Repeatability: o que é e como a empresa pode se beneficiar

Reinvenção radical nem sempre é a chave do sucesso. Pelo contrário, no livro Repeatability (que você encontra no 12MIN), os autores defendem a simplicidade no núcleo das empresas, com um modelo de negócios repetitivo.

Repeatability

Segundo os autores Chris Zook e James Allen, repeatability gera melhoria contínua e permite uma adaptação rápida das empresas às mudanças. Isso ocorre sem que seja necessário se curvar frente à complexidade, que é um “assassino silencioso” do crescimento lucrativo, afirmam.

Empresas que vêm registrando os melhores desempenhos em todo mundo adotam a repeatability. Essa é uma estratégia para se manterem no topo por longos períodos de tempo. Entre essas empresas estão a Apple, IKEA, Nike e muitas outras.

Como repeatability conduz ao sucesso

Os autores estudaram um banco de dados de 200 empresas e realizaram entrevistas com seus executivos. Eles descobriram que de 40% a 50% da variação do desempenho dentro de uma indústria está diretamente relacionada a 3 princípios. São eles:

Princípio 1: Um núcleo forte e bem diferenciado

“A diferenciação é a essência da estratégia, a raiz da vantagem competitiva e um importante impulsionador da lucratividade relativa entre as empresas”. Assim, para que a sua empresa consiga adquirir e, sobretudo, manter a coerência de suas atividades principais, é necessário estabelecer diferenciais competitivos em três áreas estratégicas. Essas áreas são: redução de custos, qualidade dos produtos ou serviços comercializados e conquista de uma posição relevante em seu segmento de atuação.

Princípio 2: Não negociáveis claros

“Inegociáveis claros melhoram o foco e a simplicidade da estratégia, traduzindo-as em regras comportamentais e proibições práticas. Isso por sua vez tem o efeito de reduzir a distância do gerenciamento para a linha de frente e vice-versa”. Essas regras não passíveis de negociação são, na verdade, conjuntos sistematizados de boas ideias. No entanto, para efetivá-las em sua empresa, é altamente recomendável primar-se pela objetividade, não abrindo espaço algum para dúvidas ou má interpretação.

Princípio 3: Sistema para aprendizagem de ciclo fechado

“Os grandes modelos repetitíveis costumam ter sistemas bem desenvolvidos para aprender e impulsionar a melhoria contínua em toda a empresa, alavancando a transparência e a consistência de seu modelo repetitivo”. Nesse caso, os autores identificaram que a capacidade de adquirir, velozmente, novos conhecimentos e se adaptar maximizam a eficiência do gerenciamento de riscos. E, ainda, são determinantes para o bom posicionamento da empresa no mercado.

Comportamentos de liderança

Repeatability

Se você quer evitar que o caos se instale em sua empresa, comprometendo a eficácia dos processos e a rentabilidade do negócio, invista nas lideranças.

Zook e Allen defendem que no modelo repeatability é imprescindível aprender, desenvolver e aplicar coerentemente os comportamentos de liderança adequados à sua realidade corporativa. E não existe uma solução pronta e acabada, igualmente aplicável a toda e qualquer organização.

Enquanto líder empresarial, cabe a você encontrar o “meio termo” entre os extremos representados pela estratificação de funções e a liberdade de ação.

A simplicidade como valor central

Infelizmente, é muito comum que líderes empresariais de organizações que passam por um crescimento significativo se afastem do convívio diário com suas equipes e clientes.

Essa não é uma boa ideia. Pelo contrário, manter a simplicidade como valor contribui, e muito, para o sucesso na utilização do modelo repeatability.

O que não é repeatability…

Repeatability

No livro, os autores relacionam 4 situações que fogem completamente do conceito de repeatability. Veja:

  • Repeatability não é repetição de tarefas como um robô. Repeatability exige julgamento constante e consistência para otimizar o aprendizado.
  • Repeatability não é repetição mecânica em todos os lugares do negócio. O foco de repeatability é onde e como modificar um conceito para que ele possa repetir seus maiores sucessos e se adaptar à nova realidade.
  • Repeatability não é lista de tarefas mecânicas que é distribuída a todos os funcionários da linha de frente, dificultando feedbacks e causando desmotivação. Pelo contrário, o objetivo, ao contrário, é criar liberdade dentro de uma estrutura.
  • Repeatability não é repetição de funções não estratégicas. Ou seja, é essencial concentrar-se nos diferenciadores que realmente alavancam a competitividade.

Segundo Zook e Allen, essa lista, na verdade, é muito maior.

Diferença entre repetibilidade e reprodutibilidade

Repetibilidade

Para que a repetibilidade ocorra, tudo deve ser feito de novo, da mesma maneira, em um curto espaço de tempo. Isso inclui o local; forma, instrumentos e condições de medição, observador.

Reprodutibilidade

Refere-se ao grau de concordância entre os resultados de experimentos realizados por diferentes equipes, em diferentes locais, com diferentes instrumentos. Assim, a reprodutibilidade mede se é possível replicar descobertas de terceiros.

Nossa dica de leitura

É claro que temos uma sugestão de excelente obra sobre empreendedorismo de sucesso:

Sonho Grande – Cristiane Correa

Repeatability

Sonho Grande conta a trajetória de três empresários, desde a fundação do Banco Garantia, nos anos 70, até a atualidade. Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira criaram um império bilionário no capitalismo brasileiro e ganharam projeção sem precedentes no cenário mundial. O trio desenvolveu uma fórmula vencedora de gestão que se baseia na meritocracia, simplicidade e na redução de custos constante.

Essa é de fato uma história fantástica e inspiradora. Confira mais livros na categoria de Empreendedorismo, da plataforma 12MIN.

Boa leitura!

Conheça o 12min Kids

O Dia das crianças chegou, e com ele brincadeiras, presentes e muita alegria! Além disso, é o momento ideal para chamar a atenção para a importância em valorizar essa fase da vida, dando apoio, educação e boa formação para os pequenos. Cerca de um terço de todos os habitantes do planeta são crianças, e cada uma se desenvolve de forma específica, com culturas e costumes diferentes, mas uma coisa todas elas têm em comum, o prazer de ouvir um bom conto de fadas!

Agora, imagine o seguinte: e se pudéssemos utilizar a tecnologia para proporcionar e estimular o contato dos pequenos com clássicos da literatura infantil?

Pensando nisso, criamos o 12min Kids, um bot de interação com o Google Assistente! Com ele, a criança poderá ter acesso a vários contos de fadas e, em menos de 12 minutos, ouvi-los onde e quando quiserem.

O funcionamento é bem simples: ao dizer Ok Google, falar com app 12min kids serão apresentados os vários contos disponíveis, entre eles ‘O Príncipe e o Sapo’, ‘Capuzinho Vermelho’ e ‘Rapunzel’, que poderão ser ouvidos diretamente no Google Assistente, sem a necessidade de abrir outro app.

Além de uma excelente fonte de entretenimento, é uma ótima maneira de estimular a imaginação e criatividade das crianças.

O 12min Kids já encontra-se disponível para os dispositivos Android (5 ou posterior), iOS (10 ou posterior), Google Home, Android TVChromebooks e Smart Displays compatíveis, e também como uma nova categoria no App do 12min. Vale a pena conferir!

Como ainda está em fase de testes, gostaríamos de ouvir feedbacks! 🙂

Para mais informações, acesse o 12min Kids AQUI.

.
.
.

Importância do reconhecimento profissional na motivação

Se você quer resultado, dê um jeito de manter a chama acesa na equipe. As opções são inúmeras e o reconhecimento profissional é uma delas. Aliás, essa é uma ferramenta de motivação infalível, portanto, tem que fazer parte do seu planejamento.

reconhecimento profissional

O reconhecimento profissional pode ser formal ou informal e deve levar em conta o comportamento, o esforço e engajamento do funcionário com as metas e valores da organização. E, claro, deve considerar também os resultados pessoais e da equipe.  

Reconhecimento profissional e a felicidade no trabalho

O reconhecimento é fundamental para a maioria das pessoas e isso não tem nada a ver com imaturidade. É uma necessidade humana, inclusive, no âmbito profissional. As pessoas tendem a pensar que um trabalho que não é apreciado, não tem valor.

E é exatamente por isso que o reconhecimento profissional é estimulado nas organizações. Afinal, empresa nenhuma quer funcionário insatisfeito, sem energia, sentindo-se um Zé Ninguém.

Por outro lado, o reconhecimento profissional anda de mãos dadas com a felicidade do funcionário. E felicidade eleva a qualidade do clima organizacional e impulsiona a produtividade. Produtividade impacta nos resultados da empresa.

Palavras e ações

reconhecimento profissional

Você pode aplicar o reconhecimento profissional por meio das palavras. Trata-se do elogio, que tem um poder enorme de motivar as pessoas. Por isso, o gestor deve estar sempre atento para não deixar passar em branco oportunidades tão valiosas.

E isso realmente acontece. Uma pesquisa feita nos EUA apontou que apenas 1 em cada 3 funcionários admitiu ter recebido algum tipo de elogio ou outro reconhecimento nos últimos sete dias.

Os especialistas recomendam atenção. Não existe periodicidade para se elogiar um funcionário. No entanto, deve haver cuidado para reconhecê-lo na hora certa e na dose exata também.

Além do elogio, o reconhecimento profissional pode ocorrer por meio de ações. É comum, inclusive, as empresas terem um política de reconhecimento própria, com regras previamente definidas e conhecidas pelos empregados.

A seguir, nós vamos falar um pouco mais sobre essas formas de reconhecimento. Venha com a gente!

Formas de reconhecimento profissional

reconhecimento profissional

Você não precisa investir rios de dinheiro para reconhecer um funcionário pelo esforço e desempenho. O que você precisa é sensibilidade, preparo, algum tempo e criatividade.

Ou seja, você até pode instituir bônus em dinheiro como reconhecimento de performance. Isso funciona, é claro. Mas, acredite, coisas simples como “Parabéns” e “Obrigado” sinceros têm um peso também significativo.

Esse é um tipo de reconhecimento apropriado para o cotidiano de uma organização.

Dicas de ações e programas de reconhecimento profissional

  • Ao agradecer ou elogiar, refira-se ao funcionário pelo nome.
  • Compartilhe as conquistas com toda a equipe. Se o projeto deu resultado, o mérito é de todos os envolvidos.
  • Se um funcionário teve uma excelente performance, convide-o para um almoço, em um restaurante legal, e fale sobre os motivos pelos quais ele está merecendo esse reconhecimento. Isso pode ser feito com a equipe, também.
  • Um funcionário deu o sangue num projeto e agora toda a equipe comemora os resultados. É hora de reconhecer profissionalmente essa pessoa com uma boa folga, no dia que que ela preferir, pra descansar ou fazer o que quiser.
  • Você já imaginou a alegria do funcionário ou de toda uma equipe se o chefe do chefe passar por lá e cumprimentar um a um pelo bom desempenho? Melhor ainda se ele juntar a isso um e-mail e enviá-lo para toda a organização, reconhecendo o engajamento e talento dos seus profissionais.
  • Algumas empresas, por exemplo, elegem periodicamente o projeto mais impactante num determinado período. Toda a equipe e liderança envolvidas são convidadas para um encontro com o presidente e outros diretores e recebem deles o reconhecimento profissional. O projeto e os nomes das pessoas envolvidas são divulgados para toda a empresa, juntamente com as justificativas sobre a escolha.
  • Pequenos mimos também funcionam. Por exemplo, ingressos para shows, cestas de guloseimas no Natal, um kit de brindes com a logomarca da empresa (canecas, camisas, canetas etc)… Existem opções excelentes para todo tipo e tamanho de empresa.
  • Comemore o aniversário do seu funcionário. Pode ser uma folga no dia dele, um cartão da empresa, uma festinha com todos os aniversariantes do mês… No entanto, apesar de tudo isso, o gestor deve cumprimentá-lo, pessoalmente, logo no início do expediente.
  • Institua um canal de sugestões para que os empregados possam se manifestar e, assim, sentirem que realmente têm vez e voz na empresa. As boaa ideias implementadas e que gerarem resultados significativos devem ser divulgadas com os nomes dos autores.

Benefícios do reconhecimento profissional

reconhecimento profissional

Ninguém duvida que o reconhecimento profissional e a motivação das equipes são bons não somente para os empregados, mas para a empresa também. Alguns desses benefícios são:

  • Aumento da produtividade individual, uma vez que, ao ser reconhecida, a pessoa tende a repetir o comportamento desejado.
  • Maior satisfação dos funcionários, com impacto positivo não apenas na produtividade, mas no clima organizacional.
  • Funcionários satisfeitos, focados no trabalho e produzindo mais… o resultado disso vai aparecer também nos gráficos de lucratividade. Várias empresas já comprovaram essa teoria na prática.
  • Fornecimento de feedback de desempenho direto e frequente aos funcionários.
  • Redução de turnover e retenção de talentos.
  • Redução do percentual de estresses, burnout e absenteísmo.

Conclusão

Reconhecimento profissional e motivação são engrenagens para manter as equipes engajadas com as metas da empresa e, portanto, mantê-la no ritmo do crescimento. Todo mundo sabe disso, o problema é que, muitas vezes, as lideranças não estão preparadas para essa tarefa.

Tem gerente que não sabe como fazer, outros fazem de forma errada. Muitos deles simplesmente perdem oportunidades valiosas por falta de atenção ou sensibilidade. E tem aqueles que exageram na dose.

Em síntese, reconhecimento profissional é fundamental, mas da forma correta. E não existe receita pronta que serve para todo mundo.

Se você é um líder, vale a pena conhecer o livro Administração de Alta Performance, de Andy Grove.

Em uma empresa, seu resultado pessoal é equivalente ao resultado de todas as equipes e departamentos sob a sua supervisão ou influência. Seu time somente atingirá alta performance de verdade se cada membro tiver um entendimento do seu output necessário e clareza de qual é o seu papel na empresa. Uma leitura indispensável.

Você curtiu esse post. Deixe o seu comentário! Vamos adorar ouvir a sua opinião!

 

Como e porque acompanhar sua produtividade pessoal

Você mexe o dia inteiro, anda de um lado para o outro, faz um monte de coisas… No entanto, quando termina o expediente o resultado não aparece. Isso porque, geralmente, todo esse “barulho” não é sinônimo de boa produtividade pessoal.

produtividade pessoal

Então, vem a pergunta: como saber se estou produzindo na dose certa? A resposta é simples: promova algumas mudanças de hábitos e gerencie o seu tempo com maestria.

Os principais desperdiçadores de tempo

produtividade pessoal

Falta de foco, procrastinação e desorganização são alguns dos tradicionais consumidores de tempo no local de trabalho. Mas, nos dias atuais, outros grandes inimigos da nossa produtividade são as distrações: celulares, internet, e-mail, redes sociais

Essas distrações levam os trabalhadores para longe de suas responsabilidades e a produtividade pessoal despenca. Uma pesquisa na empresa Workfront mostrou que apenas 39% do tempo dos seus funcionários são dedicados às atividades profissionais. O restante fica para ações que não têm nada a ver com as suas funções.

Outra pesquisa conduzida pela consultoria Luzio Strategy Group, envolvendo mais de 300 executivos, mostrou que esse pessoal desperdiça 55% do tempo deles com burocracias. Aí entram as reuniões improdutivas e outras atividades que não caminham em direção aos objetivos organizacionais.

Por que rastrear o tempo?

produtividade pessoal

Conheça três bons motivos para você acompanhar de perto o uso do seu tempo:

  1. Porque o rastreamento de tempo é o melhor instrumento para saber se o relógio está sendo seu aliado na produtividade pessoal. Pense, por exemplo: quanto tempo você gasta diariamente nas redes sociais, nos sites de notícias ou na sala do cafezinho? Quais atividades estão comendo os seus minutos e quanto se perde com cada uma delas? As respostas podem surpreender você.
  2. Porque o rastreamento do tempo possibilita calcular o ROI real do seu trabalho. Levando-se em conta que nos dias atuais tempo equivale a dinheiro, não tem como saber se um projeto foi de fato lucrativo, sem ter claro o tempo investido nele. Por exemplo, comparando um projeto que gerou 20 milhões de reais e outro que gerou 17 milhões reais, somente saberemos qual deles foi de fato mais lucrativo se tivermos em mãos os dados sobre o tempo investido em cada um.
  3. Porque o rastreamento contribui para aumentar o foco nas metas pessoais e organizacionais, impactando sua performance individual e do negócio. Se o tempo das pessoas está sendo monitorado, eles tendem a aproveitá-lo ao máximo (Efeito Hawthorne).

Software de rastreamento de tempo

Existem softwares e outros recursos eletrônicos para quase tudo nos dias atuais, inclusive, para rastreamento de tempo no local de trabalho. Seguem algumas opções (em ordem alfabética), que você pode usar para acompanhar a sua produtividade pessoal:

Bitrix: customiza os relatórios, cria status diferentes para cada usuários (administrador, observador etc) e controla o tempo gasto em cada tarefa. O melhor de tudo isso: oferece plano gratuito.

Everhour: também é integrado com as ferramentas de gerenciamento de projetos e CRM, como Trello, Basecamp 3 e outros. É possível acompanhar a equipe e projetos, criar e salvar facilmente relatórios simples, para referência rápida, e os mais elaborados, para fins de desenvolvimento de negócios.

Kickidler: esse é um rastreador de tempo para ser usado pelas empresa. Ele monitora e registra as atividades dos funcionários. Por exemplo, ao rastrear o computador individual, a empresa sabe quanto tempo foi usado em programas e sites. E existem outras funções.

PrimaERP Time Tracking: grátis para até 3 usuários, por tempo ilimitado. Pode ser integrado a sistemas como Google Calendar e Basecamp.

Thyme: uma ferramenta exclusiva para quem usa MAC, da Apple. É gratuita e open source. Basta escolher uma tecla de atalho para iniciar e outra para pausar.  

Toggl: faz monitoramento e emite relatórios online de horários por meio de seu site, aplicativos móveis e desktop. É considerado por muitos usuários um aplicativo intuitivo, simples de usar e que oferece uma versão gratuita robusta para até 5 usuários. Além disso, o Toggl pode ser integrado às suas ferramentas de gerenciamento de projetos.

TrackingTime: essa é uma extensão gratuita para o Google Chrome, ou seja, não é um aplicativo. Fácil de configurar e pode ser usada tanto no computador quando no celular com Android.

De olho nos ponteiros

produtividade pessoal

Você não pode depender apenas de um software para otimizar a sua performance e fazer cada segundo do seu preciso tempo valer a pena.

Existem alguma ações que ajudam a usar o seu tempo corretamente e a eliminar os gargalos que emperram a sua produtividade pessoal. Anote algumas dicas:

  • Tenha foco e coloque toda a sua energia e pensamento na direção das suas metas.
  • Planeje seu dia, seja realista e rigoroso com o seu cronograma. Para isso, você pode recorrer, por exemplo, à técnica de Pomodoro.
  • Priorize suas tarefas. Se você conhecer a diferença entre urgente e importante e aplicar esse conceito com sabedoria, você eliminará o que não é relevante no momento, salvando energia, melhorando a sua capacidade de decisão, sem perda de tempo.
  • Aprenda a dizer não. Afinal, mesmo que você queira, não dá para abraçar o mundo e fazer tudo ao mesmo tempo. Assim, se chegar uma demanda nova e você não tiver tempo para ela, assuma isso.
  • Simplifique. O sofisticado nem sempre é o mais eficiente. Desta forma, valorize o jeito menos complexo e mais óbvio para cumprir as suas metas.
  • Fuja das reuniões longas e improdutivas. A não ser que esses encontros sejam essenciais para o desenvolvimento dos seus projetos, dê um jeito de limitar a sua participação e otimizar a sua produtividade pessoal.
  • Sempre que possível, coloque o celular no silencioso e esqueça as redes sociais, mensagens e joguinhos virtuais. Deixe todas essas “brincadeirinhas” para o horário de descanso.
  • A não ser que você precise acessar o e-mail a todo momento, por causa do trabalho, desative o alarme dele e determine um horário específico durante o dia para checagem da sua caixa postal e para responder as mensagens.
  • Evite as conversas a todo instante que não estejam relacionadas com o seu trabalho.
  • Seja organizado. Mantenha seu local de trabalho e o seu computador limpos e em ordem, controle a iluminação da sala, providencie uma cadeira confortável e mantenha tudo o que precisa ao alcance das mãos.
  • Faça pausas para descansar e relaxar. Isso porque, mente e corpo exaustos são inimigos da sua produtividade pessoal. Então, dê algumas paradinhas para alongamentos e para esfriar a cabeça. Meditação é uma boa ideia.

Agora que você já sabe como medir a sua produtividade pessoal, a equipe 12MIN tem a indicação de uma obra fantástica para você:

O Poder do Hábito: Porque Fazemos o Que Fazemos na Vida e Nos Negócios – Charles Duhhigg

produtividade pessoal

Os hábitos fazem parte da fundação das nossas vidas, nossas empresas e são responsáveis por uma grande parte dos resultados que obtemos.

Boa leitura!

 

Aprenda como fazer um marketing B2B eficiente

Vender é um desafio em qualquer empreendimento. Mas se você atua no mercado B2B, geração de leads deve ser a prioridade número 1 em suas estratégias de marketing B2B.

marketing B2B

Mas isso não é tarefa simples e muitas empresas vão na contramão do sucesso simplesmente porque não estão fazendo o dever de casa corretamente.

Se você quer evitar os mesmos erros de outros empreendedores e seguir o caminho do crescimento, veja as dicas que preparamos para você.

O que é mercado B2B

marketing B2B

Antes de falarmos sobre marketing, vamos entender o que é B2B. Trata-se do mercado Busines to Busines, ou seja, empresas vendendo para outras empresas.

No B2B, depois que o produto é fabricado, ele não segue diretamente para o consumidor final. Existem canais no meio do caminho e os mais comuns são os atacadistas e varejistas.

É o caso, por exemplo, de uma empresa de suco. Ela vende seus produtos para atacadistas, que vendem para os varejistas, que vendem para o consumidor final.

Tendências do mercado B2B

O mercado B2B é limitado, com uma quantidade de clientes infinitamente menor e mais seleta, quando comparado com o B2C – Business to Consumer (Empresa para Consumidor). Mas isso não é uma má notícia.

O número de clientes pode ser menor, mas o volume de vendas geralmente é grande. Por exemplo, a cadeia nacional de sucos pode encomendar 10 mil unidades em um mês, enquanto um consumidor individual compra, talvez, umas 5 garrafas.

E o mercado está em expansão. A projeção é de que o modelo B2B de varejo online, por exemplo, seja duas vezes maior que o B2C, até 2020, alcançando 6,7 trilhões de dólares e mantendo um crescimento de 7% ao ano. Os dados são da Frost & Sullivan.

Como fazer marketing B2B

Mercado em expansão não significa sucesso pra todo mundo. Um bom e estratégico plano de marketing B2B sim, pode levá-lo rapidamente para a fileira da frente.

Mas por onde começar? Esse é o foco desse post. Então, anote aí 6 etapas preciosas:

1. Defina bem o seu público

marketing B2B

Você provavelmente não terá sucesso se sair atirando pra todo lado. A ideia é ter uma meta clara, que possa ser monitorada e refinada sempre que necessário. E para alcançá-la, defina bem para quem você quer vender, focando os seus esforços nesse público, colocando em segundo plano todas as demais pessoas que estiverem fora do grupo. Essa é uma ação decisiva do seu marketing B2B.

2. Entenda o contexto

Agora que você já definiu o seu público, o passo seguinte é obter o máximo de informações possíveis sobre ele e entender o contexto em que está inserido. Descubra onde ele está, quais as suas motivações, dificuldades e as jornadas de compra etc. Com essas informações em mãos, construa as suas personas e direcione todos os seus esforços para elas. Isso permitirá que você personalize suas ações e ajudará a sua marca a se destacar em relação aos concorrentes.

3. Promova engajamento com seu consumidor potencial

marketing B2B

Você já desenhou as personas e agora o seu plano de marketing B2B deve focar em se aproximar e estar junto desse consumidor ou consumidor potencial.

Esse consumidor valoriza, e muito, o relacionamento com todas as marcas de produtos e/ou serviços que adquire. Encontre um jeito de fazer e manter essa conexão. Capriche no marketing de conteúdo.

As pessoas têm suas preferências de contato: Skype, Facebook, email marketing etc… Descubra onde se encaixa o seu público, mas tenha em mente que o consumidor escolhe sempre o que mais fácil para ele.

E lembre ainda que, quando se fala em relacionamento com o cliente, o pré e pós-venda são tão importantes quanto a venda em si.

4. Use ferramentas digitais para conversão

Todo mundo sabe que o comportamento do consumidor na era da internet mudou. Pesquisas apontam que mais de 90% dos brasileiros pesquisam em sites e-commerce antes de comprar e quase 80% buscam informações em redes sociais, fóruns online ou blogs.

No mercado B2B um dado importante: 92% dos decisores utilizam o LinkedIn mais que qualquer outra rede social. Aliás, o LinkedIn é uma verdadeira potência, com mais de 500 milhões de usuários, em quase 200 países. Só no Brasil, são 30 milhões.

Entender esse contexto é um passo significativo para que o profissional de vendas possa conhecer as necessidades do consumidor e se conectar com ele de maneira assertiva.

5. Defina as metas de conversão

Nem todo conteúdo que você produz visa uma venda imediata. Muitas vezes, eles funcionam apenas como isca ou ponte para um novo conteúdo que faz parte do processo de compra, em sua estratégia de marketing B2B.

Ao definir as suas metas, você especifica quais ações devem ser consideradas como conversão.

As metas de conversão precisam ser coerentes com o estágio do processo de compra no qual se encontra o seu cliente. Por exemplo, no topo do funil de vendas, a meta pode ser relacionada ao número de acessos ao seu website.

Revise os objetivos de conversão ​​regularmente.

6. Tenha um controle de qualidade eficaz

marketing B2B

O seu plano de marketing B2B deve assegurar o perfeito funcionamento de cada etapa do processo de compra. E fique de olho nos resultados, porque é bem provável que você tenha que promover revisões para garantir que suas estratégias não fiquem ultrapassadas em relação ao concorrente.

O valor do marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo no mercado B2B é muito eficiente para atrair e fidelizar clientes, reduzir custos e aumentar os lucros.

De acordo com a TMG Custom Media, conteúdo personalizado é útil para 90% dos consumidores online. Além disso, o marketing de conteúdo bem feito faz de sua marca uma autoridade em um determinado tema, ligado à sua área de atuação.

Outro dado importante: empresas que abastecem regularmente o seus blogs com conteúdos relevantes para o seu consumidor geram 55% mais visitantes em seus websites.

Na verdade, são muitos os benefícios de um conteúdo de valor e elaborado estrategicamente. Mas não pense em ações isoladas e nem espere resultados imediatos, porque esse é um investimento de longo prazo,

Dicas para elaborar o seu conteúdo

marketing B2B

Invista em conteúdo relevante

Você já entrou na mente do seu potencial consumidor, quando construiu as suas personas, e sabe exatamente o que é importante para ele. Aproveite tudo isso a seu favor na hora de elaborar os seus conteúdos.

Você pode usar ferramentas como Palavras-chave do Google, Google Search Console e Google Analytics. Uma boa conversa com o seu setor de atendimento ao cliente também vai lhe possibilitar ótimos insights.

Seu público somente irá se interessar, ver e compartilhar seu conteúdo se ele gostar do material e se este lhe for útil de alguma forma. Então, seja impactante, original e consistente.

Inclua ofertas, brindes ou descontos em sua estratégia de marketing de conteúdo B2B e, ainda, o “call to action” em cada cópia do seu conteúdo. Existem muitas outras ações valiosas. Use a criatividade.

Planeje uma distribuição estratégica

Uma ideia super criativa e inovadora não dispensa um bom planejamento de distribuição dos conteúdos. É esse planejamento que impulsiona os conteúdos nos mecanismos de pesquisa e ajuda a alcançar as metas.

Não existe receita única para todas as empresas, assim, cada uma terá a sua própria estratégia. Algumas opções são: distribuição de conteúdo pago; rede social paga; conteúdo de marca ou publicidade nativa; distribuição orgânica e crowdsourcing.

Monitore os resultados

Você precisa acompanhar de perto a evolução do seu marketing de conteúdo e o ROI, para saber o que está funcionando bem e onde estão os gaps. Para isso, é necessário medir e analisar os números e você pode lançar mão de ferramentas como o Google Analytics, por exemplo.

Conclusão

A estratégia de marketing B2B pode ser a chave do sucesso do seu empreendimento. No entanto, ela precisa ser acompanhada e atualizada sempre. Isso porque, o que está dando certo hoje não garante o mesmo resultado poucos meses à frente.

O público está em evolução constante e é imprescindível que a sua marca acompanhe toda essa movimentação e se adapte rapidamente aos novos cenários.

Tenha em mente que o marketing B2B geralmente não promove ações em canais de massa, como TV, Rádio ou grandes portais de internet. É exatamente o contrário do B2C, que visa impactar o maior número possível de clientes.

Se você curtiu esse post, deixe o seu comentário!

E para terminar, vai aqui a nossa dica de leitura:

Marketing de Permissão – Seth Godin

marketing B2B

Ao invés de incomodar seu cliente potencial, porque não incentivá-lo a aceitar suas mensagens de marketing voluntariamente? O marketing de permissão é uma forma de você falar apenas com quem realmente se interessa pelos seus produtos/serviços e abre caminho para que sua empresa crie relações de longo prazo com esses clientes.

A plataforma 12MIN tem o resumo dessa obra e muitas outras do mundo dos negócios. Escolha o tema de sua preferência e boa leitura!

Investidor ou sócio: diferenças e como escolher entre eles?

Investidor ou sócio? Ambos podem ser valiosos para o seu negócio. Mas vamos direto ao ponto: não dá pra dizer qual opção é melhor, porque não existe uma regra geral válida para todos os empreendimentos.

Investidor ou sócio

A decisão entre investidor ou sócio dependerá de uma avaliação de contexto. No entanto, uma coisa é certa – você precisa entender a diferença entre eles, antes de qualquer ação. Isso porque investidor e sócio são duas coisas diferentes.

Os primeiros passos de um empreendimento

Investidor ou sócio

Todo negócio começa com uma ideia que está apenas na cabeça de um empreendedor (ou um grupo deles). No entanto, para fazer esse sonho virar um empreendimento, é preciso investimento. Em especial, nos momentos iniciais.

Mas o que ocorre é que, nem sempre, quem tem a ideia consegue bancar financeiramente o negócio sozinho. Assim, empreendedor precisa correr atrás de dinheiro para abrir a empresa e colocá-la em funcionamento, até que comece a gerar lucros e possa caminhar com as próprias pernas.

Aí vem a questão: investidor ou sócio? Nesse post, vamos falar sobre o que é cada um deles e, ao final, esperamos que você esteja apto para decidir o que é melhor para a sua empresa.

Investidor ou sócio: conheça as principais diferenças

Investidor

Investidor ou sócio

  • É uma pessoa que coloca o seu próprio dinheiro no negócio, visando retorno.
  • As condições gerais, incluindo prazos de pagamento e taxas de juros são previamente negociadas entre as partes.
  • A avaliação do risco do empreendimento pode impactar diretamente nos juros, prazos e outros itens do contrato.
  • O empreendedor precisa apresentar uma garantia real (cerca de 150% do valor do empréstimo), caso a dívida não seja quitada como o que foi acordado. Esse é um percentual muito alto, o que leva muitos empreendedores para a opção do sócio-investidor.
  • O investidor geralmente é um expert em planejamento de negócio, finanças e administração estratégica e compartilha essas habilidades com o empreendedor.
  • Compartilha também conselhos e contatos valiosos.
  • O investidor não é dono do negócio, mas espera envolvimento nas principais decisões e relatórios sobre o crescimento.
  • Como o investidor não é um dos donos, se o empreendimento não der certo, ele pode perder parte do dinheiro investido, mas está livre das responsabilidades decorrentes do fracasso.

Sócio

Investidor ou sócio

  • O sócio compartilha os lucros e riscos empresariais.
  • Geralmente, a distribuição de lucros é proporcional à participação de cada um no capital social da empresa. No entanto, nada impede que eles decidam por qualquer outro tipo de critério.
  • Um sócio também pode ajudar com contatos úteis, mas isso não é regra.
  • O sócio é mais engajado com as metas do negócio do que um funcionário, já que ele tem mais a perder com o fracasso e mais a ganhar com o sucesso do empreendimento.
  • O risco de não receber a remuneração esperada é de todos os sócios.
  • Para efetivar uma sociedade, é elaborado um Contrato Social, onde constam, por exemplo, as responsabilidades individuais na empresa, as formas de remuneração e os dispositivos a serem usados em caso de divergências.
  • Se o negócio fracassa, todos os sócios são responsáveis pelas perdas.

Os principais problemas entre sócios

Investidor ou sócio

Além de conhecer as diferenças entre investidor ou sócio, você deve ficar atento a outro item: os desentendimentos que podem ocorrer quando duas ou mais pessoas trabalham juntas.

Afinal, quem nunca ouviu uma história de sociedade que começou muito bem e terminou em conflito. Infelizmente, esse problema é mais comum do que se imagina.

No início, tudo vai bem. Os sócios estão entusiasmados. O negócio só está começando. O sonho do sucesso é latente. No entanto, muitas vezes, o dia a dia se encarrega de acabar com a festa. Alguns casos vão parar na Justiça.

Os 7 problemas mais comuns numa sociedade empresarial são:

  • Precariedade ou ausência de comunicação entre os sócios, principalmente, na tomada de decisões importantes;
  • Falta de clareza sobre os papéis e responsabilidades de cada sócio;
  • Performance abaixo do esperado e falta de engajamento por parte de um dos sócios;
  • Excesso de cobrança, quando um sócio percebe que está se entregando mais que o outro;
  • Pontos de vista diferentes em relação à empresa e sobre divisão dos lucros;
  • Desconfiança demasiada em relação ao sócio que cuida das finanças;
  • Não ter um contrato com todos os itens previamente acordados.

Para ter sucesso duradouro numa sociedade, uma dica é redobrar os cuidados na hora de escolher o seu parceiro de negócio. Você deve conhecê-lo bem e, para dar certo, confiança e clareza na comunicação são essenciais.

Outro ponto fundamental é colocar tudo o que for acordado no papel. Recorra a uma assessoria jurídica na hora de elaborar o contrato. Jamais inicie uma sociedade apenas com base da conversa.

Enfim, investidor ou sócio?

Você agora conhece as diferenças mais marcantes entre investidor e sócio. Mas, em síntese, a lógica é essa: se você procura por alguém com experiência para somar na hora de colocar a mão na massa, um sócio é a melhor opção. Mas se você precisa de dinheiro, procure por um investidor. Pense, ainda, na possibilidade do sócio-investidor.

A equipe 12 minutos deseja sucesso para você – e o seu sócio, se for o caso!

Agora, que tal conhecer a trajetória de um trio que é modelo de empreendedorismo de sucesso e que vem ganhando rios de dinheiro. Anote aí:

Sonho Grande – Cristiane Correa

Investidor ou sócio

Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira criaram, em menos de 40 anos, um império bilionário e ganharam projeção sem precedentes no cenário mundial. Por meio do fundo de investimentos 3G Capital e da Inbev, eles compraram marcas icônicas para o consumidor americano, como Budweiser, Burger King e Heinz. Vale a pena conhecer e se inspirar com essa história!

O resumo de Sonho Grande está disponível na plataforma 12MIN, para leitura em apenas 12 minutos ou, se você preferir, no formato audio book também. Aproveite!

Preparação para o Enem: livros sobre produtividade e foco

À medida que o Dia D se aproxima, a preparação para o Enem transforma-se em grande dor de cabeça para uma parte considerável dos estudantes. Eles sofrem com o medo, ansiedade, estresse, insegurança…

Preparação para o Enem

Em 2018, foram registradas 5,5 milhões de inscrições. É um batalhão de pessoas, a grande maioria na faixa dos 21 a 30 anos de idade, que vivenciam momentos de tensão e grande expectativa.

Como se preparar 

A preparação para o Enem não precisa ser um total sofrimento. Mas você deve ter em mente que dedicação, planejamento e foco aumentam as suas chances de vencer o concorrente por uma vaga na universidade.

As provas serão em novembro (4 e 11) e o ideal é que você já tenha iniciado os preparativos. Deixar para a última hora pode não ser uma boa estratégia e só aumentará sua tensão e ansiedade.

Os especialistas dão algumas dicas importantes, inclusive, de como se preparar sozinho para o Enem. Veja o que você pode fazer:

Tenha foco

Não dá para tentar abraçar o mundo com as mãos, em especial, quando o tempo de preparação é curto. Então, saiba exatamente o que você quer e o que precisa fazer para alcançar a sua meta. E não fique atirando pra todos os lados.

Gerencie o seu tempo

Você não precisa e nem deve passar noites em claro, debruçado em livros e apostilas. Para evitar todo esse esforço, basta fazer um planejamento e organizar o seu tempo, criando o hábito de estudar por um determinado período, todos os dias. Comece de acordo com o que você aguenta e vá aumentando o número de horas dedicadas. A Matriz de Eisenhower pode ser sua aliada.

Elabore um esquema de estudo

Invista na organização! Anote tudo o que você precisa estudar, onde e como fará isso. Defina horários para cada matéria – deixe um tempo maior para as disciplinas mais difíceis. Escolha um local organizado, para ajudá-lo a se manter concentrado em seu cronograma. Tenha ao seu alcance tudo o que vai precisar, para não perder tempo procurando por um livro ou uma apostila. Considere fazer as provas dos exames anteriores para treinar e reduzir a ansiedade.

Fique por dentro das notícias

Preparação para o Enem.

Você precisa se dedicar à leitura de jornais e publicações científicas, assistir TV, ler internet, enfim, acompanhar o que está acontecendo no Brasil e no mundo. Conheça os fatos e também os progressos em áreas importantes, como saúde, educação etc. Isso o ajudará a desenvolver sua capacidade de argumentação em relação a diferentes tópicos.

Troque ideias com amigos

Já que você está por dentro dos principais acontecimento, que tal conversar sobre eles com outras pessoas. Isso o ajudará a desenvolver o raciocínio crítico, o que é muito importantes na hora de escrever a redação e até mesmo no entendimento de várias questões.

Treine-se para a redação

Preparação para o Enem.

Saiba que é possível treinar para escrever uma redação nota 10. Escreva sobre temas em destaque no momento. Depois, peça a um professor para ler e comentar o seu trabalho. Se você estiver estudando sozinho, busque ajuda de um amigo ou alguém da família. Essa é uma atividade importante na sua preparação para o Enem, já que em 2017 foram corrigidas 4,72 milhões de redações no exame nacional, mas apenas 53 estudantes obtiveram a nota máxima. Ou seja, você pode se preparar para destacar nesse seleto grupo.

Faça pausas para relaxamento

É claro que você precisa estudar muito, mas um relaxamento vai ajudá-lo a combater o estresse e a ansiedade. E, certamente, existem várias formas de relaxamento: ouvir música, ler um livro, passear com o cachorro, meditar… Encontre alguma coisa prazerosa para você e inclua isso no seu cronograma de preparação para o Enem.

A Hora do Enem

Na sua preparação para o Enem você pode incluir esse programa, que é uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC), em parceria com o Sesi. A Hora do Enem inclui simulados online, plataforma de estudos, programa de TV, solução de questões e informações gerais sobre o exame.

Livros imperdíveis na preparação para o Enem

Você já sabe que na preparação para o Enem é essencial focar no seu objetivo, desenvolver novos hábitos, ter disciplina e tornar o seu dia mais produtivo. Isso parece simples. No entanto, para muita gente, é um grande desafio.

Se esse é o seu caso, selecionamos aqui alguns resumos de livros que vão lhe dá uma grande ajuda para superar essa dificuldade e otimizar a sua produtividade. Anote aí:

Foco – A Atenção e Seu Papel Fundamental no Sucesso – Daniel Goleman

Preparação para o Enem.

Nos dias atuais, é cada vez mais fácil distrair-se, isolar-se e sentir-se perdido com uma grande quantidade de informação e tantas coisas acontecendo. Porém, se você quer ser produtivo, precisa desenvolver seu foco e aumentar seu nível de atenção.

O Cérebro Com Foco e Disciplina – Renato Alves

Preparação para o Enem.

Todos vivemos, atualmente, com nossas mentes repletas de informações, afazeres, ideias etc. Toda essa confusão mental gera grande cansaço. Como vencer a batalha cotidiana contra nossa própria mente? O livro ensina como capacitar melhor o seu cérebro para conquistar o controle da sua vida e a chave dos seus sonhos.

Produtividade Máxima – Como Assumir o Controle do Seu Tempo e Ser Mais Eficiente -Tamara Schwambach Kano Myles

O livro aborda de forma simples algumas maneiras de como maximizar a produtividade, por meio de métodos simples e de fácil aplicação. Esse é um aprendizado que fará dos seus resultados futuros um exemplo de eficácia.

Produtividade Para Quem Quer Tempo – Geronimo Theml

Preparação para o Enem.

O maior problema da falta de produtividade é aquele sentimento de que não estamos caminhando para nosso objetivo final. Nesse livro o autor ajuda a lidar com as ansiedades e apresenta um método para que você alcance o nível máximo de produtividade e consiga ser feliz e ter sucesso em sua vida.

Os resumos dos livros acima estão disponíveis na plataforma 12MIN para leitura online nos aplicativos para iPhone/Android ou envio de PDF para o Amazon Kindle. Ou você pode optar pelos audiobooks, para ouvir onde e quando preferir.

A 12MIN tem uma variedade de outros microbooks para você assimilar os conteúdos de cada um deles em apenas 12 minutos. Vale a pena conhecer a nossa biblioteca!

E para você que está focado na preparação para o Enem, a equipe 12MIN deseja-lhe muito sucesso nos seus estudos. E no exame também!

Se você curtiu esse post, compartilhe com os seus amigos e deixe o seu comentário!

Vendarketing: essa pode ser a chave do seu sucesso

Um dos grandes desafios das organizações nos dias atuais é gerar leads e tráfego. E nesse contexto, juntar as equipes de vendas e marketing – Vendarketing – tem sido uma estratégia para se alcançar os objetivos.

Vendarketing

O termo Vendarketing deriva do inglês Smarketing (Sales + Marketing). A proposta é unir os dois setores, alinhando metas, métricas e processos. Ao final, espera-se aumentar muito e rapidamente o número de clientes.

Na teoria, algo simples de se fazer. Na prática, nem tanto assim. Ainda é comum ter uma equipe de marketing atuando em uma sala nas novas estratégias para gerar leads, enquanto o time de vendas enlouquece em outro setor para transformar leads em vendas.

O pior de tudo isso é que as duas áreas não se comunicam. E o fracasso aparece claramente na planilha de receita da empresa.

Marketing + vendas = receita

A conta é essa mesmo. O marketing é essencial para se ter leads e o time de vendas é essencial para vender. Mas, é a união dos dois que vai transformar todo o esforço em mais resultado para a organização.

Um estudo do Aberdeen Group, mostrou que empresas com equipes de marketing e vendas alinhadas alcançam 20% de crescimento anual de receitas, contra uma queda de 4% ao ano nas organizações que não promovem essa integração.

Como organizar uma equipe de vendarketing

Você já sabe o que é vendarketing e aí vem a etapa seguinte: como integrar as equipes e fazer com que esse “grande” time tenha sucesso?

Nós preparamos algumas dicas. Veja:

1. Tenha um objetivo único

Vendarketing

Quando atuam separadamente, a distância entre os times de Marketing e Vendas tende a aumentar. Nesse modelo do “cada um por si”, um não sabe o que o outro está fazendo; marketing não entende a dinâmica de funcionamento de vendas e vice-versa.

Não existe ajuda mútua, nem compartilhamento de informações relevantes. É cada um olhando para o próprio umbigo, focando nas metas específicas do setor, em prejuízo para o objetivo macro da organização.

A situação é ainda mais grave quando um time enxerga o outro como adversário ou como um departamento subordinado, sem a devida importância. Aí sim todo o processo fica severamente comprometido.

Como resolver isso? Por meio do alinhamento entre os dois times. Eles devem conversar entre si com frequência, adotando uma cultura de parceria em prol do objetivo da empresa.

2. Fale a mesma língua

Os dois times precisam entender e adotar os mesmos conceitos e processos básicos. Por exemplo, eles devem ter as mesmas respostas, e na ponta da língua, para questões como: qual é a persona da organização? O que é lead? Como é o ciclo de vendas? entre outras.

Essa coerência em relação aos conceitos evita erros de interpretações e favorece o trabalho conjunto.

3. Aposte na comunicação

Vendarketing

Como já foi dito anteriormente, os times precisam conversar entre si. Isso não significa elaborar uma cartilha linda, cheia de fotos, gráficos e conceitos, entregar para o outro e continuar cada um fazendo a sua parte, isoladamente.

A dinâmica do cotidiano exige acompanhamento permanente e um contato constante e estruturado entre os dois times. Um lado precisa saber como o trabalho vem evoluindo na outra ponta, se precisam ser feitos ajustes, como e quando etc.

Essa troca de informações de forma rápida e transparente permite ações assertivas, com base em dados, e que possam corrigir desvios ou impulsionar o que está dando certo, se for o caso.

Mas como fazer isso se você não sabe o que está acontecendo?

Uma forma de promover essa comunicação eficaz entre as equipes de Marketing e Vendas pode ser, por exemplo, por meio de reuniões semanais. Mas as portas devem estar abertas para um diálogo ou esclarecimento de dúvidas, sempre que necessário.

4. Tenha um acordo formal de trabalho

Quando as responsabilidades de cada equipe estão no papel, fica mais fácil tocar o trabalho sem atropelos.

A dica então é formalizar essa parceria em um acordo SLA (Service Level Agreement). O documento descreve de forma clara e mensurável o que cada departamento deve fazer e o como/quando entregar cada ação.

Isso evita erros de interpretações, achismos e o famoso e estressante jogo de colocar a culpa pelas falhas no outro. Basta seguir o acordo.

Os SLAs não são rígidos. Pelo contrário, eles devem ser revisados frequentemente para se verificar a necessidade ou não de ajustes.

4. Trabalhe com métricas

Vendarketing

Mensurar resultados é fundamental. Por isso as métricas têm peso significativo para os setores de vendas e marketing das organizações.

As métricas possibilitam medir a performance geral das estratégias e das campanhas em tempo real e, também, avaliar o impacto financeiro de cada ação.

Sem as métricas, fica muito difícil saber o que está dando certo e quais os pontos de melhoria. E se você não identifica falhas, como agir para corrigi-las, de forma rápida e assertiva? Os números são fortes aliados, também, no planejamento.

6. Integração de softwares

A dica aqui é integrar tecnologia e dados em marketing e vendas. Por que isso é importante? Porque você compartilha informações e torna os processos mais ágeis e eficazes.

Assim, quando o time de vendas recebe um lead, por exemplo, todo o seu histórico de interações com o marketing está disponível para o vendedor. Ele pode usar toda essa informação para surpreender o cliente e agilizar o processo.

Conclusão

Vendarketing tem se tornado cada dia mais importante. Aliás, hoje, é pré-requisito para proporcionar aos clientes uma excelente experiência de compra.

As empresas que não seguem esse caminho da integração têm amargado queda nas receitas.

Então, você está pronto para aproximar os seus times de vendas e marketing? Ou o vendarketing já funciona em sua empresa? Compartilhe conosco as suas experiências!

Agora, um convite para você: venha conhecer a biblioteca 12MIN. Aqui você encontra os resumos dos mais valiosos livros de vendas e marketing de todos os tempos. E vários outros temas relevantes no mundo dos negócios.

Confira! E boa leitura todo dia!

 

Registro de marcas: como é feito e qual a sua importância

Registro de marcas é um assunto relevante no mundo dos negócios. Mas o processo é demorado no Brasil e a fila de espera é longa. O país fechou 2017 com 422 mil solicitações pendentes.

De acordo com o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), o prazo médio para análise de uma marca é de 30 meses, caso o processo tenha uma tramitação normal. Mas se houver oposição de terceiros ou formulação de exigências, você pode ter que esperar até 42 meses.

O principal motivo dessa demora: falta de examinadores em número suficiente para atender a demanda, segundo o INPI.

No entanto, mesmo com todo esse tempo de espera, você deve registrar a sua marca.

Mas o que é uma marca?

registro de marcas

Marca pode ser uma palavra, um nome, design ou símbolo e até mesmo uma combinação deles. Ou seja, é qualquer sinal visualmente perceptível. O objetivo é identificar o seu produto/serviço e diferenciá-lo aos olhos do consumidor.

Por que o registro de marcas é importante?

Porque o registo é a maneira de proteger a sua marca de cópias, utilizações inadequadas e não autorizadas e até mesmo garantir o direito de uso exclusivo sobre ela em todo país, no seu segmento de atividade.

registro de marcas

Mas você tem outras boas razões para fazer o registro de marca. Veja alguns exemplos:

  • Registro de marcas ajuda a expandir os negócios. Pesquisas mostram que a reputação da marca influencia as decisões de compra dos consumidores.
  • Marca registrada é um ativo e pode ser valorizado com o passar do tempo, à medida que sua reputação vai crescendo.
  • Fica mais fácil para o cliente encontrar você e diferenciá-lo dos concorrentes.
  • Quando procura por seu produto/serviço nos mecanismos de busca ou mídia social, o cliente foca em sua marca em primeiro lugar.

Quais as marcas registradas mais valiosas?

registro de marcas

No final do ano passado, a consultoria Interbrand divulgou a relação das marcas brasileiras mais valiosas. Bancos e cervejas lideraram o ranking: Itaú (R$ 28,1 bilhões), Bradesco (R$ 22,1 bilhões), Skol (R$ 16 bilhões), Brahma (R$ 11,2 bilhões) e Banco do Brasil (R$ 10,3 bilhões).

No mundo, segundo a Forbes, as cinco marcas mais poderosas são: Apple (US$ 182,8 bilhões), Google (US$ 132,1 bilhões), Microsoft (US$ 104,9 bilhões), Facebook (US$ 94,8 bilhões) e Amazon (US$ 70,9 bilhões).

Nesta lista, o setor de tecnologia está no topo e isso não foi nenhuma surpresa. Porém, o que chamou a atenção foi a ausência da Coca-Cola. Você percebeu que a poderosa marca de refrigerantes não aparece mais entre as cinco primeiras? É que ela acaba de ser ultrapassada pela Amazon.

Como fazer registro de marcas?

O registro de marcas no Brasil é feito no INPI. Qualquer pessoa física ou jurídica que esteja exercendo atividade legalizada e efetiva pode requerer o registro de uma marca.

Se você tiver dificuldades para tocar o processo sozinho, busque ajuda profissional. O Sebrae é uma opção. Veja as etapas do registro:

1. Consulte as marcas já registradas

registro de marcas

Antes de qualquer ação para registro de marcas, é imprescindível passar pelo Sistema de busca de marcas do INPI. É lá que você vai descobrir se a marca que pretende registrar já foi registrada ou não. Tem prioridade a empresa que iniciar o processo primeiro.

2. Delimite o setor e a natureza da sua marca

Uma mesma marca pode ser registrada para diferentes segmentos de negócio. Por exemplo, uma marca de carro e outra de eletrodoméstico podem ter o mesmo nome. É preciso fazer a classificação de produtos ou serviços.

Para isso, identifique em qual tipo a sua marca se enquadra.

3. Faça o seu pedido de registro

registro de marcas

Você deve fazer o seu cadastro no INPI com o nome e endereço completos, natureza jurídica e e-mail. Em seguida, obtenha e pague a Guia de Recolhimento da União (GRU).

Depois, você deve decidir se enviará a solicitação online ou escrita e preencher o formulário corresponde. É um material extenso.

Se optar pelo processo online, lembre-se de fazer um download do recibo de protocolo. Imprima-o e guarde em local seguro. Nele estarão as informações como data, horário (que comprovarão prioridade, se for o caso) e número do pedido para que você possa monitorar o andamento do processo. Inclusive, saber se ele foi ou não publicado.

No caso do formulário impresso, ele deve ser apresentado em 2 vias originais, sem rasuras e assinadas pelo requerente. E devem ser anexados a ele todos os documentos exigidos e cópia da guia de recolhimento paga. O protocolo deve ser feito em uma das unidades do INPI. Você receberá uma etiqueta contendo o número do protocolo, local, data e hora do depósito e número do pedido (para acompanhamento).

O INPI disponibiliza informações detalhadas sobre o processo no seu Manual de Marcas do INPI.

4. Monitore

Pode acontecer do INPI solicitar mais informações ou documentos, então, esteja preparado para fornecedor tudo em tempo hábil. O acompanhamento do seu processo pode ser feito semanalmente, na Revista de Propriedade Industrial (RPI), utilizando o número do seu pedido.

5. Deferimento

Se tudo correr normalmente, sem oposições ou coincidências de marcas, por exemplo, o INPI julgará o seu registro de marca procedente. Nesse caso, existe um prazo de 60 dias para pagamento das taxas de proteção.

6. Direito de uso

Logo após o pagamento das taxas, o registro da marca é efetivado e passa a valer, assegurando os seus direitos de uso.

Qual a validade do registro de marca?

registro de marcas

No Brasil, registro de marcas tem validade por 10 anos, a partir da publicação da concessão do registro. E esse prazo pode ser prorrogado, protocolando o pedido no último ano de vigência do registro ou até seis meses após o término – Se esperar vencer, a taxa oficial sairá 50% mais cara.

Agora que você já tem as informações principais sobre registro de marcas, que tal conhecer as diferenças entre marcas e patentes. Apesar de serem duas coisas distintas, elas ainda causam muita confusão na cabeça das pessoas.

E a nossa dica de leitura hoje é sobre a “guerra” entre as duas mais poderosas marcas no mundo, atualmente: Apple e Google. Anote essa:

Briga de Cachorro Grande. Como a Apple e o Google foram à guerra e começaram uma revolução – Fred Vogelstein

registro de marcas

Para que pudesse haver os smartphones e tablets que todos nós compramos e encaramos como algo natural, houve gritos, berros, punhaladas pelas costas, tristeza, pânico e medo quanto ao que seria necessário para que esses projetos virassem realidade e chegassem às mãos dos consumidores.

O resumo dessa obra fantástica está disponível na 12MIN. Boa leitura!

Rescisão contratual: como calcular e quais os seus direitos

Independente se você é uma multinacional ou um microempreendedor individual, se tiver funcionários, precisa saber calcular a rescisão contratual. Esses valores representam hoje o maior problema relacionado a passivos trabalhistas. Um dado divulgado pela Justiça do Trabalho mostra que 30% dos casos que chegam ao órgão apontam erros no pagamento de direitos após demissão de funcionário.

A Reforma Trabalhista de 2017 trouxe algumas mudanças nesse processo e visa melhorar bastante o desligamento de profissionais e as negociações entre o empregado e a empresa. Por exemplo, as rescisões não precisam ser homologadas pelos sindicatos, podendo ser feita diretamente com os empregadores, agilizando o cálculo e o pagamento. A nova lei também permite que a empresa negocie os valores em alguns casos.

Por isso, entender o que é preciso pagar e quanto é preciso pagar desburocratiza bastante o processo e evita problemas judiciais no futuro. Neste post, ensinamos como fazer isso corretamente e sem muita dificuldade.

O que diz a lei

Rescisão Contratua

De acordo com o Artigo 477, da Lei 5452/43 da CLT, todo trabalhador tem direito a uma indenização no final do seu contrato, paga pelo empregador, desde que não haja motivo para cessação do vínculo empregatício. As verbas rescisórias que devem ser quitadas pela empresa, incluem os seguintes cálculos:

  • Saldo do salário do mês trabalhado;
  • Férias proporcionais;
  • Décimo terceiro proporcional;
  • Multa para o valor do FGTS;
  • Depósito do FGTS;
  • Aviso prévio;
  • Férias vencidas;
  • Saque do FGTS.

Dependendo do tipo de contrato e do motivo da demissão, os itens acima podem ser pagos ou não.

Como calcular a rescisão contratual

Rescisão Contratua

Levando em conta os itens citados no tópico anterior, vamos mostrar como você faz para calcular a rescisão contratual.

Saldo do salário do mês trabalhado

O saldo do salário inclui os valores que o empregado trabalhou no mês da demissão. A empresa pode programar a notificação da rescisão contratual, de forma que não haja esse saldo. Contudo, principalmente para grandes instituições, esse controle é quase impossível.

O cálculo é feito multiplicando o número de dias trabalhados naquele mês pelo valor da diária do funcionário. Deve-se sempre considerar o salário bruto (valor sem descontos) equivalente a 30 dias. Caso seja um salário variável – situações onde o trabalhador recebe por produção, por exemplo -, calcula-se uma média salarial dos últimos 6 meses.

Férias

Existem dois cálculos na rescisão contratual para as férias. O primeiro é para funcionários que têm férias vencidas, ou seja, aqueles que já completaram 1 ano que usufruíram desse benefício. O cálculo é feito de forma muito simples. Deve-se considerar o salário bruto e somar um terço desse valor.

Por exemplo, se o funcionário recebe R$ 1.200,00 de salário, um terço desse valor é R$ 400,00. A conta da rescisão contratual para férias seria 1200 + 400 = R$ 1.600,00 de férias vencidas.

Já se o trabalhador não completou 1 ano de empresa ou se não tem férias vencidas, basta fazer o cálculo proporcional desse ano, semelhante ao que mostramos com o salário, mas dessa vez considerando 12 meses.

Décimo Terceiro salário

O cálculo para rescisão contratual do Décimo Terceiro salário segue a mesma proporção das contas anteriores. Esse benefício é pago para aquelas pessoas que não foram demitidas por justa causa ou fizeram algum tipo de acordo com seus empregadores.

Cada mês trabalhado é o equivalente a 1/12 do Décimo Terceiro e, portanto, deve ser pago no momento da quebra de contrato. O empregador também deve incluir nesse valor o equivalente ao Aviso Prévio.

FGTS

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço representa três cálculos na rescisão contratual de um funcionário: a multa, o depósito e o saque. Cada um deles é feito de forma diferente e o seu pagamento varia de acordo com o tipo de demissão.

O valor do depósito do FGTS é de 8% sobre o Aviso Prévio – trabalhado ou indenizado -, o saldo do salário e o Décimo Terceiro. A multa do FGTS representa 40% do valor que a empresa deposito em seu tempo de serviço. Se houve acordo na demissão, o valor da multa pode cair para 20%.

Por último, o saque do FGTS, é o valor que o funcionário saca do seu Fundo de Garantia. Esse valor representa o montante de 80% do que está guardado quando o trabalhador fez acordo com a empresa.

É preciso lembrar que o FGTS é pago apenas em casos onde o funcionário não foi demitido por justa causa.

Aviso prévio

Rescisão Contratua

Há casos onde a empresa abre mão de o funcionário cumprir o Aviso Prévio e paga essa indenização. Essa situação também pode ocorrer quando é feito um acordo. O cálculo na hora da rescisão contratual é feito da mesma forma para quem tem menos e para quem tem mais de um ano na empresa.

A base para o cálculo do Aviso Prévio indenizado é sempre o último salário recebido por aquele funcionário. Sobre esse valor será acrescido todos os benefícios pagos pela empresa, além e horas extras, gratificações, bônus por desempenho, adicional noturno etc.

Então, o cálculo do Aviso Prévio é sempre o último salário do empregado, acrescido de qualquer benefício garantido.

Rescisão Contratual que não foi paga corretamente gera quais multas para a empresa?

Não podemos deixar de responder essa, que é uma das perguntas mais comuns sobre rescisão contratual. O não pagamento dos direitos previstos pela CLT gera certamente algumas multas para a empresa.

A primeira delas que citamos é a multa do Artigo 477, que prevê o pagamento de um salário do trabalhador, com as devidas correções. O artigo da CLT diz que a empresa precisa quitar seus débitos junto ao funcionário até o primeiro dia útil após o término do contrato de trabalho ou até 10 dias após a demissão, quando não há cumprimento do aviso prévio.

A segunda multa é referente ao Artigo 467, prevista caso o trabalhador entre com processo judicial para pagamentos atrasados dos benefícios da demissão. Esse valor compete a 50% do valor da rescisão.

É importante observar todos os valores que devem ser pagos na rescisão contratual e evitar essas e outras multas, além de encargos com processos judiciais.

Você ainda tem alguma dúvida sobre esses cálculos? Deixe seu comentário que ajudamos um pouco mais!