Como organizar um setor de sucesso do cliente

Investir no sucesso do cliente é um caminho certo para o crescimento do próprio negócio. Afinal, essa é uma excelente ferramenta para satisfação desse cliente e para mantê-lo com a sua marca.

Sucesso do Cliente

Outro bom motivo para você apostar no sucesso do cliente está na geração de receita. Isso porque, a maior parte da receita de relacionamento com um cliente acontece no pós-venda.

Para alguns especialistas, o setor de sucesso do cliente bem estruturado e que funciona de maneira eficaz é uma das iniciativas mais importantes em todos os tipos de empreendimentos nos dias atuais.

Alguns profissionais acreditam, inclusive, que o setor de sucesso do cliente é o que faz a diferença entre um negócio que está despencando e o outro que comemora um crescimento acelerado.

Mas o que é sucesso do cliente?

Sucesso do cliente, ou Customer Success (CS), é um setor da empresa focado em garantir que todas as pessoas que adquirem o seu produto/serviço tenham os resultados desejados ao usá-lo.

No entanto, sucesso do cliente não se limita a ser apenas um setor. É mais: é também uma forma de pensar que deve permear todas as ações da empresa.

Isso significa que cada funcionário deve atuar sempre com o pensamento no sucesso do cliente.

Como montar uma área de sucesso do cliente na sua empresa

Sucesso do Cliente

Certamente, você já entendeu a importância dessa área não apenas para o crescimento do seu negócio, mas também para sobrevivência dele.

Mas, para garantir o sucesso do cliente no pós-venda, é imprescindível saber quando, por que, onde e como ele está usando o seu produto/serviço.

Assim, um setor eficaz demanda pessoas, tecnologia, monitoramento em tempo real do cliente, uso de métricas e processos focados em resultados.

Monte e treine a equipe

Sua empresa precisa ter gente para cuidar do pós-venda. Se não puder montar uma equipe especialmente para essa tarefa, comece com uma pessoa 100% dedicada ao sucesso do cliente.

Essa pessoa ou o seu time precisam ser treinadas para apoiar o cliente e transformar a experiência dele com a sua marca em algo realmente prazeroso.

É essencial que essa equipe seja proativa, conheça bem os seus produtos/serviços e tenha paciência e boa comunicação para interagir com o cliente, resolver as demandas e aproveitar ao máximo os feedbacks recebidos.

Você pode estar se perguntando qual o porte de empresa que deve implantar um sucesso do cliente? A resposta é: todos.

Equipes menores com funções distintas

Quando o setor de sucesso do cliente começar a se expandir, uma boa dica é dividir o time em pequenos grupos, como por exemplo, por função (consultoria, suporte, onboarding etc).

Isso é fundamental, uma vez  que grupos menores são mais produtivos, fáceis de serem gerenciados e a comunicação entre os integrantes flui de forma rápida e eficaz.

Não existe um número certo de funcionários para cada célula dessa equipe. No entanto, lembre-se da “regra das duas pizzas”, do CEO da Amazon, Jeff Bezos. A ideia é: “nunca reúna um número de pessoas em que duas pizzas não sejam suficientes para alimentar todo o grupo”.

A divisão de funções também é importante para evitar que todo mundo fique fazendo a mesma coisa, ao mesmo tempo. Além disso, a especialização dos funcionários pode gerar rapidez e eficácia no atendimento ao cliente.

Escolha o gerente certo para o seu time

Sucesso do Cliente

O gerente ou diretor é a pessoa responsável para manter o time jogando junto e focado no sucesso do cliente. Algumas características fundamentais desse profissional são: ser sociável, empático, analítico e engajado. Deve saber planejar e ter visão estratégica.

Tenha metas e métricas

É essencial medir os resultados da sua empresa e dos seus clientes regularmente. Mas, como ocorre em todos os setores da organização, o sucesso do cliente também precisa trabalhar com metas. Elas podem ser vinculadas à taxa de cancelamento de serviços ou à satisfação do cliente, por exemplo.

Atenção aos contratos

No momento de pagar por um produto ou serviço, é natural que o consumidor questione se realmente precisa estar colocando dinheiro nisso.

Uma equipe preparada pode mostrar para esse cliente as vantagens dessa aquisição, de maneira que ele se sinta confortável e confiante de que está fazendo a coisa certa.

Adquira um software de sucesso do cliente

Sucesso do Cliente00

Esse software deve conectar-se com outros softwares da empresa, inclusive, com o CRM. Assim, é possível monitorar as atividades do usuário com o produto e as entradas do CRM, mapeando as tendências, fornecendo estatísticas e previsões.

Outra vantagem do software é que ele permite às equipes de sucesso do cliente interações telefônicas, via email, bate-papo e até mesmo presenciais.

Aposte na solução

O seu software de sucesso do cliente deve ser de fato uma plataforma de solução, integrando tecnologia, marketing, vendas, serviços profissionais, treinamento e suporte em um produto de relacionamento para a era SaaS/Cloud.

Desenvolva uma estratégia de sucesso do cliente

O sucesso do cliente deve permear todos os aspectos do seu negócio. Levante todas as informações sobre o cliente, seus hábitos de compra, experiências com a sua marca, relacionando com a sua empresa etc.

Todos os dados levantados devem subsidiar as equipes do setor de sucesso do cliente em todas as suas ações.

Agora que você já sabe da importância de se investir no sucesso do cliente e tem as dicas de como fazer isso, é hora de dar a largada para o crescimento do seu negócio.

E nós temos uma sugestão de leitura para você:

Experiência Inesquecível para o Cliente – Kenneth Blanchard

Um excelente atendimento não significa apenas dar ao cliente o que ele quer. Você precisa criar uma experiência fantástica, com consumidores felizes, a ponto de deixar os seus competidores para trás.

O resumo dessa obra está na plataforma 12MIN. E lá você encontra inúmeros outros títulos e autores famosos que vão ajudá-lo a impulsionar o seu negócio.

Boa leitura!

Preparação para o Enem: livros sobre produtividade e foco

À medida que o Dia D se aproxima, a preparação para o Enem transforma-se em grande dor de cabeça para uma parte considerável dos estudantes. Eles sofrem com o medo, ansiedade, estresse, insegurança…

Preparação para o Enem

Em 2018, foram registradas 5,5 milhões de inscrições. É um batalhão de pessoas, a grande maioria na faixa dos 21 a 30 anos de idade, que vivenciam momentos de tensão e grande expectativa.

Como se preparar 

A preparação para o Enem não precisa ser um total sofrimento. Mas você deve ter em mente que dedicação, planejamento e foco aumentam as suas chances de vencer o concorrente por uma vaga na universidade.

As provas serão em novembro (4 e 11) e o ideal é que você já tenha iniciado os preparativos. Deixar para a última hora pode não ser uma boa estratégia e só aumentará sua tensão e ansiedade.

Os especialistas dão algumas dicas importantes, inclusive, de como se preparar sozinho para o Enem. Veja o que você pode fazer:

Tenha foco

Não dá para tentar abraçar o mundo com as mãos, em especial, quando o tempo de preparação é curto. Então, saiba exatamente o que você quer e o que precisa fazer para alcançar a sua meta. E não fique atirando pra todos os lados.

Gerencie o seu tempo

Você não precisa e nem deve passar noites em claro, debruçado em livros e apostilas. Para evitar todo esse esforço, basta fazer um planejamento e organizar o seu tempo, criando o hábito de estudar por um determinado período, todos os dias. Comece de acordo com o que você aguenta e vá aumentando o número de horas dedicadas. A Matriz de Eisenhower pode ser sua aliada.

Elabore um esquema de estudo

Invista na organização! Anote tudo o que você precisa estudar, onde e como fará isso. Defina horários para cada matéria – deixe um tempo maior para as disciplinas mais difíceis. Escolha um local organizado, para ajudá-lo a se manter concentrado em seu cronograma. Tenha ao seu alcance tudo o que vai precisar, para não perder tempo procurando por um livro ou uma apostila. Considere fazer as provas dos exames anteriores para treinar e reduzir a ansiedade.

Fique por dentro das notícias

Preparação para o Enem.

Você precisa se dedicar à leitura de jornais e publicações científicas, assistir TV, ler internet, enfim, acompanhar o que está acontecendo no Brasil e no mundo. Conheça os fatos e também os progressos em áreas importantes, como saúde, educação etc. Isso o ajudará a desenvolver sua capacidade de argumentação em relação a diferentes tópicos.

Troque ideias com amigos

Já que você está por dentro dos principais acontecimento, que tal conversar sobre eles com outras pessoas. Isso o ajudará a desenvolver o raciocínio crítico, o que é muito importantes na hora de escrever a redação e até mesmo no entendimento de várias questões.

Treine-se para a redação

Preparação para o Enem.

Saiba que é possível treinar para escrever uma redação nota 10. Escreva sobre temas em destaque no momento. Depois, peça a um professor para ler e comentar o seu trabalho. Se você estiver estudando sozinho, busque ajuda de um amigo ou alguém da família. Essa é uma atividade importante na sua preparação para o Enem, já que em 2017 foram corrigidas 4,72 milhões de redações no exame nacional, mas apenas 53 estudantes obtiveram a nota máxima. Ou seja, você pode se preparar para destacar nesse seleto grupo.

Faça pausas para relaxamento

É claro que você precisa estudar muito, mas um relaxamento vai ajudá-lo a combater o estresse e a ansiedade. E, certamente, existem várias formas de relaxamento: ouvir música, ler um livro, passear com o cachorro, meditar… Encontre alguma coisa prazerosa para você e inclua isso no seu cronograma de preparação para o Enem.

A Hora do Enem

Na sua preparação para o Enem você pode incluir esse programa, que é uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC), em parceria com o Sesi. A Hora do Enem inclui simulados online, plataforma de estudos, programa de TV, solução de questões e informações gerais sobre o exame.

Livros imperdíveis na preparação para o Enem

Você já sabe que na preparação para o Enem é essencial focar no seu objetivo, desenvolver novos hábitos, ter disciplina e tornar o seu dia mais produtivo. Isso parece simples. No entanto, para muita gente, é um grande desafio.

Se esse é o seu caso, selecionamos aqui alguns resumos de livros que vão lhe dá uma grande ajuda para superar essa dificuldade e otimizar a sua produtividade. Anote aí:

Foco – A Atenção e Seu Papel Fundamental no Sucesso – Daniel Goleman

Preparação para o Enem.

Nos dias atuais, é cada vez mais fácil distrair-se, isolar-se e sentir-se perdido com uma grande quantidade de informação e tantas coisas acontecendo. Porém, se você quer ser produtivo, precisa desenvolver seu foco e aumentar seu nível de atenção.

O Cérebro Com Foco e Disciplina – Renato Alves

Preparação para o Enem.

Todos vivemos, atualmente, com nossas mentes repletas de informações, afazeres, ideias etc. Toda essa confusão mental gera grande cansaço. Como vencer a batalha cotidiana contra nossa própria mente? O livro ensina como capacitar melhor o seu cérebro para conquistar o controle da sua vida e a chave dos seus sonhos.

Produtividade Máxima – Como Assumir o Controle do Seu Tempo e Ser Mais Eficiente -Tamara Schwambach Kano Myles

O livro aborda de forma simples algumas maneiras de como maximizar a produtividade, por meio de métodos simples e de fácil aplicação. Esse é um aprendizado que fará dos seus resultados futuros um exemplo de eficácia.

Produtividade Para Quem Quer Tempo – Geronimo Theml

Preparação para o Enem.

O maior problema da falta de produtividade é aquele sentimento de que não estamos caminhando para nosso objetivo final. Nesse livro o autor ajuda a lidar com as ansiedades e apresenta um método para que você alcance o nível máximo de produtividade e consiga ser feliz e ter sucesso em sua vida.

Os resumos dos livros acima estão disponíveis na plataforma 12MIN para leitura online nos aplicativos para iPhone/Android ou envio de PDF para o Amazon Kindle. Ou você pode optar pelos audiobooks, para ouvir onde e quando preferir.

A 12MIN tem uma variedade de outros microbooks para você assimilar os conteúdos de cada um deles em apenas 12 minutos. Vale a pena conhecer a nossa biblioteca!

E para você que está focado na preparação para o Enem, a equipe 12MIN deseja-lhe muito sucesso nos seus estudos. E no exame também!

Se você curtiu esse post, compartilhe com os seus amigos e deixe o seu comentário!

Registro de marcas: como é feito e qual a sua importância

Registro de marcas é um assunto relevante no mundo dos negócios. Mas o processo é demorado no Brasil e a fila de espera é longa. O país fechou 2017 com 422 mil solicitações pendentes.

De acordo com o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), o prazo médio para análise de uma marca é de 30 meses, caso o processo tenha uma tramitação normal. Mas se houver oposição de terceiros ou formulação de exigências, você pode ter que esperar até 42 meses.

O principal motivo dessa demora: falta de examinadores em número suficiente para atender a demanda, segundo o INPI.

No entanto, mesmo com todo esse tempo de espera, você deve registrar a sua marca.

Mas o que é uma marca?

registro de marcas

Marca pode ser uma palavra, um nome, design ou símbolo e até mesmo uma combinação deles. Ou seja, é qualquer sinal visualmente perceptível. O objetivo é identificar o seu produto/serviço e diferenciá-lo aos olhos do consumidor.

Por que o registro de marcas é importante?

Porque o registo é a maneira de proteger a sua marca de cópias, utilizações inadequadas e não autorizadas e até mesmo garantir o direito de uso exclusivo sobre ela em todo país, no seu segmento de atividade.

registro de marcas

Mas você tem outras boas razões para fazer o registro de marca. Veja alguns exemplos:

  • Registro de marcas ajuda a expandir os negócios. Pesquisas mostram que a reputação da marca influencia as decisões de compra dos consumidores.
  • Marca registrada é um ativo e pode ser valorizado com o passar do tempo, à medida que sua reputação vai crescendo.
  • Fica mais fácil para o cliente encontrar você e diferenciá-lo dos concorrentes.
  • Quando procura por seu produto/serviço nos mecanismos de busca ou mídia social, o cliente foca em sua marca em primeiro lugar.

Quais as marcas registradas mais valiosas?

registro de marcas

No final do ano passado, a consultoria Interbrand divulgou a relação das marcas brasileiras mais valiosas. Bancos e cervejas lideraram o ranking: Itaú (R$ 28,1 bilhões), Bradesco (R$ 22,1 bilhões), Skol (R$ 16 bilhões), Brahma (R$ 11,2 bilhões) e Banco do Brasil (R$ 10,3 bilhões).

No mundo, segundo a Forbes, as cinco marcas mais poderosas são: Apple (US$ 182,8 bilhões), Google (US$ 132,1 bilhões), Microsoft (US$ 104,9 bilhões), Facebook (US$ 94,8 bilhões) e Amazon (US$ 70,9 bilhões).

Nesta lista, o setor de tecnologia está no topo e isso não foi nenhuma surpresa. Porém, o que chamou a atenção foi a ausência da Coca-Cola. Você percebeu que a poderosa marca de refrigerantes não aparece mais entre as cinco primeiras? É que ela acaba de ser ultrapassada pela Amazon.

Como fazer registro de marcas?

O registro de marcas no Brasil é feito no INPI. Qualquer pessoa física ou jurídica que esteja exercendo atividade legalizada e efetiva pode requerer o registro de uma marca.

Se você tiver dificuldades para tocar o processo sozinho, busque ajuda profissional. O Sebrae é uma opção. Veja as etapas do registro:

1. Consulte as marcas já registradas

registro de marcas

Antes de qualquer ação para registro de marcas, é imprescindível passar pelo Sistema de busca de marcas do INPI. É lá que você vai descobrir se a marca que pretende registrar já foi registrada ou não. Tem prioridade a empresa que iniciar o processo primeiro.

2. Delimite o setor e a natureza da sua marca

Uma mesma marca pode ser registrada para diferentes segmentos de negócio. Por exemplo, uma marca de carro e outra de eletrodoméstico podem ter o mesmo nome. É preciso fazer a classificação de produtos ou serviços.

Para isso, identifique em qual tipo a sua marca se enquadra.

3. Faça o seu pedido de registro

registro de marcas

Você deve fazer o seu cadastro no INPI com o nome e endereço completos, natureza jurídica e e-mail. Em seguida, obtenha e pague a Guia de Recolhimento da União (GRU).

Depois, você deve decidir se enviará a solicitação online ou escrita e preencher o formulário corresponde. É um material extenso.

Se optar pelo processo online, lembre-se de fazer um download do recibo de protocolo. Imprima-o e guarde em local seguro. Nele estarão as informações como data, horário (que comprovarão prioridade, se for o caso) e número do pedido para que você possa monitorar o andamento do processo. Inclusive, saber se ele foi ou não publicado.

No caso do formulário impresso, ele deve ser apresentado em 2 vias originais, sem rasuras e assinadas pelo requerente. E devem ser anexados a ele todos os documentos exigidos e cópia da guia de recolhimento paga. O protocolo deve ser feito em uma das unidades do INPI. Você receberá uma etiqueta contendo o número do protocolo, local, data e hora do depósito e número do pedido (para acompanhamento).

O INPI disponibiliza informações detalhadas sobre o processo no seu Manual de Marcas do INPI.

4. Monitore

Pode acontecer do INPI solicitar mais informações ou documentos, então, esteja preparado para fornecedor tudo em tempo hábil. O acompanhamento do seu processo pode ser feito semanalmente, na Revista de Propriedade Industrial (RPI), utilizando o número do seu pedido.

5. Deferimento

Se tudo correr normalmente, sem oposições ou coincidências de marcas, por exemplo, o INPI julgará o seu registro de marca procedente. Nesse caso, existe um prazo de 60 dias para pagamento das taxas de proteção.

6. Direito de uso

Logo após o pagamento das taxas, o registro da marca é efetivado e passa a valer, assegurando os seus direitos de uso.

Qual a validade do registro de marca?

registro de marcas

No Brasil, registro de marcas tem validade por 10 anos, a partir da publicação da concessão do registro. E esse prazo pode ser prorrogado, protocolando o pedido no último ano de vigência do registro ou até seis meses após o término – Se esperar vencer, a taxa oficial sairá 50% mais cara.

Agora que você já tem as informações principais sobre registro de marcas, que tal conhecer as diferenças entre marcas e patentes. Apesar de serem duas coisas distintas, elas ainda causam muita confusão na cabeça das pessoas.

E a nossa dica de leitura hoje é sobre a “guerra” entre as duas mais poderosas marcas no mundo, atualmente: Apple e Google. Anote essa:

Briga de Cachorro Grande. Como a Apple e o Google foram à guerra e começaram uma revolução – Fred Vogelstein

registro de marcas

Para que pudesse haver os smartphones e tablets que todos nós compramos e encaramos como algo natural, houve gritos, berros, punhaladas pelas costas, tristeza, pânico e medo quanto ao que seria necessário para que esses projetos virassem realidade e chegassem às mãos dos consumidores.

O resumo dessa obra fantástica está disponível na 12MIN. Boa leitura!

Rescisão contratual: como calcular e quais os seus direitos

Independente se você é uma multinacional ou um microempreendedor individual, se tiver funcionários, precisa saber calcular a rescisão contratual. Esses valores representam hoje o maior problema relacionado a passivos trabalhistas. Um dado divulgado pela Justiça do Trabalho mostra que 30% dos casos que chegam ao órgão apontam erros no pagamento de direitos após demissão de funcionário.

A Reforma Trabalhista de 2017 trouxe algumas mudanças nesse processo e visa melhorar bastante o desligamento de profissionais e as negociações entre o empregado e a empresa. Por exemplo, as rescisões não precisam ser homologadas pelos sindicatos, podendo ser feita diretamente com os empregadores, agilizando o cálculo e o pagamento. A nova lei também permite que a empresa negocie os valores em alguns casos.

Por isso, entender o que é preciso pagar e quanto é preciso pagar desburocratiza bastante o processo e evita problemas judiciais no futuro. Neste post, ensinamos como fazer isso corretamente e sem muita dificuldade.

O que diz a lei

Rescisão Contratua

De acordo com o Artigo 477, da Lei 5452/43 da CLT, todo trabalhador tem direito a uma indenização no final do seu contrato, paga pelo empregador, desde que não haja motivo para cessação do vínculo empregatício. As verbas rescisórias que devem ser quitadas pela empresa, incluem os seguintes cálculos:

  • Saldo do salário do mês trabalhado;
  • Férias proporcionais;
  • Décimo terceiro proporcional;
  • Multa para o valor do FGTS;
  • Depósito do FGTS;
  • Aviso prévio;
  • Férias vencidas;
  • Saque do FGTS.

Dependendo do tipo de contrato e do motivo da demissão, os itens acima podem ser pagos ou não.

Como calcular a rescisão contratual

Rescisão Contratua

Levando em conta os itens citados no tópico anterior, vamos mostrar como você faz para calcular a rescisão contratual.

Saldo do salário do mês trabalhado

O saldo do salário inclui os valores que o empregado trabalhou no mês da demissão. A empresa pode programar a notificação da rescisão contratual, de forma que não haja esse saldo. Contudo, principalmente para grandes instituições, esse controle é quase impossível.

O cálculo é feito multiplicando o número de dias trabalhados naquele mês pelo valor da diária do funcionário. Deve-se sempre considerar o salário bruto (valor sem descontos) equivalente a 30 dias. Caso seja um salário variável – situações onde o trabalhador recebe por produção, por exemplo -, calcula-se uma média salarial dos últimos 6 meses.

Férias

Existem dois cálculos na rescisão contratual para as férias. O primeiro é para funcionários que têm férias vencidas, ou seja, aqueles que já completaram 1 ano que usufruíram desse benefício. O cálculo é feito de forma muito simples. Deve-se considerar o salário bruto e somar um terço desse valor.

Por exemplo, se o funcionário recebe R$ 1.200,00 de salário, um terço desse valor é R$ 400,00. A conta da rescisão contratual para férias seria 1200 + 400 = R$ 1.600,00 de férias vencidas.

Já se o trabalhador não completou 1 ano de empresa ou se não tem férias vencidas, basta fazer o cálculo proporcional desse ano, semelhante ao que mostramos com o salário, mas dessa vez considerando 12 meses.

Décimo Terceiro salário

O cálculo para rescisão contratual do Décimo Terceiro salário segue a mesma proporção das contas anteriores. Esse benefício é pago para aquelas pessoas que não foram demitidas por justa causa ou fizeram algum tipo de acordo com seus empregadores.

Cada mês trabalhado é o equivalente a 1/12 do Décimo Terceiro e, portanto, deve ser pago no momento da quebra de contrato. O empregador também deve incluir nesse valor o equivalente ao Aviso Prévio.

FGTS

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço representa três cálculos na rescisão contratual de um funcionário: a multa, o depósito e o saque. Cada um deles é feito de forma diferente e o seu pagamento varia de acordo com o tipo de demissão.

O valor do depósito do FGTS é de 8% sobre o Aviso Prévio – trabalhado ou indenizado -, o saldo do salário e o Décimo Terceiro. A multa do FGTS representa 40% do valor que a empresa deposito em seu tempo de serviço. Se houve acordo na demissão, o valor da multa pode cair para 20%.

Por último, o saque do FGTS, é o valor que o funcionário saca do seu Fundo de Garantia. Esse valor representa o montante de 80% do que está guardado quando o trabalhador fez acordo com a empresa.

É preciso lembrar que o FGTS é pago apenas em casos onde o funcionário não foi demitido por justa causa.

Aviso prévio

Rescisão Contratua

Há casos onde a empresa abre mão de o funcionário cumprir o Aviso Prévio e paga essa indenização. Essa situação também pode ocorrer quando é feito um acordo. O cálculo na hora da rescisão contratual é feito da mesma forma para quem tem menos e para quem tem mais de um ano na empresa.

A base para o cálculo do Aviso Prévio indenizado é sempre o último salário recebido por aquele funcionário. Sobre esse valor será acrescido todos os benefícios pagos pela empresa, além e horas extras, gratificações, bônus por desempenho, adicional noturno etc.

Então, o cálculo do Aviso Prévio é sempre o último salário do empregado, acrescido de qualquer benefício garantido.

Rescisão Contratual que não foi paga corretamente gera quais multas para a empresa?

Não podemos deixar de responder essa, que é uma das perguntas mais comuns sobre rescisão contratual. O não pagamento dos direitos previstos pela CLT gera certamente algumas multas para a empresa.

A primeira delas que citamos é a multa do Artigo 477, que prevê o pagamento de um salário do trabalhador, com as devidas correções. O artigo da CLT diz que a empresa precisa quitar seus débitos junto ao funcionário até o primeiro dia útil após o término do contrato de trabalho ou até 10 dias após a demissão, quando não há cumprimento do aviso prévio.

A segunda multa é referente ao Artigo 467, prevista caso o trabalhador entre com processo judicial para pagamentos atrasados dos benefícios da demissão. Esse valor compete a 50% do valor da rescisão.

É importante observar todos os valores que devem ser pagos na rescisão contratual e evitar essas e outras multas, além de encargos com processos judiciais.

Você ainda tem alguma dúvida sobre esses cálculos? Deixe seu comentário que ajudamos um pouco mais!

 

Quais as vantagens de um bom CRM para sua empresa?

Quer ter sucesso no seu empreendimento? Então, ponha foco no relacionamento com o seu cliente. Isso não significa apenas admirá-lo. É mais: você tem que conhecê-lo e entendê-lo muito bem. E é aqui que o CRM entra como seu aliado.

CRM

Toda a energia da sua equipe precisa estar direcionada para a satisfação do cliente. Se você ainda não está convencido sobre isso, os os números ajudarão a dispersar as dúvidas.

Quer um exemplo? Pesquisa da Amdocs, realizada em 2017, mostrou que 9 em cada 10 clientes não se importariam em pagar mais pelo produto em troca de um atendimento melhor.

São vários estudos sobre esse assunto e os resultados caminham na mesma direção. Veja:

  • A forma como o cliente é tratado representa 70% da experiência de compra dele;
  • Você precisa de 12 experiências de atendimento positivas para compensar apenas uma negativa;
  • Cerca de 82% dos consumidores abandonam uma marca, simplesmente pela da falta de qualidade do atendimento;
  • 60% dos clientes acreditam que as empresas não se preocupam o suficiente em prestar um bom atendimento.

O que é CRM

CRM – Customer Relationship Management – é usado exatamente para melhorar o relacionamento com os clientes existentes, atrair os consumidores potenciais e recuperar aqueles que viraram as costas para a sua marca.

CRM

Por meio de um software CRM, a empresa coleta, organiza e gerencia todas as informações do cliente. Assim, é possível manter em um único local, de fácil acesso, registros de suas transações, preferências, necessidades, sonhos e preocupações. Além dos dados pessoais e geográficos.

Para muitas pessoas, CRM não é apenas uma tecnologia, em forma de software, geralmente com armazenamento na nuvem, conhecido ainda como solução de CRM. É também uma estratégia de negócios sobre como gerenciar os relacionamentos com clientes. Por isso, deve ser usada em todo tipo de empreendimento, independentemente do porte e segmento de atuação.

6 vantagens de ter um CRM

São muitas as vantagens de um CRM bem estruturado e com informações precisas. Nesse post, nós selecionamos 6 principais. Vamos lá:

1. Qualidade do atendimento ao cliente

Cliente insatisfeito é um problema para sua empresa. Ninguém quer isso. Então, dê um jeito de tratá-lo bem e, também, resolver qualquer problema que ele venha a ter com o seu produto/serviço. E aja rapidamente. 

Cliente nenhum suporta, por exemplo, ligar para uma empresa, contar toda a sua história… aí o atendente transfere a ligação para outro setor e tudo recomeça do zero. Ninguém merece isso.

Com CRM, no entanto, quando o cliente contata a sua empresa, qualquer pessoa pode acessar as informações disponíveis e ajudá-lo a encontrar uma solução. Ao final, você terá um cliente satisfeito que, provavelmente, permanecerá com a sua marca.

2. Aumento na receita em grande medida

CRM

Com as estratégias de CRM, as equipes da sua empresa terão muitas informações relevantes sobre os seus consumidores. Isso facilitará ações assertivas, inclusive de marketing, permitindo que seu produto e suas mensagens alcancem os seus clientes e o máximo de potenciais clientes possível. Assim, pode-se aumentar a receita da empresa.

Outro ponto a ser considerado é que o CRM tem dados suficientes para você atrair de volta aquelas pessoas que migraram para o concorrente.

3. Oportunidades de cross-selling e upselling

CRM

Cross-selling e upselling são ferramentas que ajudam sua empresa a vender mais produtos para o cliente que já decidiu comprar de você. Consiste em sugerir a inclusão de um ou mais itens relacionados ao pedido (cross selling) ou um upgrade do produto adquirido (upselling).

Para o sucesso dessas iniciativas, você precisa entender de fato as reais necessidades, desejos, medos e padrões de compra do seu consumidor. É o CRM que colocará em suas mãos esses dados cruciais, que lhe permitirão agilizar o processo de compra por parte do seu cliente e maximizar os resultados da organização.

4. Informações organizadas

CRM

Você deve focar num atendimento impecável do seu cliente, proporcionando inesquecíveis experiências com a sua marca.

Registrar e arquivar, inclusive, todas essas interações, de forma organizada, garantirá que você tenha informações valiosas sobre o cliente, sempre que necessário. Porém, não estamos falando apenas em criar categorias para guardar os dados.

Tão importante quanto armazenar todo esse conteúdo corretamente, é disponibilizá-lo para os departamentos em geral, de forma rápida. O principal ganho, nesse caso, com o CRM, é de tempo, porque ninguém mais desperdiçará os preciosos minutos, buscando ou recuperando informações.

Importante ressaltar, ainda, que por estar baseado nas nuvens, os dados do CRM podem ser acessados de qualquer dispositivo com internet. Ou seja, onde e quando precisar.

5. Automação das tarefas diárias

CRM

Fechar uma venda não é um trabalho simples. Depois que você consegue o “sim” do cliente, vem um emaranhado de pequenas tarefas.

É uma burocracia necessária e legal, mas que consome um bom tempo das pessoas. Por exemplo, os formulários e relatórios. No entanto, os melhores sistemas de CRM foram construídos pensando em usar a tecnologia para tirar esse peso dos ombros dos vendedores.

6. Dados analíticos e relatórios confiáveis

CRM

Os softwares de CRM guardam as informações de todos os clientes em um único local, além de outros dados, como por exemplo, metas de vendas e relatórios de desempenho.

Como o CRM é integrado com diferentes ferramentas ou plugins, os relatórios são gerados automaticamente. Tudo programado para liberar informações confiáveis e facilitar a vida das suas equipes, inclusive, apoiando-as nas tomadas de decisões com foco na fidelização de clientes e rentabilidade.

Setores da empresa que se beneficiam

Como já foi dito, o CRM é valioso em diferentes áreas da empresa. Veja 4 exemplos a seguir:

Atendimento ao cliente: esse setor pode acompanhar as conversas com os cliente nos diferentes canais, sem o risco de perda de informações valiosas, que prejudicam a solução de problemas com a agilidade necessária.

Marketing: usa o CRM para obter visibilidade clara das oportunidades e, assim, tomar decisões mais precisas.

Recursos Humanos: o CRM pode ser usado para acelerar o recrutamento, automatizando o processo, analisando as necessidades da empresa e identificando gaps de habilidades, além de apoiar na retenção de talentos.

Setor de compras: CRM pode ser usado para gerenciar as relações, acompanhando reuniões com fornecedores e parceiros, registrando pedidos, agendando follow-ups etc.

Conclusão

Se você quer ter sucesso no seu empreendimento, coloque energia na satisfação do cliente. Para isso, é preciso conhecê-lo muito bem e manter um relacionamento duradouro.

Para isso, CRM é um suporte valioso. Vale a pena investir nessa tecnologia. Afinal, como diz Bill Gates, “como você coleta, gerencia e usa as informações determinará se você ganha ou perde”.

Agora, segue a nossa dica de leitura para ajudar você a alavancar o seu negócio. Anote aí:

Buyer PersonasAdele Revella

CRM

Aqui está o seu manual de como obter informações sobre as expectativas de seus clientes, alinhar suas estratégias de marketing e conquistar mais negócios.

O resumo do livro Buyer Persona e de várias outras obras valiosíssimas no mundo empresarial estão disponíveis na plataforma 12Min, nos formatos microbook e micro audio.

Boa leitura! Sucesso!

 

O que é preciso para ter um bom setor de RH na sua empresa?

Foi-se o tempo em que o setor de RH tinha a função principal de contratar, demitir e processar folha de pagamento. Nos dias atuais, é uma área estratégica e dinâmica, que não para de evoluir.

As responsabilidades do RH de hoje são focadas na capacitação e engajamento dos funcionários, transformando-os em agentes de crescimento da organização.

Ao mesmo tempo, cabe ao setor de RH promover experiências positivas para o conjunto dos funcionários e garantir que todos aqueles que trabalham na empresa se sintam valorizados e apoiados.

7 principais evoluções do setor de RH

O RH vem evoluindo em diversas áreas. Veja alguns exemplo:

1. De controlador para mentor

Setor de RH

Essa história de ficar fiscalizando o cumprimentos das regras dentro da empresa, atuando como a “polícia” local, não deve existir mais. Um setor de RH moderno atua no treinamento e mentoria das lideranças com base na cultura e valores da organização. Aquele funcionário do RH que era temido por todos, agora deu lugar a uma pessoa que apoia, dá feedbacks e ajuda o funcionário no seu crescimento profissional.

2. De “R-AGArra” para apoiador das mudanças

Setor de RH

O RH não é mais aquele setor totalmente resistente a mudanças, que não deixava as novas ideias fluírem, não aceitava alteração alguma, controlava tudo e “guarrava” tudo também. Hoje, a ideia é manter o carro andando, eliminar o status quo e focar no crescimento da organização.

3. De burocrático e lento para ágil e equipado

Setor de RH

Isso mesmo, o setor de RH incorporou a tecnologia para ficar mais ágil e eficiente. São muitas as ferramentas disponíveis no mercado e elas ajudam, inclusive, a tomar decisões estrategicamente, com base em dados e estatísticas e não mais pelo achismo, tradição ou emoção.

4. De apagador de incêndio para estrategicamente ativo

Setor de RH

Atuações isoladas, de acordo com as demandas, estão no passado. Agora, o setor de RH tem papel importante na definição estratégica das organizações, principalmente, quando a satisfação e o engajamento do funcionário impacta na receita e no crescimento do negócio. Todas as ações são pensadas, planejadas e estão em sintonia com os objetivos macro da empresa.

5. De foco nas informações para foco nos resultados

Setor de RH

Para o setor de RH hoje, não basta ter em mãos todas as informações dos funcionários. É essencial interagir com eles, com maior responsabilidade e presença no cotidiano de cada um. Nessa linha, os esforços das equipes de RH devem se intensificar na direção dos resultados das pessoas e em como elas podem ser apoiadas para desbloquear barreiras do crescimento profissional, incentivar a criatividade e impulsionar o desempenho individual e das equipes.

6. De anos de estudos para agilidade na implementação

Setor de RH

Com a velocidade que as coisas mudam nos dias atuais, se o setor de RH dedicar anos em um projeto, poderá perder o “time” das oportunidades. Desta forma, atento às tendências do setor, o RH vem atuando para implantar os programas e ideias mais rapidamente.

7. De recursos humanos para talentos

Setor de RH

Analista ou diretor de Recursos Humanos, por exemplo, estão cada dia mais escassos. Hoje, é comum encontrar um analista de Talento ou gerente de Experiência. Até mesmo porque, com todas essas mudanças, o funcionário evoluiu de recursos humanos para um ser essencial nas organizações, com talento, criatividade, responsabilidade e poder para promover transformações.

Se você tem dúvidas de como organizar o setor de RH da sua empresa, atente-se aos ítens relacionados acima. Eles ajudam a direcionar as ações de Recursos Humanos das organizações que buscam aumentar a competitividade e, claro, a receita.

As atividades operacionais do RH

Entre as diversas atividades do cotidiano, cabe ao profissional de RH, as seguintes responsabilidades:

  • Manter organizadas e atualizadas todas as informações dos empregados relevantes para o cargo que ocupa;
  • Construir, realizar e monitorar os processos de seleção e contratação de funcionários;
  • Treinar, capacitar e desenvolver funcionários para melhor desempenho das suas funções;
  • Ouvir, orientar e apoiar os funcionários e gestores;
  • Dar feedbacks construtivos, visando o crescimento do funcionário;
  • Elaborar plano de carreira e de desenvolvimento;
  • Administrar e reter os talentos;
  • Criar e administrar programas e ações para redução do índice de turnover em geral;
  • Avaliar o desempenho individual e coletivo;
  • Desenvolver técnicas e estratégias para construção de relações sustentáveis nos diferentes níveis hierárquicos;
  • Desenvolver ações e programas motivacionais;
  • Definir estrutura de cargos e salários;
  • Administrar cesta de benefícios da empresa;
  • Treinar, capacitar e apoiar as lideranças;
  • Promover e avaliar Pesquisa de Clima; trabalhar junto aos gestores e diretoria para atuar nos problemas que forem identificados;
  • Apoiar as lideranças e o funcionários em processos de demissões, além de cuidar dos seus aspectos burocráticos e legais.
  • Administrar folha de pagamento e as responsabilidades/obrigações legais relacionadas a funcionários e prestadores de serviço;
  • Em algumas empresas, o setor de comunicação integra o RH. Nesse caso, a atenção deve se voltar para uma comunicação correta, transparente, no tempo e na dose certos.

Os profissionais de RH devem desenvolver todas essas atividades (e muitas outras), levando-se em conta, sempre, a nova visão estratégica para o setor, relacionada nos 7 itens descritos nesse post.

Agora, vai aqui a dica de leitura da equipe 12MIN:

Potencializando a Excelência – Robert Sutton & Huggy Rao

Setor de RH

Esse é um best-seller que trata de um grande desafio enfrentado pelas empresas de alto crescimento: crescer rapidamente, sem perder a excelência e eficiência. Os autores apresentam suas análises que o ajudarão a tomar as decisões certas e escalar de maneira saudável. Eles apresentam estratégias para envolver os funcionários existentes, contratar as pessoas certas e muitos outros pontos essenciais para alcançar um crescimento verdadeiro na sua empresa.

O resumo desta obra e de várias outras que fazem sucesso no meio empresarial estão disponíveis na plataforma 12MIN, no formato de microbook e audio book. Você certamente vai adorar conhecer a nossa biblioteca.

Boa leitura!

O que fazer quando se está desempregado?

O Brasil tem um batalhão de 13,2 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho, segundo o IBGE. Mas, o que fazer quando se está desempregado e em busca de uma recolocação?

o que fazer quando se está desempregado

É óbvio – e você certamente sabe disso – é preciso atualizar o seu currículo e colocá-lo de forma atraente aos olhos dos recrutadores. Uma dica é usar palavras-chave que destacarão você em relação aos demais concorrentes.

Por que as palavras-chave são importantes? Porque os recrutadores usam dispositivos eletrônicos para localizar os candidatos que mais se encaixam em cada vaga. E são essas palavras que conduzirão você pra frente, na fila de espera.

É claro que você vai dedicar tempo, também, para elaborar as suas lindas, atraentes, convincentes e personalizadas cartas de apresentação e sair na dianteira nesta corrida por um novo emprego.

Desempregado, mas não parado

o que fazer quando se está desempregado

Você não vai distribuir os seus currículos e cruzar os braços, esperando por um telefonema do recrutador. Essa, definitivamente, não é a coisa certa a se fazer.

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontou que o tempo médio de desemprego em todas as capitais brasileiras é de 14 meses, em média.

Então, nada de ficar parado vendo o tempo passar. Se você quer de fato aumentar as suas chances de se recolocar no mercado de trabalho, precisa arregaçar as mangas e ir a luta. Sem desânimo, porque você tem muito o que fazer.

Os seus esforços devem ser no sentido de preencher os gaps no seu currículo, que surgirem nesse período em que estiver desempregado. Isso pode ser feito por meio de atividades e experiências que o levam a desenvolver novas habilidades. Além de aprender mais, você passará uma boa imagem para o recrutador.

As dicas sobre o que fazer quando se está desempregado?

A regra de ouro é: mexa-se. Nesse post, você vai aprender como e em que direção. Vamos lá!

Pense em um trabalho temporário

o que fazer quando se está desempregado

Você pode buscar por alguma atividade temporária e isso é muito bom. Porque, se você tiver um excelente desempenho, isso pode ser um degrau para um trabalho permanente, nessa mesma empresa. Ou, ainda, a pessoa que o contratou poderá recomendá-lo para outras oportunidades.

Faça alguns cursos

o que fazer quando se está desempregado

Os gerentes de contratação valorizam e recomendam ao desempregado investir tempo e energia para aprender um pouco mais sobre a sua área de atuação. Procure desenvolver novas competências que irão somar pontos no seu currículo. Dependendo da sua profissão, você encontra opções de cursos e treinamentos gratuitos ou de baixo custo. E lembre-se que tem muita coisa na internet também. Os cursos são ainda uma oportunidade excelente de networking.

Caso você queira fazer uma graduação para alavancar seu currículo, é preciso entender como funciona o Enem para poder fazer uma universidade pública ou até mesmo pleitear bolsas de estudo ou financiamento estudantil para investir na sua educação.

Aprenda coisas novas

o que fazer quando se está desempregado

Além de fazer um upgrade nas suas competências técnicas, que tal expandir seus conhecimentos para outras áreas? Por exemplo, você pode aprender Excel, um novo idioma, fazer análise de dados… Você pode ainda desenvolver algumas habilidades que o tornarão um forte candidato, como relacionamento interpessoal, negociação, técnicas de persuasão, controle emocional e muitas, mas muitas outras opções mesmo. Nesse caso, você pode recorrer aos livros. A internet está cheia de opções. A 12MIN é uma delas, oferecendo o resumo das obras mais valiosas para quem quer crescer profissionalmente ou empreender.

Faça voluntariado

o que fazer quando se está desempregado

Essa é outra boa maneira de se manter atualizado e ocupado. Além de ser, também, uma excelente oportunidade para você se sentir útil e ainda enriquecer o seu networking. Procure por um tipo de voluntariado que tenha algum link com a atividade que você exerce profissionalmente. Muitos recrutadores valorizam esse tipo de iniciativas em seus candidatos. Afinal, a mensagem que é passada a eles é que dinheiro não é tudo na sua vida.

Crie o seu blog profissional

o que fazer quando se está desempregado

Quer impressionar os recrutadores. Mostre para eles que você é um especialista em sua área de atuação. O blog profissional é um caminho certeiro e seguro para isso. Você pode divulgar dados e conteúdos relevantes e, ainda, mostrar todo o seu entusiasmo pela profissão. Com certeza você será visto como um candidato especial, com criatividade e iniciativa.

Apareça

o que fazer quando se está desempregado

Na cartilha sobre o que fazer quando se está desempregado marcar presença nos ambientes e entre as pessoas da sua área de atuação é um item de destaque. Você pode fazer isso de várias maneiras. Por exemplo, associando-se a uma entidade de classe; participando de eventos, inclusive, ajudando na organização; construindo o seu blog; participando de grupos online, atualizando o LinkedIn etc. O linkedIn, aliás, é uma ferramenta poderosa. Acesse o nosso post, aqui no 12MIN, sobre “O que o LinkedIn oferece para sua vida profissional?” e tire o máximo proveito dessa rede.

Use os seus contatos

o que fazer quando se está desempregado

Dê uma boa avaliada na sua rede de contatos e identifique pessoas que possam ajudá-lo numa recolocação. Não considere apenas aqueles contatos diretamente ligados ao seu ramo de atuação ou a uma determinada vaga. Sempre haverá alguém que conhece outro alguém. Pense nisso! E aproveite para expandir o seu networking.

Monitore

o que fazer quando se está desempregado

Enviou um currículo? Acompanhe todo o processo. Mostrar-se interessado é importante para realçar você entre um monte de outros concorrentes. Se for chamado para uma entrevista, lembre de agradecer ao recrutador pela oportunidade do contato pessoal para apresentar suas habilidades.

De desempregado a empreendedor

Entre as dicas sobre o que fazer quando se está desempregado, os especialistas chamam a atenção para a possibilidade de investir no próprio negócio. Muita gente tem seguido esse caminho, com sucesso.

o que fazer quando se está desempregado

Pesquisa do Sebrae mostra que foram criadas 11 milhões de empresas no país nos últimos anos, por iniciativa de pessoas que estavam desempregadas. É o que a entidade chama de empreendedorismo por necessidade.

Você também pode considerar essa opção.

Não se deixe abalar

É comum a pessoa ficar confusa sobre o que fazer quando se está desempregado. À medida que o tempo vai passando e as oportunidades não aparecem, surge um sentimento de desânimo.

Para evitar essa situação, o importante é manter a calma e seguir os conselhos dos especialistas, que relacionamos acima.

Mas não é só isso. Você precisa cuidar, também, da sua saúde e bem-estar. Seguem 3 orientações:

  • Dedique algum tempo para atividades relaxantes e prazerosas, sem culpa, como assistir TV, ler um livro, passear com o cachorro etc.
  • Faça meditação e atividade física regularmente.
  • Mantenha contato com seus amigos e outras pessoas da sua rede.

Você gostou de saber o que fazer quando se está desempregado? Agora, nós vamos convidar você a conhecer os 10 livros que quem está procurando emprego deveria ler

E nós do blog 12MIN temos outra dica super legal para você desenvolver as habilidades de negociação – algo que todo mundo precisa, o tempo todo. A nossa sugestão é o resumo do livro:

A Arte da Negociação – Como Fechar um Acordo em Um Mundo Caótico – Michael Wheeler

o que fazer quando se está desempregado

Boa leitura! E compartilhe as informações com aquele seu amigo que está em busca de uma recolocação!

 

Quais as principais características de um empreendedor de sucesso?

Tem gente que nasce com o dom para os negócios correndo nas veias. Mas essa não é a regra. A maioria desenvolve as características de um empreendedor ao longo da vida.

Eles fazem isso observando e conversando com outras pessoas, lendo muito – mas muito mesmo, frequentando escolas, participando de eventos etc. Esses empreendedores vão juntando pedacinhos de informações dia após dia.

Ou seja, você não adquire as características de um empreendedor num piscar de olhos. É um processo. No entanto, a boa notícia é que qualquer um de nós podemos nos transformar em homens ou mulheres de negócio, com sucesso.

Brasileiros inspiradores

Para ter sucesso, uma boa dica é se inspirar nas histórias das pessoas que chegaram ao topo. E elas estão por todos os lados, nos mais variados segmentos de atuação.

Tem gente ganhando rios de dinheiro com chocolates (Alexandre Costa – Cacau Show), outros com consultoria em finanças (Bastter Hissa – foto), com loja de departamentos (Luíza Helena- Magazine Luíza), redes de hotéis (Chieko Aoki – Blue Tree Hotels), moda (Gisele Bundchen), e-commerce (Romero Rodrigues – Buscapé) etc etc etc…

E se você parar para observar, verá que existe um batalhão de empreendedores anônimos ao seu lado, vencendo barreiras e a burocracia, expandindo os negócios e fazendo acontecer.

É o dono da padaria ou da loja de móveis da sua cidade, o mecânico que abriu uma oficina, a dona de casa que faz bolos e doces para festas… Exemplos não faltam.  

Levantamento do Sebrae, realizado em 2017, apontou que foram criadas 11 milhões de empresas no Brasil, nos últimos anos. E esse movimento não para de crescer, especialmente, impulsionado pela crise econômica que afeta drasticamente os empregos formais.

Nem todos, porém, são bem-sucedidos nos seus negócios, mas aqueles que acertam o alvo carregam as características de um empreendedor.

11 características de um empreendedor de sucesso

Existe um ditado que diz: O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário. É a pura verdade, afinal, sucesso não nasce no fundo do quintal. As biografias dos empreendedores que brilham e nos inspiram são construídas com muito esforço. E todos eles têm características em comum. Veja:

Criatividade

O primeiro passo para empreender é ter uma ideia e acreditar nela. Mas precisa ter alguma coisa original em mente, porque se você investir em algo exatamente igual ao que outros já estão fazendo, provavelmente, não não terá muito sucesso. Pra fazer diferente, não é necessário começar do zero; você pode melhorar e inovar em algo que não funciona muito bem, por exemplo, cobrindo assim um gap em determinado segmento.

Paixão

Paixão é uma peça fundamental na engrenagem que move os empreendedores. Por que isso é tão importante? Porque pessoas apaixonadas inspiram e atraem pessoas. A paixão nos dá energia para seguirmos adiante, mesmo que existam barreiras. E ela aumenta a nossa autoconfiança para vendermos as nossas ideias.

Visão

Os empreendedores sempre olham para frente e procuram enxergar o cenário como um todo. Isso é fundamental para que se possa identificar oportunidades e desafios e assim tomar decisões estratégicas assertivas, no momento exato.

Ousadia para correr riscos

características de um empreendedor

Se você não estiver disposto a correr riscos, provavelmente, não irá muito longe. O empreendedor não se assusta com o incerto e se arrisca em torno de suas ideias. Eles investem tempo e dinheiro, de maneira calculada e planejada. Nem toda iniciativa, porém, dá certo, mas você somente saberá isso se der o primeiro passo e sair do planejamento para a ação.

Autoconfiança e muita dedicação

Para tirar uma ideia da cabeça e colocá-la pra funcionar, você tem que acreditar nela e, também, em você e no seu potencial. O que não vai faltar é gente puxando-o pra trás e tentando desacreditar ou menosprezar a importância da sua iniciativa. Se não houver confiança da sua parte e dedicação, a tendência é desistir no meio do caminho.

É o mesmo raciocínio para quem vai prestar o Enem na busca por uma vaga em universidade pública. O estudante precisa confiar no seu potencial e fazer o que for preciso para conquistar a vaga. A disciplina de estudar as matérias que precisa durante o ano é essencial para alcançar esse objetivo.

Flexibilidade

Quando uma pessoa finca o pé em algum lugar, fica preso ali. E se ficar parado, não tem como conduzir um empreendimento para o sucesso. Por isso, a flexibilidade se destaca entre as  características de um empreendedor. Assim, esteja aberto para se adaptar às mudanças e a todas as possibilidades de melhorias do seu produto/serviço, com foco no cliente.

Conhecimento sobre o mercado

características de um empreendedor

Saiba bem onde está pisando. Ou seja, além de conhecer muito, mas muito mesmo, o seu produto/serviço, é essencial acompanhar de perto a movimentação do mercado, as necessidades do seu cliente e público-alvo, os passos e estratégias dos concorrentes e tudo o que pode afetar direta ou indiretamente o seu negócio.

Networking profissional

Quer ter sucesso? Amplie a sua rede de contatos. Conecte-se com pessoas que têm experiências e habilidades que lhe possam ser úteis e ajudá-lo a subir degraus mais rapidamente. Busque por conselhos ou mesmo dedique tempo apenas para conversar com a sua rede. Mas foque nos contatos certos.

Cuidado com o dinheiro

Não ter medo de se arriscar não significa jogar dinheiro fora. É preciso também um planejamento financeiro para cada etapa do negócio, pensando inclusive em longo prazo. Você deve ficar atento às suas obrigações e manter o fluxo de caixa sob seu controle, o tempo todo.

Planejamento

Todo empreendimento precisa de planejamento. Isso significa ter objetivo e visão bem definidos e recursos gerenciados de forma correta. Você jamais conseguirá prever todos os problemas dessa trajetória e é aí que entra a coragem de assumir riscos. Então, o empreendedor precisa associar ao seu plano de negócios uma boa dose de habilidade para lidar com o inesperado.

Persistência

características de um empreendedor

Nem tudo costuma sair como o planejado. Muitos empreendedores viram suas ideias serem recusadas ou até mesmo ridicularizadas no início. Tem horas, que parece faltar energia, Se você não tiver persistência, pode perder a chance de ver o seu negócio brilhar. Se você realmente acredita no seu projeto, siga adiante.

Então, você curtiu esse post sobre as características de um empreendedor? Que tal ler também, aqui no blog, sobre o avanço do empreendedorismo feminino?

A plataforma 12MIN tem um seção inteirinha de resumos de livros sobre empreendedorismo. Vale a pena conhecer essas obras fantásticas!

E nós temos uma uma sugestão de leitura para hoje. Anote aí:

De Zero a Um – Peter Thiel & Blake Masters

Peter Thiel fundou o PayPal e foi um dos primeiros a investir no Facebook, tornando-se um dos bilionários mais influentes do Vale do Silício. Esse livro ensina como montar uma startup e ser bem sucedido.

Boa leitura!

 

11 filmes que te deram uma lição de marketing e você não percebeu

Todo mundo adora um bom filme, não é mesmo? Com uma grande história, bons atores e uma trama envolvente.

E quando o assunto são produções com um ‘’quê’’ de realidade profissional em suas narrativas, o cinema dá um show! E nesse aspecto, filmes sobre marketing não faltam.

Se você é fã das telonas e quer unir o útil ao agradável, aprendendo boas lições de marketing com grandes clássicos, prepare a pipoca! Pois separamos uma lista de 11 filmes imperdíveis.

Alerta! Contém spoilers.

1. O Senhor das Armas (2005)

Para abrir nossa lista de filmes sobre marketing, vamos falar de Senhor das Armas (2005). Um dos filmes mais impressionantes dos últimos tempos.

A história mostra como Yuri Orlovi (Nicolas Cage) se tornou destaque em um ramo nada convencional: o tráfico de armas de fogo.

Justamente por se tratar de uma porção não explorada do mercado é que este filme transmite uma lição valiosa de marketing de nicho.

De forma geral, a estratégia foca em atender parcelas do mercado pouco exploradas e/ou que não tem suas necessidades bem atendidas. E foi exatamente assim que Orlovi se tornou, ainda muito jovem, O Senhor das Armas.

Mas cuidado! Ao contrário do que fez o personagem protagonizado por Nicolas Cage, recomendamos que você procure um nicho que seja legalmente aceito. Afinal, não queremos que você enfrente problemas na justiça.

2. The Circle (2017)

Na trama, a The Circle é uma das empresas de tecnologia mais poderosas do planeta.

Atuando no ramo da Internet, a companhia é responsável por coletar e conectar os dados dos seus usuários. Desde seus comportamentos de compra à demais detalhes de suas vidas privadas.

Ao ser contratada pela empresa, a protagonista Mae Holland (Emma Watson) fica muito empolgada com a possibilidade de estar perto das pessoas mais poderosas do mundo. Mas logo ela percebe que seu papel profissional é muito diferente do que imaginava.

Isto porque ela tem de encarar o dilema ético de lidar com dados de milhões de clientes da empresa, mesmo sem a anuência deles.

Este filme sobre marketing  chama atenção não só pela questão moral. Mas pelo potencial que o marketing por dados trás para as empresas. Além de levantar o debate sobre como coletar e usar tais informações de clientes em campanhas de marketing de forma estratégica e ética.

3. A Rede Social (2010)

Na lista de filmes sobre marketing, esta trama não podia ficar de fora.

A Rede Social (2010) conta a história de Mark Zuckerberg, criador do Facebook. Que no filme é interpretado por Jesse Eisenberg.

A trama mostra como Zuckerberg desenvolveu a rede social. Passando pela influência do término de seu namoro na ocasião e a trajetória com seus colegas.

Mas, o mais importante para os profissionais de marketing é observar como o criador de uma das maiores redes sociais do mundo se beneficiou de estratégias envolvendo marketing digital para promover seu produto. E como você também pode utilizar estas experiências para se beneficiar!

4. Obrigado Por Fumar (2005)

Obrigado Por Fumar (2005) ilustra o talento de Nick Naylor (Aaron Eckhart) ao fazer um trabalho altamente persuasivo em prol dos direitos dos fumantes exercerem seu livre arbítrio: o ato de fumar.

Todavia, Nick não é nenhum ativista dos direitos humanos. Mas sim o porta-voz de uma das maiores empresas de cigarros dos Estados Unidos.

Além da importância de conhecer o produto com o qual o profissional trabalha, talvez a principal lição que aprendemos com este filme sobre marketing é que o trabalho na área também caminha por temas delicados e com potenciais conflitos de interesse.

Porém, ao profissional, sempre cabe manter seus valores e buscar se destacar no mercado de forma honesta.

5. Clube da Luta (1999)

O Clube da Luta (1999) é considerado um clássico da nossa era e adquiriu todo o sucesso não por ser um específico  filme sobre marketing. Mas por conta das diferentes temáticas que aborda em seu roteiro.

Jack (Edward Norton) é um jovem solitário, que compra compulsivamente objetos para decorar e organizar sua casa. Insatisfeito com a vida que leva, Jack conhece Tyler Durden (Brad Pitt), que lhe apresenta um clube aonde vai para aliviar suas angústias, através de pancadas indiscriminadas.

No entanto, o mais interessante para a área do Marketing não é o clube da pancadaria, mas sim os diálogos entre Jack e Tyler. Nos quais Tyler mostra à Jack o quanto o sistema de consumismo pode ser prejudicial e ocasionar sofrimento à vida das pessoas.

Neste sentido, o aprendizado ao profissional de marketing é que este deve ser capaz de chamar a atenção de potenciais clientes às virtudes do produto que oferece, mas sempre de forma genuína e autêntica.

6. O Lobo de Wall Street (2013)

Protagonizado por Leonardo DiCaprio, O Lobo de Wall Street narra a trajetória de Jordan Belfort e seu sucesso na bolsa de valores dos Estados Unidos.

Apesar de não se tratar de um trabalho tipicamente realizado por profissionais de marketing, o filme mostra claramente a importância de se trabalhar com metas, saber gerenciar demandas de estresse e de investir no marketing pessoal e na persuasão dos clientes.

7. Amor por Contrato (2010)

Amor por Contrato (2010) é um dos filmes sobre marketing obrigatório para qualquer profissional da área.

Na trama, Steve (David Duchovny) é casado com Kate (Demi Moore), com quem tem dois filhos Mick (Ben Hollingsworth) e Jenn (Amber Heard).

Todos são bonitos, confiantes e se vestem bem. No entanto, não são uma família de verdade, e sim uma construção de estratégia de marketing da empresa “Lifeimage”.

A empresa usa a suposta família para influenciar a vizinhança ao redor a consumirem determinados produtos e adotar seu estilo de vida.

Este é um dos filmes sobre marketing que  mostra claramente como as pessoas são influenciadas pelo comportamento e pelas ações daqueles que admiram.

8. O homem que mudou o jogo (2012)

Em O Homem que Mudou o Jogo (2012), Billy Beane (Brad Pitt) é o gerente do time de beisebol norte-americano Oakland Athletics.

Em meio à uma crise, Billy desenvolve um programa estatístico que permite ao time não somente superar a crise enfrentada, como também ficar entre os melhores times dos anos 2000.

O filme serve de inspiração tanto à nível estratégico, utilizando novas ferramentas e tecnologias, quanto em termos de persistência para qualquer profissional de marketing não desistir de suas metas.

9. Piratas do Vale do Silício (1999)

O filme Piratas do Vale do Silício conta a trajetória da Apple e da Microsoft. Abordando características de nomes como Steve Jobs, Bill Gates, entre outros, que se desenvolveram na região do Vale do Silício, nos EUA.

O filme mostra claramente todos os passos que levaram Gates e Jobs a atingirem o topo do mercado. Todo que trabalham com marketing devem assistir ao filme, pois ele ensina valiosas lições sobre inovação, persistência e criatividade.

10. Do Que as Mulheres Gostam (2000)

Após sofrer um acidente, o publicitário Nick Marshall (Mel Gibson) apresenta um sintoma bastante peculiar: consegue ouvir o pensamento das mulheres com as quais convive. E isso lhe dá uma grande vantagem em seu trabalho.

Do Que as Mulheres Gostam (2000) mostra o quanto é valioso para o trabalho de marketing a capacidade do profissional demonstrar empatia e se preocupar em entender verdadeiramente as necessidades e opiniões do seu cliente.

11. Chef

Carl (John Favreau) é um talentoso chefe de cozinha de um restaurante altamente renomado.

Apesar de gostar de seu trabalho, Carl começa a entrar em conflito com seu chefe, Riva (Dustin Hoffman). Enquanto Riva  quer manter sempre o mesmo cardápio, Carl gostaria de inovar.

Em certa ocasião, um crítico gastronômico vai até o restaurante e reage negativamente a comida do local. Carl, então, decide criar uma conta no Twitter para discutir com o profissional. Atitude que ocasionou sua demissão.

Carl ganhou diversos seguidores em seu perfil na rede social, pois as pessoas ficaram curiosas para saber qual seria o desfecho do acontecido.

No entanto, ele também fica com dificuldades de ser contratado em outro restaurante, pois fica com má fama, em virtude da forma como reagiu à demissão.

Uma das principais lições que o filme evidencia é o poder e alcance das redes sociais. Chamando atenção para o cuidado ao usá-las sem estratégia.

Bônus: Série Mad Men (2007)

Mad Men é uma série lançada no ano de 2007. A trama ilustra a rotina dos funcionários da Sterling Cooper, agência de publicidade que busca vender o tão desejado sonho americano, adaptado à realidade dos anos 60, onde se situa o seriado.

O lema “não importa o que você é ou o que quer, mas sim como você se vende” é a principal lição de marketing que você pode obter desta série, obrigatória para quem trabalha com marketing.

Então, curtiu essa seleção? Não deixe de nos contar qual foi seu filme favorito e quais lições de marketing você tirou.

Este conteúdo foi produzido com a parceria da VidMonsters.

Aprenda como se tornar um palestrante de sucesso

Começar a palestrar parece estar se tornando, cada vez mais, uma opção certeira para diversos profissionais, principalmente para aqueles que trabalham diretamente com empreendedorismo, marketing e novos negócios. Contudo, independentemente da sua área de atuação, espalhar um conhecimento relevante para pessoas interessadas no assunto é sempre uma boa opção! Por isso, hoje vamos te dar algumas dicas sobre como se tornar um palestrante 🙂

Em um primeiro momento, você pode até pensar que o mais importante é ter o conhecimento do assunto e que isso é o suficiente para ser um palestrante de sucesso. É claro que ser detentor do conhecimento é importante, mas essa não é a principal preocupação que você deve ter quando pensar em se tornar um palestrante. Comunicação, organização, planejamento, oratória e outros são pontos significativos para quem deseja se dar bem nessa carreira.

Vamos às dicas sobre como se tornar um palestrante de sucesso?

Como se tornar um palestrante: a preparação

Aumentar suas vendas, mais visibilidade no mercado, fazer disso uma carreira, motivar sua equipe… independentemente da razão que o trouxe até a decisão de se tornar um palestrante, existem algumas diretrizes fundamentais para dar o próximo passo.

Se você possui um alto conhecimento sobre determinado assunto, um estudo que realizou ou se seu empreendimento tem uma história de sucesso interessante, já pode começar a pensar em como se tornar um palestrante. É muito importante que você seja um expert sobre a temática principal da sua palestra, pois assim você possui autoridade para discursar sobre o assunto e não deixará nenhum espectador com dúvidas.

A partir disso, poderá começar a realizar o planejamento da sua palestra. O importante nessa etapa é definir o objetivo da palestra em relação àqueles que irão participar dela. Você quer ensinar sobre algo? Contar uma história? Apresentar tendências do mercado a partir de pesquisas? Tenha em mente que pessoas que frequentam palestras querem agregar conhecimento – e é isso que você tem que garantir que aconteça. Portanto, certifique-se de colocar suas ideias no papel e montar uma apresentação que consiga transmitir seu objetivo.

A apresentação de sua palestra também deverá levar em consideração alguns pontos de atenção:

Visual: saia do lugar comum e invista no design! Uma apresentação moderna, bonita e visualmente bem-elaborada transmite muito mais profissionalismo do que slides preparados em templates prontos. Se você não tem muita familiaridade com design ou não pretende contratar um profissional da área, soluções como o Canva pode ser uma ótima opção! Apesar de também oferecerem templates pré-preparados, a ferramenta oferece inúmeros recursos para deixar sua apresentação mais moderna.

Conteúdo: muito cuidado com a quantidade de texto que você irá adicionar em cada slide de sua apresentação. Além de atrapalhar o participante que estará tentando ler e te escutar ao mesmo tempo, você passa menos confiança se seu diálogo com o público estiver limitado ao que está escrito. Afinal, se você for apenas ler o que está escrito, mais fácil enviar a apresentação por e-mail do que reunir um número de pessoas para te ver lendo, né?

Tempo: uma palestra não possui um tempo pré-determinado, mas tome cuidado para não ser curta demais e não conseguir passar muita informação, ou ser longa demais e começar a falar mais do que precisa. O importante é que você delimite os temas e tópicos que deseja abordar e acrescente um tempo a mais para perguntas dos participantes.

Atualidade: na era da informação, é fundamental que você esteja em harmonia com a linguagem, o visual e as notícias mais atuais. Se for dar exemplos de algumas situações antigas, tente comparar com algum caso mais recente. Traga acontecimentos que fazem parte da realidade dos participantes – dessa forma, eles vão se sentir mais próximos do assunto que você está abordando!

Outra coisa importante para aprender a como se tornar um palestrante é oratória. Com certeza, durante a sua vida, você já conheceu algum professor ou colega de trabalho que sabe tudo sobre um tema, mas na hora de explicar acaba se atrapalhando ou não passando muita confiança. E é por isso que saber falar para um público de forma clara, estruturada e deliberada é fundamental para se tornar um palestrante. O seu papel é informar, entreter e, se possível, impressionar seus ouvintes!

Portanto, se você ainda não se sente muito seguro para apresentar suas ideias em uma palestra, procure um curso de oratória ou treine muuuuito na frente do espelho. A prática leva à perfeição: não é todo mundo que nasce com essa vocação, não é mesmo?

Divulgação: destaque-se no mercado

Se você está começando sua carreira como palestrante profissional, uma das grandes preocupações deve ser como atingir seu público. Diferentemente de outros formatos de eventos corporativos, uma palestra de um iniciante não deve ser focada em uma ampla divulgação, mas em uma divulgação assertiva.

Para tanto, certifique-se de delimitar bem o seu público-alvo. Onde ele está, quais são suas preferências, quais temas o interessam, idade, profissão… quanto mais perguntas você responder sobre quem acredita serem as pessoas ideais para participarem de seu evento, melhor. Com seu público-alvo bem definido, fica mais fácil escolher os melhores canais de divulgação, como as redes sociais.

Outro ponto importante para a divulgação de sua palestra é: a divulgação de você mesmo! Palestrantes de sucesso só chegaram onde estão por serem reconhecidamente experts nos assuntos os quais se propõem a apresentar. Mas como mostrar para o público que você é um expert? Uma opção é abusar das redes sociais. Comece a construir uma estratégia de influencer e torne-se uma pessoa pública. Crie um perfil profissional no Facebook, uma conta de dicas ou hacks no Instagram, faça conexões com seu provável público no LinkedIn. Através desses canais, dê exemplos e dicas que despertem interesse nessas pessoas, mas sempre deixando um gostinho de “quero mais”. E certifique-se de que esse “quero mais” seja entregue em sua palestra, viu?

Outro fator que irá te ajudar na formação da sua pessoa pública é produzir seu próprio evento. Convide pessoas mais próximas para uma versão pocket da sua palestra, um café ou um happy hour. Vá apresentando sua proposta para o maior número de pessoas possível (lembrando que essas pessoas devem estar no perfil do seu participante ideal) e não deixe de convidar outros palestrantes. Eles poderão te dar várias dicas e, quem sabe, oferecer uma parceria para a produção de um evento maior 🙂

Como se tornar um palestrante: continue se capacitando!

Diversos palestrantes de sucesso começam sua carreira promovendo encontros ou workshops em turmas pequenas, como forma de treinamento ou renda extra. Se você vai apresentar um assunto sobre o qual você possui conhecimento técnico, criar um evento para testar suas habilidades com alguns convidados pode ser uma ótima ideia!

#Dica: no site da Sympla você consegue criar seu evento e vender as inscrições de forma simples e muito rápida. E sabe a melhor parte? Se seu evento for gratuito, usar a Sympla é 100% grátis!

Através desses eventos, você irá treinar sua apresentação, oratória e desenvoltura. E não deixe de pedir feedbacks para os presentes: você poderá aprender muito com o que eles têm a dizer.

Não deixe de ir atrás de cursos, estudos e pesquisas durante sua carreira como palestrante. Como disse anteriormente, é muito importante que você seja uma pessoa antenada e que esteja à par das principais tendências do mercado.

E aí, tudo preparado para se tornar um palestrante de sucesso?

Este post foi escrito por Cecília Cury, economista, produtora de eventos e responsável pelo blog da Sympla, a plataforma com o maior número de eventos do Brasil \o/