seu perfil. Para finalizar, vamos também recomendar algumas leituras fantásticas, caso queira se aprofundar no assunto.
manual de investimentos

Mitos sobre como e onde investir dinheiro

Alguns boatos que rolam entre quem ainda não entende muito bem do assunto. Cuidado com essas afirmações!

A melhor forma de ganhar dinheiro é especulando na Bolsa de Valores ou em Bitcoin

É fato que é possível ganhar muito dinheiro especulando na bolsa. Mas também é possível perder muito. Investir em ações envolve uma série de fatores e muito estudo. Se você quer um retorno financeiro alto, vai ter que estar disposto a encarar um risco alto também.

Os analistas de corretoras são as pessoas que vão te indicar o melhor investimento

Os analistas de corretoras nos cobram uma série de taxas para auxiliar os nossos investimentos. As taxas variam conforme o investimento, podendo ser taxa de corretagem, taxa de custódia e/ou taxa de administração. Logo, provavelmente o corretor irá apresentar a você o investimento que trará para ele a melhor taxa. Por isso, é importante estudar (e ler este manual de investimentos!) antes de escolher onde investir.

Imóvel é sempre um bom investimento

Investir em crédito imobiliário (LCI) realmente costuma render mais que a poupança, e com a vantagem de que sobre esse investimento não incide imposto de renda. Contudo, dizer que esse é sempre um bom investimento é relativo. O mercado imobiliário foi bastante abalado pela crise que o país vem enfrentando desde 2016. Apesar da melhora no setor em 2017, sempre é bom ficar de olho na taxa de rentabilidade e nos riscos que o investimento oferece, destacando o risco de crédito – que é a capacidade do emissor de pagar os títulos.

Poupança é o investimento mais seguro que existe

Quem não sabe muito bem como investir dinheiro acaba colocando suas economias na poupança. Assim como qualquer outro investimento, a poupança apresenta riscos. Trata-se novamente do risco de crédito. É claro que as chances do banco quebrar ou não arcar com os seus compromissos são pequenas. Isso, sem contar que há o chamado fundo garantidor de crédito (FGC), que falaremos mais a frente. Mas a grande desvantagem da poupança é que ela tem rendido menos do que a inflação. E há outros investimentos em renda fixa que são tão seguros quanto a poupança, rendendo mais!

Não se perde dinheiro em renda fixa

Essa é uma das dicas mais importantes deste manual de investimentos: embora a renda seja fixa, há riscos. São eles: risco de crédito, de mercado (oscilações no rendimento, no caso de renda pós-fixada ou indexada, o que pode fazer com que você ganhe mais ou menos dinheiro) e de liquidez (dificuldade de se conseguir encontrar compradores potenciais para um determinado ativo no momento e no preço desejados). O risco que poderá o fazer perder seu dinheiro é o mesmo risco que citamos acima (de crédito), da instituição quebrar e você não receber o seu dinheiro. Mesmo assim, alguns investimentos em renda fixa também contam com o FGC.

Quando se está em dúvida entre dois investimentos, basta comparar a rentabilidade dos dois

Todo investimento envolve riscos. Logo, não basta comparar a rentabilidade entre eles. Continue lendo este manual de investimentos que você vai entender um pouco mais das diferenças entre cada investimento.

É preciso muito dinheiro para começar

Mais um mito para a lista. Para realizar determinados investimentos, realmente é necessário uma quantia relativamente alta. Contudo, há opções para quem não tem como investir dinheiro em grande quantidade, como é o caso de alguns de renda fixa, que, para investir, são necessários somente R$50,00.

Verdades sobre como e onde investir dinheiro

Nem tudo é mentira. Existe muita sabedoria por aí, especialmente neste manual de investimentos. Selecionamos as maiores verdades que vão ajudá-lo a entender melhor como investir dinheiro.

Atualmente, colocar dinheiro na poupança significa perder poder de compra

A poupança tem rendido menos do que o crescimento da inflação. Por isso, se diz que investir na poupança é perder o poder de compra, ou seja, é preferível gastar o dinheiro do que mantê-lo parado nesse investimento.

Existem investimentos isentos de imposto de renda

Verdade. Legal, não? Se você investe em LCI, LCA ou recebe dividendos, você não precisará pagar imposto de renda sobre o rendimento. Mas atenção à taxa oferecida para esses investimentos! Faça as contas, porque talvez ainda valha a pena optar por um investimento sobre o qual incide imposto de renda, mas que o rendimento é bem melhor.

A corretora pode ganhar dinheiro mesmo se você perder

Mesmo que a corretora possua analistas excelentes e honestos, uma coisa é fato: eles cobram taxas. Essas taxas muitas vezes independem do seu ganho. Em outras palavras, enquanto a corretora está ganhando dinheiro, você pode estar perdendo. Mais uma vez a necessidade de ler um manual de investimentos..

É muito importante diversificar seus investimentos

Como você já aprendeu, cada investimento possui diferentes riscos. Logo, uma sugestão que oferecemos é dividir seu dinheiro em diferentes investimentos. Assim, você dilui os riscos.

O melhor momento para se comprar uma ação é quando o preço dela cai

Uma verdade que poucos sabem. Quando os preços sobem, pensamos que a ação está em alta e acabamos comprando. O mesmo vale para a queda: quando a ação está em queda, achamos que a empresa está mal das pernas e acabamos vendendo. Mas deveria ser justamente o oposto! As ações vivem oscilando e, se elas estão em queda, é um possível sinal de que em breve vão subir, por isso, compre! De quebra, você vai comprá-las por uma pechincha. E, quando as ações estiverem lá em cima, provavelmente logo vão cair, por isso, venda. Você vai conseguir um bom preço por elas!
“Se investir é entretenimento, e se você está se divertindo, provavelmente  você não está ganhando dinheiro. O bom investimento é chato”
Como muito bem disse o investidor George Soros, um bom investimento é chato. Isso porque exige estudo e acompanhamento. Se você tem dinheiro e quer diversão, seu lugar é em um cassino! Afinal, é preciso muita sorte para ganhar dinheiro sem estudar e se dedicar. Ele até escreveu um livro, Soros, que vale a leitura!

Se você comprou um título, não precisa ficar com ele até o vencimento

Alguns investimentos contam com a vantagem de que você pode retirar o seu dinheiro quando quiser. Alguns outros você compra com o intuito de manter a longo prazo. Mas a maioria deles é ao portador, ou seja, não nominais. Logo, a única coisa que você precisa fazer para ter o seu dinheiro de volta é encontrar um comprador. Uma corretora pode te auxiliar nisso! Mas mais uma vez pedimos atenção: o imposto de renda incide sobre esses títulos conforme o tempo de investimento – vide tabela a seguir. Portanto, pode não compensar comprar esses títulos se você não tem a intenção de mantê-los por um longo prazo.

Prazo Alíquota do IR
Até 180 dias 22,5%
181 a 360 dias 20%
361 a 720 dias 17,5%
Acima de 720 dias 15%

Guarde essa tabela. Ela será necessária mais a frente!

Boas práticas para investir dinheiro

Quem sabe onde e como investir dinheiro cria boas práticas, ou regras, que ajudam a investir com mais consciência e segurança. Veja algumas delas abaixo.

  • As projeções não são 100% confiáveis, conforme explica Benjamin Graham, em seu livro O Investidor Inteligente. Muitos investidores presumem, de maneira errada, que o que aconteceu no passado se repetirá no futuro.
  • Não invista com seu banco: geralmente os gerentes de banco cobram taxas bem mais altas do que corretoras.
  • Vá a mais de uma corretora e compare as taxas cobradas e as oferecidas: como já falamos aqui, as corretoras podem oferecer o que é melhor para elas e não o que é melhor para você. Escolher uma corretora é como escolher um banco. Vá a mais de uma, pesquise e não deixe de negociar as taxas! Mais uma vez, como explica Benjamin Graham, a decisão final deve ser sempre do investidor.
  • Depois de escolher onde investir, acompanhe as oscilações das taxas com paciência e disciplina: Nada de investir e esquecer o seu dinheiro lá! Dependendo das taxas, você pode tirar o seu dinheiro de um local e colocar em outro, por exemplo.
  • Estude: mais uma vez, não se esqueça de estudar antes de escolher o investimento. As corretoras não vão saber qual é o melhor investimento para você e por isso vá negociar com o manual de investimentos em mente.
  • Se planeje: defina suas próprias metas: Para que você está investindo? Quanto tempo você quer deixar o seu dinheiro investido? Qual a rentabilidade esperada? Qual o valor você pretende alcançar ao final do investimento?
  • Aproveite a tecnologia: atualmente, há uma série de apps que o ajudam a gerir seus investimentos. Recomendamos o Investing e o Renda Fixa. Além disso, todas as corretoras contam com o home broker (e algumas até com o mobile broker, para celular), através do qual você mesmo pode realizar seus investimentos em qualquer lugar, online.
  • Mmantenha-se informado: fique sempre por dentro das notícias e saiba o que está afetando o mercado. Isso pode fazer você optar ou não por um investimento.

O Investidor Inteligente

Onde investir dinheiro

Existe uma série de opções de investimentos. De curto, médio e longo prazo, com taxas pré ou pós fixadas, com diferentes retornos, riscos e custos. Se você tem um perfil mais conservador, como a maior parcela da população, pode procurar por investimentos de renda fixa e que contam com o Fundo Garantidor de Crédito, que lhe garante a devolução de até R$250.000,00 do valor aplicado, no caso da falência do emissor do título. Mas, lembre-se, normalmente, um investimento com menor risco vai também lhe apresentar um menor retorno.
Agora, se você quer um alto retorno e está disposto a enfrentar alguns riscos, indicamos as próprias ações ou as debêntures.
Aqui vamos listar os principais investimentos e explicá-los melhor.

Fundos de investimentos

Fundos de investimentos são um tipo de aplicação financeira que reúne recursos de um conjunto de investidores (cotistas), para investir em uma carteira composta por diversos ativos, de diferentes mercados. Lembra o que falamos sobre diluir os riscos? Por isso é tão legal investir em fundos. Esses ativos podem ser de renda fixa, títulos públicos, câmbio, derivativos, ações, etc.
Para a existência de um fundo (que deverá ser registrado na Comissão de Valores Mobiliários), são necessários alguns profissionais: administrador, gestor, distribuidor, auditor independente e custodiante.

  • As taxas cobradas são de administração, de performance e de saída (em alguns casos).
  • A tributação depende do tipo do fundo. Se for em ações, há a incidência de alíquota de IR de 15%. Nos demais tipos de fundos, a tributação segue a tabelinha que apresentamos acima. Para resgates feitos em um período inferior a 30 dias, incide o IOF.

Ações

As ações são frações da empresa. Quando você as compra, se torna um sócio. São títulos de renda variável. Existem dois principais tipos de ações: preferenciais e ordinárias. As preferenciais são aquelas que têm preferência no recebimento dos dividendos, mas que não lhe dão direito a voto na companhia. As ordinárias são o oposto – lhe concedem direito a voto, mas não preferência no recebimento de dividendos.
Para investir em ações não é preciso muito dinheiro para começar, você receberá dividendos periodicamente, provavelmente contará com uma boa rentabilidade e poderá comprar mais ou até vender as que já possui no momento em que você quiser (desde que esteja no horário do pregão).
Mas para se aventurar nesse âmbito, você vai precisar mais do que um manual de investimentos: manter-se bem informado sobre as oscilações do mercado e ter um pouco de feeling ajuda muito.

  • Serão cobradas as taxas de corretagem e de custódia.
  • O IR é cobrado apenas na saída do investimento e se o resgate for maior do que R$20 mil.
  • Os riscos que ele envolve são o risco de mercado e o risco de liquidez.

Títulos públicos federais

Tratam-se de ativos de renda fixa que possuem a finalidade de captar recursos para o financiamento da dívida pública e de atividades do governo (educação, saúde, infra-estrutura). Existem títulos com juros pré-fixados (já se sabe a taxa de remuneração no momento do investimento) ou pós-fixados (a taxa oscila e só será conhecida no momento do resgate).

  • Apresentam risco de crédito baixo, por possuir a garantia total pelo Tesouro Nacional.
  • Sobre esses investimentos incide o IR, conforme tabela.
  • Dependendo do título, pode haver taxa de custódia.

CDBs

Os Certificados de Depósitos Bancários são títulos de renda fixa, emitidos pelos bancos, a fim de captar dinheiro. Também existem CDBs com taxas pré ou pós fixadas.

  • Esse investimento apresenta somente o risco de crédito, mas possui garantia pelo FGC.
  • Incide o IR, conforme tabela.
  • Não há custos.

Letras de câmbio

Assim como os CDBs, as letras de câmbio são títulos de renda fixa, mas emitidos por uma própria instituição financeira. Elas podem ter rentabilidade pré ou pós-fixada e também possuem garantia pelo FGC. A rentabilidade é boa, mas o investimento mínimo costuma ser em torno de R$30.000,00 e pode haver um período de carência.

  • Apresenta risco de crédito.
  • É cobrado IR, conforme tabela.

Debêntures

Investir em debêntures significa investir em empresas. Grandes empresas, ao necessitar de capital de giro ou dinheiro para um investimento específico, emitem debêntures. Esses títulos são de renda fixa e de longo prazo. Algumas debêntures são conversíveis em ações (não muito indicadas por Benjamin Graham, em O Investidor Inteligente). O investimento mínimo está na casa dos milhares. A grande desvantagem é que não são garantidas pelo FGC, mas apresentam uma série de outras garantias:

  • Real – é garantida a devolução do capital através dos bens da companhia. O valor é limitado em 80% dos bens
  • Flutuante – há um privilégio sobre os ativos da companhia, mas limita-se a 70% desses ativos
  • Sem garantia
  • Quirografária – não há preferência sobre o ativo do emissor e o valor de emissão é limitado ao capital social integralizado da companhia

As debêntures:

  • São tributadas conforme a tabela do IR.
  • Apresentam risco de crédito, risco financeiro, risco monetário e risco cambial.

LCIs e LCAs

As Letras de Crédito Imobiliário e as Letras de Crédito do Agronegócio são bem parecidas do ponto de vista do investidor. Ambas são investimentos de renda fixa e isentos de imposto de renda. Se estiver em dúvida entre esses dois investimentos, procure pela melhor rentabilidade. Aqui existem também letras pré e pós fixadas.

  • Pode haver cobrança de taxa de custódia.
  • Apresenta risco de crédito e risco de liquidez (uma vez que o resgate do dinheiro só pode ocorrer no vencimento).

Derivativos

É um investimento de renda variável. Trata-se de um ativo financeiro (ou valor mobiliário) cuja característica de negociação deriva de outro ativo. Há uma série de contratos de derivativos, mas aqui vamos falar dos 3 principais:

  • Futuro: um comprador e um vendedor assumem o compromisso  de negociar uma commodity em uma data futura. Não há inicialmente o desembolso de dinheiro, apenas o compromisso de negociação.
  • Opções: negociações do direito de compra ou venda de determinado ativo.
  • Termo: deriva das negociações com ações na BM&FBovespa.

Aprofundando os estudos do manual de investimentos

Conforme já falamos aqui, é necessário sim estudar para investir. Nem que seja para mostrar para o seu corretor que você tem conhecimento do produto no qual está escolhendo investir. Por isso, aqui recomendamos 5 livros excelentes para você começar:
manual de investimentos

O Investidor Inteligente, de Benjamin Graham

Esse livro é uma das obras favoritas de Warren Buffet. Se você quer investir na bolsa, não perca essa leitura! O autor ensina como utilizar as ferramentas de análise adequadas e a maximizar a sua chance de ter bons retornos.
manual de investimentos

Investimentos: Como administrar melhor seu dinheiro, de Mauro Halfeld

Você sabe como administrar bem o seu dinheiro? Mauro Halfeld contempla temas como a compra de imóveis, o orçamento pessoal e os investimentos. Ele dá diversas recomendações, apresenta casos e nos conta o seu método de fazer seu dinheiro crescer com o passar dos anos.

Investimentos Inteligentes, de Gustavo Cerbasi

Investimentos Inteligentes
Saber investir é fundamental. Nesse livro, o consultor financeiro Gustavo Cerbasi apresenta, com uma liguagem acessível, as melhores formas de investimento. Ele também aborda os obstáculos enfrentados e melhores práticas para um investidor iniciante.
manual de investimentos

Ações comuns, lucros extraordinários, de Philip Fisher

Esse livro também é um clássico para quem quer investir em ações. O consultor de investimentos Philip Fisher conta seu método para escolher e aplicar seu dinheiro nesse tipo de investimento. Muito interessante!
manual de investimentos

Os Segredos da Mente Milionária, de T. Harv Eker

Você já pensou por que algumas pessoas parecem acumular riqueza com facilidade enquanto outras estão sempre quebradas? Esse livro não se trata propriamente dos tipos de investimentos como falamos aqui, mas de um modelo proposto por T. Harv Eker propõe, no qual você é capaz de combinar seu jogo mental e suas ferramentas para se tornar realmente rico.
No 12min, temos conteúdos MUITO bacanas sobre esse assunto, em um formato super fácil de consumir, em texto e áudio. Baixe o app na Play Store ou na App Store e bons aprendizados!

Comentários