O que fazer quando se está desempregado?

O Brasil tem um batalhão de 13,2 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho, segundo o IBGE. Mas, o que fazer quando se está desempregado e em busca de uma recolocação?

o que fazer quando se está desempregado

É óbvio – e você certamente sabe disso – é preciso atualizar o seu currículo e colocá-lo de forma atraente aos olhos dos recrutadores. Uma dica é usar palavras-chaves que destacarão você em relação aos demais concorrentes.

Por que as palavras-chaves são importantes? Porque os recrutadores usam dispositivos eletrônicos para localizar os candidatos que mais se encaixam em cada vaga. E são essas palavras que conduzirão você pra frente, na fila de espera.

É claro que você vai dedicar tempo, também, para elaborar as suas lindas, atraentes, convincentes e personalizadas cartas de apresentação e sair na dianteira nesta corrida por um novo emprego.

Desempregado, mas não parado

o que fazer quando se está desempregado

Você não vai distribuir os seus currículos e cruzar os braços, esperando por um telefonema do recrutador. Essa, definitivamente, não é a coisa certa a se fazer.

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontou que o tempo médio de desemprego em todas as capitais brasileiras é de 14 meses, em média.

Então, nada de ficar parado vendo o tempo passar. Se você quer de fato aumentar as suas chances de se recolocar no mercado de trabalho, precisa arregaçar as mangas e ir a luta. Sem desânimo, porque você tem muito o que fazer.

Os seus esforços devem ser no sentido de preencher os gaps no seu currículo, que surgirem nesse período em que estiver desempregado. Isso pode ser feito por meio de atividades e experiências que o levam a desenvolver novas habilidades. Além de aprender mais, você passará uma boa imagem para o recrutador.

As dicas sobre o que fazer quando se está desempregado?

A regra de ouro é: mexa-se. Nesse post, você vai aprender como e em que direção. Vamos lá!

Pense em um trabalho temporário

o que fazer quando se está desempregado

Você pode buscar por alguma atividade temporária e isso é muito bom. Porque, se você tiver um excelente desempenho, isso pode ser um degrau para um trabalho permanente, nessa mesma empresa. Ou, ainda, a pessoa que o contratou poderá recomendá-lo para outras oportunidades.

Faça alguns cursos

o que fazer quando se está desempregado

Os gerentes de contratação valorizam e recomendam ao desempregado investir tempo e energia para aprender um pouco mais sobre a sua área de atuação. Procure desenvolver novas competências que irão somar pontos no seu currículo. Dependendo da sua profissão, você encontra opções de cursos e treinamentos gratuitos ou de baixo custo. E lembre-se que tem muita coisa na internet também. Os cursos são ainda uma oportunidade excelente de networking.

Aprenda coisas novas

o que fazer quando se está desempregado

Além de fazer um upgrade nas suas competências técnicas, que tal expandir seus conhecimentos para outras áreas? Por exemplo, você pode aprender Excel, um novo idioma, fazer análise de dados… Você pode ainda desenvolver algumas habilidades que o tornarão um forte candidato, como relacionamento interpessoal, negociação, técnicas de persuasão, controle emocional e muitas, mas muitas outras opções mesmo. Nesse caso, você pode recorrer aos livros. A internet está cheia de opções. A 12MIN é uma delas, oferecendo o resumo das obras mais valiosas para quem quer crescer profissionalmente ou empreender.

Faça voluntariado

o que fazer quando se está desempregado

Essa é outra boa maneira de se manter atualizado e ocupado. Além de ser, também, uma excelente oportunidade para você se sentir útil e ainda enriquecer o seu networking. Procure por um tipo de voluntariado que tenha algum link com a atividade que você exerce profissionalmente. Muitos recrutadores valorizam esse tipo de iniciativas em seus candidatos. Afinal, a mensagem que é passada a eles é que dinheiro não é tudo na sua vida.

Crie o seu blog profissional

o que fazer quando se está desempregado

Quer impressionar os recrutadores. Mostre para eles que você é um especialista em sua área de atuação. O blog profissional é um caminho certeiro e seguro para isso. Você pode divulgar dados e conteúdos relevantes e, ainda, mostrar todo o seu entusiasmo pela profissão. Com certeza você será visto como um candidato especial, com criatividade e iniciativa.

Apareça

o que fazer quando se está desempregado

Na cartilha sobre o que fazer quando se está desempregado marcar presença nos ambientes e entre as pessoas da sua área de atuação é um item de destaque. Você pode fazer isso de várias maneiras. Por exemplo, associando-se a uma entidade de classe; participando de eventos, inclusive, ajudando na organização; construindo o seu blog; participando de grupos online, atualizando o LinkedIn etc. O linkedIn, aliás, é uma ferramenta poderosa. Acesse o nosso post, aqui no 12MIN, sobre “O que o LinkedIn oferece para sua vida profissional?” e tire o máximo proveito dessa rede.

Use os seus contatos

o que fazer quando se está desempregado

Dê uma boa avaliada na sua rede de contatos e identifique pessoas que possam ajudá-lo numa recolocação. Não considere apenas aqueles contatos diretamente ligados ao seu ramo de atuação ou a uma determinada vaga. Sempre haverá alguém que conhece outro alguém. Pense nisso! E aproveite para expandir o seu networking.

Monitore

o que fazer quando se está desempregado

Enviou um currículo? Acompanhe todo o processo. Mostrar-se interessado é importante para realçar você entre um monte de outros concorrentes. Se for chamado para uma entrevista, lembre de agradecer ao recrutador pela oportunidade do contato pessoal para apresentar suas habilidades.

De desempregado a empreendedor

Entre as dicas sobre o que fazer quando se está desempregado, os especialistas chamam a atenção para a possibilidade de investir no próprio negócio. Muita gente tem seguido esse caminho, com sucesso.

o que fazer quando se está desempregado

Pesquisa do Sebrae mostra que foram criadas 11 milhões de empresas no país nos últimos anos, por iniciativa de pessoas que estavam desempregadas. É o que a entidade chama de empreendedorismo por necessidade.

Você também pode considerar essa opção.

Não se deixe abalar

É comum a pessoa ficar confusa sobre o que fazer quando se está desempregado. À medida que o tempo vai passando e as oportunidades não aparecem, surge um sentimento de desânimo.

Para evitar essa situação, o importante é manter a calma e seguir os conselhos dos especialistas, que relacionamos acima.

Mas não é só isso. Você precisa cuidar, também, da sua saúde e bem-estar. Seguem 3 orientações:

  • Dedique algum tempo para atividades relaxantes e prazerosas, sem culpa, como assistir TV, ler um livro, passear com o cachorro etc.
  • Faça meditação e atividade física regularmente.
  • Mantenha contato com seus amigos e outras pessoas da sua rede.

Você gostou de saber o que fazer quando se está desempregado? Agora, nós vamos convidar você a conhecer os 10 livros que quem está procurando emprego deveria ler

E nós do blog 12MIN temos outra dica super legal para você desenvolver as habilidades de negociação – algo que todo mundo precisa, o tempo todo. A nossa sugestão é o resumo do livro:

A Arte da Negociação – Como Fechar um Acordo em Um Mundo Caótico – Michael Wheeler

o que fazer quando se está desempregado

Boa leitura! E compartilhe as informações com aquele seu amigo que está em busca de uma recolocação!

 

Entenda as vantagens do buzz marketing e comece a usá-lo

Tecnologia de ponta e inovação não foram suficientes para tirar de campo o famoso boca a boca. No mundo dos negócios, inclusive, ele está mais vivo do que nunca e vem sendo usado como estratégia de buzz marketing.

Muitas empresas estão adotando buzz marketing para manter o foco e a atenção das pessoas sobre a sua marca. E, para tomar essa decisão, elas se amparam em pesquisas.

buzz marketing

Por exemplo, o relatório da empresa americana Nielson aponta que 92% dos consumidores entrevistados confiam totalmente na indicação de um amigo ou familiar acima de qualquer outra forma de propaganda.

Mais um dado da Nielson para você refletir: 77% dos consumidores são motivados a comprar um novo produto, quando o conhecem por meio de uma recomendação boca a boca.

Outro levantamento divulgado em 2015, pela CMO, revelou que, naquele ano, o boca a boca foi responsável por 6 trilhões de dólares em consumo em todo mundo.

Entendendo melhor o buzz marketing

buzz marketing

Mesmo inconscientemente, todos nós fazemos buzz marketing no nosso dia-a-dia. Isso acontece quando falamos bem de um filme que assistimos no cinema ou de uma série da Netflix, incentivando as demais pessoas.

Fazemos buzz marketing quando elogiamos a comida e o atendimento exemplar de um restaurante, a performance de um carro ou a competência do médico…

Ou seja, buzz marketing é uma estratégia que tem como objetivo fazer as pessoas falarem sobre sua marca. A ideia é criar burburinhos e debates, colocando o seu produto ou serviço na boca do povo.

Esse é um conceito antigo, já usado pelos circos, por exemplo, para atrair os visitantes. Se você é desse tempo, certamente se lembra dos desfiles pelas ruas da cidade, com seus palhaços, malabaristas e animais, durante o dia. Com isso, tornavam-se o assunto entre os moradores e, o resultado: casa cheia na hora do espetáculo.

Princípios básicos do buzz marketing

buzz marketing

Você precisa gerar buzz (ruído, murmúrio) para dar às pessoas motivos para falarem sobre você. Mas, o buzz marketing de resultado não ocorre aleatoriamente no meio empresarial. Pelo contrário, as empresas fazem planejamentos estratégicos.

Além disso, você precisa se assegurar de que o seu produto/serviço é tudo aquilo que o consumidor está falando. Do contrário, seu esforço será visto como uma propaganda enganosa.

E mais: não adianta falar uma vez e sumir do mapa. O sucesso do buzz marketing está na qualidade, mas também na consistência das suas ações direcionadas para o público certo.

Buzz marketing e marketing viral

Marketing viral foca na criação de alguma peça (vídeo, cartaz etc) ou campanha que tenha alto teor de compartilhamento – “viralizável”. Nesses casos, o conteúdo é relevante para as pessoas a ponto delas quererem passar adiante.

Num primeiro momento, marketing viral e buzz marketing podem parecer a mesma coisa. Mas não são. A principal diferença é que o viral foca em compartilhar uma mensagem de forma espontânea, enquanto buzz marketing trabalha para estimular um debate sobre a marca.

Os seis botões para disparar ruídos

Mark Hughes, autor do livro Buzzmarketing: Get People to Talk About Your Stuff, relaciona seis botões que levam as pessoas a falarem sobre alguma coisa. São eles:

1 – Tabu

buzz marketing

Segundo Hughes, faz parte da natureza das pessoas falarem sobre o que não devem. Assim, as  empresas tendem a lançar mão de assuntos polêmicos, que geram discussão social. Como esses temas, geralmente, dão margem para diferentes pontos de vista, eles geram o debate acirrado.

O cuidado aqui é para não abusar e passar dos limites. Se isso acontecer, provavelmente, você vai criar um monte de inimigos.

2 – O incomum

buzz marketing

Crie algo exclusivo para brilhar mais que os outros na multidão e as pessoas falarão de você. Pode ser uma mensagem ou uma oferta, mas tem que ser algo único. E pode ser, também, o lançamento de uma coisa totalmente inovadora.

3 –  O notável

buzz marketing

Ninguém vai falar sobre a sua marca se ela não oferecer alguma coisa que esteja acima da média. Então, invista em algo notável e instigue o debate entre as pessoas. A ideia é que seja um diferencial de altíssima qualidade e inesperado.

4 – O ultrajante

buzz marketing

Quando se trata de negócio, isso não é algo simples de se fazer. É preciso ficar atento para que o conteúdo do buzz marketing tenha relação direta com a sua marca. Ou seja, se você fizer um vídeo que causa reação nas pessoas, mas que elas não associem a mensagem com a sua marca, você sairá no prejuízo,

5 – O hilariante

buzz marketing

Essa é a estratégia que faz as pessoas rirem ou se divertirem, mas também é muito difícil de ser aplicada no mundo dos negócios. Nesse caso, também, o seu material engraçado tem que ter conexão com a marca.

6 –  Os segredos

buzz marketing

As pessoas adoram falar de segredos. Elas amam o mistério e descobertas privilegiadas. Quando alguém fica sabendo de um segredo, ela quer logo contar para os outros. Esse é um prato cheio para colocar a sua marca de boca em boca. O sucesso desse gatilho está em revelar informações a conta-gotas ou dar pistas para aguçar a curiosidade das pessoas.

Buzz marketing – exemplos

Veja 3 exemplos de buzz marketing para você se inspirar:

Coca-Cola: quando lançou um comercial admitindo que o refrigerante Coca-Cola realmente causa obesidade.

O Boticário: quem não se lembra do comercial em que casais heterossexuais e homossexuais trocavam presentes na comemoração do Dia dos Namorados? Teve gente contra, a favor e a turma do tanto faz…

Steve Jobs: um especialista em buzz marketing. Em suas apresentações, quando ele dizia “One more thing”, a plateia ia ao delírio porque sabia que algo espetacular estava por vir.

Então, está preparado para usar o buzz marketing a favor do seu negócio? Lembre-se do valor dessa estratégia. Como disse o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, “pessoas influenciam pessoas. Nada influencia mais do que a recomendação de um amigo”.

E, agora, a dica de leitura da equipe 12MIN para você.

Contágio – Jonah Berger

buzz marketing

O autor ensina as técnicas para gerar buzz, focadas em negócios com poucos recursos financeiros, trazendo resultados rápidos e extraordinários. A proposta de Jonah Berger é tentadora: entender os princípios que transformam um conteúdo em um viral contagiante, que será compartilhado milhares de vezes a cada segundo, gerando visibilidade para a marca, além, é claro, de um impacto positivo nas vendas. Imperdível.

Boa leitura!

 

O que é receita previsível e suas vantagens

Uma estratégia de sucesso da Salesforce virou livro: Receita Previsível. Escrito por Aaron Ross, um dos maiores especialistas em vendas B2B/SaaS do mundo, e Marylou Tyler, o best-seller revela como a empresa gerou milhões de dólares em novos contratos.

Receita Previsível

Em pouco tempo, Receita Previsível transformou-se em referência para todos os empreendedores que buscam dar uma guinada nas vendas. O método apresentado no livro vem sendo estudado e copiado por organizações no mundo inteiro.

O que é receita previsível

Receita Previsível é a estratégia para transformar o seu time em uma máquina de vendas, por meio da geração de mais leads e previsibilidade. A proposta é investir em um processo consistente, para não ficar apagando incêndios a todo instante

Contra a corrente

Receita Previsível

Enquanto a grande maioria das organizações defendia o aumento do contingente de vendedores motivados para alavancar as vendas, Aaron seguia um caminho oposto.

Ele estava convencido de que a solução do problema não dependia do tamanho da equipe, mas do aumento de novas pessoas interessadas no produto/serviço. Em síntese, na geração de leads.

Testando a sua teoria

Aaron trabalhava na Salesforce, onde os vendedores realizavam todo o processo comercial – do início ao fim. Então, ele decidiu experimentar uma estratégia nova de vendas. Montou um pequeno time, em que os papéis eram especializados.

Esse grupo não fazia cold calls para os consumidores potenciais. A ferramenta principal era o e-mail e a missão era gerar novas oportunidades qualificadas de empresas que não tinham interesse nos produtos da Salesforce.

Somente depois que essas empresas tornavam-se potenciais clientes é que elas eram repassadas para os vendedores responsáveis pelo fechamento e pela meta financeira. O resultado: mais de $100 milhões nas receitas da Salesforce

Os 3 pilares da Receita Previsível

Receita Previsível

A estratégia de Aaron em sua “receita previsível” está amparada em 3 pilares, que devem ser combinados em um processo padrão:

  • Entendimento do seu funil de vendas e qual a taxa de conversão de cada etapa;
  • Clareza do tamanho de cada contrato que você busca;
  • Definição de prazos realistas para atingir seus objetivos.

Cold Calling 2.0

Conheça as principais novidades do jeito novo de vender, batizado por Aaron de Cold Calling 2.0:

  • Prospectar passou a ser uma tarefa exclusiva de um grupo especializado e não mais de todo o time de vendas.
  • A abordagem dos prospectores mudou para “podemos realmente ajudar esta empresa?” e não apenas fechar uma venda.
  • A métrica-chave passou a ser o número de novos leads qualificados gerados por dia em substituição à quantidade de pessoas que um vendedor era capaz de ligar diariamente.
  • As ligações vinham de recomendações das pessoas e isso fazia com que elas fossem recebidas com mais atenção.

Time especializado

Receita Previsível

Para ter resultados significativos, Aaron apostou na especialização das equipes. Assim, a empresa pode colocar seus profissionais mais experientes na atividades de baixo volume e alto valor, como relacionamentos com grandes contas, e especializar os demais para tarefas de menor valor e alto volume, como prospectar empresas frias.

No livro Receita Previsível, os autores propõem 3 principais papéis:

  • Qualificadores: profissionais que fazem os primeiros contatos com as leads – prospecção ativa ou para dar a primeira resposta a leads gerados por ações de marketing. Se qualificados, são repassados aos closers. Eles são mensurados por oportunidades geradas por dia.
  • Closers: profissionais responsáveis por efetivamente vender e fechar os clientes, após a qualificação. Eles possuem metas de receitas individuais e são medidos pela conversão das oportunidades em novas receitas para a empresa.
  • Farmers: gerentes responsáveis pela retenção e expansão da conta do cliente com a empresa.

No Cold Calling 2.0, a empresa precisa ter ao menos 1 pessoa 100% dedicada à prospecção.

Erros comuns ao especializar o seu time

  • Esperar resultados imediatos.
  • Não focar em profundidade.
  • Aceitar um não cedo demais.
  • Não desistir de clientes sem fit.
  • Não focar em qualidade das conversas do vendedor.
  • Contratar pessoas que não estão comprometidas com a visão e os valores da sua empresa.

Uso correto do e-mail

Receita Previsível

Aaron e seu time descobriram que alguns dos e-mails criados por eles chegavam a ter quase 10% de taxa de resposta, quando enviados para executivos das 5000 maiores empresas dos Estados Unidos.

Para ter resultados similares na sua empresa, crie uma lista de clientes ideais dos quais você gostaria de se aproximar. Mande um email curto, simples e sem design ou customização visual para o executivo, apenas perguntando quem é a melhor pessoa na organização para conversar sobre o assunto relacionado ao seu produto.

Experimente textos diferentes e acompanhe de perto suas taxas de resposta. Quando você conseguir uma conexão, desafie esta pessoa sobre o comprometimento dela em solucionar os problemas.

Se o seu contato realmente estiver comprometido, ele é uma oportunidade e deve ser repassado a um closer, que daí em diante tocará a comunicação até um eventual fechamento.

Esse processo precisa ser repetido e ajustado ao longo do tempo.

Ferramentas para avançar o prospect

O livro Receita Previsível oferece dicas valiosas:

  • Recomendações – um dos mais importantes e eficazes canais que existem, sejam elas online ou offline.
  • Ferramentas Free Trials – teste de um produto ou serviço por um tempo determinado.
  • Busca orgânica – uso estratégico de palavras-chaves para atrair o leitor para sua página, conteúdo de qualidade e consequente bom ranqueamento no Google.
  • Blog – você consegue estabelecer uma conversa com o seu leitor e passar a ele informações que sejam relevantes para ambos.
  • E-mail marketing – quando autorizado pelo cliente, é a ferramenta mais eficaz para adquirir novos prospects e nutrir antigos. As possibilidades são infinitas: novos posts do blog, eventos, promoções, construindo e reforçando seu relacionamento com o público.
  • Webinars – você pode fazer uma série de seminários, em que cada um é como um capítulo novo para quem assiste, como uma série. Com informações úteis, você os aproxima da sua empresa e estabelece confiança.
  • Marketing de afiliados – Divulgação do seu produto/serviço por meio de parcerias.
  • Mídias sociais – dão um tom especial ao seu negócio, adicionando um toque mais pessoal.

O processo de 3h e 15 minutos

Receita Previsível

O livro Receita Previsível afirma que sua empresa deveria gastar 15 minutos para qualificar/desqualificar uma oportunidade, 1 hora para entender o processo de decisão e quem são as pessoas-chave na organização e 2 horas para criar uma visão conjunta de como sua empresa pode ajudar o prospect a superar seus desafios.

Como montar um time nota 10 de vendedores

Se você quer ter uma equipe forte de vendedores, a dica do livro Receita Previsível é desenvolver os profissionais em “casa”. Ao contratar, busque por pessoas inteligentes, que querem aprender e são capazes disso, organizadas e que gostam de negócios. Depois, prepare-as para a tarefa de vender.

Você curtiu esse post? Que tal ler o resumo do livro Receita Previsível, que está disponível no plataforma 12Min.

Veja outra dica de leitura que reservamos hoje para você:

Invisible Selling Machine– Ryan Deiss

Receita Previsível

E se você pudesse automatizar e perpetuar seu processo de vendas de tal forma que conseguisse, literalmente, vender enquanto dorme? Sua vida mudaria? Vale a pena entender melhor sobre isso.

Boa leitura!

Quais as principais características de um empreendedor de sucesso?

Tem gente que nasce com o dom para os negócios correndo nas veias. Mas essa não é a regra. A maioria desenvolve as características de um empreendedor ao longo da vida.

Eles fazem isso observando e conversando com outras pessoas, lendo muito – mas muito mesmo, frequentando escolas, participando de eventos etc. Esses empreendedores vão juntando pedacinhos de informações dia após dia.

Ou seja, você não adquire as características de um empreendedor num piscar de olhos. É um processo. No entanto, a boa notícia é que qualquer um de nós podemos nos transformar em homens ou mulheres de negócio, com sucesso.

Brasileiros inspiradores

Para ter sucesso, uma boa dica é se inspirar nas histórias das pessoas que chegaram ao topo. E elas estão por todos os lados, nos mais variados segmentos de atuação.

Tem gente ganhando rios de dinheiro com chocolates (Alexandre Costa – Cacau Show), outros com consultoria em finanças (Bastter Hissa – foto), com loja de departamentos (Luíza Helena- Magazine Luíza), redes de hotéis (Chieko Aoki – Blue Tree Hotels), moda (Gisele Bundchen), e-commerce (Romero Rodrigues – Buscapé) etc etc etc…

E se você parar para observar, verá que existe um batalhão de empreendedores anônimos ao seu lado, vencendo barreiras e a burocracia, expandindo os negócios e fazendo acontecer.

É o dono da padaria ou da loja de móveis da sua cidade, o mecânico que abriu uma oficina, a dona de casa que faz bolos e doces para festas… Exemplos não faltam.  

Levantamento do Sebrae, realizado em 2017, apontou que foram criadas 11 milhões de empresas no Brasil, nos últimos anos. E esse movimento não para de crescer, especialmente, impulsionado pela crise econômica que afeta drasticamente os empregos formais.

Nem todos, porém, são bem-sucedidos nos seus negócios, mas aqueles que acertam o alvo carregam as características de um empreendedor.

11 características de um empreendedor de sucesso

Existe um ditado que diz: O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário. É a pura verdade, afinal, sucesso não nasce no fundo do quintal. As biografias dos empreendedores que brilham e nos inspiram são construídas com muito esforço. E todos eles têm características em comum. Veja:

Criatividade

O primeiro passo para empreender é ter uma ideia e acreditar nela. Mas precisa ter alguma coisa original em mente, porque se você investir em algo exatamente igual ao que outros já estão fazendo, provavelmente, não não terá muito sucesso. Pra fazer diferente, não é necessário começar do zero; você pode melhorar e inovar em algo que não funciona muito bem, por exemplo, cobrindo assim um gap em determinado segmento.

Paixão

Paixão é uma peça fundamental na engrenagem que move os empreendedores. Por que isso é tão importante? Porque pessoas apaixonadas inspiram e atraem pessoas. A paixão nos dá energia para seguirmos adiante, mesmo que existam barreiras. E ela aumenta a nossa autoconfiança para vendermos as nossas ideias.

Visão

Os empreendedores sempre olham para frente e procuram enxergar o cenário como um todo. Isso é fundamental para que se possa identificar oportunidades e desafios e assim tomar decisões estratégicas assertivas, no momento exato.

Ousadia para correr riscos

características de um empreendedor

Se você não estiver disposto a correr riscos, provavelmente, não irá muito longe. O empreendedor não se assusta com o incerto e se arrisca em torno de suas ideias. Eles investem tempo e dinheiro, de maneira calculada e planejada. Nem toda iniciativa, porém, dá certo, mas você somente saberá isso se der o primeiro passo e sair do planejamento para a ação.

Autoconfiança e muita dedicação

Para tirar uma ideia da cabeça e colocá-la pra funcionar, você tem que acreditar nela e, também, em você e no seu potencial. O que não vai faltar é gente puxando-o pra trás e tentando desacreditar ou menosprezar a importância da sua iniciativa. Se não houver confiança da sua parte e dedicação, a tendência é desistir no meio do caminho.

Flexibilidade

Quando uma pessoa finca o pé em algum lugar, fica preso ali. E se ficar parado, não tem como conduzir um empreendimento para o sucesso. Por isso, a flexibilidade se destaca entre as  características de um empreendedor. Assim, esteja aberto para se adaptar às mudanças e a todas as possibilidades de melhorias do seu produto/serviço, com foco no cliente.

Conhecimento sobre o mercado

características de um empreendedor

Saiba bem onde está pisando. Ou seja, além de conhecer muito, mas muito mesmo, o seu produto/serviço, é essencial acompanhar de perto a movimentação do mercado, as necessidades do seu cliente e público-alvo, os passos e estratégias dos concorrentes e tudo o que pode afetar direta ou indiretamente o seu negócio.

Networking profissional

Quer ter sucesso? Amplie a sua rede de contatos. Conecte-se com pessoas que têm experiências e habilidades que lhe possam ser úteis e ajudá-lo a subir degraus mais rapidamente. Busque por conselhos ou mesmo dedique tempo apenas para conversar com a sua rede. Mas foque nos contatos certos.

Cuidado com o dinheiro

Não ter medo de se arriscar não significa jogar dinheiro fora. É preciso também um planejamento financeiro para cada etapa do negócio, pensando inclusive em longo prazo. Você deve ficar atento às suas obrigações e manter o fluxo de caixa sob seu controle, o tempo todo.

Planejamento

Todo empreendimento precisa de planejamento. Isso significa ter objetivo e visão bem definidos e recursos gerenciados de forma correta. Você jamais conseguirá prever todos os problemas dessa trajetória e é aí que entra a coragem de assumir riscos. Então, o empreendedor precisa associar ao seu plano de negócios uma boa dose de habilidade para lidar com o inesperado.

Persistência

características de um empreendedor

Nem tudo costuma sair como o planejado. Muitos empreendedores viram suas ideias serem recusadas ou até mesmo ridicularizadas no início. Tem horas, que parece faltar energia, Se você não tiver persistência, pode perder a chance de ver o seu negócio brilhar. Se você realmente acredita no seu projeto, siga adiante.

Então, você curtiu esse post sobre as características de um empreendedor? Que tal ler também, aqui no blog, sobre o avanço do empreendedorismo feminino?

A plataforma 12MIN tem um sessão inteirinha de resumos de livros sobre empreendedorismo. Vale a pena conhecer essas obras fantásticas!

E nós temos uma uma sugestão de leitura para hoje. Anote aí:

De Zero a Um – Peter Thiel & Blake Masters

Peter Thiel fundou o PayPal e foi um dos primeiros a investir no Facebook, tornando-se um dos bilionários mais influentes do Vale do Silício. Esse livro ensina como montar uma startup e ser bem sucedido.

Boa leitura!

 

Gestão por resultados: o que é e como desenvolver

Você sabe dizer se as decisões mais corretas para seu time ou empresa estão sendo tomadas? Desenvolver uma gestão por resultados ajuda bastante. Descubra mais sobre essa técnica e pratique.

Gestão por Resultados

Saber o caminho que está sendo traçado pela sua empresa é importante. A nossa pergunta para você é: como isso é feito dentro da sua instituição? Os Key Performance Indicators ou Indicadores-chave de Performance, que a comunicação empresarial – principalmente o Marketing – chama de KPI, já é um grande passo adotado por empresas de sucesso. Eles mostram valores mensuráveis para uma marca e como podem ser alcançados.

Na mesma linha, temos o que chamamos de Gestão por Resultados. Esse é um conceito criado na década de 50, que fala basicamente sobre como organizar uma empresa. O objetivo é mostrar uma forma de todos trabalhem conscientemente e pelo objetivo de trazer mais sucesso para a marca.

No post abaixo você entenderá mais o que é esse conceito de forma detalhada e como fazer a gestão de resultados na sua empresa de uma maneira prática e eficiente.

O que é gestão por resultados

Peter Drucker foi um famoso administrador que ganhou ainda mais destaque quando, em 1950, publicou o livro “The Practice of Management”, explicando um novo termo que ele definiu como Management by Objectives, o MBO.

O termo explica que, se gestores de uma empresa traçarem um objetivo e dividi-lo em pequenas metas sequenciais, as chances de obter bons resultados são bem maiores. Ele explica que, quando uma equipe trabalha em conjunto para uma única meta, as respostas são atingidas com mais força e rapidez.

Por que a gestão por resultados é importante para uma empresa?

Gestão por Resultados

A gestão por resultados, quando aplicada corretamente, traz uma série de benefícios para a administração e, consequentemente, para o financeiro de uma empresa. Entre as importâncias que esse conceito traz para a instituição, queremos destacar:

  • Todos passam a ser responsáveis pelos resultados. Isso implica que toda a equipe trabalhará para o seu próprio sucesso dentro da empresa. A consequência também é que todos serão responsáveis pelas oportunidades perdidas;
  • Cada resultado serve como referência para a próxima meta a ser concluída;
  • O foco da gestão por resultados não está no que é feito durante o processo, mas em como esse processo é realizado para obter o máximo possível de resultados positivos;
  • Cada setor ou equipe precisa estar integrada. Todas trabalham para os mesmos resultados;

Não realizar esse planejamento é um dos grandes erros que um empreendedor pode cometer.

‘O que se obteve’ acima de ‘como se obteve’

Em um sistema de gestão por resultados, aquelas pessoas que estão em cargos de liderança traçam o planejamento estratégico e lançam aos seus liderados. Geralmente não há rigidez nos processos, normas de como deve ser feito algo. Claro que há controle e diretrizes, mas a forma como os colaboradores farão suas tarefas é menos controlada.

O importante aqui é o que se obteve no final e não como se obteve. O foco é realizar todos os objetivos dentro do tempo traçado e de uma forma que não haja prejuízos no futuro. Ou seja, tudo é pensado para se feito da melhor forma possível para todos, mas sem infringir nenhuma norma maior da empresa.

Pode parecer que a gestão de resultados pede a solução das etapas às pressas. Na verdade, não é assim que funciona. Um objetivo terá o tempo hábil para ser concluído de forma segura.

Principais etapas da gestão por resultados

O sistema de gestão por resultados não é complexo, mas precisa ser elaborado com atenção. Para que ele funcione corretamente. De acordo com Peter Ducker, todo o processo de conter 5 etapas fundamentais. São elas:

1 – Revisão dos objetivos organizacionais

A primeira etapa inclui a revisão de todos os objetivos organizacionais e necessários para que o resultado máximo seja obtido. Aqui os gestores conhecem profundamente o planejamento estratégico e todas as ambições da empresa com a ação que está iniciando.

2 – Definição dos objetivos dos colaboradores

Gestão por Resultados

Para que um planejamento seja executado é preciso de colaboradores e equipes. O segundo passo é realizar uma reunião com todos os gestores e pessoas envolvidas no projeto para definir, com base nas capacidades de cada um, qual o papel que todos exercerão na estratégia. Aqui também são definidos os prazos e como serão feitas as apresentações e avaliações de desempenho de cada colaborador.

3 – Monitoramento do processo

O monitoramento é a primeira etapa de um planejamento de gestão por resultados, mas que se funde com todas as duas próximas fases a partir daqui. É quando os gestores e seus liderados se reúnem para conversar sobre os objetivos e o andamento do projeto. O monitoramento pode ser feito em uma frequência variável, dependendo da necessidade de cada equipe. É permitido aqui também voltar um pouco e redefinir os objetivos, caso esse seja o melhor caminho.

4 – Avaliação de desempenho

Além da monitoria do processo, realizar a avaliação de desemprenho de cada colaborador é fundamental. A avaliação geralmente é feita no final de cada período, sempre que as etapas finalizam. Essas avaliações apontam as principais dificuldades de cada colaborador e visam a melhoria de cada um desses obstáculos.

5 – Recompensa

Gestão por Resultados

A última etapa da inclui a apuração de todos os resultados obtidos e a recompensa para cada um deles. Esse tipo de recompensa pode ser institucional, incluindo uma promoção ou aumento de salário, como pode ser motivacional, como folgas, premiações em dinheiro ou outra ideia sugestiva. A dica é pensar nestas recompensas antes de iniciar o processo e também evitar utilizá-las como maior objetivo da realização das metas. As recompensas devem ser apenas uma forma de reconhecimento e não de disputa.

O que você achou do sistema de gestão por resultados criado por Peter Ducker? Alguma ação similar já é praticada em sua empresa? Conta para nós nos comentários!

Queremos também convidar você a conhecer diversos outros conteúdos sobre Negócios que ajudaram no desenvolvimento e crescimento da sua empresa!

 

Networking empresarial: como fazer e as vantagens para o seu negócio

Se você quer encurtar o caminho do sucesso, aprenda com quem já chegou lá. Para isso, o networking empresarial funciona muito bem. Mas desde que você saiba usá-lo corretamente.

Networking Profissional

O contato com outros empreendedores ou pessoas que se interessam pelo mesmo assunto que você vai ajudá-lo a expandir seus conhecimentos e até mesmo abrir portas para novos clientes e para o crescimento do seu negócio.

Aliás, você tem muito mais a ganhar com um networking empresarial. Mas lembre-se que, um networking eficiente deve se pautar em um relacionacionamento ganha-ganha. Quem entra no jogo para se beneficiar sozinho, já começa em desvantagem.

Como fazer um networking empresarial

Quando se trata de networking empresarial, quantidade de contatos nem sempre é o mais importante. Muitos especialistas afirmam que a qualidade da rede pesa mais a favor de todos que participam dela.

Isso significa que não adianta ter um monte de empreendedores ou pessoas em geral na sua rede de networking, se eles não têm nada a contribuir com o seu negócio. E você também não pode ajudá-los em nada.

Um outro erro da maioria dos empreendedores é não pensar em uma rede profissional até que realmente precise de uma. E, normalmente, quando eles acordam, é tarde demais.

O ideal é você começar a construir o seu networking empresarial mesmo antes de precisar dele. Esse é um conselho do palestrante Harvey Mackay, autor do livro “Dig Your Well Before You Thirsty”.

Outros segredos de sucesso

Um networking empresarial bem-sucedido exige dedicação. E como já foi mencionado, jamais entre em uma rede pensando apenas em tirar proveito próprio. Pelo contrário, leve em conta as grandes vantagens do relacionamento mútuo.

Em outras palavras, tire o foco de você e direcione sua atenção para os outros. Fazendo isso, você brilhará e se beneficiará do que existe de melhor em seu networking empresarial. Veja outras dicas valiosas:

  • Foque na qualidade e não na quantidade. No networking empresarial, mais nem sempre é o melhor.
  • Nem todos os contatos podem ajudá-lo e o inverso também é correto. Nem por isso, todos eles devem ser ignorados. Pense em relacionamento em longo prazo.
  • Não espere resultados imediatos. Pode levar um tempinho para as pessoas se sentirem à vontade para interagir com você e lhe oferecer alguma referência.
  • Saiba ouvir as pessoas com atenção.
  • Lembre-se dos seus colegas de trabalho, incluindo-os em sua rede de relacionamentos.
  • Aposte em uma rede diversificada.
  • Crie uma rede online de colegas com os quais você pode compartilhar ideias e sugestões.
  • Amplie a sua visibilidade. Trabalhe bem o seu perfil e participe regularmente de eventos – de negócios e sociais. Eles são vitrines para você e o seu empreendimento.

Além dos cartões

Networking Profissional

limitar-se a distribuir e juntar um monte de cartões de visitas em um evento pode ser um grande desperdício. Porque, para construir um networking forte, não é desta forma que funciona.

A primeira coisa que você precisa é ter uma meta. Assim, ao buscar por contatos valiosos, você deve procurar conhecer as pessoas e pensar em cultivar relacionamento.

Após o evento é que o “trabalho” começará de fato. É o momento de ligar ou enviar um convite para um café, um encontro ou até um bate-papo online. Essa será a oportunidade para ouvi-lo, aprender mais e até mesmo oferecer o seu produto/serviço.

Vantagens do networking empresarial

Referências

As referências que você desenvolve por meio de uma rede de negócios, na maioria das vezes, são de alta qualidade e, quase sempre, úteis para seu empreendimento. Você pode, inclusive, seguir essas referências e transformá-las em seus clientes potenciais.

Oportunidades

O networking empresarial é um mar de oportunidades. Além de novos clientes, abre as portas para novas parcerias, joint ventures, negócios ou vendas de ativos etc. Você precisa ficar atento para aproveitar de fato as oportunidades que estiverem em sintonia com os seus objetivos, na hora certa.

Conexões

Poder falar e se relacionar com pessoas influentes é uma vantagem significativa do networking empresarial.  Afinal, no mundo dos negócios, também funciona o ditado “o que vale não é o que você sabe, mas quem você conhece”.

Atualização

Manter-se em dia com as informações sobre o seu negócio, clientes, público-alvo, mercado enfim, tudo o que diz respeito, direta ou indiretamente, ao seu empreendimento é uma questão de sobrevivência. Então, use o networking empresarial como aliado.

Conselho

Aquela história de que “se conselho fosse bom, a gente não dava; vendia”, no networking empresarial não se aplica. Aqui é possível encontrar empreendedores com ideias brilhantes e inspiradoras. Muitos deles estão dispostos a lhe aconselhar e compartilhar suas experiências. Você certamente irá se surpreender com a qualidade de conselhos que poderá receber, valiosos não apenas no âmbito profissional, mas também pessoal.

Soluções

Você tem um problema em sua empresa? Alguém em sua rede de negócios pode ter a saída. É possível encontrar pessoas especializadas nos mais diferentes assuntos que podem lhe aconselhar ou até mesmo serem contratados pela sua empresa. Você pode abrir um contato, inclusive, com um investidor-anjo e muitas outras opções.

Confiança

No meio empresarial é essencial conversar com pessoas e fazer conexões duradouras. Mas muita gente tem dificuldades para se aproximar de um desconhecido e dar o primeiro passo. No entanto, por meio do networking empresarial, você pode vencer essa barreira e adquirir mais confiança.

Amizade

Networking Profissional.

Networking empresarial é um caminho para relacionamentos profissionais, mas, acredite, pode gerar grandes e fortes amizades também. Elas geralmente surgim após uma troca de experiências, numa conversa de aconselhamento ou mesmo de um bate-papo informal.

Essas são apenas algumas vantagens de um networking empresarial. Certamente existem muitas outras. Se você fizer o seu dever de casa direitinho, terá muito a ganhar. Pense nisso!

E já que estamos falando em relacionamentos, a equipe 12MIN quer convidá-lo a conhecer duas obras brilhantes. Esses livros vão ajudá-lo a subir degraus para o sucesso mais rapidamente. Anote aí:

Nunca Almoce SozinhoKeith Ferrazzi e Tahl Raz

Networking Profissional

Esse é um guia para as relações profissionais de sucesso. Para os autores, o que distingue as pessoas bem-sucedidas é como elas usam o poder dos relacionamentos. Nesse livro, eles revelam as ações e modelos mentais que usam para se conectar com milhares de amigos, colegas e pessoas que ajudaram e que também já os ajudaram. Leitura imperdível.

Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas – Dale Carnegie

Networking Profissional

O autor apresenta técnicas fundamentais para lidar com pessoas. São regrinhas simples que, quando seguidas, fazem com que você seja admirado e capaz de conquistar mais amigos.

Essas duas obras e muitas outras estão disponíveis na plataforma 12MIN para serem lidas em apenas 12 minutos cada. Você ainda pode optar pelo audio book.

Conheça mais sobre a 12MIN! Você irá se surpreender!

 

11 filmes que te deram uma lição de marketing e você não percebeu

Todo mundo adora um bom filme, não é mesmo? Com uma grande história, bons atores e uma trama envolvente.

E quando o assunto são produções com um ‘’quê’’ de realidade profissional em suas narrativas, o cinema dá um show! E nesse aspecto, filmes sobre marketing não faltam.

Se você é fã das telonas e quer unir o útil ao agradável, aprendendo boas lições de marketing com grandes clássicos, prepare a pipoca! Pois separamos uma lista de 11 filmes imperdíveis.

Alerta! Contém spoilers.

1. O Senhor das Armas (2005)

Para abrir nossa lista de filmes sobre marketing, vamos falar de Senhor das Armas (2005). Um dos filmes mais impressionantes dos últimos tempos.

A história mostra como Yuri Orlovi (Nicolas Cage) se tornou destaque em um ramo nada convencional: o tráfico de armas de fogo.

Justamente por se tratar de uma porção não explorada do mercado é que este filme transmite uma lição valiosa de marketing de nicho.

De forma geral, a estratégia foca em atender parcelas do mercado pouco exploradas e/ou que não tem suas necessidades bem atendidas. E foi exatamente assim que Orlovi se tornou, ainda muito jovem, O Senhor das Armas.

Mas cuidado! Ao contrário do que fez o personagem protagonizado por Nicolas Cage, recomendamos que você procure um nicho que seja legalmente aceito. Afinal, não queremos que você enfrente problemas na justiça.

2. The Circle (2017)

Na trama, a The Circle é uma das empresas de tecnologia mais poderosas do planeta.

Atuando no ramo da Internet, a companhia é responsável por coletar e conectar os dados dos seus usuários. Desde seus comportamentos de compra à demais detalhes de suas vidas privadas.

Ao ser contratada pela empresa, a protagonista Mae Holland (Emma Watson) fica muito empolgada com a possibilidade de estar perto das pessoas mais poderosas do mundo. Mas logo ela percebe que seu papel profissional é muito diferente do que imaginava.

Isto porque ela tem de encarar o dilema ético de lidar com dados de milhões de clientes da empresa, mesmo sem a anuência deles.

Este filme sobre marketing  chama atenção não só pela questão moral. Mas pelo potencial que o marketing por dados trás para as empresas. Além de levantar o debate sobre como coletar e usar tais informações de clientes em campanhas de marketing de forma estratégica e ética.

3. A Rede Social (2010)

Na lista de filmes sobre marketing, esta trama não podia ficar de fora.

A Rede Social (2010) conta a história de Mark Zuckerberg, criador do Facebook. Que no filme é interpretado por Jesse Eisenberg.

A trama mostra como Zuckerberg desenvolveu a rede social. Passando pela influência do término de seu namoro na ocasião e a trajetória com seus colegas.

Mas, o mais importante para os profissionais de marketing é observar como o criador de uma das maiores redes sociais do mundo se beneficiou de estratégias envolvendo marketing digital para promover seu produto. E como você também pode utilizar estas experiências para se beneficiar!

4. Obrigado Por Fumar (2005)

Obrigado Por Fumar (2005) ilustra o talento de Nick Naylor (Aaron Eckhart) ao fazer um trabalho altamente persuasivo em prol dos direitos dos fumantes exercerem seu livre arbítrio: o ato de fumar.

Todavia, Nick não é nenhum ativista dos direitos humanos. Mas sim o porta-voz de uma das maiores empresas de cigarros dos Estados Unidos.

Além da importância de conhecer o produto com o qual o profissional trabalha, talvez a principal lição que aprendemos com este filme sobre marketing é que o trabalho na área também caminha por temas delicados e com potenciais conflitos de interesse.

Porém, ao profissional, sempre cabe manter seus valores e buscar se destacar no mercado de forma honesta.

5. Clube da Luta (1999)

O Clube da Luta (1999) é considerado um clássico da nossa era e adquiriu todo o sucesso não por ser um específico  filme sobre marketing. Mas por conta das diferentes temáticas que aborda em seu roteiro.

Jack (Edward Norton) é um jovem solitário, que compra compulsivamente objetos para decorar e organizar sua casa. Insatisfeito com a vida que leva, Jack conhece Tyler Durden (Brad Pitt), que lhe apresenta um clube aonde vai para aliviar suas angústias, através de pancadas indiscriminadas.

No entanto, o mais interessante para a área do Marketing não é o clube da pancadaria, mas sim os diálogos entre Jack e Tyler. Nos quais Tyler mostra à Jack o quanto o sistema de consumismo pode ser prejudicial e ocasionar sofrimento à vida das pessoas.

Neste sentido, o aprendizado ao profissional de marketing é que este deve ser capaz de chamar a atenção de potenciais clientes às virtudes do produto que oferece, mas sempre de forma genuína e autêntica.

6. O Lobo de Wall Street (2013)

Protagonizado por Leonardo DiCaprio, O Lobo de Wall Street narra a trajetória de Jordan Belfort e seu sucesso na bolsa de valores dos Estados Unidos.

Apesar de não se tratar de um trabalho tipicamente realizado por profissionais de marketing, o filme mostra claramente a importância de se trabalhar com metas, saber gerenciar demandas de estresse e de investir no marketing pessoal e na persuasão dos clientes.

7. Amor por Contrato (2010)

Amor por Contrato (2010) é um dos filmes sobre marketing obrigatório para qualquer profissional da área.

Na trama, Steve (David Duchovny) é casado com Kate (Demi Moore), com quem tem dois filhos Mick (Ben Hollingsworth) e Jenn (Amber Heard).

Todos são bonitos, confiantes e se vestem bem. No entanto, não são uma família de verdade, e sim uma construção de estratégia de marketing da empresa “Lifeimage”.

A empresa usa a suposta família para influenciar a vizinhança ao redor a consumirem determinados produtos e adotar seu estilo de vida.

Este é um dos filmes sobre marketing que  mostra claramente como as pessoas são influenciadas pelo comportamento e pelas ações daqueles que admiram.

8. O homem que mudou o jogo (2012)

Em O Homem que Mudou o Jogo (2012), Billy Beane (Brad Pitt) é o gerente do time de beisebol norte-americano Oakland Athletics.

Em meio à uma crise, Billy desenvolve um programa estatístico que permite ao time não somente superar a crise enfrentada, como também ficar entre os melhores times dos anos 2000.

O filme serve de inspiração tanto à nível estratégico, utilizando novas ferramentas e tecnologias, quanto em termos de persistência para qualquer profissional de marketing não desistir de suas metas.

9. Piratas do Vale do Silício (1999)

O filme Piratas do Vale do Silício conta a trajetória da Apple e da Microsoft. Abordando características de nomes como Steve Jobs, Bill Gates, entre outros, que se desenvolveram na região do Vale do Silício, nos EUA.

O filme mostra claramente todos os passos que levaram Gates e Jobs a atingirem o topo do mercado. Todo que trabalham com marketing devem assistir ao filme, pois ele ensina valiosas lições sobre inovação, persistência e criatividade.

10. Do Que as Mulheres Gostam (2000)

Após sofrer um acidente, o publicitário Nick Marshall (Mel Gibson) apresenta um sintoma bastante peculiar: consegue ouvir o pensamento das mulheres com as quais convive. E isso lhe dá uma grande vantagem em seu trabalho.

Do Que as Mulheres Gostam (2000) mostra o quanto é valioso para o trabalho de marketing a capacidade do profissional demonstrar empatia e se preocupar em entender verdadeiramente as necessidades e opiniões do seu cliente.

11. Chef

Carl (John Favreau) é um talentoso chefe de cozinha de um restaurante altamente renomado.

Apesar de gostar de seu trabalho, Carl começa a entrar em conflito com seu chefe, Riva (Dustin Hoffman). Enquanto Riva  quer manter sempre o mesmo cardápio, Carl gostaria de inovar.

Em certa ocasião, um crítico gastronômico vai até o restaurante e reage negativamente a comida do local. Carl, então, decide criar uma conta no Twitter para discutir com o profissional. Atitude que ocasionou sua demissão.

Carl ganhou diversos seguidores em seu perfil na rede social, pois as pessoas ficaram curiosas para saber qual seria o desfecho do acontecido.

No entanto, ele também fica com dificuldades de ser contratado em outro restaurante, pois fica com má fama, em virtude da forma como reagiu à demissão.

Uma das principais lições que o filme evidencia é o poder e alcance das redes sociais. Chamando atenção para o cuidado ao usá-las sem estratégia.

Bônus: Série Mad Men (2007)

Mad Men é uma série lançada no ano de 2007. A trama ilustra a rotina dos funcionários da Sterling Cooper, agência de publicidade que busca vender o tão desejado sonho americano, adaptado à realidade dos anos 60, onde se situa o seriado.

O lema “não importa o que você é ou o que quer, mas sim como você se vende” é a principal lição de marketing que você pode obter desta série, obrigatória para quem trabalha com marketing.

Então, curtiu essa seleção? Não deixe de nos contar qual foi seu filme favorito e quais lições de marketing você tirou.

Este conteúdo foi produzido com a parceria da VidMonsters.

Aprenda como se tornar um palestrante de sucesso

Começar a palestrar parece estar se tornando, cada vez mais, uma opção certeira para diversos profissionais, principalmente para aqueles que trabalham diretamente com empreendedorismo, marketing e novos negócios. Contudo, independentemente da sua área de atuação, espalhar um conhecimento relevante para pessoas interessadas no assunto é sempre uma boa opção! Por isso, hoje vamos te dar algumas dicas sobre como se tornar um palestrante 🙂

Em um primeiro momento, você pode até pensar que o mais importante é ter o conhecimento do assunto e que isso é o suficiente para ser um palestrante de sucesso. É claro que ser detentor do conhecimento é importante, mas essa não é a principal preocupação que você deve ter quando pensar em se tornar um palestrante. Comunicação, organização, planejamento, oratória e outros são pontos significativos para quem deseja se dar bem nessa carreira.

Vamos às dicas sobre como se tornar um palestrante de sucesso?

Como se tornar um palestrante: a preparação

Aumentar suas vendas, mais visibilidade no mercado, fazer disso uma carreira, motivar sua equipe… independentemente da razão que o trouxe até a decisão de se tornar um palestrante, existem algumas diretrizes fundamentais para dar o próximo passo.

Se você possui um alto conhecimento sobre determinado assunto, um estudo que realizou ou se seu empreendimento tem uma história de sucesso interessante, já pode começar a pensar em como se tornar um palestrante. É muito importante que você seja um expert sobre a temática principal da sua palestra, pois assim você possui autoridade para discursar sobre o assunto e não deixará nenhum espectador com dúvidas.

A partir disso, poderá começar a realizar o planejamento da sua palestra. O importante nessa etapa é definir o objetivo da palestra em relação àqueles que irão participar dela. Você quer ensinar sobre algo? Contar uma história? Apresentar tendências do mercado a partir de pesquisas? Tenha em mente que pessoas que frequentam palestras querem agregar conhecimento – e é isso que você tem que garantir que aconteça. Portanto, certifique-se de colocar suas ideias no papel e montar uma apresentação que consiga transmitir seu objetivo.

A apresentação de sua palestra também deverá levar em consideração alguns pontos de atenção:

Visual: saia do lugar comum e invista no design! Uma apresentação moderna, bonita e visualmente bem-elaborada transmite muito mais profissionalismo do que slides preparados em templates prontos. Se você não tem muita familiaridade com design ou não pretende contratar um profissional da área, soluções como o Canva pode ser uma ótima opção! Apesar de também oferecerem templates pré-preparados, a ferramenta oferece inúmeros recursos para deixar sua apresentação mais moderna.

Conteúdo: muito cuidado com a quantidade de texto que você irá adicionar em cada slide de sua apresentação. Além de atrapalhar o participante que estará tentando ler e te escutar ao mesmo tempo, você passa menos confiança se seu diálogo com o público estiver limitado ao que está escrito. Afinal, se você for apenas ler o que está escrito, mais fácil enviar a apresentação por e-mail do que reunir um número de pessoas para te ver lendo, né?

Tempo: uma palestra não possui um tempo pré-determinado, mas tome cuidado para não ser curta demais e não conseguir passar muita informação, ou ser longa demais e começar a falar mais do que precisa. O importante é que você delimite os temas e tópicos que deseja abordar e acrescente um tempo a mais para perguntas dos participantes.

Atualidade: na era da informação, é fundamental que você esteja em harmonia com a linguagem, o visual e as notícias mais atuais. Se for dar exemplos de algumas situações antigas, tente comparar com algum caso mais recente. Traga acontecimentos que fazem parte da realidade dos participantes – dessa forma, eles vão se sentir mais próximos do assunto que você está abordando!

Outra coisa importante para aprender a como se tornar um palestrante é oratória. Com certeza, durante a sua vida, você já conheceu algum professor ou colega de trabalho que sabe tudo sobre um tema, mas na hora de explicar acaba se atrapalhando ou não passando muita confiança. E é por isso que saber falar para um público de forma clara, estruturada e deliberada é fundamental para se tornar um palestrante. O seu papel é informar, entreter e, se possível, impressionar seus ouvintes!

Portanto, se você ainda não se sente muito seguro para apresentar suas ideias em uma palestra, procure um curso de oratória ou treine muuuuito na frente do espelho. A prática leva à perfeição: não é todo mundo que nasce com essa vocação, não é mesmo?

Divulgação: destaque-se no mercado

Se você está começando sua carreira como palestrante profissional, uma das grandes preocupações deve ser como atingir seu público. Diferentemente de outros formatos de eventos corporativos, uma palestra de um iniciante não deve ser focada em uma ampla divulgação, mas em uma divulgação assertiva.

Para tanto, certifique-se de delimitar bem o seu público-alvo. Onde ele está, quais são suas preferências, quais temas o interessam, idade, profissão… quanto mais perguntas você responder sobre quem acredita serem as pessoas ideais para participarem de seu evento, melhor. Com seu público-alvo bem definido, fica mais fácil escolher os melhores canais de divulgação, como as redes sociais.

Outro ponto importante para a divulgação de sua palestra é: a divulgação de você mesmo! Palestrantes de sucesso só chegaram onde estão por serem reconhecidamente experts nos assuntos os quais se propõem a apresentar. Mas como mostrar para o público que você é um expert? Uma opção é abusar das redes sociais. Comece a construir uma estratégia de influencer e torne-se uma pessoa pública. Crie um perfil profissional no Facebook, uma conta de dicas ou hacks no Instagram, faça conexões com seu provável público no LinkedIn. Através desses canais, dê exemplos e dicas que despertem interesse nessas pessoas, mas sempre deixando um gostinho de “quero mais”. E certifique-se de que esse “quero mais” seja entregue em sua palestra, viu?

Outro fator que irá te ajudar na formação da sua pessoa pública é produzir seu próprio evento. Convide pessoas mais próximas para uma versão pocket da sua palestra, um café ou um happy hour. Vá apresentando sua proposta para o maior número de pessoas possível (lembrando que essas pessoas devem estar no perfil do seu participante ideal) e não deixe de convidar outros palestrantes. Eles poderão te dar várias dicas e, quem sabe, oferecer uma parceria para a produção de um evento maior 🙂

Como se tornar um palestrante: continue se capacitando!

Diversos palestrantes de sucesso começam sua carreira promovendo encontros ou workshops em turmas pequenas, como forma de treinamento ou renda extra. Se você vai apresentar um assunto sobre o qual você possui conhecimento técnico, criar um evento para testar suas habilidades com alguns convidados pode ser uma ótima ideia!

#Dica: no site da Sympla você consegue criar seu evento e vender as inscrições de forma simples e muito rápida. E sabe a melhor parte? Se seu evento for gratuito, usar a Sympla é 100% grátis!

Através desses eventos, você irá treinar sua apresentação, oratória e desenvoltura. E não deixe de pedir feedbacks para os presentes: você poderá aprender muito com o que eles têm a dizer.

Não deixe de ir atrás de cursos, estudos e pesquisas durante sua carreira como palestrante. Como disse anteriormente, é muito importante que você seja uma pessoa antenada e que esteja à par das principais tendências do mercado.

E aí, tudo preparado para se tornar um palestrante de sucesso?

Este post foi escrito por Cecília Cury, economista, produtora de eventos e responsável pelo blog da Sympla, a plataforma com o maior número de eventos do Brasil \o/

5 profissões para quem gosta de trabalhar sozinho

Você já deve ter percebido que está cada vez mais comum encontrarmos profissionais que preferem trabalhar sozinhos. E, graças aos recursos tecnológicos e à internet, muitos têm conseguido transformar esse sonho em realidade.

Existem vários motivos que fazem as pessoas preferirem esse tipo de trabalho.

Algumas não querem sair de casa para trabalhar, seja por causa do trânsito, da dificuldade para se concentrar em outros ambientes ou até mesmo por quererem conciliar o trabalho com outros compromissos, como família, estudos, outros projetos e viagens, por exemplo.

Já outros querem se tornar empreendedores e responsáveis por suas próprias carreiras, ter mais autonomia sobre as suas decisões e, ainda, pela possibilidade de trabalhar com aquilo que gostam.

Independentemente de qual é o seu perfil, se você se identifica com algum desses e também tem interesse em trabalhar sozinho, não pode deixar de ler este post.

Nós separamos 5 profissões que oferecem essa possibilidade e mostramos como você pode atuar em cada uma delas.

  1. Freelancer

Ser freelancer é uma das maneiras mais conhecidas de trabalhar sozinho.

O freelancer é um profissional liberal que não mantém vínculos empregatícios. Ou seja, os seus serviços podem ser contratados por pessoas ou empresas, são prestados de forma autônoma e por um período de tempo determinado.  

Existem várias oportunidades para quem tem interesse em trabalhar como freelancer, principalmente dentro do mercado digital.

A internet facilita a comunicação entre os profissionais e as pessoas que buscam serviços, além de permitir que vários trabalhos sejam feitos remotamente, sem a necessidade do freelancer comparecer a algum espaço físico e se encontrar com colegas e chefes.

É por isso que quem tem experiência em alguma área pode usar o que sabe para começar a prestar serviços como autônomo.

Assim, a pessoa se torna praticamente a única responsável por gerir o seu tempo, a quantidade de trabalho, o tipo de atividade exercida e os clientes que deseja atender.

Entretanto, por mais que esse não seja um emprego fixo, o freelancer ainda precisa cumprir prazos e negociar regras e detalhes com os clientes.

Principalmente no início, quando o profissional ainda não tem experiência, pode ser preciso aceitar alguns projetos que não são exatamente aquilo que ele gostaria, pois somente assim ele vai conseguir se aperfeiçoar e ganhar autoridade no mercado.

No entanto, quanto mais você trabalhar, mais confiança e credibilidade vai adquirir.

Com a prática, você vai começar a compreender o tempo que gasta para cada trabalho, quais são os seus pontos fortes, as suas dificuldades, o que te diferencia dos concorrentes, entre outras características.

Tudo isso vai te ajudar na construção de um portfólio ou currículo de qualidade para apresentar para os clientes e conseguir cada vez mais projetos.

Conheça algumas das profissões que permitem o trabalho como freelancer:

  1. Designer

Se você é designer, também vai encontrar várias oportunidades no mercado para trabalhar sozinho, seja como freelancer ou abrindo o seu próprio negócio.

Como a profissão envolve vários tipos de serviço, resolvemos reservar um tópico apenas para falar dela. Assim, fica mais fácil para você compreender todas as possibilidades que a área oferece.

Hoje, com o crescimento do mercado digital, muitas empresas têm tido dificuldade para ocupar a internet de maneira assertiva e atrativa para os clientes.

Por isso, as empresas têm recorrido a designers autônomos para melhorarem a sua imagem e se destacarem, seja através do seu site, do blog ou até mesmo das redes sociais.

Se você tem experiência nesse tipo de serviço e está se perguntando como trabalhar sozinho, pode começar a oferecer seus serviços de criação de conteúdo visual personalizado para as marcas.

São várias peças digitais que podem ser criadas por um designer:

  • Logotipos;
  • Infográficos;
  • Imagem de perfil para redes sociais;
  • Imagem de capa para redes sociais;
  • Identidade visual para blogs ou sites;
  • Ilustrações, entre outros conteúdos para compartilhamento.

Também existem várias possibilidades para quem prefere criar produtos gráficos para serem impressos, como:

  • Banners;
  • Panfletos;
  • Jornais;
  • Revistas;
  • Cartões de visita;
  • Adesivos;
  • Embalagens etc.

Se você tiver conhecimento na área de design e ainda souber um pouco de programação, também pode trabalhar com a criação de layouts para aplicativos, sites ou outros produtos digitais.

A diferença é que, nessas oportunidades, você vai precisar entender como o produto funciona no geral, para entregar um layout que realmente vai se adequar e funcionar exatamente como o esperado.

  1. Produtor

Sabe todo aquele conhecimento que você tem sobre um assunto específico?

Pode ser a sua profissão, aquilo que você faz como hobby ou alguma atividade na qual você tenha bastante experiência.

Que tal usar isso para produzir conteúdo e ganhar dinheiro?

O produtor é o profissional que transforma o que sabe em um produto que será vendido para outras pessoas. No mercado físico, o produtor pode ser artesão, costureiro, cozinheiro, escritor ou professor.

Já o mercado digital amplia bastante as possibilidades para quem deseja trabalhar sozinho criando um produto. Afinal, um produto digital tem um alcance maior de clientes, além de oferecer escalabilidade de lucros para o profissional.

Se quiser trabalhar na área, você pode criar um curso online ou algum outro produto digital para ser comercializado na internet, como e-books e podcasts.

Independentemente do formato de seu produto, você vai precisar ser um especialista na área escolhida e ter facilidade para se comunicar com o público, pois o seu produto precisa transmitir tudo aquilo que você sabe.

Pode ser uma matéria do ensino regular ou algum conhecimento específico relacionado à alimentação, saúde, cultura, informática, política e vários outros temas.

Essa profissão pode ser uma opção tanto para quem quer começar uma nova carreira quanto para aqueles que buscam apenas ganhar uma renda extra.

  1. Afiliado

Com o crescimento do mercado de produtos digitais, o trabalho de afiliado também começou a ser mais valorizado.

Se você nunca ouviu falar no termo, vamos definir exatamente o que é um afiliado e como ele trabalha.

Essa profissão tem sido escolhida por muitas pessoas que querem ter um negócio digital, mas não têm conhecimento ou interesse em criar um produto próprio.

Diferente do produtor, que precisa ter todo o conhecimento para criar um produto, o afiliado precisa entender tudo sobre estratégias de marketing e ser um bom vendedor.

Ele não trabalha na criação, mas sim na divulgação do produto de outras pessoas, fazendo com que o cliente conheça o trabalho do produtor e chegue até ele para realizar a compra.

O afiliado pode promover produtos físicos ou virtuais, o que importa é que ele estude e conheça detalhadamente o consumidor que precisa alcançar.

Nesse formato de trabalho, o profissional divulga links para o produto e recebe comissões pelas vendas efetuadas.

Para facilitar esse trabalho, existem vários programas de afiliados que contam com uma plataforma online, geram os links codificados e intermediam a relação entre produtores e afiliados.

  1. Dono de e-commerce

O termo e-commerce, traduzido para português como comércio eletrônico, é bastante difundido atualmente.

Contudo, nem todo mundo sabe exatamente o que é e como funciona, por isso as pessoas acabam chamando todas as lojas virtuais de e-commerce. Mas isso não é o correto.

Para ser chamada de e-commerce, a loja deve vender apenas produtos de uma única empresa ou revendedor.

Já as lojas que funcionam como intermediadoras para várias empresas venderem os seus produtos são conhecidas como marketplaces.

Cada um desses formatos tem as suas vantagens e desvantagens, mas o e-commerce oferece mais flexibilidade para o profissional criar o seu próprio layout, personalizar a comunicação com os clientes e oferecer produtos específicos para um nicho mais segmentado.

No seu e-commerce, você pode vender produtos físicos, como alimentos, cosméticos, roupas, objetos decorativos, produtos de higiene e por aí vai.

É possível vender o que você mesmo produz ou se tornar revendedor de uma marca específica. Independentemente do que você escolher, saiba que você precisa organizar toda a logística para ter estoque e fazer a entrega dos produtos para os consumidores.

Muitas vezes, são esses fatores que impedem que os empreendedores levem os seus projetos adiante e abram os seus e-commerces.

Se você também não quer ter que se preocupar com isso, mas ainda assim quer trabalhar com vendas online, há sempre a opção de ser um afiliado (que falamos no tópico anterior).

Comece a trabalhar na internet

Todas essas profissões são ótimas opções para quem quer trabalhar sozinho. Entretanto, pode ser que, futuramente, você precise da ajuda de outras pessoas para dar continuidade ao seu trabalho e conseguir atender toda a demanda.

Se isso acontecer, você pode abrir o seu próprio negócio e contratar funcionários para realizar as tarefas mais operacionais, enquanto você foca apenas na parte mais estratégica do seu negócio.

A experiência de trabalhar sozinho vai te dar os recursos necessários para treinar as pessoas contratadas e otimizar os seus resultados.

Se você está buscando mais opções de trabalhos para transformar a sua carreira, saiba que existem várias outras possibilidades para quem quer trabalhar online. Para se inspirar, confira neste post 30 ideias de produtos para vender na internet.

Guest post produzido pela equipe da Hotmart.

Como trabalhar menos sem perder a produtividade

Morrer de trabalhar não é sinônimo de produtividade. Por outro lado, trabalhar menos pode gerar bons resultados. Ou seja, o importante não é quanto tempo você se dedica às suas atividades, mas como faz isso.

Trabalhar menos

A atriz Emma Thompson disse uma vez: “resultados são mais importantes que horas”. É exatamente assim nas organizações. Você pode trabalhar menos que o colega da mesa ao lado, desde que a tarefa seja concluída com perfeição. É isso que conta.

Excesso: terreno fértil para o estresse e ansiedade

Trabalhar menos

Na execução de um novo projeto ou, principalmente, quando se está iniciando um empreendimento, é comum ver equipes inteiras dedicando incansáveis horas para cumprir os cronogramas. Nesses casos, trabalhar menos está totalmente fora dos planos.

No entanto, os especialistas alertam que essa pressão cria condições perfeitas para o estresse e ansiedade. E pode levar à exaustão. Com isso, prejudica-se a produtividade e, também, a saúde dos funcionários.

Esse esgotamento após horas e mais horas de jornada exaustiva, todos os dias, é chamada de Síndrome Burnout. E é uma realidade para 30 milhões de trabalhadores brasileiros, que representam cerca de ⅓ da população ativa no país.

E quando as pessoas vêem o trabalho como uma ameaça para a saúde delas, o compromisso e o engajamento com os resultados da empresa ficam comprometidos. A energia inicial perde força.

Trabalhar menos sem perder o gás

Trabalhar menos

A dica então é manter a produtividade sem se matar de trabalhar. Até mesmo porque as pessoas precisam conciliar vida profissional e vida pessoal. Sem esse equilíbrio, mais cedo ou mais tarde, a corda arrebenta.

E quando arrebenta, os prejuízos são de todos: empresa, empregados e clientes. Desta forma, para se evitar chegar a esse ponto, é essencial manter a equipe energizada. Cada pessoa com as suas tarefas e responsabilidades, com foco nos objetivos empresariais.

Algumas vezes, a pessoa precisa aprender a cultivar a mentalidade de produtividade em “dias mais curtos”. Ou seja, sem sacrifícios.

Como ser produtivo sem ser um workaholic

Trabalhar menos

Nada é menos produtivo do que tornar mais eficiente o que não deve ser feito”. Segundo o professor e escritor Peter Drucker, o importante é ter um objetivo bem definido para maximizar cada minuto, concentrando-se nas coisas certas, no momento certo.

Veja algumas dicas de como trabalhar menos e, mesmo assim, alcançar um alto desempenho:

Tenha foco e seja organizado

Se você já definiu um objetivo, foque toda a sua energia para ir ao encontro dele. Assuma um compromisso com as suas metas e não se perca em distrações. Controle os seus pensamentos e, para isso, você precisa se organizar. Especialistas garantem que uma mente organizada produz mais em menos tempo.

Existem algumas técnicas para ajudá-lo a se manter concentrado e focado no seu trabalho. Por exemplo, desligue celulares (e até mesmo o telefone fixo, se possível) e desative os alertas da caixa de e-mail. Defina um horário do dia especialmente para checar as mensagens.

Outra dica é evitar conversas e brincadeiras com os colegas a todo instante. Não tem como render, quando o rapaz ao seu lado não para de lhe interromper com comentários que não têm nenhuma relação com as suas atividades profissionais.

E tem mais: que tal ajeitar a cadeira, controlar a temperatura da sala, ajustar a iluminação e deixar todos os recursos necessários ao alcance das mãos? Isso porque, ambiente confortável também é um aliado seu, quando se quer trabalhar menos e produzir mais.

Controle o seu tempo

Tempo vale ouro no mundo dos negócios. O seu inclusive. Então, não desperdice nem um segundo dele, porque o que você perder não terá de volta, nunca mais. É isso que fazem os profissionais de alto desempenho.

Você deve planejar cada tarefa do dia com um tempo específico de execução de todas elas. Seja realista nessa previsão e rigoroso ao cumprir o seu cronograma. Focar no tempo vai ajudá-lo, também, a se concentrar no que precisa ser feito.

Nessa tarefa de controlar o seu tempo, você pode recorrer, por exemplo, à técnica de Pomodoro.

Faça pausas

Trabalhar menos

Tão importante quanto o tempo de trabalho é o tempo de relaxamento. Você deve dedicar alguns minutos do dia para refrescar a cabeça, esticar as pernas e descansar. Faça alguma coisa que lhe dê prazer, como ouvir uma música, andar pelas imediações… quem sabe uma meditação?

Seu cérebro e sua mente precisam dessas pequenas pausas para recarregar as energias e manter o ritmo. Não menospreze essa necessidade.

Não confunda o urgente com o importante

O ex-presidente americano, Dwight D. Eisenhower, conhecia bem as limitações de tempo. Ele usou isso a seu favor. Faça o mesmo.

De acordo com o ex-presidente, criador da Matriz de Eisenhower, “o que é importante raramente é urgente, e o que é urgente raramente é importante”. Se você quer trabalhar menos, sem afetar o seu rendimento, entenda isso.

Urgentes são as coisas que geram necessidade de resposta, como telefonemas, notícias, e-mails etc. Já as tarefas importantes são aquelas que contribuem para os seus valores, missão e visão em longo prazo.

Parece simples, no entanto, na correria do dia a dia de uma empresa, pode ser mais difícil separar as coisas. Mas você precisa fazer isso.

Conecte as pequenas partes

Trabalhar menos

As tarefas de toda hora não podem ser soltas. Elas devem fazer parte de um projeto maior, que leva ao objetivo da organização. Essa é uma forma de manter a pessoa motivada para continuar realizando as atividades, inclusive, aquelas chatas que a ninguém quer tocar adiante.

Se você seguir essas regrinhas acima, certamente irá trabalhar menos, produzir mais e ser mais feliz.

Frases sobre produtividade para inspirar você

“Não pense por muito tempo; faça. Mas não faça por muito tempo; pense” – Confúcio

“A simplicidade se resume a duas etapas: identificar o essencial. Eliminar o resto” – Leo Babauta

“Você não precisa de um novo plano para o próximo ano. Você precisa de um compromisso” – Seth Godin

“Quanto maior a reunião, menores são os resultados” – Tim Cook, CEO da Apple

Trabalhar menos

“Depois de dominar o tempo, você entenderá como é verdade que a maioria das pessoas superestima o que pode realizar em um ano – e subestima o que pode conseguir em uma década!” – Tony Robbins

“Quando você perde um momento, você o matou, gastando uma oportunidade irrecuperável. Mas, quando você usa esse momento adequadamente, o preenchendo de propósito e produtividade, ele viverá para sempre” – Menachem Mendel Schneerson, rabino.

“Produtividade nunca é um acidente. É sempre o resultado de comprometimento com a excelência, planejamento inteligente e esforço focado” – Paul J. Meyer, empresário.

“Trabalhar a coisa certa é provavelmente mais importante do que trabalhar duro.” – Caterina Fake

“Estar ocupado nem sempre significa trabalho de verdade. O objetivo de todo trabalho é produção ou conquista, e para qualquer um desses objetivos deve haver previsão, sistematização, planejamento, inteligência e propósito honesto, assim como transpiração. Parecer estar fazendo não é fazer” -– Thomas Edison, inventor.

Esse post foi valioso para você? Se você quer aprender mais sobre produtividade, visite a plataforma 12MIN. Lá existe uma categoria inteira sobre esse tema.

Mas a equipe 12MIN selecionou uma sugestão de leitura imperdível para hoje. Veja:

Trabalhe 4 Horas Por Semana – Tim Ferriss

Trabalhar menos

Fuja da rotina, viva onde quiser e fique rico. Quer saber como? Ferris tem o segredo.

Boa leitura! E se você curtiu esse post, deixe aqui os seus comentários!