12min
logo 12min

Acelere sua evolução!

Obtenha os melhores resumos para impulsionar sua carreira e sua vida.

Acelere sua evolução!

Obtenha os melhores resumos para impulsionar
sua carreira e sua vida.

[contact-form-7 id="10745" title="newsletter-header"]
logo 12min

Como alcançar seu potencial máximo com Malcolm Gladwell

Malcolm Gladwell 12 minutos

4 min de leitura ⌚ 

Todos nós temos um grande potencial, mas que muitas vezes está oculto. Então, como alcançar seu potencial máximo? Como utilizar suas fraquezas para aumentar a produtividade? Como disseminar suas ideias? Como utilizar o inconsciente a seu favor? Malcolm Gladwell é um jornalista britânico, crescido no Canadá, colunista no The New Yorker desde 1996 e responde a todas essas perguntas em seus 5 livros best-sellers.
Neste post, vamos te contar lições que podem ser aprendidas em algumas das obras de Gladwell e que farão você alcançar o seu máximo e verdadeiro potencial. Vamos nessa?

“Quem nós somos não pode se separar de onde nós viemos.”

Do livro: Fora de Série
Malcolm Gladwell pesquisou a história de grandes personalidades bem sucedidas como Bill Gates, os Beatles e Mozart, para provar que ninguém ‘se faz sozinho’. Para ele, o lugar onde você nasceu, seu grau de instrução e a maneira como seus pais te educam influencia muito em quem você é. Isso pode, por exemplo, gerar mais ou menos oportunidades para você. Por isso, nunca separe quem você é de onde você veio! Até mesmo a sua atitude é influenciada pela sua cultura, já pensou nisso?
Ainda nessa obra, o autor sugere que você deve investir ao menos 10 mil horas da sua vida praticando, desconstruindo a ideia de que algumas pessoas nascem gênios. Apesar da genética influenciar, de fato, a sua inteligência, a genialidade é resultado de dedicação extrema à prática.
Sendo assim, somente porque você não nasceu de um berço de ouro, não significa que seu destino não é o sucesso. Continue praticando e você poderá se desenvolver em qualquer atividade.

“Pode haver tanto valor na piscada de um olho quanto em meses de análise racional.”

Fora de Série – Outliers

Do livro: Blink

Nosso cérebro se baseia em duas estratégias para tomar decisões: a análise consciente de informações (processamento racional e lento) e a análise inconsciente (que consome pouca energia e que dura um piscar de olhos).
Através de uma série de análises, Malcolm Gladwell nos prova em seu livro Blink que nosso inconsciente é mais poderoso do que imaginamos. Muitas vezes, ele percebe algo no ambiente antes mesmo do nosso consciente. Por isso, devemos dar valor a nossa intuição também.
Não que devamos nos atentar sempre à intuição. Cuidado! Afinal, pode acontecer, por exemplo, de fazermos julgamentos errados das pessoas. Isso nos traria resultados desastrosos também. Um exemplo de uso ruim da intuição é quando nos deixamos levar por preconceitos. No programa de televisão The Voice, os jurados ficam de costas para o candidato justamente para não se deixarem levar pela intuição.
Por esse motivo, Malcolm Gladwell tenta nos ensinar a utilizar a intuição quando ela deve realmente ser utilizada.

Blink: A Decisão Num Piscar de Olhos

Use o poder dos conectores para fazer com que sua grande ideia cresça.

Do livro: O Ponto da Virada

Nesse livro, Malcolm Gladwell compara os fenômenos sociais a infecções virais (como a própria gripe). Para ele, há o chamado ponto da virada, aquele momento único no tempo, em que uma ideia já disseminou tanto, que nada mais pode pará-la. Mas como fazer com que sua grande ideia chegue lá?
Para o autor, o crescimento de sua ideia parece depender de atingir o tal ponto da virada. Dentre diversos fatores que podem contribuir para um crescimento desenfreado, estão os conectores – pessoas chave. Na maioria das vezes, basta atingir essas pessoas, as quais têm alto poder de persuasão e uma ampla rede de contatos, que sua ideia irá bombar!

“Coragem não é algo que você já tem que faz você bravo quando chegam tempos difíceis. Coragem é o que você conquista quando você enfrentou tempos difíceis e descobre depois de tudo que eles nem eram tão difíceis.”

O Ponto da Virada

Do livro: Davi e Golias

A história bíblica de Davi e Golias simboliza a batalha entre os mais fracos e os gigantes. O que parecia impossível acontece com mais frequência do que você imagina.
Nessa obra, Malcolm Gladwell fala muito sobre aceitar as nossas fraquezas e até mesmo saber trabalhar com elas. Elas podem ser um diferencial! Por isso é muito importante se conhecer bem, não se comparar com os padrões aceitos e ter cuidado com aquilo em que você é bom em demasia. Inclusive, muitas vezes, as coisas boas nascem de coisas ruins, porque as pessoas perseveram.
Dentre os vários exemplos citados no livro, está a história de um imigrante que recebeu o desafio de treinar uma equipe de basquete, sendo que pouco conhecia sobre o esporte. Algo especial aconteceu. A falta de conhecimento dele deu ao time uma vantagem estratégica e permitiu que ganhasse o título de basquete colegial nacional naquele ano. Ele sabia que seu time não era tão talentoso quanto os demais e por isso não podia competir usando o jeito tradicional de jogar. Por isso, seu time marcava os oponentes de forma fechada, botando pressão sempre, tentando evitar que a bola voltasse para o campo de defesa. Essa é a mesma estratégia que Davi usou para vencer o gigante e ela funciona. Isso deixa claro que é necessário conhecer nossas fraquezas e pensar fora da caixa para poder criar vantagem nos nossos conflitos improváveis.
Esses caras conquistaram coragem, pois conseguiram enfrentar tempos difíceis.

Davi e Golias

Gostou do post?

Outra maneira de alcançar seu potencial máximo é com exercícios de autoconhecimento.
Lições aprendidas? Essas são apenas algumas das brilhantes ideias de Gladwell. Lendo os nossos microbooks, você poderá aprender muito mais!
Ainda não conhece o 12’? Baixe o app na Play Store ou na App Store e bons aprendizados!

Agora eu agradeceria MUITO se você pudesse deixar um comentário, marcar aquele seu amigo que pode se interessar ou mesmo compartilhar esse post!

1 Comentário

Comentários estão fechados.