Como dormir bem, acabar com a insônia e realmente descansar

Você conhece boas práticas de como dormir bem? Uma noite sem descanso pode reduzir bastante sua produtividade durante o dia e até ser o início de um distúrbio mais sério.

Como dormir bem

Você tem dormido pouco ou mal ultimamente? Sabemos o quanto noites acumuladas se tornam incômodas e interferem no seu dia a dia. A sua produtividade no trabalho ou estudo é comprometida, o corpo fica mais cansado, seu metabolismo reduz, prejudicando também a digestão e, em casos mais graves, doenças de estômago ou dores constantes de cabeça comprometem a sua saúde.

Há, porém, uma rotina fervorosa entre os profissionais nos dias de hoje que faz com que a maioria não saiba como dormir bem. É cada vez mais comum levar tarefas do trabalho para casa, por exemplo, fazer horas extras em excesso, não manter uma dieta com alimentos saudáveis e tantos outros maus costumes que se tornaram normais.

Aquelas oito horas mínimas de sono tornaram-se um objetivo difícil para você também? Então o que acha de descobrir como dormir bem, sem grandes mudanças na sua rotina e evitar a insônia e tantos outros males?

Não há segredo e nem mágica. É apenas mudanças pequenas de hábitos que sequer pedirão mais do que você já faz no seu dia a dia. No final, você perceberá como há uma diferença grande na sua rotina e na sua saúde. Vamos aprender?

Apague a luz!

Como dormir bem

A luz do seu quarto deve ser uma amiga do seu sono e não o contrário. Se você é daquelas pessoas que não dormem no escuro de jeito nenhum, precisa escolher melhor a posição do abajur e a intensidade das lâmpadas que utiliza durante a noite.

Evite iluminar muito diretamente o espaço que compreende toda a sua visão enquanto está deitado. Sabe também aqueles abajures bonitinhos que circulam imagens relaxantes durante a noite inteira? Deixe-os apenas como enfeite do seu criado-mudo.

Outra dica é não deixar telas de computador, celular ou televisão ligados. Esses aparelhos possuem um tipo de luz que emite sinais para nosso cérebro e faz com que ele permaneça em atividade, em vez de descansar. O resultado é que você pode ter dormido a noite inteira – afinal o sono e um sinal de cansaço físico também -, mas pela manhã terá a sensação que o corpo não descansou. Isso já aconteceu alguma vez?

Deixe os estimulantes para o dia

Como dormir bem

Principalmente, quem precisou levar uma atividade extra do trabalho para casa. Tomar chá, café ou refrigerantes a base de cola, por exemplo, comprometem um pouco o seu sono. Eles são estimulantes e, muitas vezes, demoram horas para serem eliminados do nosso organismo.

O uso de estimulantes, como o Bulletproof Coffee por exemplo, é comum. Se você precisa de um pouco mais de energia, eles ajudam a ativar células do cérebro e melhoram bastante a concentração e você consegue render muito mais durante o dia. O problema está em tomá-los com menos de 5 horas antes de dormir. Como ainda haverá ativos em seu corpo, não há como dormir bem e relaxar completamente.

Alimente-se bem

Como dormir bem

Alimentar-se corretamente não é uma dica apenas para quem deseja saber como dormir bem. É preciso manter um cardápio saudável por ser indispensável para a sua saúde como um todo. Se você não tem hábitos saudáveis, a nossa primeira dica sobre essa questão é procurar um nutricionista ou eliminar, aos poucos, alimentos nocivos.

A lista acima inclui guloseimas, alimentos gordurosos, bebidas alcoólicas etc. Se quiser se alimentar antes de dormir, coma mais proteína magra e derivados com magnésio. Uma pesquisa feita pela NCBI e publicada pela Livraria de Medicina e Instituto Nacional de Saúde mostrou que o magnésio tem ativos que ajudam uma pessoa a dormir bem.

A Cleveland Clinic também publicou uma matéria falando sobre os 5 alimentos que ajudam você a dormir e, entre eles, está a proteína magra. Segundo o site, esses alimentos contêm triptofano, que é um aminoácido responsável por aumentar os níveis de serotonina em nosso corpo. E mais serotonina significa, mais sono tranquilo e relaxado!

Leia mais livros sobre como dormir bem

Como dormir bem

A leitura ajuda bastante quem quer descobrir como dormir melhor. Quando essa leitura ainda está relacionada ao problema que você tem no momento, melhor ainda!

Hoje é possível encontrar ótimas produções que falam mais sobre distúrbios do sono e mostram o que fazer para dormir bem.

O livro The Sleep Revolution, por exemplo, de Arianna Huffington, conta o que falamos no início do post. A rotina dos dias atuais compromete completamente as nossas noites de descanso. Ela fala que o planeta passa por uma crise mundial de privação do sono e que estamos perdendo o hábito de dormir bem.

Medite ou pratique Mindfulness

Como dormir bem

Os exercícios da técnica Mindfulness são ótimos para quem deseja ter noites de sono mais tranquilas. A meditação também faz toda diferença. Essas são duas técnicas que ajudam o corpo a ficar mais relaxado e dormir melhor.

Se está há mais de 30 minutos na cama e não conseguiu dormir, levante-se, tome um chá – de preferência de lavanda – e sente-se o mais confortável possível. Respire de uma maneira bem tranquila. Inspire pelo nariz e expire pela boca. Se você fizer isso dentro de uma repetição programada, perceberá que a mente pedirá descanso rapidamente.

O segredo está na sequência. Inspire pelo nariz contando mentalmente de 1 a 8. Prenda a sua respiração por 6 segundos e expire pela boca, também calmamente, contando até 7 (sempre mentalmente).

É importante também que, ao mesmo tempo que está praticando a respiração, tente eliminar todos os pensamentos mais acelerados ou estressantes da sua mente. Eles também bloqueiam o sono e prejudicam a sua noite. Você pode seguir com essa técnica mesmo naquele dia que o corpo parece mais cansado.

O que você achou das nossas dicas sobre como dormir bem? Ter o sono como aliado da produtividade é importante para seu sucesso profissional também, por isso, a mudança de estilo de vida é fundamental. Coma bem, durma bem e o resto vem!

 

PLR: como funciona essa remuneração? Vale realmente a pena?

A Participação nos Lucros e Resultados (PLR) vem sendo usada por muitas empresas como forma de engajar os funcionários no sucesso dos seus negócios. Mas essa estratégia funciona pra todo mundo?

Nesse post você vai conhecer um pouco mais sobre a PLR e, assim, poderá avaliar os pontos positivos e negativos desse benefício para a sua empresa e o seu pessoal. Vamos lá.

O que significa PLR

PLR

A Participação nos Lucros e Resultados (PLR) é uma espécie de bônus que as empresas pagam aos seus funcionários pelo bom desempenho e produtividade. Geralmente, é um item relevante da cesta de benefícios que a organização oferece.

A PLR funciona assim: quando as metas são atingidas e o resultado da empresa é alcançado, um percentual do lucro é distribuído entre os empregados.

Cada empresa tem seus próprios critérios e metas para o cálculo da PLR. É comum elas se basearem em execução de projetos, eficiência produtiva, prospecção de clientes, entre outros.

A forma de pagamento também varia de empresa por empresa. As formas mais usuais são:

  • pagamento em partes iguais para cada um, independente de cargo ou função;
  • pagamento de acordo com o salário e cargo do funcionário;
  • pagamento de uma parte igual para todos e outra parcela proporcional ao salário e cargo.

Amparo legal

PLR

A PLR é regulamentada pela Lei 10.101, de 2000. A legislação determina que os critérios de pagamento da PLR sejam definidos por uma comissão paritária composta por representantes da empresa e dos trabalhadores (Sindicato).

Essa comissão deve negociar e desenhar regras claras para a PLR. Precisa especificar as metas e os resultados esperados e quais os mecanismos de acompanhamento, a periodicidade dos pagamentos, o período de vigência, prazos para revisão do acordo etc.

Após consenso, as decisões da comissão devem fazer parte do Acordo Coletivo anual.

A lei não estabelece quais os critérios devem ser adotados. Essa é uma prerrogativa da comissão. O que se espera é que a distribuição dos lucros e resultados seja feita de forma justa. Até mesmo porque, se isso não acontecer, a PLR deixa de ser uma coisa boa para se transformar em uma grande dor de cabeça.

Definição das metas

As metas devem ser atingíveis, bem delineadas e mensuráveis. Elas podem ser individuais ou coletivas (por áreas). No primeiro caso, o reconhecimento é feito por meio de uma avaliação de desempenho. No segundo caso, é considerado o resultado da equipe.

Quem tem direito à PLR

PLR

Todo funcionário contratado pelo regime CLT tem direito à PLR, inclusive, os temporários e aqueles em período de experiência.

Funcionário afastado por acidente, licença maternidade ou por doença não tem direito à PLR. Isso porque a lei considera que ele não participou para o alcance dos resultados e lucros para a empresa.

Funcionário demitido tem direito à  PLR proporcional ao tempo em que trabalhou na empresa, no período de apuração dos lucros e resultados. Nesse caso, porém, ele somente receberá o dinheiro na rescisão do contrato se isso coincidir com o fechamento do balanço. Caso contrário, o pagamento será feito mais adiante, junto com os demais funcionários.

Nada, portanto, impede que a empresa estenda o benefício para os funcionários não registrados e os afastados, desde que essa decisão seja negociada na comissão e conste no Acordo Coletivo.

PRL é obrigatória?

Apesar de regulamentada por lei, o pagamento da PLR é facultativo. Ou seja, empresa alguma é obrigada a repartir lucros e resultados com seus funcionário. No entanto, uma vez que optar por oferecer esse benefício, a empresa deve seguir todas as regras previstas na Lei 10.101.

Principais vantagens

  • Não existe incidência de encargos trabalhistas (décimo terceiro, FGTS, férias, entre outros) ou previdenciários. Com isso, pode-se aumentar a competitividade pela remuneração, sem comprometer muito o orçamento.
  • Mantém os custos fixos da empresa controlados, porque a PLR é paga somente quando as metas são alcançadas.
  • Gera motivação, engajamento e satisfação dos funcionários e, consequentemente, otimização dos resultados.
  • A PLR contribui para envolver os funcionários na política de crescimento e aumento de lucros da empresa.

Os pontos de atenção

PLR

Como a PLR é um programa que premia o reconhecimento por mérito (meritocracia), ela pode provocar uma competição acirrada entre os funcionários, com prejuízos para o trabalho em equipe ou para a integração das diferentes áreas.

Se isso ocorrer, o clima organizacional fica comprometido e, ao invés de ter uma equipe motivada, você terá um monte de gente trabalhando insatisfeita. Sem contar, que algumas pessoas podem exagerar na “dedicação”, abusando das horas-extras e, portanto, elevando, inclusive, a possibilidade de um acidente de trabalho.

Uma dica dos especialistas é ficar atento a todas essas questões e conciliar outros tipos de recompensas pessoais e por equipe ao longo do ano. Isso pode ser um elogio, um curso, uma viagem etc.

Quando é feito o pagamento da PLR?

A lei não fixa datas, mas estipula que não podem ocorrer pagamentos em período inferior a seis meses. Ou seja, fica limitado ao máximo de duas vezes ao ano. O objetivo do governo com essa iniciativa é impedir que as empresas paguem salários por meio da PLR.

A comissão paritária tem autonomia para negociar esse item, obedecendo a regras legais. A maioria das empresas distribuiu os lucros e resultados uma vez, geralmente, no início do ano.

A PLR pode ser cancelada?

PLR

PLR significa distribuição de lucros e resultados. E se não existe lucro e não se cumpriu as metas, não tem o que pagar. Então, esse benefício pode ser extinto sim, desde que essa possibilidade tenha sido acordada entre os integrantes da comissão paritária.

Os especialistas alertam que cortar a PLR como medida punitiva ao funcionário é considerada uma atitude arbitrária. Para não pagar, a empresa precisa provar que de fato não teve lucro.

Todos os dados da empresa estão no seu balanço e é lá que o Sindicato pode verificar a veracidade ou não das informações sobre os lucros e resultados.

Opções

PLR

A PLR funciona bem para muitas empresas, mas outras preferem lançar mão de diferentes formas de remuneração variável, como stock options (opção de compra de ações preferenciais da empresa em primeira mão), PPR (Programa de Participação nos Resultados), prêmios, gratificações etc.

Agora, é com você. Avalie se a PLR é uma ótima opção para motivar e engajar as suas equipes nas metas corporativas.

Inspire-se

Que tal conhecer a história de sucesso de grandes empreendedores e aprender um pouco mais com cada um deles. A equipe da 12 MIN selecionou uma obra que é uma verdadeira aula de como obter sucesso.

Sonho Grande – Cristiane Correa

PLR

Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira revolucionaram o capitalismo brasileiro e conquistaram o mundo. Os três criaram uma fórmula vencedora de gestão baseada em meritocracia, simplicidade e redução de custos.

Boa leitura!

Se você gostou desse post, deixe aqui o seu comentário e compartilhe as informações com os seus amigos.

A Arte de Fazer Acontecer: conheça o método GTD

Você precisa organizar sua vida, priorizar tarefas e aumentar a produtividade? Getting Things Done (GTD) é a chave para resolver os seus problemas e o livro “A Arte de Fazer Acontecer” vai ensiná-lo como tirar o melhor proveito desse método que tem levado muita gente ao sucesso.

A arte de fazer acontecer

Por meio do GTD, você gastará menos tempo fazendo coisas que precisam ser feitas, para usar as suas preciosas horas com aquilo que deseja realizar. Mas nem tudo são flores. Apesar de valiosa, a ferramenta carrega a fama de ser difícil de ser usada.

Nesse post, vamos falar mais sobre o GTD, com algumas dicas práticas de como aplicá-lo no seu cotidiano. Tudo isso com base no trabalho de David Allen, detalhado no  livro “A Arte de Fazer Acontecer”.

A arte de fazer acontecer e os circuitos abertos

David Allen descreve circuitos abertos como “qualquer coisa atraindo a nossa atenção que não está no seu devido lugar do jeito que está”. Podem ser coisas complexas, como uma meta de “acabar com a fome na África”, ou tão pequenas quanto “colocar um envelope no correio”.

De acordo com “A Arte de Fazer Acontecer”, cada circuito aberto deve ter um lugar próprio, organizado e arquivado. Tudo de maneira que você possa tirá-los da cabeça temporariamente e acessá-los facilmente, quando precisar deles.

A questão principal é que nem sempre as pessoas estão preparadas para controlar os seus circuitos abertos de maneira eficiente.

Deixando as coisas prontas

A arte de fazer acontecer

Foi para ajudar você a lidar com os seus circuitos abertos que Allen criou o GTD – Getting Things Done (“deixando as coisas prontas” ou “concluindo tarefas”).

O método ajuda a pessoa a manter o foco na tarefa atual, eliminando as distrações, que consomem tempo, energia e sugam a produtividade.

Em síntese, GTD é um jeito para organizar e gerenciar suas metas, prioridades e a agenda. E uma das principais vantagens é a facilidade de visualização de tudo o que precisa ser realizado no momento e do que vem pela frente.

Que ferramenta usar

Para aplicar o método GTD, você precisa de uma ferramenta. Ela nada mais é do que o local onde você organizará as suas tarefas, ideias, responsabilidades, planos, enfim, todas as coisas que você não pode esquecer e que estão tirando a sua atenção.

É possível que você já tenha um aplicativo, um bloco de notas ou qualquer outro instrumento para se organizar. Com o GTD, você usará tudo isso de forma mais eficiente.

Não precisa pensar em nada sofisticado. Se você não é familiarizado com aplicativos, não tem problema. Use papel e caneta – post-it notes, bloquinhos, cadernos ou um quadro.

É claro que existem também ferramentas de produtividade online, como Evernote. Você pode usar até mesmo o Inbox, do Google.

O importante é que você faça a opção pelo que melhor lhe atende. O autor do livro “A Arte de Fazer Acontecer”, por exemplo, usa apenas papel e caneta. Ele tem sempre à mão blocos para anotar ideias e comentários, tirando tudo da cabeça.

As etapas do GTD

O método GTD é quebrado em etapas e você deve seguir todas elas para ter sucesso no seu objetivo. Veja como fazer isso corretamente:

ETAPA 1 – CAPTURANDO AS INFORMAÇÕES  

  • Reúna todas as tarefas ou ideias que estão tirando seu foco em uma lista. Para isso, use a ferramenta que você escolheu.
  • As tarefas são as suas atividades do cotidiano e solicitações de colegas de trabalho, amigos e familiares.
  • Toda tarefa planejada deve ir para a sua lista imediatamente e, assim, sair da sua cabeça. Se estiver anotado e de fácil acesso, você não precisará ficar “martelando” o assunto ou gastando energia mais tarde para se lembrar de tudo.
  • A lista precisa ser revisitada constantemente. Tarefas cancelas ou concluídas devem ser apagadas.

ETAPA 2: PROCESSANDO AS INFORMAÇÕES

Por mais que você se esforce, não conseguirá finalizar todas as tarefas e fechar completamente os seus circuitos. Sempre chegarão novas demandas. Você deve estar se perguntando: como fazer então para manter a lista vazia?

Existe um processo simples de limpeza, descrito em “A Arte de Fazer Acontecer” que, segundo o autor, é extremamente eficiente e manterá sua vida em ordem. Siga os passos abaixo:

Passo 1

  • Antes de começar uma nova tarefa, é necessário identificar os itens contidos nela e fazer uma análise criteriosa de cada um. Pergunte-se: o que é isso?
  • Entender o que cada tarefa representa vai ajudá-lo a decidir quais delas são prioritárias para fechar o circuito aberto.

Passo 2

  • Pergunte-se: eu preciso fazer algo com relação a isso? Considere que nem todas as tarefas necessitam ser realizadas. Ou você pode não ser a pessoa ideal para executá-las.
  • Se você perceber que não precisa tomar providência alguma, arquive a tarefa na lixeira. Lá, escolha uma das seguintes opções: “um dia / talvez” ou “referência”.
  • Se a tarefa requer sua atenção, porém, não agora, coloque-a numa lista para ser revisitada no futuro. Use lembrete, inclusive, o automático da sua agenda, com a data de quando a ação precisa ser realizada.
  • Você resolveu o item? Então, pode removê-lo do seu sistema de coleta e fechar (ainda que temporariamente, no caso da atenção futura) o circuito aberto.
  • Se sua lista só possui tarefas que requerem atenção imediata, é hora de ir para o próximo passo.

Passo 3

A arte de fazer acontecer

  • O objetivo aqui é priorizar as atividades e colocar o foco nelas. Pergunte-se: de tudo que tenho na lista, qual é a próxima atividade que devo executar?
  • Se for uma tarefa simples, vá direto para o próximo passo.
  • Em caso de tarefas complexas, geralmente é preciso realizar várias pequenas atividades para se chegar ao objetivo final. Nesses casos, você precisa adicioná-las à uma nova lista chamada “Projetos”.
  • Na lista “Projetos”, quebre a sua tarefa em subtarefas e volte com os mais importantes para a sua lista principal.
  • “A Arte de Fazer Acontecer” reforça que a lista “Projetos” é o consolidado de todos os circuitos abertos que exigem a conclusão de mais de uma tarefa. Veja um exemplo para o projeto “Alugar um apartamento”. Os subitens poderiam ser: “Visitar imobiliárias” / “Escolher apartamentos para visitar” / “Visitar Apartamentos” / “Fazer uma oferta à imobiliária” etc.
  • Se surgirem novas tarefas, como “Encontrar fiador para contrato”, adicione-as à lista do projeto.
  • Concluiu todas as subtarefas? Retire o projeto da lista.

Passo 4

  • Trabalhe em tarefas pequenas, aquelas que podem ser concluídas muito rapidamente. Exemplos: responder uma dúvida de um colega de trabalho, preencher um formulário de pesquisa curto; agendar uma reunião…

Passo 5

  • Delegue o que não lhe compete. Avalie se você é a melhor pessoa para realizar a atividade ou se ela pode ser passada adiante.
  • Atenção: delegar não significa “colocar o abacaxi” nas mãos do outro e esquecer do problema. Nada disso. Você tem que monitorar. Então, agende uma data para checar o progresso da tarefa.
  • Se você optou por executar a tarefa, “A Arte de Fazer Acontecer” orienta colocá-la na sua lista de próximas ações, que é um planejamento pontual. Ele deve ser fechado no início do dia, para que você consiga ser produtivo e fazer o máximo possível.

Passo 6

  • Organize sua lista de próximas ações e volte nela com frequência.
  • As duas formas mais comuns de organizá-la são por contexto e por prioridade.
  • Para organizar por contexto, pergunte-se: onde eu preciso estar para realizar essa tarefa? Pode ser um local físico, como o escritório, sua casa ou o supermercado… Ou pode ser, por exemplo, um horário fixo na agenda, de 8 às 9 da manhã, chamado “Reuniões Internas”. Para cada contexto, crie uma lista de tarefas.
  • Para uma organização por prioridade, pergunte-se: considerando o meu contexto, tempo e energia disponíveis, o que vai me recompensar mais?
    • É importante considerar as tarefas de acordo com seus objetivos em longo prazo.
    • Conheça a Matriz Eisenhower de priorização, que é baseada na urgência e importância das tarefas.

ETAPA 3: EXECUTANDO

Agora que já criou sua lista de próximas ações e as organizou por contexto e prioridade, você está pronto para começar a trabalhar. De acordo com o livro “A Arte de Fazer Acontecer”, você deve:

  • Ficar atento às tarefas marcadas para serem monitoradas (passo 5), porque elas aparecerão em sua agenda. Então, planeje tempo para esse item.
  • Colocar na lista de circuitos abertos, na fase de execução, toda nova tarefa que possa distraí-lo. Reveja essas tarefas posteriormente.

ETAPA 4: ANALISANDO E REVISANDO A ROTINA     

Como priorizar, quanto tudo é prioritário? Muitas vezes, priorizar tarefas pode ser um trabalho muito, mas muito difícil, quando todos os itens da lista parecem ser importantes.

Quando você perceber que sua lista está engordando demais com pequenas tarefas, muitas categorias, prioridades e funções em excesso, é hora de rever os limites e partir para a revisão.

“A Arte de Fazer Acontecer” chama a sua atenção para a necessidade de revisão constante das listas. Existem três revisões essenciais, que devem se tornar hábitos. São elas:

  1. Revisão de contexto, sempre que houver algo novo, verificando a lista de próximas ações. Isso cria o hábito de trabalhar em suas prioridades.
  2. Revisão diária, pelas manhãs, verificando as tarefas que precisam ser executadas nas próximas 24 horas. Faça ajustes, se necessário. Cinco minutos são suficientes.
  3. Revisão semanal da lista de próximas ações e dos circuitos abertos. Aqui, você pode dedicar um pouco mais de tempo – entre 30 minutos e 1h, semanalmente. É o momento de uma avaliação mais detalhada, procurando por qualquer coisa que tenha sido esquecida ou negligenciada.

Mudança de hábito

A arte de fazer acontecer

É essencial aprender a usar o GTD, como ensina o livro “A Arte de Fazer Acontecer”. Mas você deve estar preparado para mudar hábitos do seu cotidiano. Criar novos hábitos é, talvez, a maior barreira para o sucesso desse método de produtividade.

A dica é começar devagar. Dê a largada com passos curtos, mudando um hábito de cada vez. Combata a procrastinação e coloque na sua cabeça que a atividade que você está fazendo no momento, ou que deveria estar executando, é essencial para o seu sucesso.

Como já foi mencionado, escolher uma ferramenta amigável, com a qual você já esteja familiarizado, também ajudará nesses primeiros momentos de adaptação ao novo sistema de GTD.

Se você prefere usar um aplicativo, são muitas as opções disponíveis, focadas em aumentar a produtividade. Você pode contar ainda com o Evernote, que é muito procurado, o Springpad e o Microsoft OneNote – todos multifuncionais e que combinam bem com o GTD.

Entre os aplicativos mais simples, você pode optar pelo GQueues e  Doit.im, ambos compatíveis com Android / iOS / Web, ou qualquer aplicativo de tarefas e notas.

O que não é permitido é ficar parado, vendo a desorganização e a procrastinação consumir o seu tempo e jogando a produtividade ladeira abaixo. E, claro, impedindo você de alcançar o sucesso.

Mãos à obra!

Leia mais

Se você gostou desse post, temos uma boa notícia. O resumo do livro “A Arte de Fazer Acontecer” já está na plataforma 12 Min, em forma de microbook e audio book.

No 12 Min você tem outras obras tão legais como essa. Quer algumas dicas? Anote aí:

O Poder do HábitoCharles Duhhigg

Entender os nossos hábitos é o primeiro passo para sermos capazes de transformar nossas vidas, ampliar a produtividade e os resultados nos negócios.

A arte de fazer acontecer

Foco – Daniel Goleman

A arte de fazer acontecer

Foco é uma habilidade essencial para ser bem-sucedido, produtivo e ter relacionamentos pessoais e profissionais duradouros.

Boa leitura!

O que é brainstorming e como chegar a essa tempestade de ideias

Está difícil resolver um problema? Ou você precisa de criatividade para iniciar um projeto? Em qualquer situação, saber o que é brainstorming e como aproveitar todos os benefícios dessa ferramenta pode inundar a sua mesa de ideias criativas.

Essa criatividade vem das pessoas que usam todo o seu talento e conhecimento para colaborar. Mas não basta saber o que é brainstorming. Existem técnicas para que se possa explorar o máximo de cada participante, tornando a reunião realmente produtiva.

Venha com a gente e aprenda um pouco mais sobre o que significa brainstorming e como fazer as ideias criativas da sua equipe fluírem a favor do negócio.

O que é brainstorming?

Por décadas, as pessoas recorrem ao brainstorming para estimular a criatividade e gerar ideias. Mas, talvez você ainda esteja se perguntando: afinal o que é brainstorming?

Brainstorming é uma técnica (geralmente, uma dinâmica de grupo) que associa uma abordagem descontraída e informal das pessoas para a solução de problemas. Ela encoraja os participantes a pensarem livremente em ideias sobre uma determinada situação, sem qualquer tipo de julgamento.

No brainstorming, não existe ideia boba, atrasada, engraçada, ruim ou inconveniente. Toda ideia é bem-vinda e tudo o que vem à cabeça deve ser colocado sobre a mesa.

Desta forma, durante a reunião, não se deve criticar, nem tão pouco recompensar ideias. Isso porque, qualquer tipo de avaliação nessa etapa do processo pode funcionar como barreira para a criatividade.

Por que o brainstorming é eficaz?

A formalidade do local de trabalho pode limitar a criatividade. Por outro lado, o brainstorming proporciona um ambiente livre e alegre que estimula a união e participação de um grupo diversificado, enriquecendo assim as ideias geradas.

Outro ponto positivo do brainstorming é o engajamento do time. Como as pessoas participam da solução do problema, elas geralmente se comprometem mais com o resultado.

Portanto, para que o seu brainstorming não se resuma a um amontoado de gente, sem criatividade, é essencial manter esse ambiente descontraído e livre de qualquer tipo de censura e julgamento.

Brainstorming coletivo ou individual?

O que é brainstorming

Ao contrário do que muita gente pensa, um brainstorming não se limita apenas ao trabalho em grupo. Pode ser realizado, também, individualmente. Em determinadas situações ou para algumas pessoas, é esse o modelo mais produtivo.

Mas, o que é brainstorming individual e quando deve ser usado? Como o próprio nome diz, trata-se de trabalhar sozinho, colocando a criatividade pra funcionar, sem se preocupar com a opinião de outros ou nenhum tipo de bloqueio. É mais eficaz quando se busca resolver problemas simples.

Um ponto negativo do brainstorming individual é que, quando se trabalha sozinho, perde-se a chance de debater e até mesmo de se inspirar nas ideias do grupo.

Dicas de como fazer um brainstorming em grupo

Como já mencionamos, saber o que é brainstorming é o primeiro passo, mas não o suficiente. O resultado positivo dependerá da preparação da equipe e de outras ações. Veja como fazer:

ETAPA 1 – PREPARAÇÃO

O que é brainstorming

1.1 Prepare o ambiente

O ambiente da reunião deve ser um aliado do grupo na geração de ideias. Assim, o brainstorming deve acontecer em um local agradável, confortável, bem iluminado e com temperatura adequada. Garanta que você tenha todas as ferramentas e recursos necessários para conduzir os trabalhos.

1.2. Defina quem serão os participantes

Colocar frente a frente várias pessoas que pensam do mesmo jeito, provavelmente, não resultará e ideias criativas e originais. O ideal é montar um grupo diversificado, com gente de várias áreas, com conhecimentos, habilidades e pensamentos diferentes.

1.3. Prepare sua equipe

O fato do ambiente ser descontraído e não haver barreiras para a criatividade não significa que os participantes não devam ser preparados. Não é assim que funciona. As pessoas devem receber alguma informação sobre o objetivo do encontro. No entanto, não exagere, porque o excesso de informações pode bloquear a criatividade.

ETAPA 2 – CONDUÇÃO DO BRAINSTORMING

2.1. O problema

Os participantes já têm uma noção do papel de cada um. Fale com eles sobre o problema a ser resolvido e deixe claro que o objetivo é levantar o máximo de ideias possíveis. E apresente as regras do jogo.

2.2. Deixe a chuva cair

Reserve tempo para que as pessoas escrevam tudo o que vem à cabeça. Permita que elas soltem a imaginação. Se alguém precisar andar ou sentar em outro local, não tem problema.

ETAPA 3 – DISCUSSÕES

O que é brainstorming

3.1 Eleja a pessoa que vai anotar as ideias

Defina uma pessoa para anotar as ideias apresentadas pelo grupo. Use flip chat ou um quadro para colocar tudo em local visível.

3.2 Apresentação das ideias

Peça que todos compartilhem suas ideias, dando a cada um a oportunidade de colaborar. Lembre-se da regra de ouro de um brainstorming: nada de julgamentos ou censuras. Tudo o que for apresentado é importante.

3.3 Debate

Depois que todos compartilharem suas ideias, inicie uma discussão com o grupo para se desenvolver novas ideias em cima do que foi apresentado. Uma coisa que alguém disse pode inspirar outro integrante, criando-se assim uma boa ideia. Essa é uma etapa valiosa.

Um ponto de atenção: apesar de ser uma reunião de trabalho, permita um ambiente informal e descontraído.

A hora da decisão

Nenhuma decisão será tomada numa sessão de brainstorming. As ideias apresentadas serão classificadas. Essa não é uma tarefa fácil, mas existem ferramentas específicas que ajudam nesse trabalho. Por exemplo:

  • Diagramas de Afinidades – para organizar idéias em temas comuns.
  • Análise da Matriz de Decisão e Análise da Comparação Pareada – ajudam a escolher entre diferentes opções.
  • Seis Chapéus do Pensamento – para analisar idéias de diferentes perspectivas.
  • Contagem de Borda Modificada – para escolher entre as opções, especialmente quando as diferenças são bastante subjetivas.

Fui convidado para um brainstorming. E agora?

O que é brainstorming

É claro que todo mundo quer dar o melhor numa sessão de brainstorming. E isso pode gerar ansiedade em algumas pessoas. Então, se você quer ficar bem na fita, que tal de preparar para esse momento? Veja o que você pode fazer:

  • Entenda o que é brainstorming e como essa ferramenta funciona.
  • Lembre- se: se você foi convidado, é porque tem algo a contribuir. Você já provou isso antes, então, apenas esteja disposto a dar o seu melhor. Você não está indo para uma entrevista de emprego e nem para uma competição de quem sabe mais.
  • Se você se sentir mais confortável, faça um pequeno brainstorming individual. Busque inspiração – que tal pesquisar um pouco sobre o que vem sendo feito em outras organizações? Use o amigo Google nessas buscas. Alguma coisa que você fez no passado pode ser útil de novo? Mas saiba que isso não é realmente necessário. Cuidado para que o excesso de informação não bloqueie a sua criatividade.

Você curtiu esse post? Quer saber mais sobre como despertar a sua criatividade? A equipe da 12 Min tem uma sugestão de leitura fantástica.

Criatividade S/A – Ed Catmull

O que é brainstorming

Esse é manual para desenvolver a criatividade e originalidade e um acesso à mente do criador dos Estúdios Pixar. Um livro sobre como construir e desenvolver uma cultura de criatividade e também uma coleção de ideias sobre como despertar e manter sua criatividade e de sua equipe e vencer os problemas advindos da falta dela.

Boa leitura!

 

Como ser mais comunicativo no trabalho?

Habilidade de comunicação é uma qualidade valiosíssima no ambiente empresarial, seja você um funcionário, líder ou o dono do empreendimento. Você precisa saber se expressar e se relacionar com as pessoas. Mas como ser mais comunicativo no trabalho sem exagerar na dose?

Essa é uma questão importante, porque muita gente confunde ser comunicativo com ser um tagarela. No trabalho, a ideia não é sair falando pelos cotovelos. Se você fizer isso, vai perder pontos ou invés de somá-los.

O que é ser comunicativo

Comunicativa é aquela pessoa que tem convicção e transmite entusiasmo e confiança quando se relaciona com as pessoas. As mensagens são emitidas de forma eficaz e persuasiva.

O comunicativo geralmente é extrovertido, sabe conversar sobre vários assuntos e tem o dom de atrair a atenção das demais pessoas ao seu redor. Ele contagia e passa segurança.

No entanto, a boa comunicação não se resume às habilidades de usar as palavras. A pessoa comunicativa desenvolve, simultaneamente, uma excelente comunicação não verbal. Ela transmite suas mensagens, também, pelo tom de voz, movimento dos olhos, postura, gestos…

Por tudo isso, na maioria das vezes, as pessoas que se comunicam bem andam sempre de mãos dadas com o sucesso.

Estou fadado ao fracasso?

Se você ainda não se encaixa nesse perfil do comunicativo nota 10, não se desespere. Isso não significa que você fracassou e seu mundo está perdido. Nada disso. Certamente, você tem outras habilidades e competências também essenciais para a organização.

Outra boa notícia é que tudo o que falta para você ser um bom comunicador pode ser adquirido a qualquer momento e aplicado no ambiente de trabalho, em casa, na comunidade… Você só precisa querer e correr atrás.

Características de uma pessoa comunicativa

Como ser mais comunicativo

Se você quer realmente saber como ser uma pessoa mais comunicativa, precisa conhecer as características especiais dessas pessoas, entre elas:

  1. Gostam de fazer amigos e têm prazer de estar entre eles.
  2. São espontâneas, passam energia e não têm medo de parecerem ridículas perante os outros.
  3. Acreditam de fato no que falam – transmitem convicção.
  4. Controlam suas emoções e não saem descontando sua raiva ou decepção nos outros e nem deixam que isso afete a eficácia da comunicação.
  5. Sabem usar a comunicação não verbal a favor delas.

8 dicas de como ser mais comunicativo

Além de desenvolver os comportamentos citados acima, você pode se empenhar ainda mais. Veja as dicas de como ser mais comunicativo no trabalho para cair nas graças dos colegas e do chefe também:

Seja bem informado

Como ser mais comunicativo

Não adianta nada você saber se expressar bem mas não ter o que falar. Então, busque se informar, acompanhe as notícias relevantes, atuais e aquelas que impactam o negócio da sua empresa. Fique por dentro, também, dos assuntos que estão na boca do povo. Se você mostrar que tem conteúdo, vai atrair pessoas para um diálogo. E cuidado com o vocabulário: fuja das gírias, palavrões e piadinhas ofensivas ou constrangedoras.

Abra a guarda

Drible a timidez e permita que os colegas se aproximem de você. Procure participar de trabalhos em equipe. O relacionamento entre pessoas que trabalham juntas geralmente leva a relações sociais, como um happy hour ou mesmo uma roda de conversas nos intervalos. Se você tem dificuldades nesse aspecto, apele para atividades extra-empresa que possam ajudá-lo a se soltar, como dança, teatro, atividades físicas e até mesmo uma terapia. O importante é aumentar a sua autoestima e autoconfiança.

Aprenda a ouvir

Como ser mais comunicativo

A comunicação é uma via de mão dupla. O fato de ser um bom comunicador não significa que só você terá voz. O ideal é abrir oportunidades para troca de ideias e experiências. É importante que todos possam opinar e você deve prestar atenção real no que está sendo dito. Mostre interesse e tenha paciência para esperar a sua vez de falar.

Busque ajuda

Buscar apoio não torna ninguém inferior aos demais. Pelo contrário, demonstrar curiosidade e interesse no aprendizado e desenvolvimento profissional é uma atitude valiosa. Então, não se envergonhe de procurar um colega ou chefe para pedir ajuda.

Seja solícito

Como ser mais comunicativo

Esteja preparado também para o caminho inverso, que é ajudar o colega que estiver precisando. As pessoas se abrem mais com quem se mostra solícito e ficam mais predispostas a iniciarem conversas. Essa atitude lhe dará mais visibilidade na equipe e atrairá as pessoas até você.

Foque no positivo

Reclamar de tudo e de todos, apontar pontos negativos do colegas, criticar o chefe e a empresa… nada disso vai ajudar você. Pelo contrário, o transformará no chato da equipe e afastará as pessoas. Então, deixe o pessimismo em casa e aposte em assuntos agradáveis. Seja simpático e bem-humorado. Desta forma, as pessoas terão prazer em estar ao seu lado.

Aceite as diferenças

Como ser mais comunicativo

Nem todo mundo é igual ou pensa da mesma forma. Os valores e os interesses são diferentes. Respeite isso e não trate as divergências de pensamento como uma questão pessoal. Caso você discorde da opinião do grupo, diga isso de modo gentil. Você pode, inclusive, descobrir que é você quem precisa rever seus conceitos ou mudar o posicionamento sobre um determinado assunto.

Fuja das fofocas

Como ser mais comunicativo

Ser uma pessoa comunicativa não é falar da vida dos outros. Isso é fofoca. E é extremamente prejudicial para o clima entre a equipe. Fofoca gera desconfiança, atritos entre as pessoas e desmotivação. Então, seja discreto em relação ao que você vê e ouve. Muitas vezes, manter a boca fechada é uma excelente estratégia de como ser mais comunicativo no trabalho.

Dica de leitura

Se estar informado é uma das características da pessoa comunicativa, você pode fazer dos livros um forte aliado seu. Neles, você aprende de tudo. Ah, você não tem muito tempo? Ok. Você não é o único.

Pensando nessa galera que adora ler e não tem muito tempo, a plataforma 12Min disponibiliza o resumo das obras mais valiosas para serem lidas em apenas 12 minutos. Existe a versão em audio book também, para você ouvir onde quiser.

E dentro do tema desse post, a equipe da 12MIN tem um sugestão de leitura imperdível pra você.

Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas – Dale Carnegie

Como ser mais comunicativo

Uma obra espetacular e obrigatória para se desenvolver as habilidades de relacionamentos, sejam eles pessoais ou profissionais. Os conselhos, métodos e as ideias de Dale Carnegie já beneficiaram milhões de pessoas e permanecem completamente atuais.

Você curtiu as nossas dicas de como ser mais comunicativo no trabalho? Coloque-as em prática e aproveite ao máximo os ensinamentos de Carnegie

Descubra a Matriz de Eisenhower e organize-se melhor

Se você precisa melhorar a sua capacidade de decisão, não perca tempo. Vá direto para a Matriz de Eisenhower. Essa metodologia, extremamente eficaz, ajuda a dispersar as nuvens no meio do percurso, permitindo uma visão clara do que é mais importante. Assim, é possível tirar do caminho tudo o que não é relevante para se alcançar um objetivo.

Mas o que é a Matriz de Eisenhower

Matriz de Eisenhower

A Matriz de Eisenhower é uma ferramenta de gerenciamento do tempo, que ajuda a priorizar a sua lista de tarefas de maneira fácil e eficaz. Com ela, você garante que o mais importante não será prejudicado pelas questões inesperadas e urgentes.

Para isso, basta priorizar suas tarefas dentro de cada quadrante para saber onde, quando e quanto tempo demandará cada atividade.

Como é a estrutura da Matriz de Eisenhower

Tudo o que você tem que fazer em sua vida se encaixa em um dos quadrantes da  Matriz de Eisenhower. É uma metodologia simples de ser usada. Conheça os quadrantes:

  • Quadrante 1: tarefas urgentes e importantes – Faça agora
  • Quadrante 2: tarefas não urgentes, mas importantes – Planeje e Agende
  • Quadrante 3: tarefas urgentes e não importantes – Delegue
  • Quadrante 4: tarefas não urgentes e não importantes – Elimine

Nesse post, vamos detalhar um pouco mais cada um desses quadrantes, para que você aprenda de fato a tirar proveito dessa matriz de priorização.

Uma característica interessante da Matriz de Eisenhower é que ela pode ser usada de maneira ampla, por exemplo, definindo as prioridade maiores, mas, também, para os planos diários ou menores.

Urgente versus importante

“O que é importante raramente é urgente, e o que é urgente raramente é importante”. Como presidente dos Estados Unidos, Dwight D. Eisenhower, conhecia bem as limitações de tempo. Ele usou isso a seu favor. Faça o mesmo.

Urgentes são as coisas que geram necessidade de resposta, como telefonemas, notícias, e-mails etc. Já as tarefas importantes são aquelas que contribuem para os seus valores, missão e visão em longo prazo.

Parece simples, mas quando se trata do cotidiano, com o monte de atribuições que caem sobre a nossa cabeça, aí fica um pouco mais difícil separar as coisas. É então que entra em campo a Matriz de Eisenhower, com uma estrutura que nos permite tomar decisões assertivas a todo instante.

Quadrante 1 – Urgente e importante

Matriz de Eisenhower

Aqui, estão as tarefas que devem ser feitas imediatamente. 

Em prol da produtividade, pergunte a si mesmo se não está puxando muita coisa para o seu lado, com a finalidade de parecer mais valioso aos olhos da organização e se não está assumindo mais do que é possível. Muitas vezes, o equilíbrio entre o quadrante 1 e 2 é a melhor solução.

Se você usar corretamente a Matriz de Eisenhower, poderá descobrir que muita tarefa urgente não é mais tão urgente e elas podem ser colocadas em segundo ou terceiro plano. Com organização e planejamento do seu tempo, você não terá que fazer nada de última hora.

Quadrante 2: Importante e não urgente

Matriz de Eisenhower

Aqui devem ser colocadas todas as tarefas que você acha que deveria estar fazendo, mas, como elas nunca são urgentes, geralmente ficam esquecidas. São as atividades que geram felicidade, satisfação e sucesso e que, portanto, são importantes para uma pessoa.

O problema é que na hora de priorizar tarefas, nunca sobra tempo para essas atividades. Isso ocorre porque a maioria da pessoas não tem um propósito de vida definido ou porque todas as outras coisas parecem ser mais importantes.

A nossa tendência é desviar a atenção para as coisas urgentes. Mas essas tarefas importantes da vida não podem ser adiadas eternamente. Portanto, decida quando. Uma sugestão é encaixar algumas delas na rotina matinal, assegurando-se de que elas serão executadas antes que o dia fique sobrecarregado demais.

Quadrante 3: Urgente e não importante

Matriz de Eisenhower

É hora de delegar para outras pessoas. Esse quadrante trata de tarefas como atender telefone, responder e-mails e mensagens imediatamente etc. Elas não produzem resultado mensurável e funcionam como distrações que prejudicam a produtividade.

Em outras palavras, são tarefas que precisam de sua atenção agora, mas que não contribuem para atingir suas metas de longo prazo.

Então, ao invés de ficar apagando pequenos incêndios a todo instante, capacite sua equipe, dando-lhe oportunidades de tomar decisões sobre pequenas tarefas. Muitos funcionários usarão isso para ganhar respeito na organização.

Quadrante 4: Não urgente e não importante

Matriz de Eisenhower

Sabe aquelas atividades que sugam o seu tempo e não levam a nada? Pois, é aqui que elas devem entrar. Inclui tudo o que pode ser feito mais tarde, sem nenhum prejuízo para você ou para o seu negócio.

Essas atividades nos fazem desperdiçar o nosso precioso tempo, enquanto poderíamos estar focados no que é urgente e importante. Quer alguns exemplos: checar mensagens do Facebook ou passear pelo Instagram.

Todos concordam que, de vez em quando, precisamos de um “recreio”. Isso é saudável e produtivo. O quarto quadrante não trata disso, mas de coisas que realmente não têm nenhum benefício real.

Você não precisa cortar de vez as tarefas do quarto quadrante. Mas fique atento para que elas não ocupem tempo demais, prejudicando alcançar os seus objetivos. Selecione uma e reserve para ela poucos minutos por semana.

Crie a sua Matriz de Eisenhower

Matriz de Eisenhower

  • Anote todas as tarefas que tomam o seu tempo (o que você realmente faz, não aquilo que gostaria de fazer).
  • Com a sua lista em mãos, anote “Urgente” perto das tarefas que precisam ser executadas imediatamente e “Importante” para o que realmente importa. Alguns itens podem ter as duas marcações ou nenhuma delas.
  • Desenhe sua própria Matriz de Eisenhower, categorizando as suas tarefas, isso é, distribuindo-as nos quatro quadrantes.
  • Para o primeiro quadrante, avalie se uma organização do tempo eliminaria a urgência das tarefas.
  • Identifique todas as tarefas que você quer incluir no segundo quadrante e encontre uma maneira de trabalhar pelo menos três delas em sua rotina diária. Dê atenção a esse item.
  • Analise suas atividades do terceiro quadrante e seja firme para tirar da sua lista todas as tarefas que não somam benefício à sua vida.
  • Certamente você não quer excluir todas as atividades do quarto quadrante. Mas você pode, por exemplo, perceber que está gastando tempo demais checando o Facebook e outras mídias sociais e precisa investir em outras coisas importantes.
  • Depois de categorizar suas tarefas, é necessário priorizá-las dentro de cada quadrante. A dica é usar o calendário.
  • Certifique-se de que você esteja sendo realista ao construir a sua Matriz de Eisenhower. Conheça os seus limites
  • Reserve tempo para relaxar e recuperar as energias.

Continue aprendendo

Gerenciamento de tempo e produtividade são temas que interessam a todas as pessoas. Você pode aprender cada dias mais. Os livros são seus grandes aliados.

A equipe da 12 Min selecionou 2 dicas super legais pra você. Veja:

O Poder do Hábito: Porque Fazemos o Que Fazemos na Vida e Nos Negócios – Charles Duhhigg

Matriz de Eisenhower

Os hábitos fazem parte da fundação das nossas vidas, nossas empresas e são responsáveis por uma grande parte dos resultados que obtemos.

A Arte de Fazer Acontecer – Uma fórmula para estabelecer prioridades e entregar soluções no prazo – Davi Allen

Mesmo pessoas que não são estressadas conscientemente sempre estarão mais relaxadas e produtivas, se aprenderem a focar na sua tarefa atual, sem distrações. Para isso, o autor propõe um método que ele chamou de GTD – Getting Things Done (Deixando as coisas prontas).

Esperamos que você tenha curtido esse post. Deixe aqui o seu comentário. E boa leitura!

Como manter boas relações interpessoais no trabalho sem ser um puxa-saco

As regras de boas relações interpessoais no trabalho recomendam uma convivência saudável entre os funcionários. Isso significa ser legal com os colegas, preocupar-se com o outro, evitar fofocas, cumprir prazos etc.

Mas cuidado para não cruzar a linha do bom comportamento, passando para o lado do “puxa-saquismo”. Se isso acontecer, você pode colocar tudo a perder.

relações interpessoais no trabalho

A realidade é que as empresas contratam pessoas por suas competências técnicas. No entanto, o comportamento inadequado do funcionário é a segunda causa de demissão nas empresas brasileiras, de acordo com pesquisa da Catho.

Os exemplos estão por todos os lados e você, provavelmente, conhece algum caso assim. O puxa-saco, quando exagera nas suas atitudes, pode criar desconforto e até problemas maiores na equipe. E por causa disso, é candidato a engrossar essa lista dos demitidos.

Resumindo, uma inteligência emocional pode valer mais que um QI elevado, na hora de garantir o seu lugar na empresa.

Como construir relações interpessoais no trabalho saudáveis

Ser uma pessoa legal não significa bajular todo mundo. Pelo contrário, esse comportamento faz de você um verdadeiro chato. E, certamente, o levará a perder a confiança da equipe, com reflexos negativos para sua imagem profissional.

Assim, investir corretamente nas relações interpessoais no trabalho é extremamente necessário para você alavancar a sua carreira. Veja algumas dicas:

Aprenda a escutar

Um bom profissional é também um bom ouvinte. Ele realmente presta atenção no que está sendo dito pelo colega ou pelo chefe. Além de gerar confiança, isso facilita a aproximação entre as pessoas e permite atuar de forma mais autêntica.

Do lado oposto, o puxa-saco tende a falar o tempo todo. Afinal, ele precisa mostrar para todo mundo o quanto sabe e o quanto ele é “gente fina” – engano total.

Controle a vontade de conversar com o colega o tempo todo

relações interpessoais no trabalho

O dia a dia é corrido pra todo mundo em uma empresa. A maioria das pessoas tem metas a cumprir, com prazos definidos e resultados esperados.

Então, não fique interrompendo o seu colega com assuntos que não sejam relevantes. A pessoa pode estar fazendo algo que precisa de concentração ou até mesmo estar correndo contra o tempo.

O correto é verificar primeiro se o seu colega ou chefe pode realmente dar uma paradinha nas atividades para falar com você.

Dedurar um colega e fazer fofocas, nem pensar

relações interpessoais no trabalho

Entregar o colega é uma atitude que o puxa-saco adora fazer. Ele pensa que está ganhando pontos com o chefe, o que não é verdade.

Fofoca também é um veneno para as relações interpessoais no trabalho. Então, se você descobriu um segredinho da garota ao lado, do chefe ou do porteiro, fique calado. Afinal, “boca fechada não entra mosquito”.

Quando você denuncia alguém, você perde a confiança dos colegas. Quando você investe nas fofocas, contamina o ambiente. Ambas as atitudes são um péssimo investimento para a sua carreira e a sua imagem.

Otimismo na dose certa

É muito bom trabalhar ao lado de pessoas de alto astral. Mas, até mesmo na hora de ser positivo, você deve tomar cuidado para não ir além da conta.

Otimismo em excesso transmite uma imagem ruim. Você pode ser visto na equipe como alguém que vive no mundo da lua, um desinformado, interesseiro e, até mesmo, um falso. É o que acontece, frequentemente, com o puxa- saco.

Acerte a dose, também, ao usar os meios de comunicação eletrônica

relações interpessoais no trabalho

Estamos falando de dose correta, no que se refere à quantidade e conteúdo.

E-mails e mensagens do celular, muitas vezes, facilitam a nossa vida no trabalho. A gente ganha tempo. Melhor, ainda, quando você não se sente confortável para estar face a face com a outra pessoa.

Mas, no ambiente corporativo, é preciso cuidado com a quantidade e com a forma como se escreve. O fato do colega não estar na sua frente, não significa que você pode se empolgar e falar tudo que vem à sua cabeça.

E nada de sair disparando e-mails e mensagens o dia inteiro. A equipe tem mais o que fazer, além de ficar checando a caixa postal.

Críticas versus elogios

Boas relações interpessoais

Se você quer manter o alto nível das relações interpessoais no trabalho, seja cuidadoso ao criticar um colega. Criticar o chefe então, nem se fala. Nesse caso, é melhor contar até 100 antes de abrir a boca e se preparar para lidar com o assunto de forma altamente profissional.

As críticas nunca devem ser feitas perto de outra pessoa. Trate o problema com privacidade e respeite o colega.

Por outro lado, você não precisa privacidade, quando o assunto é elogio. Mas, tenha cautela com os exageros, porque abusar demais das palavras pode parecer falsidade.

Cuidado para não confundir elogios com bajulações.

Construa base sólida para uma amizade

relações interpessoais no trabalho

Você não deve aproximar-se das pessoas com elogios vazios e nem deve aceitar que as pessoas usem esse artifício superficial para chegar até você.

Isso não significa que não se pode elogiar alguém ou aceitar com bons olhos um elogio vindo do colega. O problema está no excesso e no superficialismo.

Ao invés disso, os especialistas em relações interpessoais no trabalho recomendam que as pessoas busquem interesses em comum entre elas. Isso abrirá caminho para um relacionamento sincero, e em bases sólidas.

Encare os problemas com profissionalismo

relações interpessoais no trabalho

Surgiu um obstáculo? Enfrente-o e busque soluções de maneira profissional. Isso reforça a credibilidade da equipe em relação a você. E, com certeza, vai refletir no “andar de cima” também.

O puxa-saco, segundo os especialistas, age diferente. Ele foge do trabalho de buscar soluções e sempre apela para o artifício do elogio. Isso é um jogo perdido.

Compartilhe os méritos das conquistas

Se o trabalho foi feito em equipe, os méritos também devem ser de todos. Não importa se você liderou o grupo. Se o resultado foi positivo, é porque cada um fez o seu dever de casa direitinho.

Atenção com a linguagem corporal

relações interpessoais no trabalho

O nosso corpo fala e entrega os nossos sentimentos e intenções. Assim, quando se trata de relações interpessoais no trabalho, você não pode negligenciar a comunicação não verbal.

Essa comunicação não verbal emite mensagens tão claras quanto as palavras e, muitas vezes, é algo que você não deve manifestar.

Não fuja das suas responsabilidades

relações interpessoais no trabalho

Alguma coisa saiu dos trilhos? Tentar justificar-se, alegando que a culpa não é sua e apontar o dedo para o colega não vai ajudá-lo. Pelo contrário, você ganhará inimigos.

Ninguém quer inimigos. No trabalho, eles ajudam você a caminhar para o fracasso e a última coisa que você precisa é alguém (ou um grupo de pessoas) puxando-o para baixo.

 Invista na confiança da equipe em você

Confiança não se impõe. Confiança não nasce da noite para o dia. Tudo é resultado do seu comportamento, da maneira como você se relaciona com os colegas, como você lida com o trabalho e os obstáculos.

Todos os itens citados vão ajudar você a construir confiança e existem muitos outros comportamentos positivos. Por exemplo, trabalhar com integridade, cumprir compromissos, atuar na solução – ao invés de focar nos problemas, ser amigável e prestativo, ser verdadeiro, agir com respeito – sempre… A lista é enorme.

Porém, tudo deve ser feito com sinceridade. Se você for falso, as pessoas saberão e aí nunca mais confiarão em você.

Salve a sua carreira

relações interpessoais no trabalho

Como você pode observar, o seu conhecimento técnico e a sua experiência não garantem uma carreira promissora. A falta de habilidade em se relacionar com as pessoas pode afundar os seus sonhos.

Por outro lado, relações interpessoais no trabalho saudáveis são decisivas para o seu sucesso. Inclusive, elas abrem oportunidades de promoção e de aumento salarial.

Você pode aprender muito com os livros, sobre como construir relações interpessoais no trabalho. A 12 Min tem opções de resumo de obras interessantes. Veja as nossas dicas:

Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, de Dale Carnegie

relações interpessoais no trabalho

Nesta obra, o autor fornece técnicas e métodos simples para que qualquer pessoa alcance seus objetivos pessoais e profissionais. Imperdível!

Nunca Almoce Sozinho – Keith Ferrazzi

O que distingue as pessoas bem-sucedidas é a maneira como elas usam o poder dos relacionamentos.

relações interpessoais no trabalho

Como Ter um Dia Ideal – Caroline Webb

Entender o funcionamento do cérebro e o nosso processo de tomada de decisão nos ajudam a lidar com situações desafiadoras no dia a dia.

relações interpessoais no trabalho

O Cérebro e a Inteligência Emocional – Daniel Goleman

Talvez o QI por si só não explique todo o sucesso em uma carreira. Faltam algumas capacidades cruciais de inteligência emocional, particularmente autodomínio.

relações interpessoais no trabalho

Você curtiu esse post? Compartilhe com a gente a sua opinião.

Descubra os melhores TED talks sobre produtividade

Está difícil manter o foco no trabalho nos dias de hoje. O que não falta é coisa pra tirar nossa atenção. Por isso, as dicas de como driblar essas inúmeras distrações têm conduzido os melhores TED Talks sobre produtividade.

Quem nunca se perdeu com a enxurrada de e-mails que desaba nas caixas postais? E têm aquelas reuniões longas e cansativas, o colega ao lado que não para de fazer piadas, o celular apitando mensagem a todo instante, a irresistível mídia social nos tirando a concentração…

melhores TED Talks

Tem ainda dificuldades de relacionamento, falta de confiança e de motivação, insatisfação com o salário ou com o chefe… ufa!

Todas essas situações afetam, e muito, a nossa produtividade e empurram pra baixo os resultados das empresas. Por isso é tão importante prestar atenção no assunto e buscar formas de nos mantermos focados nos objetivos a serem alcançados.

melhores TED Talks

É aqui que entram os melhores TED Talks sobre produtividade. Eles realmente podem nos ajudar.

O que é um um TED Talk

melhores TED talks

TED é a sigla para Tecnologia, Entretenimento, Design (Technology, Entertainment, Design) e TED Talk é uma série de palestras, promovidas pela Fundação Sapling, com sede nos EUA. Trata-se de uma entidade sem fins lucrativos, criada com o objetivo de disseminar ideias inspiradoras pelo mundo afora.

As palestras TED são produzidas no formato de vídeo e disponibilizadas pela internet. A primeira TED Talk ocorreu em 1984 e a iniciativa caiu nas graças dos internautas. Existe, por exemplo, uma única palestra com mais de 50 milhões de acessos. Muitas outras seguem esse caminho de sucesso.

O acesso aos TED Talks é gratuito para qualquer pessoa. Basta clicar em www.ted.com para escolher o tema e o idioma da transcrição.

13 melhores TED Talks sobre produtividade

Hoje, você encontra TED Talks sobre os mais diferentes temas: negócio, ciência, pesquisa, liderança, criatividade, educação, meio ambiente, felicidade, empreendedorismo etc.

É claro que entre os melhores TED Talks existe muita coisa boa, também, sobre produtividade, que é o foco desse post. Nós selecionamos algumas palestras top para você. Veja:

Amy Cuddy – Sua linguagem corporal pode moldar quem você é

+ 47 milhões de visualizações – 51 idiomas

Entre os melhores TED Talks sobre produtividade está o da psicóloga social Amy Cuddy. Ela argumenta que “poder posando” – mantendo uma postura de confiança, mesmo quando não nos sentimos confiantes – pode aumentar os sentimentos de confiança e ter um impacto sobre nossas chances de sucesso.

Dan Pink: O enigma da motivação

+ 20 milhões de visualizações – 44 idiomas

O enigma da motivação começa com um fato que os cientistas sociais sabem, mas a maioria dos gerentes não: as recompensas tradicionais nem sempre são tão eficazes quanto pensamos.

Shawn Achor: O ingrediente secreto para trabalhar melhor

+ 17,5 milhões de visualizações – 48 idiomas

Acreditamos que devemos trabalhar para sermos felizes, mas será que não é ao contrário? O divertido psicólogo Shawn Achor argumenta que, na verdade, a felicidade inspira a produtividade. O palestrante de um melhores TED Talks é também autor do livro “O jeito Harvard de ser feliz”.

Andy Puddicombe: Tudo de que você precisa são 10 minutos conscientes

+ 9 milhões de visualizações – 40 idiomas

Quando foi a última vez em que você não fez absolutamente nada durante 10 minutos? Sem mensagens, sem falar ou até sem pensar? Andy Puddicombe descreve o poder transformador de limpar a mente durante 10 minutos por dia, simplesmente, estando consciente e vivendo o momento presente.

Carol Dweck: O poder de acreditar que se pode melhorar

+ 7,7 milhões de visualizações – 41 idiomas

Nesta palestra, Dweck descreve duas maneiras de pensar sobre um problema que é um pouco difícil de resolver. Você não é inteligente o suficiente para resolvê-lo … ou você ainda não o resolveu? Não é por acaso que essa palestra destaca-se entre os melhores TED Talks sobre produtividade.

Jason Fried: Por que não se trabalha no trabalho?

+ 5 milhões de visualizações – 37 idiomas

Essa é realmente uma boa pergunta. Segundo o autor, o escritório não é um bom lugar para impulsionar a produtividade e ele oferece três sugestões para transformá-lo em algo que realmente funciona.

David Pogue – 10 dicas tecnológicas que economizam tempo

+ 4,9 milhões de visualizações – 44 idiomas

O colunista de tecnologia compartilha 10 dicas simples e inteligentes para usuários de computadores, web, smartphones e câmeras. Pode acreditar, existe pelo menos uma que você não conhece.

Arianna Huffington: Como ter sucesso? Durma mais.

+ 4,5 milhões de visualizações – 57 idiomas

A orientação aqui é: feche os olhos e enxergue o quadro geral. Podemos dormir em busca de maior produtividade e felicidade – e tomada de decisão mais inteligente. É o que garante a palestrante de um dos melhores TED Talks sobre produtividade.

Richard St. John: Sucesso é uma jornada contínua

+ 3,9 milhões de visualizações – 55 idiomas

Richard St. John nos lembra que o sucesso não é uma rua de mão única, mas uma jornada constante. Ele usa a história da ascensão e queda de sua empresa para ilustrar uma lição valiosa – quando paramos de tentar, falhamos.

Yves Morieux: 6 regras para simplificar a complexidade no trabalho

+ 3,3 milhões de visualizações – 27 idiomas

Por que as pessoas se sentem tão miseráveis ​​e desenganadas no trabalho? Porque as empresas de hoje são cada vez mais complexas – e os pilares tradicionais de gerenciamento são obsoletos.

Tim Ferris: Esmague o medo e aprenda o que quiser

+ 3 milhões de visualizações – 27 idiomas

Tim Ferriss mostra como uma pergunta simples – “Qual é o pior que poderia acontecer?” –  é tudo que você precisa para aprender a fazer qualquer coisa. Ferris é autor do livro “Trabalhe 4 Horas por Semana”.

Nilofer Merchant: Tem uma reunião? Dê um passeio.

+ 2,9 milhões de visualizações – 49 idiomas

Na próxima vez que você tiver uma reunião individual, faça uma “reunião ambulante” – e deixe as ideias fluírem, enquanto você caminha e fala.

David Grady: Como salvar o mundo (ou ao menos você) de reuniões ruins

+ 2,2 milhões de visualizações – 37 idiomas

Uma epidemia de reuniões ruins, ineficientes e abarrotadas de gente está afetando as empresas do mundo – e tornando os trabalhadores infelizes. David Grady tem algumas idéias sobre como pará-la.

Palestras + Livros: uma combinação perfeita

Você realmente vai aprender muito com os palestrantes do TED. Ao mesmo tempo, pode aprofundar ainda mais seus conhecimentos sobre produtividade com os livros.

Existem muitos títulos bem interessantes sobre o assunto. A plataforma 12 Min disponibiliza uma categoria específica sobre Produtividade, com o resumo das obras mais valiosas.

Veja algumas sugestões de livros que selecionamos para você:

FocoA Atenção e Seu Papel Fundamental no Sucesso: Daniel Goleman

À medida que o mundo evolui aceleradamente, torna-se mais fácil distrair-se, isolar-se e sentir-se perdido com tanta informação e tantas coisas acontecendo. No entanto, se você quer ser bem sucedido, produtivo e ter relacionamentos pessoais e profissionais melhores, precisa desenvolver seu foco.

melhores TED Talks

O Poder do HábitoPor Que Fazemos o Que Fazemos na Vida e Nos Negócios: Charles Duhhigg

Os dias se repetem e apesar de você achar que está no controle, tomando decisões o tempo todo, a verdade é que na maior parte do tempo você só está repetindo hábitos predeterminados. Os hábitos fazem parte da fundação das nossas vidas, nossas empresas e são responsáveis por uma grande parte dos resultados que obtemos.

melhores TED Talks

A Arte de Fazer AcontecerUma fórmula para Estabelecer Prioridades e Entregar Soluções no Prazo: David Allen

Mesmo pessoas que não são estressadas conscientemente sempre estarão mais relaxadas e produtivas, se aprenderem a focar na sua tarefa atual, sem distrações. Para isso, o autor propõe um método que ele chamou de GTD – Getting Things Done (“Deixando as coisas prontas” ou “Concluindo Tarefas”).

melhores TED Talks

Esperamos que você realmente tenha curtido esse post e que as informações sejam valiosas para o seu crescimento. Se você tiver alguma sugestão para enriquecer essa lista, compartilhe com a gente. 

Então, aproveite os melhores TED talks sobre produtividade que selecionamos para você. E boa leitura também!

 

Qual a diferença entre chefe e líder? Qual deles você é?

Com atribuições semelhantes dentro de uma organização, a principal diferença entre chefe e líder está na forma de trabalhar. Em especial, na maneira de se relacionar com as suas equipes.

Nos dias atuais, as empresas não querem chefes. Aquela figura do todo poderoso mandando e os demais executando, falando alto, intimidando, fazendo ameaças o tempo todo é coisa do passado.

As empresas hoje apostam em um clima organizacional saudável. Afinal, várias pesquisas realizadas pelo mundo afora comprovam: empregados felizes produzem mais.

E empregado algum é feliz em um ambiente hostil, com um chefe que causa medo, desconforto, desconfiança, desmotivação, insegurança, desunião…

Assim, a figura do chefe está ultrapassada, fora de moda… Quem continua insistindo nesse perfil, certamente assiste a carreira despencar ladeira abaixo.

Uma aula de liderança

Diferença entre chefe e líder

A diferença entre chefe e líder é significativa. Então, se você busca deslanchar na carreira, impulsionar a produtividade e manter uma equipe unida e trabalhando em torno de um objetivo comum, o melhor caminho é investir numa liderança marcante.

Se você não sabe como fazer isso, corra atrás de informações. Busque treinamentos. Existem também muitos livros, vídeos e artigos que podem ajudá-lo.

Por exemplo, o best-seller “O Monge e o Executivo”, de James Hunter, é uma aula sobre a essência da liderança. E logo no início da obra, o autor deixa claro que liderar não é gerenciar. Podemos gerenciar inventário, recursos, mas não pessoas. Pessoas são lideradas, disse.

A primeira lição de Hunter é: um bom líder precisa saber escutar. Escutar significa ouvir com atenção, interessar-se pelo que está sendo dito.

Segundo Hunter, escutar exige esforço e disciplina para tentar enxergar pelos olhos de quem fala e, assim, entender a essência das palavras. Quando você ouve, passa a mensagem positiva de que valoriza a outra pessoa e o que está sendo dito.

O grande líder

Jesus foi o maior líder de toda a humanidade. E isso não tem nada a ver com religião. Para influenciar e atrair multidões de seguidores, Jesus não usou o poder, mas a autoridade, construída ao longo da sua vida com esforço, entendendo e atendendo as necessidades dos liderados.

Muitas pessoas ainda confundem poder com autoridade. Isso é um grande erro. Hunter lembra que poder é uma faculdade, enquanto autoridade é uma habilidade.

Quando é usado o poder, as pessoas obedecem porque foram mandadas. Elas são forçadas, algumas vezes se sentem coagidas e temem punição. No caso da autoridade, as pessoas agem porque elas querem fazê-lo.

Enfim, o poder contamina o ambiente e destrói relacionamentos. A autoridade atua no caminho oposto. Essa é mais uma diferença entre chefe e líder.

Relacionamentos saudáveis

Diferença entre chefe e líder

Quando se fala da diferença entre chefe e líder, não se pode deixar de fora o item relacionamento. A base de uma relação saudável e produtiva é a confiança, e a sua construção exige tempo e paciência.

Confiança é base, também, para se desenvolver a autoridade.

Diferença entre chefe e líder: as características de cada um

Veja a seguir o resumo das principais características do chefe e do líder, que ajudarão você a entender melhor a diferença entre eles.

Chefe

Diferença entre chefe e líder

  • Atua no comando das equipes, cujos integrantes são vistos como subordinados.
  • Geralmente centraliza o poder e foca nos resultados, sem se preocupar com o bem-estar do grupo.
  • Emite ordens, de forma autoritária, e exige obediência. Por isso, é normal que as pessoas tenham medo dele. Muitas vezes, os funcionários se sentem pressionados, constrangidos e, até mesmo ameaçados.
  • Tem pouca abertura para o diálogo, dificultando a aproximação da equipe para discutir um assunto de trabalho, buscar conselhos e orientações, esclarecer dúvidas.
  • Fiscaliza o trabalho da equipe o tempo todo.
  • Não incentiva e nem elogia o funcionário ou o desempenho da equipe. Tudo o que é feito é entendido como obrigação.
  • Se alguma coisa sai errado, a culpa é da equipe. Mas assume as conquistas como mérito pessoal e não compartilha a alegria desses momentos com as demais pessoas – ele diz “eu fiz”, “eu consegui”…
  • Desmotiva a equipe, gera insegurança e não consegue criar um clima organizacional saudável.

Líder

Diferença entre chefe e líder

  • Inspira, orienta e motiva os funcionários. Estes não são seus subordinados, mas um time que joga na mesma direção, em busca de um objetivo único, independentemente de diferenças pessoais.
  • O resultado é importante, mas o líder preocupa-se com o bem-estar das pessoas e com o coletivo. Busca a performance junto com a equipe e não usando-a.
  • Ele pede, não manda. E as pessoas o seguem por respeito e confiança e não por medo e obediência.
  • Não usa o poder, mas divide responsabilidades.
  • Valoriza as habilidades individuais, respeita as limitações de cada um e ajuda no desenvolvimento e crescimento do time.
  • Está aberto para o diálogo e ouve com atenção.
  • Apresenta coerência entre o discurso e a prática, liderando pelo exemplo.
  • Assume responsabilidades pelas falhas junto com a equipe (não existem culpados) e comemora com ela as conquistas alcançadas. Ele diz “nós fizemos”, “nós conseguimos”…

Como você pode observar, a diferença entre chefe e líder é gritante. Nem dá para imaginar que ainda existam chefes por aí, mas acredite, alguns sobrevivem. No entanto, uma coisa é certa: um chefe jamais será um líder.

Seguindo em frente

Agora que você já sabe a diferença entre chefe e líder, uma boa dica é procurar aprender cada vez mais. Aliás, manter-se atualizado é outra característica de um bom líder.

Você pode dar o primeiro passo conhecendo os 12 livros que moldaram o estilo de liderança do Jeff Bezos, criador e CEO da poderosa Amazon.com.

Na plataforma 12 Min, você encontra uma categoria específica sobre liderança, com os microbooks das mais consagradas obras sobre o assunto.

Veja as sugestões que selecionamos hoje para você.

Líderes se Servem por Último – de Simon Sinek

Diferença entre chefe e líder

Para muitas pessoas, gostar do que faz é quase como ganhar na loteria. Poucos têm a chance de serem realmente valorizados em seu trabalho e se sentirem parte de algo maior. Isso ocorre porque os líderes atuais não entendem como as pessoas buscam por propósito em seus trabalhos.

Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas – Dale Carnegie

Diferença entre chefe e líder

Esse é um guia clássico e definitivo para relacionar-se com as pessoas. Imperdível. Os conselhos, métodos e as ideias de Dale Carnegie já beneficiaram milhões de pessoas e permanecem completamente atuais. Para muitos empreendedores pelo mundo afora, esse livro vale mais que um curso de MBA.

Existem muitas outras obras fantásticas esperando por você. Boa leitura!

O princípio de Pareto vai mudar a sua vida

Você às vezes sente que faz esforço para realizar algumas coisas mas não consegue resultados esperados? Provavelmente. Nós não fomos feitos para produzir o tempo inteiro e em a nossa capacidade de completar tarefas pode variar muito. O princípio de Pareto nos ajuda a entender esse fenômeno e utilizá-lo a nosso favor.

Pareto era um economista italiano no século XIX que, depois de estudar a distribuição da riqueza na Itália, percebeu que 20% das pessoas detinham 80% das terras. Daí surgiu a proporção 80/20, que foi apropriada para várias outras áreas do conhecimento. O mundo corporativo, aplicou o conceito para criar um método de priorização.

A seguir, vamos explorar um pouco mais do princípio de Pareto e saber como utilizá-lo para priorizar as coisas certas e conseguir mais sucesso no dia a dia.

O que é o princípio de Pareto

Por mais que a regra tenha a alcunha de 80/20, é importante saber que esses números não precisam ser rigorosos para se tratar de uma situação em que o princípio de Pareto acontece.

Ou seja: uma organização pode ter 40% dos funcionários realizando 60% do trabalho. Não é necessário nem mesmo que os dois numerais somem 100. Você pode levar 40% do tempo para realizar 80% do trabalho, 50% em 90%, 1% em 90% – ainda consideramos que aqui ocorre a regra.

Podemos ainda aplicar à vida pessoal. Se você reparar bem, utiliza apenas 20% dos seus pares de sapato na maior parte do tempo. Ou escuta a mesma proporção de músicas salvas no seu Spotify.

Se você pensar, seria incrível se todos os funcionários de uma empresa produzissem a mesma quantidade de trabalho no mesmo tempo. A gestão de projetos seria feita em um estalar de dedos. Mas sabemos que a vida não é assim, as coisas são mais complexas do que isso.

Portanto, o princípio de Pareto pode ser considerado como uma observação sobre a vida e suas típicas divisões. Basicamente, explica como nem tudo é justo e distribuído igualmente. Por si só, essa afirmação não é uma estratégia – mas pode resultar em uma.

Porque o princípio de Pareto é importante

Para aplicar a regra 80/20 de forma prática, podemos dizer que ela é uma forma de entender o que precisa de atenção, o que deve ser recompensado e o que deve ser corrigido.

Portanto, se 80% dos bugs do seu app estão em 20% das funcionalidades, é nelas que você deve focar. Se 20% dos seus clientes representam 80% do seu faturamento, você precisa encontrar formas de recompensá-los.

Para melhorar sua produtividade, veja estas sugestões:

  • Ao invés de passar 2 horas rascunhando o blog post perfeito que você não tem certeza se precisa, gaste 20 minutos pensando novas ideias e escolhendo a melhor. Daí gaste 1 hora escrevendo o melhor que pode.
  • Em vez de passar 3 horas dilapidando o design perfeito, faça 6 layouts de 30 minutos cada e escolha o melhor. Assim, você gasta tempo naquele que realmente é o melhor que você pode fazer.
  • Se você tem uma lista de tarefas com dez itens, escolha os dois mais complexos (20%) e foque neles primeiro.

Essas técnicas podem ou não fazer sentido. A intenção é perceber que existe a opção de focar nos 20% e otimizá-los. Ainda assim, não entenda isso como uma lei da natureza. Uma ponte pode ter sua maior parte construída em 20% do tempo, mas ela precisa do restante para funcionar.

Tudo depende do que você está buscando. Se é qualidade 100%, pode ser necessário apenas aceitar como o tempo será distribuído. Se você quer ser mais ágil, focar nos 20 vai economizar tempo e oferecer mais resultados.

princípio de pareto

Leia “O Princípio 80/20”, de Richard Koch

Richard Koch apresenta em seu livro uma noção bem ampla do princípio de Pareto e oferece exemplos de situações onde pode ser utilizado. Ele ainda complementa com outras teorias, afinal, o mundo não pode ser explicado apenas por essa regra.

Aprenda como utilizar o conceito para tudo: organizar sua empresa, seu dia a dia, seu guarda roupa, seus contatos, seu tempo livre, grandes decisões. Use e expanda o princípio a seu favor.

O livro fala de cada um desses itens, a fim de auxiliar você a entender a praticidade do 80/20 para qualquer área da vida, além da forma como ele se relaciona com outros conceitos conhecidos do público.

Se você ficou curioso para ler essa obra, sugerimos que acesse o microbook, na plataforma do 12Min. Microbooks são resenhas críticas que unem todos os ensinamentos importantes das maiores obras de não ficção do mundo e compactam para que você possa ler em poucos minutos.

Quer ter um gostinho? Acesse aqui!

Você que leu até aqui, acredita que o princípio de Pareto tem capacidade de mudar vidas? Deixe sua opinião nos comentários!